IV PRÊMIO APLAUSO BRASIL

O Teatro brasileiro foi mais uma vez homenageado. Na noite de ontem, 5 de julho, aconteceu a cerimônia do IV Prêmio Aplauso Brasil, do crítico teatral Michel Fernandes. Neste ano, as festividades aconteceram pela primeira vez no palco do Teatro Porto Seguro.

Enquanto aguardavam a liberação para o acesso à sala de apresentações, os convidados aguardaram no foyer do teatro. Houve um atraso no início da cerimônia, mas isto permitiu que todos pudessem se reencontrar e colocar a conversa em dia.

A apresentação do prêmio ficou a cargo dos atores Marisa Orth e Caco Ciocler, vencedores da última edição nas categorias de atriz e ator coadjuvante. A dupla foi um show a parte. Eles entretiveram a platéia, que lotou o teatro, com um bom humor e uma perspicácia nos comentários sobre a política brasileira, a Lei Rouanet, e no ínicio, de que todos os atores são “vagabundos”.

Após este momento de descontração – e crítica sim pra quem diz que artista é vagabundo – os atores/cantores Simone Gutierrez, Cassiano Leitão e Airam, acompanhados ao piano por Fernanda Maia (diretora musical da cerimônia) e apresentaram o número de abertura da noite -“Façamos (Vamos Amar)“, a versão em português de Carlos Rennó para a canção de Cole Porter  – “Let’s Do It(Let’s Fall in Love)”.

Outra inovação que aconteceu este ano durante a premiação, foi que os indicados ao melhor espetáculo musical apresentaram um número durante a cerimônia. Então subiram ao palco Ivan Parente por “Mulheres à Beira de um Ataque de Nervos“;  Bruna Guerin e Arthur Berges por “Urinal, o Musical“; Naíma por “Chaplin, o Musical“; Débora Duboc e Jonatan Harold por “Sou Toda Coração“; e Beto Sargentelli, Max Grácio e Tiago Barbosa por “Mudança de Hábito, o Musical“.

 

 

 

 

A noite também foi de homenagem. Primeiramente aos atores Nathália Timberg  e Elias Andreato, por suas obras e dedicação à arte de atuar. Foram apresentados vídeos com testemunhos de colegas de profissão; e depois o diretor Wolf Maya falou sobre Nathália e o ator Cláudio Fontana  sobre Elias.

 

E também foi mais uma oportunidade para reverenciar as ESTRELAS que nos deixaram e foram brilhar no firmamento.

Neste ano, uma outra novidade foi que em cada categoria houve dois ganhadores (dinâmica compartilhada) – um pelo voto popular e outro pela comissão técnica do Aplauso Brasil. Ou seja, o público votava nos indicados de cada categoria, e quem tivesse mais votos, obviamente, era o vencedor.

Finda a votação pública final, começa a dinâmica compartilhada propriamente dita. Cada um dos membros da Comissão de Conselho poderá votar num dos cinco candidatos qualificados e será acrescentado um ponto pela comissão e, na sequência, cada um dos membros da Comissão Julgadora  dará, no dia da premiação, seu voto que vale três pontos pela comissão. Da soma de pontos das comissões e da votação pública, conheceremos o vencedor do Prêmio Aplauso Brasil de Teatro.

A Comissão de Conselho é formada por Aguinaldo Ribeiro da Cunha, Edgar Olímpio de Souza, Gisa Gutervil, José Cetra Filho, Laerte Késsimos, Maria Eugênia de Menezes, Miguel Arcanjo Prado, Nanda Rovere, Ricardo Grasson, Ruy Filho e Vinício Angelici.

A Comissão Julgadora é formada por Cássio Rodrigo (representando a Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo), Júlio César Dória (representando o departamento de teatro da Secretaria Municipal da Cultura de São Paulo), e pelos críticos de teatro do site Aplauso Brasil Kyra Piscitelli, Luís Francisco Wasilewski e Michel Fernandes.

