CABRAS – CABEÇAS QUE VOAM, CABEÇAS QUE ROLAM

Tendo como porta de entrada o universo do cangaço e dos movimentos de resistência surgidos principalmente no nordeste do país, Cabras – cabeças que voam, cabeças que rolam tem como tema central a Guerra, abordada sob diversas perspectivas culturais, como ato de relação e princípio civilizatório, não enquanto ato de dizimação.
Nas vinte crônicas independentes que compõe Cabras – cabeças que voam, cabeças que rolam, a Guerra é o tema central. A vingança, o ethos guerreiro, o inimigo, os conflitos parentais, o nomadismo são narrados ou cantados por vozes humanas, de animais e, ainda, vozes de seres (a natureza, objetos), que revelam suas perspectivas, delimitam o território e a aventura de estar fora dele.
Cabras_-_Cabecas_que_voam_cabecas_que_rolam_4
 
Cabras – Cabeças que Voam, Cabeças que Rolam
Com Cia Balagan
Centro Cultural São Paulo (Rua Vergueiro, 1000 – Liberdade, São Paulo)
Duração 120 minutos
22/01 até 13/03
Sexta e Sábado – 21h; Domingo – 20h
$20

AS BENEVOLENTES – UMA ANATOMIA DO MAL

O ator Thiago Fragoso estreia o monólogo “As Benevolentes – Uma Anatomia do Mal“, com direção de Ulysses Cruz, a partir de 22 de janeiro no Teatro Arthur Rubinstein.
Baseada no romance As Benevolentes, de Jonathan Littell, a peça narra a trajetória de Maximillian Aue, um burocrata que se torna oficial da SS nazista e participa dos principais eventos que marcaram a ascensão e queda do Terceiro Reich, incluindo a derrota final do exército alemão com a tomada de Berlim pelos aliados, passando pela implantação dos campos de concentração de Auschwitz e Birkenau.
Aue é um intelectual, que aceita o papel de carrasco com frieza e distanciamento. Consegue escapar e viver com outra identidade, até que, em velhice avançada, resolve contar sua história, sem se vangloriar, mas também sem nenhum sinal de arrependimento.
Considerado um tratado sobre a maldade humana, As Benevolentes, publicado em 2006, recebeu diversos prêmios, inclusive o prestigiado Goncourt, além do Grande Prêmio da Academia Francesa. Best seller na Europa (só na França vendeu mais de 700 mil exemplares), chegou a ser comparado pela crítica especializada como um romance à altura de Guerra e Paz, de Tolstoi, por seu portentoso mergulho histórico, fruto de uma pesquisa obsessiva à qual o autor se entregou por mais de dois anos.
 
As Benevolentes – Uma Anatomia do Mal
Com Thiago Fragoso
Teatro Arthur Rubinstein (Clube Hebraica – Rua Hungria, 1000 –
Duração: não informada
22/01 até 13/03
Sexta – 21h30; Sábado – 21h; Domingo – 18h
$60 / $80

FIM DE JOGO

Renato Borghi e Elcio Nogueira Seixas estreiam “Fim de Jogo” de Samuel Beckett, com direção de Isabel Teixeira, a partir de 14 de janeiro de 2016.
A peça será encenada no apartamento de Renato Borghi, onde o ator reside desde 1957, localizado no coração da Avenida Paulista
A montagem celebra também os mais de 20 anos de atividades ininterruptas do Teatro Promíscuo; companhia nascida da parceria entre os atores Renato Borghi e Elcio Nogueira Seixas
“Fim de Jogo” conta a historia do velho Hamm, que está cego e paralítico. Seu parceiro Clov tem uma estranha enfermidade que o impede de sentar-se. Junto deles, habitam outros dois mutilados, Nagg e Nell, pais de Hamm.
Os quatro personagens dividem um abrigo, refugiados de uma terra devastada que Clov espia com uma luneta através de pequenas janelas. Não há pistas sobre que espécie de apocalipse criou tamanha desolação. No jogo da sobrevivência, Hamm dá as ordens, enquanto Clov cuida da cozinha e outras questões de ordem prática. A peça começa quando o jogo se aproxima do fim.
1186938_1014081928655539_5876934816223122491_n
Fim de Jogo
Com Renato Borghi, Elcio Nogueira Seixas, Adriano Borghi e Maria de Castro Borghi
Endereço de saída e retirada de ingressos – Itaú Cultural (Av. Paulista, 149 – Bela Vista, São Paulo)
Duração 105 minutos
14/01 até 28/02
Quinta a Domingo – 20h
Os ingressos gratuitos devem ser retirados com uma hora de antecedência no Itaú Cultural.
Capacidade 30 lugares

O TESTAMENTO DE MARIA

Estreia em 07 de janeiro no Sesc Pinheiros, “O Testamento de Maria“, monólogo com a atriz Denise Weinberg e concepção e direção Ron Daniels
O grande escritor irlandês, Colm Tóibín, conta como Maria, no fim de sua vida, perseguida e no exílio, procura desvendar os mistérios que cercaram a crucificação de seu filho, Jesus.
Maria faz questão de falar somente a verdade. Ela encara não só a imensa crueldade dos romanos e dos anciãos judaicos, e a estranha e inexplicável exaltação dos discípulos do seu filho, como também as suas próprias angústias e hesitações.
Deste modo, além de mãe, de símbolo religioso e de figura histórica, Maria se revela uma figura de enorme estatura moral, uma verdadeira e inesquecível mulher.
A peça foi produzida originalmente na Broadway pela Scott Rudin Productions.
 
“O Testamento de Maria”
Com Denise Weinberg
SESC Pinheiros (Rua Paes Leme, 195 – Pinheiros, São Paulo)
Duração 80 minutos
07/01 até 14/02
Quinta a Sábado – 20h30
$25 ($7,50 – usuários do SESC)
 
Música originalmente composta e execução ao vivo Gregory Slivar
Concepção, Adaptação e Direção Ron Daniels
Tradução Marcos Daud e Ron Daniels
Curadoria artística Ruy Cortez
Direção de produção Érica Teodoro
Uma produção do CIT-Ecum e Pentâmetro