FIM?

Após sucesso de público e indicação a prêmios, o Grupo Esparrama formado por Iarlei Rangel, Kleber Brianez, Ligia Campos, Luciana Gandelini e Rani Guerra, encerra a temporada de sua mais nova montagem no Teatro Alfa com uma apresentação especial para cegos e deficientes visuais. No último sábado da temporada, dia 26 de novembro, o grupo se apresenta com a participação da empresa “Ver com Palavras” que trará recursos de audiodescrição, permitindo o acesso de todos os interessados. Neste dia, haverá ainda um transporte especial, que sairá às 16h00 da estação de trem Santo Amaro e após a apresentação retornará para o mesmo ponto de partida.

Com este espetáculo, o grupo convida o público para uma passagem pelo fim do mundo, onde só sobraram duas baratas e dois palhaços. Com o sugestivo nome “FIM?” o grupo propõe importantes reflexões sobre os comportamentos da sociedade contemporânea e questiona: afinal, para onde e de que forma nós, os humanos, estamos caminhando?

Durante a temporada de estreia o espetáculo agradou o público, a crítica especializada e já está entre os finalistas de um dos principais prêmios de teatro da América Latina, o Prêmio São Paulo de Incentivo ao Teatro Infantil e Jovem.

Em um cenário de destruição, duas baratas festejam o fim do mundo, pois agora o mundo é só delas. Mas de repente, se deparam com dois seres atrapalhados e esquisitos que acreditam que poderão plantar a semente do novo recomeço: dois palhaços. Irritadas com a presença destes seres, elas passam a executar planos mirabolantes e colocar divertidas armadilhas para que assim eles entendam que não tem mais jeito, que o mundo agora é das baratas. De forma leve e divertida, estes palhaços irão percorrer cenários de guerras, desastres, catástrofes provocadas pelos seres humanos e convidarão as crianças para encontrar uma forma de reavivar tudo o que foi perdido.

FIM? é um espetáculo que trata das diversas perspectivas sobre o fim do mundo. Por um viés ecológico, trata da necessidade de recuperar a natureza, da necessidade de pensarmos formas de consumo consciente e sustentável. E trata também do fim do mundo decorrente da falta do encontro do ser humano com o seu outro. Do fim do mundo que acontece pela falta de diálogo, pela ausência de afetos, pela falta de empatia com a dor do outro. Assim como no espetáculo, onde os dois palhaços buscam um local para plantar essa semente do recomeço, o Grupo Esparrama entende que as crianças e o seu território infantil, são um terreno fértil para também plantar sua semente. Com a interação das baratas, com estes dois palhaços, o grupo pretende instigar e provocar o público, propondo que as pessoas se percebam e tentem imaginar-se no lugar do outro, estimulando uma reflexão sobre o momento em que estamos vivendo, como tratamos o nosso planeta, buscando uma convivência mais afetuosa e humana, como cidadãos do mundo.

Escolhemos falar com as crianças por que sabemos que elas ainda se deixam afetar, ainda se espantam diante das novidades (sejam boas ou ruins). Queremos continuar falando para as crianças, pois temos esperança de que elas possam emprestar seu olhar inquieto para os adultos. Queremos que elas repitam perguntas que pareçam ingênuas, de tão óbvias que são. Queremos que estas questões sejam repetidas por elas, na esperança que um dia os adultos as ouçam de verdade.”, comenta o diretor do espetáculo Iarlei Rangel.

O Grupo Esparrama ganhou notoriedade por trazer arte para o Minhocão e é um dos grandes responsáveis por dar cara nova a esta região do centro de São Paulo. Esparramando cores, arte e muito bom humor, o grupo cativou a população local e atraiu os olhares de pessoas de diversos lugares, que passaram a incrementar seus domingos de lazer, participando as atividades propostas pelo Esparrama.  Após a explosão do teatro na janela, forma como carinhosamente a população apelidou o projeto onde o grupo apresenta um espetáculo de teatro a partir da janela de um apartamento, localizado em frente ao Minhocão, o Grupo Esparrama volta para falar do fim do mundo, mas mantém sua pesquisa com elementos e importantes reflexões sobre a cidade.

