DEZUÓ, BREVIÁRIO DAS ÁGUAS

Contemplado pelo Prêmio Myriam Muniz 2014 da Fundação Nacional das Artes (Funarte) para montagem teatral inédita, o Núcleo Macabéa apresenta o espetáculo “Dezuó”, com o ator Edgar Castro e direção de Patricia Gifford.

Tendo como mote a expulsão do menino Dezuó e de sua família da Vicinal do Vinte Um, comunidade ficcional ribeirinha, motivada pela construção de uma usina hidrelétrica no Rio Tapajós, oeste do Pará, na Amazônia brasileira, a peça reconstitui a trajetória do menino-homem-andarilho que após a dissolução de sua vila natal passa a perambular por becos da cidade grande.

A trajetória memorialista do andejo Dezuó adentra as facetas adversas da cultura e das realidades do Brasil para refletir sobre a negação do direito à terra e a consequente disfunção social, fruto direto de uma política desenvolvimentista operacionalizada à margem da legalidade.

Dezuó é aquele que narra aos demais cidadãos da pólis a ancestralidade da terra. Como dizia dos meninos o poeta Carlos Drummond de Andrade naquele livro de 1973, trata-se de um Menino Antigo, sujeito que desvela, no novelo da memória, o tempo arcaico. Assim, o homem-menino reinventa, por intermédio da palavra e da cena, as figuras familiares mais íntimas bem como as inquietações da infância: o medo, a dor, a perda, a presença alegre e dizimadora dos adultos em um contexto onde, imbuídas de força, estão as inquietações sociais da pobreza dos grotões, dos interiores onde ainda não há escola e o advento tecnológico das grandes cidades passa longe”, diz o ator Edgard Castro.

A trajetória de Dezuó traz poeticamente à tona a grafia de uma encruzilhada histórica escarificada nestes corpos”, acrescenta Rudinei Borges, dramaturgo da peça.

Além do espetáculo haverá o Ciclo de Dramaturgia e Memória “Ao rés do chão”, às terças-feiras, às 19h30, com realização de conversas com dramaturgos que inscrevem em suas obras cênicas a memória autobiográfica e coletiva como questão central.

13001048_224936947864856_4343121446890402738_n.jpg

Dezuó, Breviário das Águas
Com Edgar Castro
Casa Livre (Rua Pirineus, 107 – Barra Funda, São Paulo)
Duração 75 minutos
26/03 até 16/05
Sábado – 21h; Domingo e Segunda – 20h
Recomendação 16 anos
Entrada gratuita (retirar na bilheteria com uma hora de antecedência)
 
Ao rés do chão – CICLO DE DRAMATURGIA E MEMÓRIA
Duração 3 horas
De 29 de março a 4 de maio
Terça – 19h30
Entrada gratuita (retirar na bilheteria com uma hora de antecedência)
Kiko Marques |3 de maio
Solange Dias|4 de maio
 
Dramaturgia – Rudinei Borges
Direção – Patricia Gifford
Direção musical/músico em cena- Juh Vieira
Instalação cenográfica e figurinos – Telumi Hellen
Assistente de cenografia – Andreas Guimarães
Adereços – Clau Carmo
Apoio técnico – Thales Alves
Iluminação – Felipe Boquimpani
Preparação corporal e vocal – Antonio Salvador
Projeto gráfico – Murilo Thaveira -casadalapa
Fotografia e vídeo- Cacá Bernardes e Bruna Lessa – bruta flor filmes
Assessoria de imprensa – Ofício das Letras
Direção de produção e assistente de figurinos – Isabel Soares
Parceria: Casa Livre
Realização -Núcleo Macabéa. Ministério da Cultura. Prêmio Funarte de Teatro Myriam Muniz 2014.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s