CARTOLA – O MUNDO É UM MOINHO

O musical “Cartola – O Mundo é um Moinho“, que presta uma homenagem ao cantor, compositor e sambista, Cartola anunciou o seu elenco. Foram 3000 inscrições, mais de 400 audições e 30 candidatos selecionados para a fase final, que foi com a leitura do texto.

O elenco que estará no palco do Teatro Sérgio Cardoso, a partir do dia 10 de setembro (previsto), é encabeçado por Flávio Bauraqui e Virgínia Rosa, que interpretarão Cartola e sua esposa, dona Zica. Temos também Hugo Germano, Adriana Lessa, Silvetty Montila, Augusto Pompeu, Edu Silva, Renata Vilella, Ivan de Almeida, Larissa Noel, Lu Fogaça, Andrea Cavalheiro, Grazzi Brasil, Flávia Saoli, Esdras de Lucia, Gabriel Vicente, Rodrigo Fernando e André Muato.

A equipe criativa é também de primeira. A idealização e produção é de Jô Santana; a direção é de Roberto Lage. O jornalista Artur Xexéo escreveu o texto e a direção musical é do maestro Rildo Hora.

O espetáculo tem previsão de ficar em cartaz em São Paulo até 01 de novembro. Em 2017, estreia no Teatro João Caetano, no Rio de Janeiro, onde fica entre março a maio. Depois será apresentado por mais seis capitais brasileiras.

13533081_1122829651123407_784991647725238792_n

Elenco do musical “Cartola – o Mundo é um Moinho”

Cartola

Batizado como Angenor de Oliveira, mais conhecido como Cartola, nasceu na cidade do Rio de Janeiro em 11 de outubro de 1908, e faleceu em 30 de novembro de 1980. Foi um cantor, compositor, poeta e violinista.

É considerado por músicos e críticos como o maior sambista do Brasil. Aprendeu com o pai a tocar cavaquinho e violão. Morou no morro da Mangueira, onde conheceu e fez amizade com Carlos Cachaça, outro sambista famoso de nossa história da música.

Quando trabalhou como pedreiro, foi que surgiu o seu apelido. Ele usava sempre um chapéu para impedir que o cimento lhe sujasse a cabeça, o qual chamava de cartola

Fundou, junto com amigos, a segunda escola de samba carioca – a Estação Primeira de Mangueira, em 28 de abril de 1928, que teve seu nome e as cores verde e rosa escolhidos por ele.

Seus sambas se popularizaram a partir da década de 1930 nas vozes dos principais cantores nacionais, como Araci de Almeida, Carmen Miranda, Francisco Alves, Mário Reis e Sílvio Caldas.

Gravou o primeiro dos seus quatro discos-solo somente aos 66 anos, em 1974, quando sua carreira tomou impulso com a criação de clássicos como “As Rosas não Falam”, “O Mundo É um Moinho”, “Acontece”, “O Sol Nascerá”, “Quem Me Vê Sorrindo”, “Alvorada” e “Alegria”.

Cartola casou-se com sua última esposa, Euzébia Silva do Nascimento, ou mais conhecida como Dona Zica, em 1954, e viveram juntos por 26 anos.

Cartola

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s