A HORA DA NOTÍCIA #005

Na edição desta semana, 21 a 27 de agosto, falamos sobre: Milton Nascimento e Clube da Esquina são temas de musical para 2018. foi divulgado o elenco de Hebe – o Musical, Garota de Ipanema chega a São Paulo com adaptações no roteiro, entre outros assuntos.

Estreando o quadro Dica Teatral, a nossa recomendação para assistirem Suassuna – O Auto do Reino do Sol e Boca de Ouro.

Felicidades também aos aniversariantes desta semana: Ismael Resende, Andrey Alfaia, Malu Rodrigues, Natã Queiroz, Marilia Di Dio, Jon Faria, João Luiz Azevedo e Paulo Maeda.

Saiba mais sobre as matérias citadas no programa
Hebe O Musical​ – https://goo.gl/zrhtck
Garota de Ipanema, o musical da Bossa Nova​ – https://goo.gl/UaYUa9
Clube da Esquina o Musical – https://goo.gl/u29iex
Audição A Pequena Sereia – Musical​ – https://goo.gl/eHxCsR
Suassuna – O Auto do Reino do Sol​ – https://goo.gl/xipBgn
Boca de Ouro​ – https://goo.gl/PFW2kE

PESCADORA DE ILUSÃO

Pescadora de Ilusão conta a história de uma mãe que pede perdão aos filhos por ter esquecido de dar comida aos seus peixinhos vermelhos, o que fez com que eles morressem. Para justificar seu pedido de desculpas, Clarice garante que ama os animais e conta histórias divertidas sobre os bichos de estimação que passaram por sua vida, como o cachorro Dilermando e a macaquinha Lisete. No enredo da peça as atrizes Carol Badra e Mel Lisboa vivem as personagens EU e TU, duas atrizes, que pedem para as crianças perdoarem a Clarice Lispector por ter matado os peixes, assim como ela faz no livro. 
 
A adaptação do texto e direção geral do espetáculo são de GpeteanH, tendo como seu assistente Arnaldo D’Ávila. Em um clima de mistério, diversão e interatividade com a plateia, as atrizes explicam a importância do perdão e a relação com as perdas, separações e até mesmo a morte, fazendo uma analogia, entre as diversas histórias que intercalam a trama, com a morte dos tais peixinhos vermelhos. 
 
A encenação utiliza objetos e adereços animados, concebidos pelo diretor de arte Marco Lima, que assina também o cenário e os figurinos. Estes objetos são “pescados” pelas atrizes ou surgem de forma inusitada para ajudá-las a contar essa história.
 
A dupla de atrizes ainda mostra a sua versatilidade ao cantar, sapatear e tocar alguns instrumentos, na bela trilha idealizada pelo diretor musical Pedro Paulo Bogossian, e na coreografia de Chris Matallo”, completa o diretor GpeteanH.
 
SINOPSE
PESCADORA DE ILUSÃO – As personagens EU e TU são amigas inseparáveis. O que as une é o amor pelo teatro. Um dia, decidem sair em defesa da escritora Clarice Lispector que esqueceu-se de alimentar os peixinhos de seus filhos. Para conseguirem seu intento, montam um espetáculo pedindo para que os espectadores perdoem a “Pescadora de Ilusão”.
 

Este slideshow necessita de JavaScript.

Pescadora de Ilusão
Com Carol Badra e Mel Lisboa
Teatro Morumbi Shopping – Shopping Morumbi Shopping (Av. Roque Petroni Júnior, 1089 – Vila Gertrudes, São Paulo)
Duração 60 minutos
09/09 até 29/10
Sábado e Domingo – 15h
$50
Classificação livre

GOD

Quando alguma coisa está errada, pode confiar: Deus toma as devidas providências. E dessa vez, o Todo-Poderoso, Rei do Universo, autor do espaço e do tempo decide vir à Terra pessoalmente… ou quase isso. Cansado dos Dez Mandamentos e de toda a incerteza que eles vêm gerando à humanidade, o criador toma forma através de Miguel Falabella para propor novas leis e esclarecer qualquer mal-entendido a seu respeito.

