5 X COMÉDIA

Após um hiato de quase 20 anos, o “5 X Comédia”, uma das grandes sensações do teatro brasileiro da década de 90 – concebido por Sylvia Gardenberg, produzido pela Dueto e visto por mais de 450 mil espectadores –, está de volta. Após temporadas de sucesso no Rio de Janeiro,  Brasília, Belém e Curitiba, a nova montagem, dirigida por Monique Gardenberg e Hamilton Vaz Pereira, agora chega a São Paulo, onde fica em cartaz no teatro Frei Caneca, de 10 de março a 30 de abril, com cinco esquetes escritos e interpretados por alguns dos mais incensados nomes do humor e da nova dramaturgia contemporâneos.

Nesta versão do século XXI, Bruno Mazzeo, Debora Lamm, Fabiula Nascimento, Lucio Mauro Filho e Thalita Carauta têm a incumbência de dar vida aos personagens criados, respectivamente, por Antonio Prata, Julia Spadaccini, Jô Bilac, Gregorio Duvivier e Pedro Kosovski. O espetáculo tem cenário de Daniela Thomas e Camila Schmidt, iluminação de Maneco Quinderé e figurino de Cassio Brasil. A BB Seguridade, empresa que concentra as operações de seguros, previdência, capitalização e planos odontológicos do Banco do Brasil, apresenta e patrocina o projeto, que conta também com o patrocínio da Renner. A venda de ingressos se inicia no dia 22 de fevereiro no site www.ingressorapido.com.br e na bilheteria do Teatro Frei Caneca (mais informações no serviço abaixo).

MAIS UMA VEZ CINCO

Por Isabel De Luca

Percebendo-se ultrapassada pelas princesas contemporâneas, uma Branca de Neve à base de rivotril lê Simone de Beauvoir na tentativa de construir uma nova mulher. Flavio tenta estabelecer regras para uma suruba que começa a rolar durante uma festa no apartamento emprestado da mãe. Um pai de primeira viagem recorre a medidas extremas após meses de privação de sono e precisa se explicar na delegacia. Enquanto aproveita mais um teste de elenco para filar um lanche, uma figurante sem noção tira o diretor do sério. Indignada com a maneira como o pet shop elege os bichos da vitrine, uma arara tem um arroubo de ódio direcionado sobretudo a um Poodle Queen.

Marco do teatro carioca dos anos 1990, o espetáculo “5 X Comédia” está de volta pelas mãos de Hamilton Vaz Pereira, diretor-geral das três versões anteriores, e Monique Gardenberg, produtora da montagem original. Dezessete anos depois da última encenação, uma nova geração entra em cena: Antonio Prata, Jô Bilac, Julia Spadaccini, Gregorio Duvivier e Pedro Kosovski são os autores dos textos interpretados, respectivamente, por Bruno Mazzeo, Fabiula Nascimento, Debora Lamm, Lucio Mauro Filho e Thalita Carauta. Desta vez, Hamilton e Monique dirigem juntos os cinco esquetes.

Assistidas por mais de 450 mil pessoas em dezenas de cidades brasileiras, as versões de 1993, 1995 e 1999 celebrizaram-se por fichas técnicas cujas vidas se entrelaçavam desde a década de 1970, ora no grupo de teatro Asdrúbal Trouxe o Trombone – capitaneado, não por acaso, por Hamilton –, ora no programa “TV Pirata”, que foi ao ar na Rede Globo de 1988 a 1990 e voltou à grade em 1992. Os quadros e os atores foram se revezando nos palcos. Quinze quadros. Doze atores: Andréa Beltrão, Denise Fraga, Diogo Vilela, Pedro Cardoso, Luiz Fernando Guimarães, Débora Bloch, Fernanda Torres, Miguel Magno, Cláudia Raia, Patrycia Travassos, Evandro Mesquita, Totia Meireles.

Agora, sublinha Monique, não é muito diferente. “São atores-criadores que se uniram para a produção de um novo humor, como foi o caso da série ‘Cilada’, que ficou no ar durante seis temporadas, do filme ‘Muita calma nessa hora’, ou do programa ‘Junto e Misturado’. E aos cronistas como Antonio Prata e Gregorio Duvivier se unem a turma da nova dramaturgia de Jô Bilac, Julia Spadaccini e Pedro Kosovski, movimento renovador do teatro carioca”, ela situa. Hamilton classifica a nova montagem de “corajosa”: “Quem viu lá atrás pode querer comparar, e isso é um perigo. Mas a nova versão não se amedronta, é o que se percebe nos textos que recebemos e na vitalidade que está sendo mostrada por cada intérprete.

