A MACIEIRA

Após lenz, um outro (2014), peça criada a partir da novela Lenz, de Georg Büchner, o coletivo 28 Patas Furiosas estreiou seu novo espetáculo A MACIEIRA no Centro Cultural São Paulo. Com uma pesquisa calcada no imaginário da obra de Herta Müller, escritora romena vencedora do Prêmio Nobel em 2009, a montagem conta com encenação de Wagner Antônio – diretor do grupo – e texto de Tadeu Renato.

O coletivo originado em 2011 cria a partir da experimentação da linguagem teatral, baseada principalmente na presença do ator e a sua relação com o espaço cênico. Desde sua formação, o 28 Patas Furiosas trabalha regularmente no Espaço 28, sede do grupo localizada na zona sul de São Paulo. O grupo busca em obras literárias matrizes para a investigação de novos universos, voltados para a criação de uma dramaturgia autoral. Para o segundo espetáculo do grupo, foi o capítulo A Macieira presente no livro O Homem é um Grande Faisão no Mundo, de Herta Müller, que inspirou e deu nome à peça.

Neste capítulo é narrada a situação que deu origem ao argumento da peça: em um vilarejo, uma macieira que come os seus frutos é incendiada pelas autoridades locais. O mito inventado pelo 28 Patas Furiosas se desenvolve a partir daí: o fogo consumiu a árvore por 30 anos e desde que se apagou, toda a vila começou a se mover rumo ao oceano. Diante do deslocamento, os habitantes se encontram na urgência por uma ação: partir ou ficar. Nasce daí a pergunta chave do projeto: como criar novas possibilidades de existência em uma terra instável?

Espaço Cênico e Dramaturgia

crédito_Helena Wolfenson (7)A encenação de Wagner Antônio está apoiada na ação do ator no espaço. Ele explica que luz e cenário se confundem e podem ser vistas como uma escultura a ser manipulada pelos atores e atrizes. “No palco temos sete pessoas em ação contínua com uma diversidade de elementos materiais. A ideia é ver o espaço em deslocamento constante a partir do jogo teatral. Tudo está exposto do início ao fim, inclusive a operação de som e luz que é feita por um dos atores em cena.”

O espaço cênico, que a principio também pode ser visto como uma instalação, se transforma radicalmente ao longo das cenas, o que vai ao encontro do principal eixo temático do projeto: o deslocamento. “Como iluminador, sempre busco nos meus trabalhos uma dramaturgia visual que se desenvolva no espaço. Isso nos aproxima muito das artes plásticas como suporte de pesquisa”, explica.

Ele também diz que cenário, luz, som e texto foram construídos a partir das demandas criativas dos atores e das atrizes no espaço. “Atacamos a dramaturgia por várias vias e aos poucos a peça foi sendo construída. O fato de termos uma sede permite com que nossas pesquisas aconteçam de forma continuada e em constante processo e em dialogo direto com todos os elementos que constituem uma cena. Está tudo ali para ser experimentado do início ao fim”, diz.

Wagner explica ainda que A MACIEIRA é uma continuidade da investigação iniciada no espetáculo anterior, lenz, um outro, que retratava a trajetória de um poeta esquizofrênico. “No primeiro trabalho, a instabilidade estava centrada na idéia de sujeito. Em A MACIEIRA, falamos sobre o deslocamento de toda uma comunidade em direção ao oceano. É o desequilíbrio da natureza que faz com que as pessoas se transformem e olhem para os acontecimentos históricos com mais inventividade, para perceber que algo está morrendo e que é preciso criar novas possibilidades de vida”, afirma Wagner.

O grupo afirma que os espectadores não devem ir ao teatro esperando ver uma peça com um texto de Herta Müller. A MACIEIRA é o resultado do encontro entre o universo da autora e o universo do 28 Patas Furiosas.

 

A Macieira
Com Isabel Wolfenson, Marcus Garcia, Murilo Thaveira, Sofia Botelho e Valéria Rocha. Atores Convidados – Fernando Melo e William Simplício.
Centro Cultural São Paulo (Rua Vergueiro, 1000 – Paraíso, São Paulo)
Duração 90 minutos
15/04 até 22/05
Sexta e Sábado – 21h; Domingo – 20h
Recomendação 14 anos
$20
 
* Dia 22 de abril, sexta-feira, ingressos promocionais a R$ 3,00, vendidos somente na bilheteria do Centro Cultural São Paulo.
** Dia 7 de maio, sábado, excepcionalmente, não haverá espetáculo.
*** Dia 14 de maio, sábado, apresentação com tradução em libras.
**** Dia 15 de maio, domingo, haverá conversa com o artista plástico Guto Lacaz após o espetáculo, parte da ação Diálogos Instáveis, proposta pelo grupo.
 
Encenação, Iluminação e Cenografia – Wagner Antônio.
Texto – Tadeu Renato.
Dramaturgia – Tadeu Renato e 28 Patas Furiosas.
Composição Sonora – Júlia Teles.
Figurino – 28 Patas Furiosas.
Arte Gráfica – Murilo Thaveira.
Assistência de Direção – Laura Salerno.
Assistência de Iluminação e Cenografia – Marcus Garcia.
Produção – Isabel Wolfenson e Sofia Botelho.
Produção Administrativa – Isabel Wolfenson.
Direção de Produção – Laura Salerno.
Assessoria de Imprensa – Nossa Senhora da Pauta.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s