No espetáculo, ele e seus dois arcanjos dedicados, Miguel (Magno Bandarz) e Gabriel (Elder Gattely), respondem a algumas das questões mais profundas que têm atormentado a humanidade desde a Criação, em apenas 90 minutos. De uma forma muito particular, o Deus de Falabella vem para arrancar muitas risadas do público e desvendar os maiores segredos do universo ou, pelo menos, do Brasil. Afinal, Deus não é brasileiro?

De David Javerbaum, vencedor de Emmy Award Winner, o aclamado e premiado “GOD” fez um enorme sucesso na Broadway, sendo definido pelo jornal The New York Times como “delirantemente, divinamente engraçado”. No Brasil, o espetáculo chega ao público pelas mãos de Miguel Falabella que, além de interpretar o personagem principal, assina a versão brasileira e a direção. A codireção é de Fernanda Chamma.

O altíssimo vem aos seus em uma versão bem mais “moderninha”, com direito à Bíblia em formato iPad, sabendo tudo sobre corte de gordura trans e glúten, e sem paciência para política. Dentre os mandamentos repaginados, estão “Honrarás teus filhos”, “Separar-me-ás do Estado” e “Não me dirás o que devo fazer” – todos peculiarmente muito bem explicados e fundamentados.

GOD_CreditoDanielChiacos00070.jpg

God
Com Miguel Falabella, Magno Bandarz e Elder Gattely
Teatro Procópio Ferreira (Rua Augusta, 2823 – Cerqueira Cesar, São Paulo)
Duração 90 minutos
18/08 até 24/09
Sexta e Sábado – 21h, Domingo – 18h
$90/$150
Classificação 14 anos

 

AMARELO DISTANTE

Com dramaturgia e direção de Kiko Rieser e atuação de Mateus Monteiro, o espetáculo solo Amarelo Distante, baseado em dois contos do escritor gaúcho Caio Fernando Abreu (“Lixo e purpurina” e “Anotações sobre um amor urbano”), fala de descobertas, solidão e dor através da história de um jovem e suas experiências em terras estrangeiras. 
 
Nos anos 70, Caio F. se exilou em Londres, onde se deparou com a solidão, a sensação de estrangeirismo, a precariedade em decorrência da falta de dinheiro, sentimentos ambíguos e saudosos do Brasil, da família e dos amores do passado, do presente e possivelmente do futuro. A partir dessas angústias ele escreveu um diário (o conto “Lixo e purpurina”), mistura de ficção e realidade, que é o fio condutor desta história.
 
A peça retorna aos palcos dia 9 de setembro às 21h, no TUSP para temporada gratuita.
 
A DRAMATURGIA
Caio Fernando Abreu é conhecido por um estilo singular e facilmente reconhecível, tanto temática quanto formalmente. Os dois contos em que a peça se baseia, no entanto, são sutis exceções à homogeneidade formal da obra do escritor gaúcho, embora apresentem os mesmos temas que o consagraram. 
 
“Lixo e purpurina” é, talvez, o conto mais seco de Caio, quase exclusivamente narrativo, praticamente despido das fortes emoções que levaram Lígia Fagundes Telles a defini-lo como o escritor da paixão. Estruturado a partir do diário que Caio escreveu em Londres (aglutinando vários fragmentos que misturam ficção e realidade, segundo epígrafe do próprio autor), o conto narra as adversidades enfrentadas em terra estrangeira. Os reincidentes entreveros com policiais, a curta estada na cadeia por roubar um livro, os diversos tipos de trabalho e atividades a que tinha que se submeter para angariar algum dinheiro, os constantes despejos das casas que ocupava com inúmeros outros imigrantes de diferentes países e o enfrentamento do frio e da fome são descritos com objetividade, precisão e por vezes até certo distanciamento. 
 
