QUASE UMA ADAPTAÇÃO

Resultado de uma pesquisa iniciada em 2014, no centenário do autor argentino Julio Cortázar, pela Nossa Companhia, a peça Quase Uma Adaptação estreia no dia 12 de fevereiro, sexta-feira, às 20 horas, no Auditório da Biblioteca Mario de Andrade.
Primeira montagem profissional de um texto do dramaturgo Lucas Lassen, tem direção da atriz e produtora Tatiana Bueno, e elenco formado pelos atores Alexandra DaMattta, Bia Toledo e Everson Romito.
A certeza de que a montagem deveria acontecer veio depois que Tatiana e Lucas participaram do Ato Público de reconhecimento ao registro de 22 coletivos teatrais como Patrimônio Cultural Imaterial da Cidade de São Paulo. “Fizemos um paralelo do conto de Cortázar, por meio da alegoria de uma casa sendo tomada com o momento artístico do teatro paulista. O centro de São Paulo passa por um processo de gentrificação que afeta , companhias e grupos, que mesmo tombados não tem garantia da continuidade de seus espaços, e muitos estão perdendo suas sedes por conta da especulação imobiliária. Com isso, temos que pensar que cidade queremos. ”, explica Lucas.
Esse é o segundo trabalho da Nossa Companhia, que é um coletivo de arte aberta, sem nomes fixos e que pode ter novos integrantes a cada trabalho.
Quase Uma Adaptação mostra a história de um grupo de teatro, que tem a sua sede, e está montando uma peça baseada no conto Casa Tomada, de Júlio Cortázar, no qual a história é centrada em dois irmãos, mergulhados na mesma rotina que se resume a casa em que vivem. Subitamente ela é tomada por barulhos inusitados e desprovidos de razão, e sem questionar seus ocupantes não veem outra saída senão abandonar o casarão. Nesta adaptação, no decorrer dos ensaios acontecimentos fantásticos mudam o cotidiano do grupo e aos poucos as duas realidades, conto e vida, se fundem até o momento que o teatro é tomado.
O nome do espetáculo é um reflexo do que acontece com os personagens da peça, que não conseguem finalizar a adaptação por conta dos ruídos externos. Segundo o dramaturgo Lucas Lassen, apesar de não ser uma versão literal do texto de Cortázar, a peça segue a mesma estrutura do conto e em determinado momento os personagens passam a viver o que os personagens do conto vivem.
O conto de Cortázar é desconstruído , assim como tudo o que o público vê na primeira parte do espetáculo. Uma metáfora sutil disso são os dois cachecóis que uma das atrizes produz em cena usando a técnica de tricô de mãos. Ela tricota, desfaz e refaz todo o trabalho ao longo da peça.
Quase_uma_Adaptacao_-_Nossa_Companhia_-_Joao_Valerio__4
 
Quase Uma Adaptação
Com Alexandra DaMatta, Bia Toledo e Everson Romito
Auditório da Biblioteca Mario de Andrade (Rua da Consolação, 94 – Consolação, São Paulo)
Duração 60 minutos
12/02 até 20/03
Quinta, Sexta e Sábado – 20 horas; Domingo – 18 horas
Recomendação 12 anos
Entrada gratuita
 
Texto – Julio Cortázar.
Dramaturgia – Lucas Lassen.
Direção –Tatiana Bueno.
Consultoria Histórica – Ricardo Cardoso.
Preparação de Atores – Inês Aranha.
Iluminação – Lisa Medeiros.
Cenário e Figurino – Osvaldo Piva.
Trilha Original – Ivan Chiarelli.
Costureira – Therezinha Bueno.
Fotos – João Valério.
Video – FVFilmes.
Realização – Prêmio Zé Renato de Teatro.
Idealização – Nossa Companhia.
Produção – Clube do Mecenas.

