PRÊMIO BIBI FERREIRA – COMO FOI?

A classe artística reuniu-se ontem no Teatro Santander (SP) para comemorar a 4ª edição do Prêmio Bibi Ferreira, que homenageia e reconhece o trabalho dos artistas do Teatro Musical.

Em uma noite de gala, cerca de 800 artistas, produtores, músicos e técnicos foram recebidos no tapete vermelho do evento, onde puderam registrar o momento da entrada em frente ao backdrop oficial do prêmio. A grande maioria dos convidados estava trajando seus smokings e longos de festa. Foram recebidos no interior do teatro com águas saborizadas, drinks, vinhos e canapés servidos pelos patrocinadores.

Terminado o coquetel, ocuparam todos os setores (plateia, plateia superior, frisas e balcão) do Teatro Santander (a nosso ver, foi o local que melhor acomodou a todos até agora: qualidade, visibilidade e conforto das poltronas, o ar condicionado funcionando – ah, quem se lembra do calor vivido no ano passado no Theatro Municipal?)

P.S. infelizmente tiveram algumas reclamações por causa da separação no coquetel de quem estava na plateia com os outros setores.

O evento teve mais uma vez a presença de Alessandra Maestrini como Mestre de Cerimônias.

temp_regrann_1474492966746

Aproveitando o clima eleitoral (brasileiro, norte americano e a polarização da política brasileira em dois lados apenas), o número de abertura mostrou Maestrini fazendo campanha para se reeleger para o cargo para mais quatro anos.

Só que aparecem representantes do “Movimento Pelo Coro Livre“, que querem tomar o poder para si (para descontrair a situação, teve até Murilo Armacollo fazendo sotaque nordestino). No meio do embate político, sobrou até para a audição do novo musical da T4F – “Les Miserables“.

P.S. Além de dar mais poder ao coro, o Prêmio Bibi Ferreira poderia contemplar outras categorias importantes como Visagismo, Swing, Elenco, Produção, Teatro Infantil Musical…. Afinal eles também são muito importantes para a realização do espetáculo. Há de se pensar nisso!

14445989_1350404631654094_3312129801376594122_n

Elenco Prêmio Bibi – Murilo Armacollo, Olívia Branco, Mariana Amaral, Daniel Cabral, Mariana Barros, Brenda Nadler, Mari Saraiva, Johnny Camolese, Mariana Hidemi, Elton Towersey e Carol Costa. Na frente, Renato Bellini, Thiago Garça e Pedro Arrais (foto – Thiago Garça)

Depois, foi hora de receber apresentadores como o elenco principal do “O Musical Mamonas” (Ruy Brissac, Adriano Tunes, Yudi Tamashiro, Elcio Bonazzi e Arthur Ienzura), Daniel Boaventura, Diego Montez, Laila Garin e Tiago Abravanel.

Kiara Sasso relembrou seu papel como Bela, em “A Bela e A Fera“, quando apresentou a categoria versão. Já Li Martins (ou Lissah ou Patrícia) cantou o hit do grupo Rouge – ‘Ragatanga’, com vários arranjos  musicais (categoria arranjo original). Totia Meireles arriscou fazer os convidados cantarem e dançarem ‘All That Jazz’ (“Chicago”), mas foi acompanhada de uma maneira morna por parte da plateia.

Foram também apresentados números dos cinco espetáculos que concorriam a categoria de melhor musical: Cinderella, o Musical; Gabriela, um Musical; Gilberto Gil – Aquele Abraço, o Musical; We Will Rock You e Wicked.

A plateia se empolgava mesmo era nos anúncios dos candidatos. Sentamos do lado do elenco do “Wicked” (que também tinha alguns atores que participaram de “Antes Tarde do que Nunca“) . A cada menção dos musicais, era uma festa. Sugestão – pena que não dá para escolher o lugar onde vai se assistir a cerimônia, mas torça para sentar do lado deles. Uma diversão a parte.

Um a um os ganhadores foram revelados. O que na indicação das categorias, ficou concentrado na mão de alguns musicais, a premiação foi pulverizada. Com três prêmios ficaram “Wicked“, “Gabriela, um Musical“, “Antes Tarde do que Nunca” e “Gilberto Gil – Aquele Abraço, o Musical“. Com duas premiações, “Meu Amigo, Charlie Brown“e “O Musical Mamonas“. E com uma estatueta “4 Faces do Amor“, “Cinderella, o Musical” e “Memórias de um Gigolô“.

A lista dos vencedores está no término desta matéria.

A atriz Suely Franco foi ovacionada por seus colegas quando recebeu o Prêmio de Honra, pelo reconhecimento de sua carreira. São mais de 83 peças, sendo 23 musicais, entre eles “Os Fantastikos” (1966), “O Mágico de Oz” (1990), “As Noviças Rebeldes” (1992). Suely entrou no palco atuando no número “Magic to Do” de “Pippin“, que ela participou em 1974.

