ROQUE SANTEIRO

Uma das novelas que mais fez sucesso no Brasil chega aos palcos do teatro musical brasileiro. “Roque Santeiro” tem estreia prevista para 27 de janeiro de 2017, no Teatro FAAP.

A novela, de Dias Gomes, foi apresentada entre junho de 1985 e fevereiro de 1986. Tinha uma média geral de 67 pontos de audiência, o que fez com que fosse a novela de maior audiência da televisão brasileira.

No elenco, nomes de peso como José Wilker, Regina Duarte, Lima Duarte, Yoná Magalhães, Ary Fountoura, Eloísa Mafalda, Armando Bógus, Lucinha Lins, Cássia Kiss, Cláudio Cavalcanti, Lídia Brondi e Carlos Augusto Strazzer. Foi nesta novela que Claudia Raia, Alexandre Frota e Maurício Mattar ficaram conhecidos pelo grande público.

A novela, além de seus três álbuns, influenciou no vestuário feminino (turbantes da personagem Viúva Porcina); foi capa de várias revistas; e foi transformada em álbum de figurinhas.

roque-santeiro-1985-novela_MLB-F-3096861953_092012.jpg

O Musical

Esta é a primeira vez que Roque Santeiro será montada, em formato musical, em São Paulo. O texto, tornado clássico depois de proibido e adaptado com grande sucesso para a TV, será finalmente encenado no formato pensado originalmente pelo autor Dias Gomes – como uma opereta popular.

O elenco desta montagem é composto por 13 atores: Jarbas Homem de Mello é Chico Malta; Livia Camargo faz a viúva Porcina; Flávio Tolezani é Roque Santeiro; Mel Lisboa interpreta Mocinha, filha de Dona Pombinha, vivida pela atriz Nábia Villela, e do prefeito Florindo Abelha, interpretado por Dagoberto Feliz.

Edson Montenegro é Padre Hipólito; Luciana Carnieli vive a dona do bordel da cidade, Matilde, e as duas prostitutas – Rosali e Ninon – são vividas respectivamente pelas atrizes Yael Pecarovich e Giselle Lima. O músico e ator Marco França faz o papel de Toninho Jiló. Samuel de Assis é Zé das Medalhas, e Cristiano Tomiossi faz o papel do General.A estreia acontece dia 27 de janeiro no Teatro FAAP.

A trilha sonora composta por Zeca Baleiro é executada ao vivo pelos atores com o apoio de dois músicos – André Bedurê (baixo e violão) e Érico Theobaldo (guitarra, percussão e eletrônicos). Baleiro musicou algumas letras do autor que já existiam na versão original do texto e compôs outras canções especialmente para a peça.

“A trilha traz um toque levemente marcial, um certo tom militar, mas também tem elementos de bolero, tango, baião, valsa, muita brasilidade e brejeirices. Mas é bom deixar claro: a peça é diferente da novela, desde o texto até a música”, comenta Zeca Baleiro.

Roque Santeiro marca a quarta parceria da diretora Debora Dubois com o compositor. Juntos, eles já fizeram “Quem tem Medo de Curupira?”, “Lampião e Lancelote” e “A Paixão Segundo Nelson”. “Essa parceria é longa porque nos entendemos muito artisticamente, o Zeca é um artista muito completo, que entende o teatro e coloca a música a seu serviço de uma forma linda”, conta a diretora. “Optamos por uma trilha musical original. Resistimos à tentação de usar músicas da trilha da novela, que foi muito marcante. Mas, como uma espécie de ‘homenagem’ à novela, incluímos dois trechos de canções de Sá & Guarabyra”, continua Débora.

A direção de movimento é de Fabrício Licursi que, junto com Debora Dubois, optou por coreografias mais orgânicas, que misturam gestos e traços característicos dos personagens com a movimentação coletiva nos números musicais, como se reproduzissem festas populares na fictícia cidade de Asa Branca.

Abaixo o tema da novela, interpretado por Sá e Guarabyra.

