LOUCA TERAPIA

Espetáculo de grande sucesso escrito pela Cia dos Reis, com situações inusitadas e atuais, Louca Terapia que esteve entre as seis melhores comédias de 2016, volta aos palcos, desta vez no Memorial da America Latina a preços populares.

A história traz um texto leve, em que em algum momento o espectador se identifica, por abordar assuntos como “o cotidiano de casais”. A farsa absurdamente engraçada leva a uma reflexão dos erros e abusos que podem ser evitados e traz de forma bem humorada os acertos. Com uma trilha incrível que desenvolve atmosfera e permite interagir.

louca 2

Louca Terapia
Com Filipe Bertini, Ivo Ueter, Khamilla Jelezoglo e Thiago Mantovani
Memorial da América Latina – Espaço Gabriel Garcia Márquez (Av. Auro Soares de Moura Andrade, 664 – Barra Funda, São Paulo)
Duração 90 minutos
02/09 até 14/10
Sábado – 19h
$20
Classificação 14 anos

ALAKAZAN – A FÁBRICA MÁGICA

Senhoras e senhores, preparem-se para uma grande viagem ao divertido universo de magia e fantasia do Circo dos Sonhos. No próximo dia 07 estreia o espetáculo Alakazan – A Fábrica Mágica, que traz à cena música, teatro, dança e circo. O espetáculo acontece na lona montada no Extra Morumbi até o dia 15 de outubro, com sessões de terça a domingo.

Dirigido por Rosana Jardim, o espetáculo conta com performances de grande impacto e números circenses de báscula, contorção, rola, malabares, monociclo, equilíbrio no arame, tecido aéreo, faixa e muita palhaçada. Alakazan – A Fábrica Mágica traz à cena o duelo entre os personagens Alan e Kazani, que disputam a atenção da pequena Ly, a já conhecida menininha do Circo dos Sonhos. Ly é uma criança curiosa, que toca e fotografa tudo ao seu redor. Em uma visita à Biblioteca, ela é surpreendida por Alan, que surge como num passe de mágica e lhe entrega um livro especial, retirando o tablet de suas mãos. Encantada pelo livro, ela pede que ele leia a história, mas quando ele inicia, é interrompido por um som de sinos. Quando os dois procuram de onde vem tal som, surge Kazani, que transporta todos para a Fábrica Mágica, um universo fantástico onde tudo é possível.

A cada badalar do sino e movimento das engrenagens, Ly é transportada para outro universo com novas atrações, sempre acompanhada pelo seu amigo Alan. Kazani não gosta da interação entre Alan e Ly e compete por sua atenção. Essa disputa irá seguir e se fortalecer até o ultimo ato, onde ocorre o confronto final, quando Ly conseguirá transmitir aos dois o poder da amizade e união, mostrando que é possível compartilharem suas habilidades, assim como os livros e os tablets, que compartilham seus conhecimentos com seus leitores.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Alakazan – A Fábrica Mágica
Com Trupe Circo dos Sonhos
Extra Morumbi (Avenida das Nações Unidas, 16741 – Santo Amaro, São Paulo)
Duração 90 minutos
a partir de 07/09 
Terça, Quarta, Quinta e Sexta – 20h, Sábado, Domingo e Feriado – 16h, 18h e 20h
$30/$60
Classificação Livre

1 MELHOR QUE O OUTRO

Eles vão disputar a simpatia do público com o que sabem fazer de melhor. Marcinho Eiras toca duas guitarras ao mesmo tempo, Mauricio Dollenz faz números inusitados de mágica e mentalismo, Dinho Machado canta sobre relacionamentos amorosos e Paulinho Serra satiriza questões do seu cotidiano. Juntos, os parceiros de palco estreiam o show de humor 1 Melhor Que o Outro no Teatro MorumbiShopping dia 6 de setembro, quarta-feira, às 21 horas.

Cada comediante terá quinze minutos para registrar sua marca com o público e provar que é melhor do que o companheiro a se apresentar na sequência. “São quatro humoristas de universos bem diferentes mostrando o que têm de mais interessante em cena”, sintetiza Paulinho Serra, ressaltando que a competição não passa de uma brincadeira para promover um encontro de humor com o público. Paulinho irá vestir sua camisa de carioca e contar piadas sobre o período que morou no Rio de Janeiro, destacando as primeiras empreitadas como ator e comediante por lá.

