MENINA BRUNO

Como deve ser estranho – e angustiante – estar preso em um corpo que você não se reconhece. Olhar-se no espelho e não identificar quem é aquela pessoa – “estou no corpo errado“. Isto não tem a ver com a atração sexual, mas sim com seu gênero. É uma menina que está em corpo de menino e vice-versa. É o que acontece com as pessoas transgêneras, ou mais comumente chamadas, de “trans“.

O termo surgiu em meados dos anos 80, e repito, vai muito mais além do sexo (corpo, e órgãos sexuais). O gênero envolve o comportamento e o social. Há relatos de que crianças de 3, 4 anos se identificam como transgêneros e vivem com o sexo que se identificam. Para uma qualidade de vida (afinal, sofrerão olhares inquisidores, bullying e preconceito por parte da sociedade que não os entendem), o apoio dos pais e a busca por médicos especializados nesse tipo de assunto é essencial.

temp_regrann_1471210653729.jpg

A peça do dramaturgo e autor alagoano Rhommel Bezerra (Grupo Itinerante de Teatro)- “Menina Bruno” – conta a história de uma destas pessoas. Escrita de uma maneira sóbria, com toques de humor, e delicadeza, narra a vida de Bruno, uma menina presa em um corpo masculino. Passa por sua infância; os tempos de colégio; o primeiro contato com o sexo; a não compreensão por parte dos pais e da sociedade onde mora (se bem que, na montagem, nem os pais estão em corpos certos).

Vem a expulsão de casa. O abandono. A exploração sexual. A fuga da cidade onde nasceu e a descoberta do desconhecido em uma outra cidade – se bem que por ser uma cidade nova, quem sabe, Bruno não poderá ser quem ela realmente é – uma menina?

Toda a história é contada por Bruno e também por um amigo, Romeu, que é a primeira pessoa que a vê como ela é, e por quem , surge algo a mais que a amizade.

“Meninas Bruno”

1959322_703854049677416_3002390288441402560_n

Rhommel Bezerra

O texto foi criado em uma tarde, quando Rhommel começou a pôr no papel memórias das tias e da avó. Ainda não sabia direito qual seria o resultado, “só tinha mesmo a ideia de falar sobre quem queremos ser, sobre as dificuldades que temos em nos afirmarmos em todos os âmbitos“.

A peça não é biográfica – “só as personagens pai e mãe é que têm ligação comigo” -, mas muitos amigos “Meninas Bruno” conviveram ao longo da infância e da adolescência com o autor, que por isso quis retrata-los, prestar uma homenagem, dar a voz para suas histórias.

14125554_1162420573820759_5801490127488087256_o

Menina Bruno
Com Rhommel Bezerra, Dico Paz, Fernando Dantas, Rogério Nóbrega e Iluska Gaião
TOP Teatro (Rua Rui Barbosa, 201 – Bela Vista, São Paulo)
Duração 60 minutos
05/09 a 24/10
Segunda – 21h
$10
Classificação 14 anos
Dramaturgia, Direção e Produção de Rhommel Bezerra
Foto e Design: Fernando Dantas
Cenário: Rhommel Bezerra
Figurinos: Antonio Miranda
Som e Luz: Carolina Jorge
Trilha Sonora
Direção: Rhommel Bezerra
Vozes: Fernando Dantas e Rhommel Bezerra
Composições e Violão: Fernando Dantas

2 comentários sobre “MENINA BRUNO

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s