Ótima oportunidade de conhecer o trabalho deste grupo que já faz parte do cotidiano da cidade. Mais informações e a programação completa, você encontra na página: facebook.com/esparrama

Fim?
Com Kleber Bianez e Rani Guerra.
Teatro Alfa – Sala B (Rua Bento Branco de Andrade Filho, 722 – Santo Amaro, São Paulo)
Duração 50 minutos
01/10 até 27/11
Sábado e Domingo – 17h30
$30
Classificação livre

Dia 26 de novembro –  Apresentação especial com audiodescrição – Ver com Palavras

Convites para pessoas com deficiência são limitados e deverão ser reservados através do email: marina@vercompalavras.com.br

Será disponibilizado um transporte da Estação de trem Santo Amaro, com saída às 16h00. Retorno após o espetáculo para a mesma estação.

Direção: Iarlei Rangel.
Assistente de Direção: Lígia Campos.
Cenógrafa, Figurinista e Aderecista: Marcela Donato.
Iluminação: Tulio Pezoni.
Dramaturgia e Trilha Sonora: Grupo Esparrama.
Músicas Originais: Rani Guerra.
Assessora de Imprensa e Comunicação: Luciana Gandelini.
Preparação Corporal: Ronaldo Aguiar.
Designer Gráfico e Cenário da Guerra: Amanda Vieira.
Confecção de Casacos das Baratas: Ana Griz.
Ilustrações do Programa: Marina Faria.
Fotógrafa: Sissy Eiko.
Produção: Lígia Campos e Iarlei Rangel.

O PALHAÇO E A BAILARINA

A fábula musical O Palhaço e a Bailarina é uma linda e comovente história de amor vivida e sonhada com muito ardor e felicidade por um casal de artistas, um palhaço e uma bailarina. Ambos vivem e trabalham juntos em um circo, cujo administrador é um carrasco e fracassado domador de leões, que alimenta uma paixão platônica pela bailarina dos ares.

Por conta da maldade e sua insatisfação como dono do circo, sempre tratou seus artistas mal, deixando-os muitas vezes sem seu mísero pagamento semanal. Tudo muda de figura quando um dia Tombo, o torpe patrão, perde muito de seu dinheiro e parte de seu circo no jogo de cartas e por conta deste vício acaba indo à falência. Tombo vê-se obrigado a demitir todos os artistas de sua trupe menos a graciosa bailarina Anabel, que por sua vez é levada por ele e acorrentada a uma enorme ‘caixinha’ de música. Ela é obrigada a ficar ao seu lado apresentando-se para pequenos públicos no intuito de arrecadar algum dinheiro para o domador.

O Palhaço é arrancado de sua bailarina, e se vê apresentando em ruas e praças onde segue ganhando sua vida com sua graça e sua arte mundana. Ele vive solitário, pensando porque ela ainda não o encontrou. Eis então, que tomado por sua coragem e bravura, o Palhaço parte decidido a encontrar sua companheira, para revelar-lhe seu carinho e admiração. Uma aventura cheia de surpresas e desafios que somente quem ama de verdade sente-se disposto a enfrentar. Mesmo sabendo que terá de vencer seu próprio medo, o Palhaço vai destemido ao encontro dos perigos e obstáculos que os aguardam.

Veja a matéria que fizemos com os atores Kiara Sasso e Lázaro Menezes, durante a primeira temporada no Teatro Porto Seguro.