THE HISTORY – A TRIBUTE SHOW TO ABBA

Para você que assistiu o musical “Mamma Mia” – e adora as músicas do grupo ABBA, esta é a oportunidade para reviver o grupo no palco, com o show “ABBA – The History“.
Venha celebrar os 40 anos do fenômeno pop, da década de 70. Falar de ABBA é falar de sucesso, hits que colaram nos ouvidos do planeta pop, trazendo à tona memórias e emoções das mais diversas gerações – de Madonna, que sampleou Gimme! Guimme! Guimme! (A Man After Midnight) em Hung Up (2005), fabricando outro megasucesso, a Gucci Mane,que tomou trechos da mesma canção emprestada em 2013, como pano de fundo do rap Bob Marley.
Este e outros clássicos do ABBA serviram de inspiração para o grupo de músicos paulistas para compor o espetáculo The History – A Tribute Show to ABBA. O espetáculo, que já rodou mais de 180 cidades no Brasil e América Latina, celebra as quatro décadas de carreira da banda, completados em abril de 2014.
Ovacionado por onde passa – longe de ser mais um projeto cover para inglês ver –, o show The History é uma homenagem dos cantores Mari Moraes, Patrícia Andrade, Diego Sena e Jheff Saints a Agnetha, Björn, Benny e Anni-Frid, cujas iniciais formam o nome ABBA, de quem são fãs de carteirinha.
Os brasileiros têm conquistado plateias pelo modo peculiar com que revivem sucessos do ABBA – aqueles que colocam pra fora a Dancing Queen que existe em todos nós aos feitos para dançar de olhos fechados, em bailinhos desavergonhadamente kitsch.
“Quebramos o gelo e o protocolo das frias terras suecas, incorporando um toque ‘caliente’ de brasilidade ao intepretar estes hinos do ABBA”, define Mari Moraes, cantora que interpreta Agnetha Fältskog, a loira do ABBA.”
Fizemos muitas pesquisas sobre o grupo e descobrimos que o comportamento dos integrantes nos vídeos, mais contidos, era bem diferente do que se via no palcos, onde enlouqueciam”, continua Mari, citando o documentário ABBA: The Movie, de 1977, que mostra a banda numa turnê australiana.
Em The History, o público também vai à loucura com a oportunidade de dançar e cantar clássicos como Chiquitita e Take a Chance on Me, ambas do filme Mama Mia, cuja história é amarrada e contada por canções do ABBA.
O repertório de The History é baseado na trilha sonora do musical britänico tornado longa-metragem, estrelando Meryl Streep.Outro filme que influenciou The History é Priscilla, A Rainha do Deserto, (1994).
Referência para artistas desde os anos 70, quando viveu seu auge, o quarteto está bem representado em sua versão nacional – brasileiros que arrancariam palmas e gritinhos de Bjorn e Anni-Frid, remanescentes da formação original do grupo presentes em carne e osso na festa do 40o. aniversário acompanhada de exposição na Tate Modern Gallery, em Londres, no início de abril. Para celebrar a data, o grupo sueco acaba de publicar um livro com fotografias antigas e inéditas e uma edição especial do álbum Waterloo (com o título da canção que lhes deu a vitória no tradicional festival Eurovision, em abril de 74). O disco chega às lojas da Inglaterra com extras em áudio e um DVD com atuações da época.

 

The History – A Tribute Show To Abba
Com Mari Moraes, Patrícia Andrade, Diego Sena e Jheff Saints e a banda formada por Davi Fernandes (direção musical e teclado), Glauco de Almeida (baixo), Rogério Dutra Jr. (bateria), Christian Coelho (guitarra) e Jéssica Nascimento (backing vocal).
Teatro Shopping Frei Caneca (Rua Frei Caneca, 569 – Consolação, São Paulo)
Duração: 90 minutos.
22/01 até 14/02
Sexta e Sábado – 21h; Domingo – 19h
Recomendação Livre
$80

TRAJETÓRIA(S) MARIANA MUNIZ

Para comemorar os seus 40 anos de carreira a atriz, bailarina e coreógrafa Mariana Muniz realizou em 2015 uma série de ações, dentre elas: Encontros Artísticos com convidados; apresentação dos espetáculos D’Existir e 2 Mundos; exposição fotográfica de sua trajetória e lançamento da exposição virtual e interativa que compartilha itens do seu acervo pessoal, que pode ser acessada em www.museudadanca.com.br/mariana-muniz
Para fechar esta série de ações do projeto TRAJETÓRIA(S), Mariana Muniz fará um bate papo no dia 11 de fevereiro, no Espaço Ghut, com a artista e educadora Angel Vianna, integrante de movimentos expoentes que influenciaram a maneira de pensar, compor e criar a dança e figura uma pessoa representativa no percurso artístico de Mariana.
E nos dias seguintes 12, 13 e 14 de fevereiro, no Teatro Eva Herz, as últimas apresentações do espetáculo D’Existir, projeto de dança/teatro baseado em pesquisas sobre o tema da morte. Com referência poética no texto Mal Visto Mal Dito de Samuel Beckett, trata de uma artista em seus questionamentos sobre o ato de vivenciar o sentido de seus movimentos em dança e teatro. Uma viagem imaginária pelo tempo, impulsionada pelos gestos e movimentos de um corpo que se questiona e se revê em sua trajetória cênica pela vida.
 
imagem-quadrada-trajetorias-site
 
Encontro com Angel Vianna
Espaço Ghut (Avenida Brigadeiro Luis Antônio, 2344 – conj. 26 – Jardim Paulista, São Paulo)
Duração 180 minutos
11/02
Quinta – 19h
Recomendação Livre
Entrada Gratuita
 
Espetáculo D’Existir
Teatro Eva Herz (Livraria Cultura Conjunto Nacional – Av Paulista, 2073 – Bela Vista, São Paulo)
Duração 50 minutos
12 a 14/02
Sexta e Sábado – 21h; Domingo – 19h
Recomendação Livre
$15

CINDERELLA e LOVE STORY – MUSICAIS NAS PÁGINAS DO ESTADÃO

O jornalista Ubiratan Brasil, do Estadão, publicou na capa de hoje do Caderno 2, uma matéria sobre a presença de atores negros como protagonistas em musicais.
Tiago Barbosa, vindo dos musicais The Lion King – Musical e Mudança de Hábito – O Musical, interpretará o príncipe Topher, que se apaixona por Ella no Cinderella, o Musical (produção Fabula Entretenimento); e todo o elenco de Love Story, o Musical (produção Estamos Aqui) será formado por apenas atores negros.
Leia mais no link – http://goo.gl/NgLs6r