VERMELHO

A dupla Antonio e Bruno Fagundes tem confirmado a sinergia no palco no decorrer dos últimos anos. Após o estrondoso sucesso de Tribos os atores se preparam para a retomada paulistana do espetáculo Vermelho no teatro Tuca. Vermelho que teve recorde de público no Rio de Janeiro dentre outras críticas entusiasmadas foi avaliado como “Teatro obrigatório” pela importante crítica teatral Bárbara Heliodora.

Pai e filho retomam a produção de Vermelho, a partir do dia 12 de agosto, no Tuca, em São Paulo, e apresentam o premiado texto de John Logan – revelando a intimidade do processo de criação de um artista plástico, além de levantar questões ligadas à ética no trabalho e questionamentos como qual o verdadeiro valor do seu trabalho.

Dando continuidade a sua forma de produzir, Vermelho também não conta com patrocínio e nem apoio via leis de incentivo a cultura, dependendo única e exclusivamente da bilheteria. Vermelho tem direção e cenário de Jorge Takla, tradução de Rachel Ripani, figurino de Fábio Namatame e iluminação de Ney Bonfante. “Adoramos fazer Vermelho. É divertido ouvir as risadas do público diante da relação dos dois em cena”, conta Antonio Fagundes, que completa “Tivemos que dar uma pausa na temporada de Vermelho pois Tribos tinha prazo para ser montado. Depois do sucesso desta produção chegou a hora de retomar Vermelho. Estamos muito otimistas com essa nova fase”.

size_810_16_9_antonio-fagundes-e-o-filho-nos-bastidores-da-peca-vermelho

Vermelho

Em seu ateliê em Nova Iorque, o consagrado artista Mark Rothko recebe, pela primeira vez, seu novo assistente, Ken, e a partir da pergunta “O que você vê?“ (apontando para uma das pinturas em que trabalhava) inicia-se um eletrizante embate entre os dois. Conceitos artísticos entre as gerações, diferentes bagagens culturais e o mesmo amor pela arte são alguns dos objetos em cena. “Rothko tem uma história fascinante e um entendimento único de arte. Queremos mostrar, de forma leve e bem-humorada, essa grande história”, afirma Bruno Fagundes.

Vermelho se passa no final dos anos 50, quando o icônico pintor (líder do Expressionismo Abstrato) recebeu um convite para pintar grandes painéis de um luxuoso restaurante em Nova York e recebeu uma quantia quase inestimável para a época (o equivalente hoje a 10 milhões de dólares). Um encontro cheio de nuances entre mestre e aprendiz, com arte, reflexão e questionamento, é o plano de fundo em meio ao cenário repleto de detalhes, com preparo de tintas e quadros pintados durante a sessão.

Após 80 minutos de espetáculo, Antonio e Bruno Fagundes promovem ainda, ao final de cada apresentação, um delicioso e informal bate-papo com a plateia, contando curiosidades da montagem e da própria vida do pintor Mark Rothko.

Para aqueles interessados em se informar antes do espetáculo, uma pequena exposição no saguão do teatro mostra ao público todos os temas que serão discutidos ao longo da peça.

No último sábado de cada mês, continuando o projeto de inclusão social que iniciou com Tribos em 2013, apresentam sessões com acessibilidade para deficientes visuais e auditivos (interprete de LIBRAS, áudio descrição e tablets com legenda). A Steno do Brasil é a empresa parceira responsável pelos equipamentos e serviços que permitem esta inclusão.

vermelho_bx_joao-caldas_pi

Vermelho
Com Antonio Fagundes e Bruno Fagundes
Tuca (Rua Monte Alegre, 1024 – Perdizes, São Paulo)
Duração 80 minutos
12/08 até 04/12
Sexta e Sábado – 21h30; Domingo – 18h
$60/$80
Classificação 12 anos
 
 
Texto: John Logan.
Tradução: Rachel Ripani.
Direção: Jorge Takla.
Figurinos: Fabio Namatame.
Design de Luz: Ney Bonfante.
Design de cenário: Jorge Takla.
Assistente de produção: Gustavo de Souza.
Diretor de produção: Carlos Martin.
Assessoria Jurídica: OLN Advogados.
Assessoria de imprensa: Coletiva Comunicação.
Realização: Fagundes Produções.

 

A TIA É UM SHOW!

Num programa de auditório, a Tia, personagem criada por Guilherme Uzeda, traz muita diversão, de forma leve e descontraída.

Uma apresentadora totalmente informal conduz o programa de maneira muito peculiar, se atrapalhando de forma ingênua, levando a plateia, a um riso descontraído e cúmplice.

Entre seus vários quadros, estão o “Bailão da Tia”, ”Tia no Karaokê”, “Tia Canta e Encanta”.