O Palhaço e a Bailarina
Com Kiara Sasso, Lázaro Menezes e Marcelo Góes
Teatro Cetip (Rua Coropé, 88 – Pinheiros, São Paulo)
Duração 65 minutos
08/10 até 27/11
Sábado – 16h; Domingo – 12h
$60 (crianças que forem vestidas de palhaço ou bailarina pagam R$ 10 de entrada)
Classificação livre
Concepção e Texto Lázaro Menezes
Música Adrian Steinway e Kiara Sasso
Letras Kiara Sasso
Tema e Canções Adicionais Kiara Sasso e Lázaro Menezes
Músicas Incidentais Guilherme Terra
Arranjos e Direção Musical Guilherme Terra
Direção Lázaro Menezes e Kiara Sasso
Coreografia Anelitta Galo
Cenografia Lázaro Menezes
Cenotécnica Tato Menezes, Carlos Tibúrcio, Alex T. Santiago, Maycon Marcondes, Betão Serralheria, Roberto Vidal, Esequiel Tibúrcio Jr. “Pateta” e Mara César
Diretor de Palco Rafael Moreno
Maquinista Marcel Marciano
Rapel e Segurança Aérea Marcel Marciano
Figurino Ligia Rocha e Kiara Sasso
Peruca Simone Momo
Visagismo Kiara Sasso
Alfaiate Domingos de Lello
Modelistas Angela May e Juliana Queiroz
Costureira Carmelita Guimarães
Designer de Luz Drika Matheus
Designer de Luz Associado Rogério Cândido
Operadores de Luz Drika Matheus e Rogério Cândido
Canhoneiros Douglas Amorim, Fábio Govith e François Moretti
Designer de Som Gabriel D’Angelo
Designers de Som Associados Bruno Pinho, Gabriel Bocutti, e Alexandre Martins “Japa”
SFX Luciano Monson
Operador de Som Alexandre Martins “Japa”
Design Gráfico Vicka Suarez
Fotografia Caio Gallucci
Assessoria de Imprensa T4F
Vídeos para Redes Sociais Desteatrando
Direção de Produção Kiara Sasso e Lázaro Menezes
Gerente de Produção Egberto Simões
Produtora Tatiana Véliz “Chilena”
Produtora Executiva Manu Littiery
Assistente de Produção / Contra-regra Rodrigo Burgese “Di”

TEATRO DA ROTINA (WORKSHOP)

 

No dia 17 de outubro, a partir das 10h o Teatro da Rotina apresenta um dos maiores e mais bem sucedido storyteller do mundo: James McSill. Em uma única apresentação James irá apresentar estratégias, projetos e negócios em um workshop de verdadeiro crescimento profissional.

James McSill é anglo-brasileiro, trilíngue e linguista por formação, é um dos únicos consultores a ganhar prestígio de grandes celebridades. Essa conquista  vem através de uma experiência na arte de conduzir empresas, autores e profissionais no campo do entretenimento. James é fundador e diretor-executivo do McSill Studio e é pioneiro em Storytelling. Sua maior missão é levar as pessoas a entender que a história pode mudar a história, transformando vidas, proporcionado satisfação, bem-estar e felicidades. James é responsável por conduzir treinamentos, seminários, conferencista em convenções de RH e acadêmicas, workshops além de consultorias privadas – corporativo, individual, editorial e de entretenimento –  e autor de várias obras. O seu trabalho já atingiu mais de dez mil pessoas ao ano e em 2016 desembarca na capital paulista para aproximar ainda mais as pessoas de sua ideias e projetos.

Será um workshop intimista e solidário – cinquenta lugares – onde toda arrecadação adquirida no evento será revertida para manutenção do Teatro Da Rotina. Um verdadeiro bate-papo entre o consultor – uma visão de quem conhece a cultura em outros países – e participantes que busca um conhecimento ainda maior em cultura.  O encontro acontecerá segunda-feira, 17 de outubro, das 10h às 17h no Teatro da Rotina – Rua Augusta, Bela Vista, São Paulo. Workshop vai contar ainda com as participações do atores e diretor Bruno Garcia e Leonardo Medeiro.

O Teatro da Rotina é uma entidade informal, sem fins lucrativos criado por um grupo de artistas – O ator e diretor Leonardo Medeiros foi o grande idealizador do espaço (2012)   dedicado a pesquisa de linguagem em artes cênicas, produção audiovisual, formação de artistas e técnicos do palco. Um lugar simples mas rico em arte e criatividade.

