ROMEU E JULIETA – DE ALMAS SINCERAS A UNIÃO SINCERA NADA HÁ QUE IMPEÇA

Escrita entre 1591 e 1595, Romeu e Julieta se tornou uma das maiores referências da obra teatral de William Shakespeare. Baseado no mito romano de Píramo e Tisbe, tornou-se um dos maiores signos de romantismo da História, sendo quase impossível listar todas as obras que se inspiraram neste clássico. De Amor de Perdição, de Camilo Castelo Branco, até a saga Crepúsculo, best seller da escritora americana Stephanie Meyer, passando pela ópera de Gounod, pelo musical da Broadway West Side Story e pelas versões cinematográficas, as leituras se sucedem sempre revelando novos aspectos e refletindo sobre o amor puro (e proibido), capaz de atos de entrega extrema, como a própria morte.

Tão forte quanto o obstáculo que alimenta e potencializa a paixão entre os dois jovens, está a ideia de amor interrompido, que não tem tempo para passar pelas adversidades dos relacionamentos humanos, sejam estes de que época forem. Quais seriam os obstáculos ao amor no século XXI?

Na versão do original montada pelo Núcleo Experimental em 2006 com o título de R&J, quatro atores se revezavam entre todos os papéis da peça, permitindo um olhar sobre a afetividade em todas as suas manifestações.

Nesta remontagem, um elenco jovem de quatro atores e três atrizes aprofunda essa investigação sobre como as questões de gênero influenciam na leitura de uma mesma obra: até que ponto estamos atrelados a papéis e a modelos de comportamento impostos pelo gênero? Como as questões de gênero se relacionam com a construção da afetividade? Como as questões de gênero se relacionam com a descoberta da sexualidade? Como a sociedade encara a homo afetividade e a homofobia?

Sinopse

Num espaço abandonado de uma grande cidade qualquer (pode ser a São Paulo de Marco Feliciano ou a Moscou de Vladimir Putin), sete jovens estudantes de teatro resolvem passar a noite ensaiando Shakespeare e se revezam nos papeis de Romeu e Julieta. Na medida em que a peça avança em direção ao seu desfecho trágico, a ficção e a realidade se misturam; o espaço e o tempo se relativizam, abrindo caminho para a violência, a paixão, o poder e a morte. Ao final, a peça é ainda mais real do que todos poderiam imaginar.

 

Romeu e Julieta – De almas sinceras a união sincera nada há que impeça
Com Cícero de Andrade, Danilo Rosa, Débora Peccin, Lucas Sanchez, Luiza Porto, Natália Foschini, Thiago Sak
Teatro do Núcleo Experimental (Rua Barra Funda 637 – Barra Funda, São Paulo)
Duração 100 minutos
29/10 até 19/12
Sábado – 21h; Domingo – 19h; Segunda – 21h
$40
Classificação 14 anos
 
Direção – Zé Henrique de Paula
Direção Musical e Preparação Vocal – Fernanda Maia
Preparação de Elenco – Inês Aranha
Assistente e Direção – Herbert Bianchi
Cenário – Zé Henrique de Paula
Assistente de Cenografia – João Paulo Oliveira
Figurinos – Zé Henrique de Paula e Cy Teixeira
Iluminação – Fran Barros
Projeto Gráfico – Herbert Bianchi
Coordenação de Produção – Claudia Miranda
Produção Executiva – Mariana Mello
Assistente de Produção – Laura Sciulli
Assessoria de Imprensa – Pombo Correio

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s