MARTE, VOCÊ ESTÁ AÍ?

Na peça, as ruas do país estão em chamas e tempestades espaciais afetam as redes elétricas e os sistemas de comunicação. Neste mundo de asfalto em brasa e sistemas de poder em combustão, uma militante (Michelle Ferreira) se esconde numa casa esquecida, posta à venda. Sua mãe (Selma Egrei), sobrevivente de uma nem tão distante ditadura, a procura há muito tempo, até que um misterioso Intruso (Jorge Emil) a encontra.

Para Silvia Gomez, vencedora dos prêmios APCA e Aplauso Brasil de 2015 pelo texto de Mantenha Fora do Alcance do Bebê, o mundo contemporâneo é sempre inspiração para a construção dramatúrgica. “Quando se está diante de tamanho caos como o que vivemos, dentro e fora do país, com políticas intolerantes e injustas ganhando bizarra aceitação e com tantas visões muitas vezes contraditórias sendo colocadas como verdades absolutas a todo instante, tudo se torna mais irracional do ponto de vista da criação. Bernard-Marie Koltès, dramaturgo francês que admiro, colocou certa vez – Ao descobrir a violência política por dentro, eu não podia mais falar em termos políticos, mas em termos afetivos. Nesse sentido, acho que a peça tenta observar a contradição mais profunda de cada personagem – um olhar que passa por dentro para quem sabe ter alguma pista sobre o que se dá lá fora”.

O texto tem muitas camadas. Quando parece chegar ao fundo, você se surpreende ao perceber que pode ser mais fundo ainda. A Silvia Gomez escreve poesia. É uma peça aberta que abraça instabilidades sem polarizar. A cena propõe uma leitura múltipla em diálogo com o momento que vivemos. Sem apontar certezas – e muito mais levantando perguntas – tentamos entender sob a ordem poética o mundo em carne viva que aí está”, comenta Gabriel Paiva.

Marte, Você Está Aí? celebra muitos reencontros profissionais. Gabriel e Silvia trabalharam juntos pela primeira vez há exatos 20 anos, ainda em Belo Horizonte (MG), quando se conheceram. Silvia e Michelle se conheceram no Centro de Pesquisas Teatrais (CPT), em 2003, e ambas são dramaturgas da mesma geração. A parceria entre Jorge Emil e Gabriel também vem de longa data, quando integraram o elenco de Ricardo III, em 1999, em Belo Horizonte. Recentemente, Jorge atuou em Uma Espécie de Alasca, peça dirigida por Gabriel, em 2015. Silvia Gomez ainda assinou a dramaturgia de O Amor e Outros Estranhos Rumores (a partir da obra de Murilo Rubião) e fez as traduções de Contrações, de Mike Bartlett, e de O Continente Negro, de Marco Antônio de La Parra, projetos do Grupo 3 de Teatro, do qual Gabriel é integrante e fundador, junto com Yara de Novaes e Débora Falabella.

Selma Egrei, que completa 47 anos de uma carreira dedicada ao cinema, ao teatro e à televisão, com muitos prêmios ao longo dessa trajetória (ela acaba de receber o APCA), foi convidada para integrar o elenco. “Selma possui grande expressividade corporal e sofisticada interpretação do texto. Ela contribui a cada palavra. Michelle, Selma e Jorge são o trio precioso para o espetáculo por serem atores propositores da cena: suas interpretações multiplicam as possibilidades de entendimento”, comenta Gabriel Fontes Paiva.

Dr Morris, vencedor do último Prêmio Shell, faz a trilha sonora do espetáculo. O premiado cenógrafo André Cortez assina o cenário e Fábio Namatame, também premiadíssimo, o figurino. Ana Paula Lopez assina a assistência de direção e a direção de movimento. A experiente Marlene Salgado está na direção de produção.

ImgEvento_29052017163513153.jpg

Texto: Silvia Gomez. Elenco: Selma Egrei, Michelle Ferreira e Jorge Emil. Direção: Gabriel Fontes Paiva. Assistência de direção: Ana Paula Lopez. Trilha sonora: Dr Morris. Cenário: André Cortez. Figurino: Fábio Namatame. Direção de produção: Marlene Salgado.

Serviço

Auditório MASP: Avenida Paulista, 1578 – Bela Vista

Temporada: de 9 de junho à 30 de julho, sextas e sábados às 21h e domingos às 20h.

Ingressos: 20,00

Duração: 90 min

Censura: 14 anos

Um comentário sobre “MARTE, VOCÊ ESTÁ AÍ?

  1. Custodio Sampaio disse:

    Nao gostei e creio que poucos gostaram, o melhor da peça foi o cachorro empalhado, expressivo, profundo, me esqueci que o ponto alto foi a visão dos seios da artista! Perda total de tempo precioso!!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s