#MENINOSEMENINAS

Amor, sexo, amizade, bullying, sexualidade, anorexia, saudade, pais, morte e vida são alguns dos muitos temas ligados ao mundo dos adolescentes que são retratados no espetáculo teatral “Meninos e Meninas”, que tem texto e direção de Afra Gomes e Leandro Goulart, e estreou em junho de 2014, no Teatro das Artes, Shopping da Gávea, e já passou pelo Teatro Miguel Falabella, Teatro dos Grandes Atores e Teatro AMF em Niterói. Devido ao enorme sucesso de público, a montagem, que reúne em cena 15 jovens atores, já foi vista por mais de 100 mil pessoas, se remodelou, prorrogou a temporada e já está em cartaz desde junho de 2014.

FOTO_JohnnySimões-MeninoseMeninas 07
Agora #Meninos e Meninas chega a São Paulo, onde tudo pode acontecer!!!
Com elenco formado por astros de novelas como: “Haja Coração”, “Malhação”, “Avenida Brasil”, “Os Dez Mandamentos”, “Chiquititas”, “Carrossel”, do musical jovem de grande sucesso “Tudo Por Um Pop Star” e dos fenômenos do “Youtube” consagrados pelo público jovem, como Carlos Santana, Bruna Griphao, João Fernandes, Larissa Bougleux, Gustavo Daneluz, Livia Inhudes, Filipe Bragança dentre outros. Em cena, eles vivenciam as aventuras e descobertas da adolescência. O espetáculo mistura emoção, música e muito humor, através de histórias descoladas e contundentes.
Com trilha sonora que mistura Beatles, Legião Urbana e até Katy Perry e Jessie J, a direção musical de Juliana Veronezi traz para o palco um clima descontraído, festivo. As coreografias e a direção de movimento ficam a cargo de Anna Magdalena. Assim como em “Garotos” e “Corações Psicodélicos”, outros sucessos da dupla de autores e diretores, o espetáculo faz um raio-x da “geração Y”, composta pelos jovens do novo milênio.
#Meninos e Meninas fala sem pudor sobre diversos temas ligados ao mundo dos adolescentes . “Considerada descolada para o público adolescente e antenada nas mídias sociais, a obra se propõe a tirar essa galera do mundo virtual e levá-la ao teatro, dessa forma, contribuindo para a formação e crescimento de jovens plateias, uma vez que há poucos espetáculos de qualidade voltados para o público dessa faixa etária”, contam os autores e diretores Afra Gomes e Leandro Goulart!

FOTO_JohnnySimões-MeninoseMeninas 10

# Meninos e Meninas
Com Johnny Baroli, Waah Gustavo, Gustavo Daneluz, Carlos Santana, Matheus Costa, João Fernandes, Lívia inhudes, Rebeca Reis, Filipe Bragança, Matheus Severo, Vitoria viana, Julia Sanchis, Gaby Oliveira, Biel Portela
Teatro Gazeta
Estreia 30/04
Sábado e Domingo – 18h
$70
 
Criação, Texto e Direção Geral: Afra Gomes e Leandro Goulart
Direção Musical: Lucas Corsino
Direção de Movimento: Anna Magdalena
Criação de Luz: Fred Eça
Produção Geral: Alkaparra Produções
Direção de Produção Alina Lyra
Produtor Assistente: Douglas Teixeira
Produção Local: Criola Filmes
Direção de Produção: Rosí Fer
Assistente de Produção: Roberta Viana
Assessoria e Relações Públicas: Felipe Paulino

CINDERELA PERVERTIDA

Estreia da divertida comédia “Cinderela Pervertida”, onde a personagem Cinderela – sua meia irmã e sua madrasta – tem a possibilidade de disputarem a vaga de nova quenga do Príncipe.  Essa é a oportunidade de uma delas mudar de vida, e o Príncipe, uma espécie de cafetão, ao lado de Maria Jacutinga, vai decidir quem será a escolhida do cabaré que só toca funk e forro.