Enredo da Novela

A história acontece na cidade de Asa Branca, um microcosmo do Brasil. No passado, Roque Santeiro, que era um artista que esculpia imagens sacras, foi assassinado ao defender os habitantes da cidade dos capangas do bandido Navalhada. Por causa disso, Roque foi santificado pela população. Os poderosos da cidade criaram um comércio e fizeram com que Asa Branca prosperasse por causa do seu filho mais ilustre.

No presente, Roque Santeiro, que não morreu, volta para acabar com esse comércio criado ao redor do seu nome. Isso irá mexer com as bases políticas, religiosas e econômicas da cidade e não deixará muita gente feliz.

E como se isso fosse pouco, há uma viúva que nunca foi (Porcina); a namorada de Roque que vive perseguida por um lobisomem;  a abertura da boite Sexus em uma cidade tradicional; e a vinda de uma equipe de cinema para gravar a história do herói.

Curiosidade

A novela é baseada em uma peça teatral de Dias Gomes, cuja primeira montagem é de 1965, mas que foi censurada pela ditadura militar brasileira. Dez anos depois, a rede Globo tentou fazer uma primeira versão da novela com o nome de “A incrível história de Roque Santeiro e sua fogosa viúva, que o era sem nunca ter sido”, mas que também foi censurada. Só 20 anos após a primeira montagem do texto teatral, é que as aventuras de Roque Santeiro foram apresentadas ao público.

trilhas

Trilha Sonora

Outro sucesso foi a trilha sonora criada para a novela. “Roque Santeiro” teve algo inédito. Sempre que uma novela era lançada, a gravadora Som Livre lançava um álbum com músicas nacionais e outro com internacionais.

Mas, por ser uma novela cuja trama original era regional, foram lançado dois álbuns com músicas nacionais: “Volume 1” e “Volume 2″, para depois lançar o internacional. O primeiro álbum nacional chegou a vender mais de 500.000 cópias em três meses.

“Roque Santeiro” produziu sucessos no ano de 1985 como: “Dona” (Roupa Nova), “Vitoriosa” (Ivan Lins), “Sem Pecado e Sem Juízo” (Baby do Brasil), “De Volta pro Aconchego” (Elba Ramalho), “Chora Coração” (Wando), “Isso Aqui Tá Bom Demais” (Dominguinhos e Chico Buarque), “Coração Aprendiz” (Fafá de Belém), entre outras.

Para encerrar a matéria, vamos relembrar a música tema da viúva Porcina (Regina Duarte), interpretada pelo conjunto Roupa Nova – “Dona“.

Roque Santeiro
Com Jarbas Homem de Melo, Livia Camargo, Flavio Tolezani, Mel Lisboa, Luciana Carnieli, Edson Montenegro, Dagoberto Feliz, Nábia Villela, Yael Pecarovich, Giselle Lima, Marco França, Samuel de Assis, Cristiano Tomiossi.
Teatro FAAP (Rua Alagoas, 903 – Higienópolis, São Paulo)
Duração 120 minutos
Estreia 27/01
Sexta e Sábado – 21h; Domingo – 18h
$80/$90
(dias 27/01 e 03/02 – ingressos a $30)
Classificação 14 anos
 
Texto: Dias Gomes.
Direção: Débora Dubois.
Direção musical: Zeca Baleiro.
Músicos: André Bedurê e Érico Theobaldo.
Assistência de direção: Luis Felipe Correa.
Direção de movimento: Fabrício Licursi.
Cenário: Débora Dubois.
Figurinos: Luciano Ferrari.
Iluminação: Fran Barros.
Preparação Vocal: Marco França.
Produção Executiva: Fabrício Síndice e Vanessa Campanari.
Coordenação: Elza Costa.
Direção de Produção: Edinho Rodrigues.
Assessoria de Imprensa: Pombo Correio
Realização: Ministério da Cultura e Brancalyone Produções Artísticas.

Um comentário sobre “ROQUE SANTEIRO

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s