No formato dos antigos programas de auditório, o espetáculo terá convidados especiais a cada semana, sorteio de prêmios para a plateia, e os famosos “reclames”, onde o público participa de forma ativa e divertida, com esta Tia simpática e cheia de entusiasmo, afinal a vida começa aos 40…50…70….

A Tia é um Show!
Com Guilherme Uzeda
Teatro União Cultural (Rua Mário Amaral, 209 – Paraíso, São Paulo)
Duração 60 minutos
26/06 até 25/09
Domingo – 20h
$40
Classificação 14 anos
Dramaturgia: Guilherme Uzeda
Direção: GpeteanH
Direção de Produção: Beti Antunes
Assessoria de Imprensa: Flávia Fusco Comunicação

100 DICAS PARA ARRUMAR UM NAMORADO

Inspirado no livro romântico da atriz e escritora Daniele Valente, o espetáculo “100 dicas para arranjar namorado” estreia em São Paulo, na quarta-feira, 30 de junho, para finalizar o mês dos namorados, no palco do Teatro J.Safra. A peça, sucesso de público em São Paulo, em 2013, e no Rio de Janeiro, em 2014, volta repaginada com Flávia Monteiro e Daniel Del Sarto no elenco, direção de Eduardo Figueiredo e produção da Manhas & Manias projetos culturais.

Em turnê pelo País, a peça é uma divertida brincadeira na qual Flávia dá dicas claras e objetivas para homens e mulheres conseguirem um (a) namorado (a). Em diferentes esquetes, a atriz mostra os caminhos para as mulheres a se darem bem nas relações afetivas. Os homens são representados pelo ator Daniel Del Sarto, que dá vida a todos os papeis masculinos da peça.

As brincadeiras com Santo Antônio, as simpatias e os jogos emocionais são colocados em cena de forma muito engraçada e leve, o que propicia uma identificação imediata tanto para homens quanto as mulheres. A peça também mostra que mesmo na atualidade as mulheres buscam relacionamentos sérios, sim, e fazem de tudo para conseguir o  esperado companheiro (a)”, comenta o diretor Eduardo Figueiredo.

show_Sem_t_tulo

100 Dicas Para Arrumar Um Namorado
Com Flávia Monteiro e Daniel Del Sarto
Participação em Off: Marília Gabriela & Antonio Petrin
Teatro J.Safra (Rua Josef Kryss, 318 – Barra Funda, São Paulo)
Duração 75 minutos
30/06 até 28/07
Quarta e Quinta – 21h
$20/$50
Classificação 12 anos
 
Texto: Cacau Higyno e Daniele Valente
Direção: Eduardo Figueiredo
Figurinos e Cenário: Theodoro Cochrane
Lightdesigner: Guilherme Bonfante
Assistente de Lightdesigner: Fernando Miranda Azambuja
Trilha: DJ Evelyn Cristina
Cenário e adereços: Virgílio Zago
Visagismo: Ckamura por Celso Kamura
Coreografia: Janaina de Souza
Fotos: Guga Melgar
Preparação de elenco: Daniela Biancardi
Programação Visual: Diogo Duarte
Assistência de direção: Edgar Benitez
Assessoria de manipulação boneco: Anie Welter
Gerente de projetos: Bia Izar
Produção Executiva: Bruna Bayley
Financeiro: Renata Vieira e Thaiss Vasconcelos
Direção de produção: Maurício Machado
Realização e produção: manhas & manias
Projetos Culturais  http://www.manhasemanias.com.br
Assessoria de Imprensa: Coletiva Comunicação

JANUS

Janus” conta a história de uma misteriosa chacina de uma família na noite da véspera de natal. A narrativa começa com o interrogatório do único suspeito encontrado pela polícia na cena do crime. Com texto original do próprio coletivo, o espetáculo passeia pela atmosfera dos filmes Noir, um subgênero de filmes policiais americanos, e que teve o seu ápice entre os anos de 1939 e 1950. A peça é marcada pela experimentação de comunicação entre as linguagens teatrais e cinematográficas, explorando as quebras de paredes entre platéia, atores, direção e espaço.

O texto original é do grupo Cafeína, formado pelos atores João Gott, Rafael Salmona e o diretor José de Campos.

O assassinato de toda uma família é o pano de fundo para a narrativa de “Janus”.

O espetáculo é dividido em três atos com enormes possibilidades de interpretações, tanto para a plateia, quanto para os atores. O público assiste, desde o interrogatório do suspeito, até os desfechos que fazem do espetáculo um começo e fim contínuos, de metalinguagens e reviravoltas. Transições e dualidades permeiam a existência de um passado incerto, onde questionamentos surgem a cada fala dos personagens.