No entanto, a irmã e a madrasta impedem que Cinderela vá ao baile, eis que surge um fado padrinho atrapalhado para tentar ajudar. Mas, isso não impede que a personagem se envolva em inúmeras enrascadas enquanto corre em busca de seus sonhos.

Assim, muitas surpresas e confusões irão acontecer nesse universo de valores invertidos. Afinal, quem será a nova quenga do famoso cabaré?  Somente embarcando nessa divertida história para descobrir!

A direção precisa e refinada do espetáculo “Cinderela Pervertida” é de Edgar Benitez, que já trabalhou dirigindo em teatro atores e atrizes, como: Norma Brum, Mayara Magri, Babi Xavier, Clara Carvalho,  João Baldasserini, entre outros.

Cinderela Pervertida
Com Anny Hipólito, Felipe Zatara, Joice Tavares, Lauanna Andrade, Regina Hennies, Victor Damaso.
Teatro União Cultural (Rua Mário Amaral, 209 – Paraíso, São Paulo)
04/05 até 08/06
Quarta – 20h30
Recomendação 14 anos
$30
 Autor: Rodolfo Alex Galvão
Direção: Edgar Benitez
Cenografia e figurino: Angela Schoendorfer
Arranjos Musicais: Lucas Brolese
Operação de Som: Lívia Cardoso
Criação e operação luz: Renato Hermeto
Fotos: Kalinka Maki
Arte Gráfica:  Fábio Corrêa
Direção de produção: Edgar Benitez
Produção Executiva: Joice Tavares e Regina Hennies
Assistente de Produção: Theodoro Becker
Apoios e parcerias: Grupo Teatral Corrente, Trevo – Trade & Service
Assessoria de Imprensa: Orpheu Assessoria e Produtora Cultural

 

AVENTURA NO REINO DAS FADAS E PIRATAS

O pozinho azul sumiu do reino das Fadas. A fadinha verde e suas amigas seguem o rastro do pozinho e chegam ao navio dos piratas. O navio é comandado pelo terrível Capitão Gancho e seus atrapalhados piratas. As fadas caem em uma armadilha e Gancho se apodera do pozinho azul.
Presas, as fadas tem que unir seus poderes para conseguir escapar, recuperar o pozinho azul e colocar um fim nas maldades de Gancho. Uma aventura teatral cheia de magia, espadas, fadas e piratas.
Dos mesmos realizadores dos sucessos de publico e critica em SP e Cidades do Interior, MG, MS e RJ : “Branca de Neve – O Musical Encantado” , “Pinocchio – Uma aventura teatral mágica”, “ A Bela e a Fera – 20 anos” “Adoráveis Monstros- O Musical” a equipe envolvida nestas superproduções, optou por trazer aos palcos em 2016, uma aventura para emocionar , encantar e se divertir.
Edu Rodrigues é responsável por musicais como O Pequeno príncipe, O Príncipe do Egito, e em parceria com a produtora Cristiane Marques, Branca de Neve – O musical encantado, os Adoráveis Monstros – O Musical, Pinocchio – Uma aventura teatral mágica, A Bela e a Fera – 20 anos e traz em seu 11ª musical mais uma audaciosa produção.
final - dança
Aventura no Reino das Fadas e Piratas 
Com Tawany Rein, Geórgia Querido, Reynaldo Sapucaia, Paulo Perez, Hebert Freitas, Felipe Estevão, Carol Garcia, Camila Mendonça, Beatriz Bezotto e Carol Marques
Teatro Brigadeiro (Avenida Brigadeiro Luís Antônio, 884 – Bela Vista, São Paulo)
Duração 65 minutos
07/05 até 31/07 (exceto 11, 12, 18 e 19/06)
Sábado e Domingo – 17h
Recomendação livre
$50
Direção geral e encenação: Edu Rodrigues
Direção de Produção: Cristiane Marques
Assistente de direção: Reynaldo Sapucaia
Coreografia: Gal Sptizer
Figurinos: Débora Muniz
Musicas: Alexandre Araujo
Cenário: Edu Rodrigues
Preparadora Vocal: Carol Weingrill
Consultoria: Paulo Del Castro
Criação de Luz: Edu Rodrigues
Operador de som: Gilberto Rosa
Operador de Luz: Flavio Ramos
Maquiagem: Christian Querido
Realização: ER Arte Produções