O grande vencedor foi a peça “A Tempestade”, direção de Gabriel Villela, que recebeu 8 prêmios, sendo 7 de voto do público.

Iluminação

Voto Público: Wagner Freire (“A Tempestade” e “Master Class”)
Voto Técnico: Caetano Vilela (“Dias de Vinho e Rosas”)

Arquitertura Cênica

Voto Público: Gabriel Villela e Marcio Vinicius (“A Tempestade”)
Voto Técnico: André Cortez e Alexandre Orion por “Repertório Shakespeare (‘Macbeth’)”

Figurino

Voto Público: Gabriel Villela e José Rosa por “A Tempestade”
Voto Técnico: Fábio Namatame por “Chaplin, O Musical” e “Dias de Vinho e Rosas”

Trilha Original

Voto Público: Babaya e Marco França por “A Tempestade”
Voto Técnico: Vladimir Safatle por “Caesar”

Dramaturgia

Voto Público: Silvero Pereira por “BR Trans”
Voto Técnico: Silvia Gomez por “Mantenha Fora do Alcance do Bebê”

Diretor

Voto Público: Gabriel Villela por “A Tempestade”
Voto Técnico: Rodrigo Spina por “Aqui Estamos com Milhares de Cães Vindos do Mar”

Elenco

Voto Público: “A Tempestade”, direção Gabriel Villela (Celso Frateschi, Helio Cicero. Chico Carvalho, Leticia Medella, Dagoberto Feliz, Romis Ferreira, Marco Furlan, Rogerio Romera, Felipe Brum, Rodrigo Audi e Leonardo Ventura)
Voto Técnico:“Repertório Shakespeare (‘Macbeth’)”, direção Ron Daniels (Thiago Lacerda, Giulia Gam, Marco Antônio Pâmio, Luisa Thiré, Sylvio Zilber, Marcos Suchara, Lourival Prudêncio, Felipe Martins, Ana Kutner, Rafael Losso, André Hendges, Fabio Takeo, Stella de Paula e Lui Vizotto)

Ator Coadjuvante

Voto Público: Beto Sargentelli por “Mudança de Hábito”
Voto Técnico: Daniel Costa por “Urinal, O Musical”

Atriz Coadjuvante

Voto Público: Guta Ruiz por “Pergunte ao Tempo”
Voto Técnico: Guta Ruiz por “Pergunte ao Tempo”

Atriz

Voto Público: Christiane Torloni por “Master Class”
Voto Técnico: Maria Luisa Mendonça por “Um Bonde Chamado Desejo”

Ator

Voto Público: Silvero Pereira por “BR Trans”
Voto Técnico: Léo Bahia por “Chacrinha, O Musical”

Destaque

Voto Público: Projeto Palco – Projeto Social Para Arte, Lazer, Cultura e Orientação – por utilizar o teatro como ferramenta de transformação pessoal e desenvolvimento social há 14 anos em comunidades, escolas públicas e organizações sociais e por ter criado a Cia de Teatro Vizinho Legal, berço de inúmeros coletivos culturais.
Voto Técnico: Projeto Palco – Projeto Social Para Arte, Lazer, Cultura e Orientação – por utilizar o teatro como ferramenta de transformação pessoal e desenvolvimento social há 14 anos em comunidades, escolas públicas e organizações sociais e por ter criado a Cia de Teatro Vizinho Legal, berço de inúmeros coletivos culturais.

Espetáculo de Grupo

Voto Público: “BR Trans”, As Travestidas
Voto Técnico: “Oleanna”, Cia de Teatro Epigenia

Espetáculo Musical

Voto Público: “Urinal, O Musical”, Núcleo Experimental
Voto Técnico: “Urinal, O Musical”, Núcleo Experimental

Espetáculo de Produção Independente

Voto Público: “A Tempestade”, direção Gabriel Vilela
Voto Técnico: “A Tempestade”, direção Gabriel Vilela

E ao término da cerimônia foi dado o início a indicação para o V Prêmio Aplauso Brasil. Saiba mais no link a seguir –   V Prêmio Aplauso Brasil

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s