O texto de “Janus“, assim como sua encenação, busca inspiração em histórias reais de serial-killers, na psicopatia e na capacidade da transgressão da dualidade humana. As atuações refletem os pólos existentes entre atores e personagens, sustentados apenas pelas profundezas de suas próprias almas. O nome do espetáculo é uma homenagem ao deus Jano, ou Janus, que foi um deus romano que representava as mudanças e transições. A sua face dupla também simboliza o passado e o futuro. Jano foi o deus dos inícios, das decisões e das escolhas.

Janus-tamanho-B

Janus
Com João Gott e Rafael Salmona.
Teatro Augusta – Sala Experimental
Duração 75 minutos
11/05 até 30/06
Quarta e Quinta – 21h
$40
Classificação 14 anos
 
Texto: Grupo Cafeína. 
Direção: José de Campos. 
Preparação corporal e assistência de direção: Ana Paula Lopez. 
Cineasta: Artur Brandt 
Crédito das fotos: Thiago Barreto
Assessoria de Imprensa: Willian Rafael

 

 

INÉDITO PRA QUEM NUNCA VIU

Matheus Ceará, um dos personagens de maior sucesso do programa “A Praça é Nossa”,  do SBT, prorroga temporada de seu show “Inédito pra quem nunca viu!”, no Comedians, até o dia 13 de dezembro, com sessões às terças, às 21h.

Matheus Ceará  conquistou  a simpatia dos brasileiros com seu jeito ingênuo e com o bom–humor com  que encara os causos e desgraças de seu cotidiano, cada vez mais agitado pelas viagens que   este  típico matuto nordestino tem feito pelo Brasil.

image002
Inédito Pra Quem Nunca Viu!
Com Matheus Ceará
Comedians Club (Rua Augusta, 1.129 – Cerqueira César, São Paulo)
Duração 85 minutos
07/07 até 13/12
Terça – 21h
couvert artístico $40
Classificação 16 anos

SOBRE LENDAS E MULHERES

O Grupo Oba! de Teatro trará o espetáculo curitibano “Sobre Lendas e Mulheres” para três únicas apresentações em São Paulo, nos dias 08, 09 e 10 de Julho, sempre às 20h. As apresentações acontecem no Espaço Cia do Pássaro e são parte de uma parceria entre o grupo e as atrizes Cleo Cavalcantty e Luana Godin, com a intenção de promover o intercâmbio entre projetos com um mesmo objetivo: pesquisar o universo feminino.

Sobre Lendas e Mulheres” é inspirada nos contos do livro “Mulheres que correm com lobos” de Clarissa Pínkola Estés, em textos que contam histórias de mulheres e em relatos das atrizes e, através de narrativas, diálogos e canções, retrata os anseios, ritos de passagens, preconceitos, arquétipos e estereótipos que estão presentes no universo feminino. A peça estreou em outubro de 2012 e, desde então, percorreu os estados de Minas Gerais e Paraná, sendo considerada um dos destaques da Mostra FRINGE, no Festival de Curitiba de 2016.

sobre_lendas_e_mulheres (2)

O intercâmbio é parte do novo projeto do Grupo Oba! de Teatro, “Por Ser Mulher”. Desde março de 2016, o grupo investiga o universo feminino, com o intuito de transformar essas pesquisas em uma peça de teatro. “Temos refletido muito, sobre como vivenciamos o teatro, sendo mulheres: quais as diferenças e o que apenas as mulheres vivem. Esse debate virou uma reflexão sobre a condição feminina, que desejamos compartilhar com o maior número de mulheres possível”, diz Letícia Junqueira, atriz do grupo. Tally Mendonça, produtora do grupo e do projeto, complementa: “Para dar voz às mulheres, não poderíamos partir de um grupo pequeno e homogêneo. Por isso, decidimos abrir a pesquisa. Temos um grupo de debate, com diversas mulheres de idades, profissões e pensamentos bem diferentes, e teremos encontros presenciais, em breve. Estamos trocando e pesquisando, constantemente. O espetáculo dialoga muito com nossa pesquisa, o que nos deu a ideia da parceria.

Cleo Cavalcantty afirma: “Como diria Guimarães Rosa, é junto dos bons que a gente fica melhor! Estar na cosmopolita São Paulo, em cartaz com nosso trabalho, é um meio de levar nossa voz, nossa arte para que cada vez mais e mais pessoas possam se sentir tocadas com o ser feminino, seus ritos, suas memórias. O espetáculo foi criado com o intuito de dialogar e tocar mulheres que sofreram, ou sofrem, todo o tipo de violência e trazer às suas realidades um pouco de conforto e autoestima. Porém, falamos a todos: homens, mulheres, qualquer um que entenda e sinta tocado no seu feminino.

