UMA DESPEDIDA FIEL

“Amar é ter um pássaro pousado no dedo. Quem tem um pássaro pousado no dedo sabe que, a qualquer momento, ele pode voar…” (Rubem Alves)

SOBRE O ESPETÁCULO, por Fernando Martins:

Uma Despedida Fiel é, antes de mais nada, uma indagação: o que é o amor, afinal? Na peça, dois personagens surgem numa estação de trem, motivados pelo fim de seus relacionamentos. Bento aguarda o retorno de quem um dia o abandonou, e Lourenço, ao contrário, assume o lugar de quem, agora, parte. Aparentemente antagônicos, tanto Lourenço quanto Bento, são personagens de uma mesma cena: a separação. Esse encontro é o ponto de partida para se discutir o conceito de amor, tendo, ao fundo, a temida cena do abandono. Com opiniões divergentes, estes personagens incitam uma reflexão tão profunda quanto complexa a respeito do amor e seus limites. O amor tolera a liberdade? É possível amar com a convicção de que o outro pode partir?

Ao tratar o amor sob a ótica da liberdade, o espetáculo discute a noção de amor eterno e as condições normalmente associadas à ideia de amor duradouro. O trabalho ressoa com o pensamento de Rubem Alves – “amar é ter um pássaro pousado no dedo” – ao lançar um olhar poético sobre a cena da despedida, não atribuindo a ela, necessariamente, o fim do amor.

A peça coloca um zoom no modus operandi do amor romântico, dando vazão ao tema do desejo e da mecânica que opera os padrões dos relacionamentos humanos. O reconhecimento de um imaginário sobre o amor, perpetuado no discurso produzido pela arte ao longo do tempo, nos permite apontar a mecânica da simbiose como motivo do amor romântico. De fato, teatro, canção popular, TV, cinema e literatura exercem um poder massificante sobre a afetividade social. Personagens emblemáticos como Ulisses e Penélope, Tristão e Isolda, Romeu e Julieta e tantos outros que os sucederam, nutrem uma noção de experiência amorosa a partir de uma unidade: o par. EmUma Despedida Fiel, a cena da separação surge para questionar a ideia de finitude do amor. A peça ilumina o caráter massivo que tal lógica de afetos assume na cultura contemporânea, dando lugar à liberdade como condição essencial a uma noção de amor que não se restringe à ideia de “dois” ou “para sempre”.

O espetáculo integra uma série de trabalhos sobre o amor, intitulada Anti Romântico. Esse projeto foi contemplado pelo Prêmio Myriam Muniz 2014 e circulará pelo Rio de Janeiro, Fortaleza, São Paulo e Recife.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Uma Despedida Fiel
Com Fernando Martins e Luiz Felipe Ferreira
Teatro do Ator (Praça Franklin Roosevelt, 172 – Centro, São Paulo)
Duração 60 minutos
10 a 12/03
Sexta – 21h; Sábado – 22h; Domingo – 19h
$20
Classificação livre
Dramaturgia e Direção: Fernando Martins
Trilha Sonora Original: Diogo Vanelli e Fernando Martins
Figurino: Luiz Felipe Ferreira
Cenografia: Fernando Martins, Luiz Felipe Ferreira e Marley Oliveira
Iluminação: Marina Zoé
Produção: Teatro dos Ventos – Confraria Artística
Assessoria de Imprensa: Flavia Fusco Comunicação

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s