“Anotações sobre um amor urbano”, por sua vez, é certamente um dos contos mais líricos de Caio. Sem nenhum enredo como base, é apenas a evocação de um amor do passado, constituída por uma sucessão de imagens poéticas que denunciam a solidão, o abandono, o inconciliável hiato entre alteridades, a incapacidade de afirmar plenamente uma identidade, a necessidade de represar desejos e o acúmulo de erros como consequência das inevitáveis escolhas.
A peça não se fixa nos contos, mas parte deles para construir uma fabulação própria. Tendo como fio condutor a estrutura fragmentada de diário, a dramaturgia narra os percalços e demais acontecimentos do auto-exílio em Londres, intercalando-os com evocações de diferentes amores – do presente, do passado e quiçá do futuro – surgidas como válvulas de escape, pequenas fugas psicológicas que tornam possível a sobrevivência em condições tão adversas e que enriquecem, ao menos um pouco, o imaginário desse personagem mergulhado na mais completa miséria material e emocional.
 
A ENCENAÇÃO
Não apenas para potencializar uma peça cujo motor principal é a palavra, mas também buscando expressar no palco a miséria, tanto emocional quanto material, a que é submetido o personagem da peça, foi criada uma encenação minimalista, centrada no trabalho do ator. Sem ações ou gestos cotidianos, passando ao largo do realismo, o espetáculo cria imagens que tentam reproduzir o universo mental do personagem, enquanto narra e revivifica o tempo passado no exílio. Com uma iluminação escura, trabalhando sobre contrastes e criando uma atmosfera brumosa, o palco foi sendo despido dos elementos do cenário criado inicialmente, até chegar ao completo esvaziamento do espaço cênico, apostando, assim, no essencial: o trabalho do ator, ressignificando a palavra dita e materializando-a espacialmente em seu corpo. 

Este slideshow necessita de JavaScript.

Amarelo Distante
Com Mateus Monteiro
TUSP – Teatro da Universidade de São Paulo (R. Maria Antônia, 294 – Vila Buarque, São Paulo)
Duração 60 minutos
09/09 até 01/10
Sábado – 20h, Domingo – 18h
Entrada gratuita
Classificação 14 anos
 

2a EDIÇÃO FEIRA DE AUDIÇÃO

Acontecerá em São paulo a SEGUNDA EDIÇÃO da Feira de Audição – Empreendedorismo Artístico  que será realizada nos dias 11 e 12 de setembro na sede da Bravart Entretenimento, também apoiadora do evento neste ano (Av Mofarrej, 825– Vila Leopoldina, São Paulo).

Trata-se de uma feira de empreendedorismo artístico com palestras e stands do mercado em diversos segmentos como cinema, televisão, teatro, teatro musical, dança, música, direção técnica, cenografia, produção de eventos e etc. Uma experiência de TROCA na arte para profissionais e estudantes do segmento que estarão lá fazendo contatos, encontros, trocando experiências e fomentando a classe.

A idealização e realização é de Fefa Moreira, coreógrafa e diretora da Cia Tampa Tap. Fefa teve a ideia de criar a feira a partir da vontade de unir as cadeias da classe do mercado artístico para que trocassem trabalho e experiência e da necessidade de empreenderem o próprio trabalho e assim obterem mais espaço no mercado. “Ampliar os contatos e ter “Insights” através de outros profissionais amplia seu leque de atuação.” diz a empresária.

Durante os dois dias de evento, os stands e as palestras acontecem simultaneamente. Nos stands visitantes poderão circular livre e gratuitamente por escolas, produtoras e empresas de diversas áreas do mercado artístico, para conhecerem seus trabalhos, fazerem cadastramento profissional, além de aumentarem seu networking.

Serão 20 palestrantes que empreendem em diversas áreas do segmento artístico; produtores, artistas e agentes, que vão abordar assuntos desde como é estar do outro lado do palco, passando por  análise de carreira artística, até a área de produção e empreendedorismo artístico.

Dentre os palestrantes já confirmados desta segunda edição, estão nomes como Debora Dubois, Luanda Scandura(que participou da primeira edição e volta neste ano), Bia Ramsthaler, Jayr Sanzone, Jonatas Faro, Leonardo Miggiorin, Vânia Pajares, Raphael Mayer, Julio Oliveira, Daniel Boaventura, Fabiana Lian, Marco França, Gustavo Niederauer, e mais dois convidados especiais que completam esse time. Participaram da edição anterior nomes como Tiago Abravanel, Leandro Luna,  Álvaro RealRicardo Marques, Renata Borges, Marllos Silva, Ligia Paula MachadoFernanda Chamma e Bruno Fagundes.