GARRINCHA (OPINIÃO)

A peça “Garrincha” é uma peça para inglês ver. Inglês, americano,…, e até mesmo brasileiro ver, mas não é um trabalho biográfico. O espetáculo foi concebido e dirigido pelo americano Robert Wilson. É a visão de um estrangeiro sobre um ídolo de futebol brasileiro, que teve uma vida cheia de altos e baixos.

Os últimos trabalhos de Wilson que vimos – “The Old Woman” (2014) e agora, “Garrincha” – são bastante visuais e com poucos, ou quase nenhum diálogo. O diretor concentra as ações através das imagens (cor, iluminação, cenário) e das músicas e sons incidentais.

3-d9e79e5f-ad57-47f5-9290-f970f92c2ac6

Como é uma história brasileira, os narradores desta “ópera das ruas” são duas araras (uma colorida e a outra azul). Elas contam a vida de Garrincha desde o tempo que morava em Pau Grande, sua descoberta nos campos de futebol, a ida para o Rio de Janeiro, o Botafogo, a seleção brasileira, os amores, Elza Soares, a lesão no joelho, até chegar num epílogo que traz novamente o prólogo da peça.

Wilson trabalha com os atores numa movimentação e gestual milimetricamente cronometrado, pois todas as ações dos atores casam perfeitamente com o trabalho das músicas interpretadas ao vivo por seis músicos – que também participam da peça.

O espetáculo abusa das cores, visto que retrata uma história passada em um país tropical. E ao mesmo tempo também da ausência delas – o preto e branco – dependendo da iluminação que é utilizada no decorrer da narração.

2-160422233249_pagina5a

Outra característica dos trabalhos do diretor é o minimalismo gestual e a dança para a movimentação na cena. Nada melhor para retratar um jogador que tinha uma perna com 6 centímetros a menos que a outra, e que bailava pelos gramados dos campos de futebol.

Tudo isso faz com que ao assistir a peça, pareça que você esteja vendo um desenho animado no palco do Teatro Paulo Autran.

Recomendamos que você fique com o programa da peça aberto na descrição das cenas. Ajuda muito entender – como já falamos, há quase nada de diálogos – a compreensão do que irá acontecer no palco.

É um espetáculo que merece ser visto, principalmente para que você possa conhecer (ou rever) o trabalho e a criatividade do diretor Robert Wilson.

Garrincha
Com Bete Coelho, Carol Bezerra, Claudia Noemi, Claudinei Brandão, Cleber D’Nuncio, Dandara Mariana, Daniel Infantini, Fernanda Faran, Jhe Oliveira, Lígia Cortez, Lucas Wickhaus, Luiz Damasceno, Naruna Costa, Nathália Mancinelli, Roberta Estrela D’Alva, Robson Catalunha.
Teatro Paulo Autran – SESC Pinheiros ( rua Paes Leme, 195 – Pinheiros, São Paulo)
23/04 até 29/05
Quinta, Sexta e Sábado – 21h; Domingo e Feriado – 18h
Recomendação 16 anos
$18 / $60
 
Direção, cenário e conceito de luz – Robert Wilson
Idealização – Danilo Santos de Miranda
Texto e dramaturgia – Darryl Pinckney
Direção Musical – Hal Willner
Músicos – Alexandre Ribeiro, Fabrício Rosil, João Poleto, Roberta Valente, Samba Sam, Zé Barbeiro
Codireção – Charles Chemin
Figurino – Carlos Soto
Cenógrafa associada – Annick Lavallée-Benny
Desenho de Luz – John Torres
Visagismo – Manuela Halligan
Supervisão de Luz – Marcello Lumaca