TÉRMINO DO AMOR

Primeira direção da atriz franco-brasileira Janaína Suaudeau, TÉRMINO DO AMOR é uma peça sobre o fim de um relacionamento, tema bastante abordado e profundamente retratado em diversas obras. Neste espetáculo, que reestreia dia 5 de julho, quarta-feira, às 20 horas, na Oficina Cultural Oswald de Andrade, o diferencial é a forma como o tema é apresentado. O autor Pascal Rambert propõe um embate entre duas pessoas, um combate verbal entre o casal que está se separando.

Escrito para os atores franceses Audrey Bonnet e Stanislas Nordey, os personagens, por opção do autor, possuem os mesmos nomes dos atores. Nesta versão, traduzida (com colaboração de Clara Carvalho) e dirigida por Janaína Suaudeau, os atores são Carolina Fabri e Gabriel Miziara e, portanto, aqui os personagens se chamam Carol e Gabi. A montagem também conta com intermediação musical dramatúrgica (Drumaturgy) de Vinicius Calderoni.

A peça ganhou o grande Prêmio CNT (Centro Nacional de Teatro) de literatura dramática francesa em 2012, um ano depois de ter estreado com muito sucesso no festival de Avignon. TÉRMINO DO AMOR já foi traduzida para 20 línguas em cinco anos e esta é sua primeira montagem no Brasil

O que mais me tocou quando eu li Clôture de l’amour pela primeira vez foi a poesia do Pascal Rambert. Neste texto, ele descreve o final de um relacionamento sob dois pontos de vista, sob uma verdadeira dialética. E ele o faz de forma inusitada, em versos livres e muito ritmados, como uma partitura de música”, comenta a diretora e idealizadora do projeto Janaína Suaudeau, que teve a ideia de incluir uma bateria na encenação.

Bateria em cena

TÉRMINO DO AMOR, como o título indica é o fim de uma relação amorosa. Um embate verborrágico e físico; ele começa, eu queria te ver pra te dizer que acabou, ela escuta. Segundo round começa, ela responde, você acabou?, agora é a vez dele escutar. Pascal Rambert propõe um canto à separação, onde as palavras batem, repercutem e muitas vezes morrem.

O cenário assinado por Ulisses Cohn traz três praticáveis, como se fossem três passarelas e cada uma delas é habitada por um ator. Desta forma, Carol fica de frente para a plataforma do Gabi e ao fundo, no terceiro praticável está uma bateria tocada pelo músico Pedro Gondom – que acompanha e impulsiona os personagens o tempo todo, como num repente. “O maior desafio para a encenação foi trabalhar o ritmo da fala e da escuta durante esses dois rounds tão distintos” completa a encenadora.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Término do Amor
Com Carolina Fabri, Gabriel Miziara e Pedro Gongom (bateria).
Oficina Cultural Oswald de Andrade (Rua Três Rios, 363 – Bom Retiro, São Paulo)
Duração 90 minutos
05/07 até 30/08
Quarta e Quinta – 20h
(não haverá apresentação 24/08)
Entrada gratuita (ingressos distribuídos uma hora antes)
Classificação 14 anos

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s