Outra homenageada da noite, foi a Fundação Lia Maria Aguiar (FLMA) que recebeu a medalha Artur Azevedo, pelo seu trabalho. A Fundação é uma instituição independente e sem fins lucrativos, que trabalha pelo desenvolvimento de educação,cultura, meio ambiente e inclusão social para milhares de crianças que moram em Campos do Jordão, e região. Tem o grupo de Teatro Musical, que já apresentou “A Princesinha” e “Uma Luz Cor de Luar“. A sua fundadora, sra. Lia Maria Aguiar, foi pessoalmente receber a medalha.

Infelizmente, uma outra homenagem foi prestada na noite de ontem. Esta – triste por não os termos mais nos palcos e próximos de nós – prestada aos artistas que nos deixaram neste ano. Os nossos aplausos calorosos a todos, entre eles, Antonio Abujamra, Odele Lara, Barbara Heliodora, Bob Lester, Ada Chaseliov, Selma Reis, Roberto Sargentelli, Naum Alves de Souza, Guilherme Karam, Sábato Magaldi, Elke Maravilha, Domingos Montagner e Marília Pêra.

Marília recebeu mais duas homenagens. A primeira, foi quando o elenco original de “Alô, Dolly”, seu último musical, subiu ao palco para interpretar a canção título, enquanto fotos dela apareciam no telão ao fundo.

temp_regrann_1474493882192a segunda foi dar seu nome ao “Manto da Marília“. Desde janeiro deste ano, circulou entre as produções teatrais que concorreram ao prêmio (foram 24) pedaços de pano, onde todos os artistas assinavam-no. Com isso, o estilista Fause Haten costurou todos os pedaços, transformando-os em o Manto. Este manto será entregue para o ator/atriz revelação, como uma forma da classe teatral dar as boas vindas, abraçá-lo, guiá-lo e protegê-lo. O primeiro vencedor foi o ator Ruy Brissac, que interpretou ‘Dinho‘ no “O Musical Mamonas“.

As duas últimas categorias da noite – Musical Brasileiro e Musical – foram apresentados por duas divas do nosso Teatro: Eva Wilma e Nicette Bruno (estão em cartaz em “O Que Terá Acontecido a Baby Jane“). Elas chamaram ao palco os produtores e elencos de “Gabriela, um Musical” e “Wicked“, respectivamente.

temp_regrann_1474494346139

Depois de aproximadamente três horas de cerimônia, Alessandra Maestrini apresentou o número final. Como ela achava que ser diva só do teatro musical brasileiro era pouco, ela estava de mudança para um outro planeta, para aumentar o seu público.

Na saída, ainda houve tempo para outro momento de encontro entre os artistas. Era a hora dos vencedores receberam cumprimentos, beijos e abraços de seus colegas de trabalho.

E por volta da 01h30, basicamente fechamos o teatro (ficaram os técnicos que estavam desmontando o palco e retirando todos os figurinos e equipamentos). Sobrou tempo ainda para a nossa única foto no backdrop oficial (pedimos para o funcionário que iria desmontá-lo que aguardasse um pouco).

14355544_860418117422199_1753137831342807070_n

Resumindo: todos saíram da cerimônia felizes e satisfeitos (esperamos que até os não vencedores pensem assim!). Mais uma vez, o Teatro Santander foi o melhor local como sede da cerimônia. Agora é esperar pelas surpresas que virão no próximo ano.

Quer ver a cerimônia inteira? A Clap Me gravou inteira e você pode ver neste link.

Lista de Vencedores da 4ª edição do Prêmio Bibi Ferreira

Melhor Desenho de Som: BRANCO FERREIRA (Gilberto Gil, Aquele Abraço)

Melhor Desenho de Luz: CESAR DE RAMIRES (Gabriela Um Musical)

Melhor Cenografia: ROGERIO FALCÃO (Cinderella)

Melhor Figurino: FÁBIO NAMATAME (Antes Tarde do que Nunca)

Melhor Versão: MARIANA ELISABETSKY (Meu Amigo Charlie Brown)

Melhor Roteiro Original: EDUARDO BAKR (4 Faces do Amor)

Melhor Arranjo Original: NANDO DUARTE (Gilberto Gil, Aquele Abraço)

Melhor Coreografia: FERNANDA CHAMMA (Antes Tarde do Que Nunca)

Melhor Música Original: JOSIMAR CARNEIRO (Memórias de um Gigolô)

Melhor Diretor Musical: NANDO DUARTE (Gilberto Gil, Aquele Abraço)

Ator/Atriz Revelação: RUY BRISSAC (O Musical Mamonas)

Melhor Direção: JOÃO FALCÃO (Gabriela Um Musical)

Melhor Ator Coadjuvante: PATRICK AMSTALDEN (O Musical Mamonas)

Melhor Atriz Coadjuvante: JANA AMORIM (Antes Tarde do Que Nunca)

Melhor Ator: LEANDRO LUNA (Meu Amigo Charlie Brown)

Melhor Atriz: FABI BANG (Wicked)

Melhor Musical Voto Popular: WICKED (T4F Entretenimento)

Melhor Musical Brasileiro: GABRIELA UM MUSICAL (Caradiboi e Tempo Entertainment)

Melhor Musical: WICKED (T4F Entretenimento)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s