Sobre Lendas e Mulheres
Com Cleo Cavalcantty e Luana Godin
Espaço Cia do Passáro (R. Álvaro de Carvalho, 177 – Centro, São Paulo)
Duração: 60 minutos
08 a 10/07
Sexta, Sábado e Domingo – 20h
$30
 
Concepção: Cleo Cavalcantty e Gisele Mello
Direção: Lourdes Araújo
Assistência de Direção: Gisele Mello
Música: Mercedez Sosa, Taráncón, Violeta Parra, Mailena Wals, Luana Godin
Produção e Execução: Cleo Cavalcantty e Luana Godin
Luz: Raul Freitas
Dramaturgia: Cleo Cavalcantty/Gisele Mello e Luana Godin
Produção Local: Tally Mendonça/ Grupo Oba! de Teatro
 

HOTEL JASMIM

O texto de Claudia Barral, Hotel Jasmin, conta a história de Jorge Washington, rapaz nordestino com firmes valores morais, que chega a São Paulo para trabalhar como garçom, ocupando o lugar do pai, assassinado em um assalto. A vinda de Jorge Washington tem um propósito claro: ele quer ajudar a família, se estabelecer na cidade e trazer a sua noiva. No Hotel Jasmim, Jorge é obrigado a dividir o quarto com Fernando, garoto de programa de pouca reputação. A situação gera um profundo desconforto em Jorge, sobretudo quando ele constata que Fernando tenta furtar o dinheiro que ele trouxera para começar a vida.
A situação resulta em briga e Jorge tenta trocar de quarto, mas precisa se conformar em ficar com Fernando, pois o hotel está lotado. O clima entre os dois beira o insuportável, entretanto, enquanto se agridem e passam suas vidas a limpo, os dois se veem na situação de socorrer, juntos, uma vizinha vítima de espancamento. A partir daí, Jorge passa a viver o choque entre a obrigação de ser filho modelo e a necessidade de negar seus valores para conviver com a violência da metrópole. Já Fernando descobre, na amizade, a possibilidade de estar junto a alguém de quem não quer tirar vantagem e o ímpeto de se sacrificar por um amigo. Os dois personagens são vividos pelos atores Eduardo Pelizzari e Daniel Farias.
Claudia, nascida na Bahia, diz que começou a escrever esse texto antes mesmo de se mudar para São Paulo – o que aconteceu há cerca de quatro anos, e busca um pouco de inspiração na história de tantos migrantes que, como ela, saem do Nordeste em busca do sucesso profissional na capital paulista. Mas o texto estava guardado e, não fosse o prêmio do CCSP, talvez ele demorasse um pouco mais para ganhar os palcos.
O tom realista do texto, bem como o pano de fundo social, vem muito de sua fonte de inspiração maior: o autor Plínio Marcos. “Sempre fui fã do trabalho do Plínio e gosto dessa tríade aliança formada entre ator, plateia  e texto. É uma relação mais crua. Veio daí também o convite para a Denise Weinberg dirigir a peça. Ela preza muito pela relação do ator com o texto em seus trabalhos e achei que era a pessoa ideal para a montagem”, explica.
 Hotel_Jasmim_-_Erik_Almeida_3
 
Foco no ator
Denise achou o texto interessante desde a sua primeira leitura. Claudia Barral tem qualidades raras hoje em dia, não só sabe contar uma história como também entende de carpintaria teatral. Lembrei muito de Dois Perdidos numa Noite Suja, de Plinio Marcos ao ler Hotel Jasmim. Claudia fala também desses párias, dessas pessoas solitárias, soltas, na cidade de São Paulo, que chegaram aqui com sonhos e acabaram tragadas pela grande metrópole
Premiada atriz, Weinberg diz que seu papel na direção é o de respeitar e ser fiel ao texto. “Quando temos um autor bom, o diretor tem pouca coisa a fazer. É só não atrapalhar e simplesmente facilitar o trabalho do ator para contar aquela história. Meu foco é o trabalho do ator, valorizando sempre o texto.
Hotel Jasmim
Com Eduardo Pelizzari e Daniel Farias
Teatro Itália – Sala Drograria São Paulo ( Av. Ipiranga, 344 – República, São Paulo)
Duração 60 minutos
29/07 até 28/08
Sexta – 21h30; Sábado – 21h; Domingo – 18h
$50
Classificação 14 anos
Dramaturgia – Claudia Barral.
Direção – Denise Weinberg e Alexandre Tenório.
Cenografia – Andre Cortez.
Trilha Sonora – Miguel Briamonte.
Designer de luz – Wagner Pinto.
Produção – U.S. Saide Produções  Culturais e Artísticas.
Assessoria de Imprensa – Flavia Fusco Comunicação