 Retornar ao “5 X Comédia” era um desejo antigo que só ganhou corpo quando Monique se aproximou de Bruno Mazzeo por intermédio de Augusto Casé, que produz os filmes de ambos. Se em 1993 a peça foi concebida por Sylvia Gardenberg, irmã de Monique, a partir de um encontro com Pedro Cardoso, Bruno foi o catalisador da nova montagem. “Vi nele, esse cara multitalentoso que eu admirava de longe, o parceiro que precisava para me ajudar a trazer a peça de volta, assim como o Pedro ajudou a Sylvinha a escalar autores, atores, diretores”, diz a diretora. “Isso aqui é, também, uma homenagem a ela.”

Unidos esteticamente pelo cenário de Daniela Thomas e Camila Schmidt, pela luz de Maneco Quinderé e pelo figurino de Cassio Brasil, os cinco quadros também dialogam no que trazem de mais atual. Temas e citações se repetem aqui e ali: o novo feminismo, a intolerância que borra os limites entre civilidade e barbárie, o desenho animado “Peppa Pig”, as corruptelas da vez – caso do ubíquo “miga”: “Miga, cê tá bem?”, pergunta a Branca e Neve do esquete de Julia Spadaccini ao encontrar Alice deprimida na cama. 

Desde que o espetáculo foi idealizado – e apresentado em apenas três sessões na primeira encarnação, para comemorar os cinco anos do Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) –, 11 autores passaram pelo programa: Luis Fernando Verissimo, Mauro Rasi, Vicente Pereira, Pedro Cardoso, Hamilton Vaz Pereira, Miguel Magno, Ricardo Almeida, Felipe Pinheiro, Miguel Falabella, Patrycia Travassos, Regiana Antonini. Na lista de diretores dos esquetes até agora estavam Hamilton, Mauro Rasi, Marcus Alvisi, Pedro Cardoso, Miguel Magno, Miguel Falabella e Regiana Antonini.

O comando da cena dividido irmãmente entre Monique e Hamilton é, portanto, uma novidade. “O encaixe tem sido perfeito, porque o Hamilton se liga na coisa espacial da encenação, já eu gosto do detalhe da atuação”, conta Monique. O parceiro corrobora: “São duas frentes complementares que se conectam, uma vai precisar da outra”.

Outra singularidade está no processo mais participativo do que nas encenações passadas. “Todos estão conversando sobre as cenas de todos, estamos valorizando o potencial de cada quadro coletivamente. Antes cada um cuidava do seu e eu visitava todo mundo para ver como estava indo, havia uma independência mais radical”, compara Hamilton. “Agora não, tudo junto misturado, com toda a liberdade”, conclui Monique.

Este slideshow necessita de JavaScript.

5 X Comédia
Com Debora Lamm, Bruno Mazzeo, Fabiula Nascimento, Thalita Carauta e Mauro Lúcio Filho
Teatro Frei Caneca – Shopping Frei Caneca (R. Frei Caneca, 569 – Consolação, São Paulo)
Duração 80 minutos
10/03 até 30/04
Sexta – 21h; Sábado – 21h30; Domingo – 19h
$50/$120
Classificação 14 anos
 
Direção: Hamilton Vaz Pereira e Monique Gardenberg
Cenário: Daniela Thomas e Camila Schmidt
Imagens do Cenário e Projeto Gráfico: Radiográfica
Iluminação: Maneco Quinderé
Figurino: Cássio Brasil
Fotos: André Gardenberg
Vídeos: Dado Marietti
Assistente de Direção: Mila Portella e Sergio Maciel
Direção de Palco: Ney Silveira
Operador de Luz: Vladimir Freire
Operadora de Som: Joana Guimarães
VJ: Bruno Grieco
Contra Regra: Gabriel Max Serqueira
Caracterização: Sonia Penna
Produção de Figurino: Patricia Sato e Sonja Gradel
Assessoria de Imprensa: Vanessa Cardoso / Factoria Comunicação
Texto Programa: Isabel De Luca
Gerência Comercial: Josy Siqueira e Stefania Dzwigalska
Financeiro: Érica Maia, Marco Aurélio Serqueira, e Monica Lima
Motoristas: João Batista Oliveira e José Luis
Produção Teatro: Selene Marinho
Direção de Produção: Clarice Philigret
Diretores Executivos: Carlos Martins e Jeffrey Neale
Idealização: Dueto
Realização: Nós3

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s