14332949_1215170358533640_4402377112294403964_n.jpg

Teatro Da Rotina apresenta: Bruno Garcia, James McSill e Leonardo Medeiiros
Teatro da Rotina (R. Augusta, 912 – Consolação, São Paulo)
17/10
Segunda – 10h às 17h
$500
Ingressos antecipados para workshop pelo site: www.benfeitoria.com/teatrodarotina  Informações e reservas : rp.teatrodarotina@gmail.com – (11) 3582-4479

 

SAMBA JAZZ, O MUSICAL

Livremente inspirado em uma matéria sobre OCUPAÇÃO e FAMÍLIAS DESABRIGADAS, essa história pode se passar em qualquer tempo, mas nesse cenário escolhido que é a periferia. Com personagens que podemos ou não encontrar pelas ruelas dessa grande São Paulo. Aqui temos toda a cadência do samba e as notas tortas do Jazz.

Esse espetáculo é pra quem se incomoda com alguma situação e vai lutar por isso. Sem mostrar um olhar pejorativo, o espetáculo nos leva a ver que a vida na periferia pode ser linda sim, mesmo com todas as histórias que permeiam e que de um jeito ou outro se conectam. Como uma madeira bruta talhada a mão, nasce à vontade de viver dessa gente, que depois de muitos calos revelam-se belas esculturas da vida.

O musical destaca quatro histórias de famílias que vivem os seus dramas. Junto com os outros moradores tentam todos os dias viver em um LUGAR MELHOR. Não há protagonistas nessa história, só o Passado, Presente e Futuro se conectando em um só lugar esquecido pelo tempo e pelas pessoas.

Samba Jazz, o Musical
Com Carine Desiderá, Débora Carolyne, Dimmy Anderson, Érica Ribeiro, Fabiola de Deus, Jorge Costa, Josi Lopes, Léia Lopes, Léo Mello, Lucas Fernandes, Luis Navarro, Mila Coimbra, Tom Santos, Wagner Lima
Músicos: Victor Pretti (Teclado 1); Gustavo Molina (Baixo Acústico)
Espaço Cia da Revista (Alameda Nothmann, 1135 – Santa Cecília, São Paulo)
18/10 a 14/12
Terça e Quarta – 21h
$40
 
Texto, Letras & Direção: Well Rianc
Músicas, Arranjos & Direção Musical: Victor Pretti
Cenário e Figurino: Fábio Hisi (In Memoriam)
Iluminação: Tie Valente
Produção: Riatti Produções Artísticas

DZI CROQUETTES

O grupo Dzi Croquettes volta em 2017 para mais uma temporada de sucesso em comemoração aos 45 anos do grupo. As festividades tiveram início na cidade a partir de 2015, com uma série de shows no Teatro João Caetano e na casa de shows HSBC, e depois no ano passado no Teatro Augusta.

O espetáculo mostra toda a irreverência e transgressão deste grupo, que se uniu no ano de 1970, na cidade do Rio de Janeiro e que fez sucesso no país e no exterior. São apresentados ao público paulistano quadros clássicos e novas criações.

Veja a entrevista que fizemos com o ator e integrante original do grupo, Ciro Barcelos, realizada no dia 01 de maio de 2015.

Dzi Croquettes
Com Ciro Barcelos, Bruno Gissoni, Lucas Cândido, Rodolfo Goulart, Filipe Ribeiro, Rafael Leal, Paulo Victor Gandra, Julio Aracack, Rogério Nóbrega
Teatro Augusta (Rua Augusta, 943 – Consolação, São Paulo)
Duração 90 minutos
18/01 a 23/02
Quarta e Quinta – 21h
$80
Classificação 14 anos
Concepção, Texto e Direção Geral: Ciro Barcelos
Assistente de Direção: Radha Barcelos
Direção Musical: Demetrio Gil
Trilha Sonora: Demetrio Gil e Flaviola
Coreografia: Ciro Barcelos e Lennie Dale
Ensaiador de Coreografia: Rodolfo Goulart
Figurinos e Adereços: Claudio Tovar
Cenografia: Pedro Valério
Coreógrafos convidados: Eliane Carvalho (Flamenco) e Neuza Abbes (Tango)
Estamparia das asas das “Borboletas”, calcinhas do “Cancan” e sapatos da Carmem Miranda: Victor Dzenk
Figurino do Yê Mele: Ciro Barcelos