Para participar do evento, as pessoas poderão adquirir o “Day Pass” para um dia inteiro de palestras e direito à “Mesa de Negócios”, o “Three Pass” com direito á 3 palestras pré-agendadas e palestras avulsas. Os valores vão de R$30 a R$ 150. As inscrições podem ser feitas pelo Sympla –https://www.sympla.com.br/feira-de-audicao-2017__169652. Maiores informações pelo email 

Este ano a Feira de Audição será transmitida ao vivo em live time streaming. O preço da transmissão ao vivo será de R$ 40. Maiores informações no site do evento.

Visite o site do evento e descubra sua programação de atividades. Não perca!!!

unnamed.jpg

DIVULGADO ELENCO DE HEBE, O MUSICAL

A produção do espetáculo “Hebe – O Musical” divulgou o elenco que acompanhará as atrizes Carol Costa e Débora Reis – a homenageada na fase jovem e na fase adulta.

São Adriano Tunes, Brenda Nadler, Carlos Leça, Clarty Galvão, Dino Fernandes, Daniel Caldini, Fefa Moreira, Fernando Marianno, Fred Reuter, Giovana Zotti, Guilherme Magon, Mari Saraiva, Maysa Mundim, Raquel Quarterone,  Renata Brás, Renata Ricci, Renato Bellini, Renato Caetano e Rodrigo Filgueiras Garcia.

Hebe – o Musical” – escrito por Artur Xexéo e dirigido por Miguel Falabella – estreia na segunda quinzena de outubro no Teatro Procópio Ferreira.

 

 

O BOTE DA LOBA

A montagem retoma a sala intimista inaugural do Teatro Garagem, em 2004, chamada ‘Caixa Preta’. A ‘Ocupação Plínio Marcos’ levou também ao cartaz ‘Navalha na Carne’, com direção de Marcos Loureiro e com a participação da atriz e idealizadora do projeto Anette Naiman, no papel da antológica prostituta Neusa Sueli.

O Bote da Loba’ foi escrito em 1997, dois anos antes de sua morte, ainda inédito, o texto aborda o universo feminino sob a ótica de duas mulheres que se encontram para uma sessão de tarô. Veriska (Anette Naiman), a maga vidente, através dos seus poderes místicos, tentará ajudar a cliente Laura (desta vez com Ana Rita Abdalla), mulher casada e reprimida, a libertar-se de suas angústias e de seu sofrimento.

Texto inédito do grande dramaturgo, nunca antes montado no teatro, “O Bote da Loba” traz à tona temas e questões atuais de extrema relevância para nossa sociedade. A obra gira em torno, principalmente, da questão do prazer feminino, reprimido por tantos milênios e considerado como “tabu” até os dias de hoje. Aborda o encontro entre o prazer feminino, proibido historicamente com a perpetuação de uma cultura misógina, machista e patriarcal, e o conhecimento do corpo feminino, onde há uma protagonização de tal busca por duas mulheres.

De acordo com o autor, seus textos poderiam ser utilizados como referência para a percepção temporal do desenvolvimento da sociedade brasileira.

Plínio foi um homem de seu tempo, retratou aquilo que vivenciava cotidianamente, observando e registrando a visão da sociedade de sua época. Seus textos tornaram-se clássicos da dramaturgia brasileira, são documentos históricos, pois retratam valores, costumes e pensamentos de uma sociedade em uma determinada época. Neles, podemos ver o que realmente progrediu e caminhou no sentido da modernização de um pensamento social e consequentemente”, diz a atriz Anette Naiman.

Marcos Loureiro dirige também ‘Navalha na Carne’, primeiro espetáculo de Plínio Marcos em parceria com Anette Naiman, no Teatro Garagem, no ano de 2014, homenageando os 15 da morte do autor.  O Bote da Loba é a continuidade da parceria entre eles em torno da obra de Plínio Marcos.

image001

O Bote da Loba
Com Anette Naiman e Ana Rita Abdalla
Teatro Garagem (Rua Silveira Rodrigues, 331a – Vila Romana, São Paulo)
Duração 60 minutos
01 a 30/09
Sexta e Sábado – 21h30
$40
Classificação 16 anos