INFERO

Contamos a história de quatro desconhecidos: Lucy, uma jovem indiana que sofreu muito preconceito por conta de sua aparência pouco convencional; Belle, uma jovem francesa com uma voz de mel; Luca, um rapaz americano extremamente melancólico e Ya, uma indígena da tribo guarani com problemas com o pai.

Cada um com sua cultura, sonho, crença, costume e vivência. Eles têm, contudo, algo em comum: anseiam viver longe de suas casas e estão viajando pelo mundo para se redescobrir cada um a sua maneira.

Repentinamente, estabelecem uma conexão sensorial após uma experiência tocante de renascimento, na qual conseguem lembrar-se de como foi nascer. Assim, relações começam a ser traçadas e dúvidas aparecem por não saberem ao certo os motivos pelos quais estão conectados.

Conforme a afinidade desenvolve-se, eles vão aproveitando esses momentos de intimidade para criar laços, dando espaço para romances e dramas se desenrolarem numa busca pela sua identidade.

Numa trama politizada, cheia de críticas e banhada pelas artes plásticas, a ação discorre, transforma e potencializa. Nossos quatro heróis nunca mais serão os mesmos. Aqui, há uma sutil e subjetiva observação de que eles, na realidade, não só sempre estarão conectados, como sempre estiveram. Os quatro são, na realidade, a mesma pessoa aprisionada nos mármores eternos do inferno, revivendo eternamente a tortura dos dramas mundanos. O ciclo se repete em uma espiral viciosa até que por motivo de morte de algum deles, o início de tudo é marcado e voltamos ao começo. Um limbo eterno. Nossos personagens estão no inferno e são bons e maus.

Absortos em nossos próprios problemas e perdidos nas várias facetas – boas, más, indefinidas e complexas – trazemos a discussão de que todos os povos e nações devem conversar, conectar e dialogar porque somos o mesmo, somos um só, sem classificar de maneira maniqueísta quem são os bons ou os maus. Uma mandala de almas humanas.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Infrero
Com Isabela Bustamanti, Isabella de Salignac, Kaé Onofre e Karol Garrett
Teatro Commune (Rua da Consolação, 1218 – Consolação, São Paulo)
19/03 até 17/06
Sábado – 21h; Domingo – 20h
$50
Classificação 14 anos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s