NOVO FILME “LIVE ACTION” DA DISNEY

Após o sucesso de público e crítica do filme “live action” (com atores) de “Mogli, o Menino Lobo” (2016), a Disney teve mais certeza na decisão de refilmar seus clássicos.

moglimeninoloboposter.jpg

Para o próximo ano, está programada o lançamento de “A Bela e a Fera” no dia 16 de março, com os atores Emma Watson e Dan Stevens nos papéis principais. O elenco ainda conta com os nomes de Josh Gad (Lefou), Luke Evans (Gaston), Ian McKellen (Cogsworth), Ewan McGregor (Lumiere) e Kevin Kline (Maurice), entre outros. A direção é de Bill Condon (Saga Crepúsculo).

Agora, o próximo sucesso a ser transposto para as telas é “O Rei Leão“. A direção cabe novamente a Jean Favreau, responsável também por Mogli. O filme está em processo de desenvolvimento e produção. Ainda não há previsão de lançamento.

O filme original é de 1994 e arrecadou cerca de 970 milhões de dólares no mundo inteiro e ganhou dois Oscars – melhor canção original (“Can you feel the love tonight”) e melhor trilha sonora.

A produção da Broadway já está em cartaz há 19 anos e ganhou seis Tonys. Esteve em cartaz no Brasil em 2014. Seu protagonista, Tiago Barbosa, está agora em palcos espanhóis, revivendo o papel que o fez conhecido do público.

 

 

 

RUBRO – O MUSICAL (PROCESSO)

Em meio à série de crimes que aterroriza Sovadinho, o corpo de um homem é encontrado em frente à Catedral Dominiana, um único tiro no peito.

Sem evidências de autoria, o laudo aponta mais uma vítima da violência urbana.   Anos depois, prestes a arquivar o assassinato do famoso pintor Pierre Franc’bene, o investigador Marcuzzone avalia uma última vez as fotos tiradas em 13 de fevereiro de 1923. Duas iniciais: J.B, quase passaram despercebidas.

Traições, jogos e desejos obscuros saem à tona. Testemunhas e suspeitos invertem papéis.

Todas as mulheres presentes no passado do falecido ganham os holofotes: a esposa dedicada, a freira Ana Rosa, uma dançarina de cabaré, a vizinha interesseira e até uma antiga namorada. Cada qual com uma versão da história, a parte silenciada dos fatos.

O que um casaco esquecido, um diário secreto e uma viagem de última hora podem revelar sobre a natureza humana? O que escapa aos olhos do homem. Há crime perfeito. Não se pode mexer no fundo do poço sem turvar a água de lama.

Abertura do Processo

Trata-se de uma amostra do processo de criação do espetáculo Rubro – o Musical realizado pela Cia. Unó de Teatro. São fragmentos do processo de pesquisa e criação do espetáculo.

Esta abertura de processo já foi apresentada em alguns eventos, dentre eles na Escola Viva de Artes Cênicas de Guarulhos, Bosque Maia, praças, e Livraria Nobel (Espaço Novo Mundo).

 

Maiores informações pelo site ou pelo facebook do Cia. Unó de Teatro.

Rubro – O Musical
Com Cia. Unó de Teatro: Angela Leão, Maciel Ferreira, Aldrey Tarrataca, Diego Pinheiro, Sandro Coimbra, Fernanda Gama, Matheus Bortolatto, Liia Caldeira e Danielle Carvalho
Rua Augusto Rusch (Praça B), Inocoop – Guarulhos / SP. 01/10
Sábado – 16h (abertura do processo do espetáculo Rubro às 17h15)
Entrada gratuita
Texto: Angela Leão e Maciel Ferreira Direção: Diego Pinheiro Assistência de direção: Sandro Coimbra Preparador corporal: Hélio Lima