O guitarrista Marcinho Eiras diz que rola uma afinidade grande entre os quatro no palco e que cada um se garante. Brincalhão, descobriu que suas apresentações encaixam-se no rótulo stand-up e agora investe na comédia. Empunhando duas guitarras que toca ao mesmo tempo, com pegada jazzista, o número de Marcinho ilustra casos do cotidiano com músicas. “Ele se intitula o melhor, o cara“, diz o artista sobre o espírito provocativo de seu personagem.

O mágico Maurício Dollenz entra e sai do palco durante o espetáculo, “um pouco como o garçom Alex, do Programa do Jô”, diz, explicando como será o formato de sua apresentação. “Vou fazer a plateia rir com números de mentalismo, quando adivinho o que passa na cabeça das pessoas“, adianta o artista chileno radicado no Brasil desde 2013.

Dinho Machado prefere surpreender a cada sessão. A surpresa, inclusive, é um prato cheio para o artista, que também é ator. “Na atuação profissional nós temos que pensar em cada atitude do personagem, já no humor tudo é imprevisível e vamos sentindo o retorno da plateia na hora”, conta. Conhecido por cantar músicas satíricas sobre relacionamentos amorosos, garante com esse recurso – normalmente ao ritmo de pop e sertanejo – um dos pontos altos das suas apresentações. “Canto sobre as três etapas: a de quem está procurando por um relacionamento, quem está em um e quem acabou de sair”, fala Dinho.

Todos os artistas já trabalharam juntos antes, seja participando dos shows dos colegas ou se encontrando em turnês pelo Brasil. Paulinho e Dinho, que se conhecem há pelo menos quinze anos, chegaram a se apresentar no mesmo período no Japão. A temporada do show de humor no Teatro MorumbiShopping vai até dia 22 de novembro e, repleto de improviso e diversão, é feito para se ver mais de uma vez.

image007.png

1 Melhor Que o Outro
Com Dinho Machado, Marcinho Eiras, Mauricio Dollenz e Paulinho Serra
Teatro MorumbiShopping (Av. Roque Petroni Junior, 1089 – Jardim das Acácias, São Paulo)
Duração 70 minutos
06/09 até 22/11
Quarta – 21h
$60
Classificação 12 anos

 

PALAVRA DE STELA

Nascida em 1941, Stela do Patrocínio foi internada no Centro Psiquiátrico Pedro II aos 21 anos, quando diagnosticada como psicopata e esquizofrênica. Quatro anos depois, foi transferida para a Colônia Juliano Moreira, em Jacarepaguá, onde permaneceu até sua morte em 1992. Durante seus anos de isolamento, Stela desenvolveu um discurso poético. Seu “falatório”, carregado de angústias, retrata a rotina manicomial e, sobretudo, revela sua visão da vida, do mundo e de si mesma.
 
Palavra de Stela é um espetáculo solo interpretado por Cleide Queiroz com direção e dramaturgia de Elias Andreato. No espetáculo a personagem narra sua trajetória, expõe seu cotidiano e revela seu olhar de perplexidade diante da vida e dos seres humanos.
 
Elias Andreato escreveu o texto especialmente para Cleide Queiroz. Com 50 anos de carreira em teatro, cinema e televisão, a atriz traz uma relação muito pessoal com a temática proposta, pois é uma mulher negra que durante sua adolescência conviveu com a internação de sua mãe esquizofrênica.
 
Por meio da fala de Stela do Patrocínio, pretendemos levar o espectador a uma reflexão acerca da visão que temos sobre loucura e lucidez, bem como chamar sua atenção para como a sociedade enxerga a diferença e lida com o outro”, diz Elias Andreato.
 
A criação do espetáculo tomou por base o registro em áudio da obra de Stela do Patrocínio realizado na década de 1980 pelas artistas plásticas Neli Gutmacher e Carla Guagliardi, posteriormente, transcrito e organizado por Viviane Mosé no livro Reino dos bichos e dos animais é o meu nome.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Palavra de Stela
Com Cleide Queiroz
Teatro do Núcleo Experimental (Rua Barra Funda, 637 – Barra Funda, São Paulo)
Duração 60 minutos
01/09 até 29/10
$40
Classificação 14 anos

TIGRELA

TIGRELA inspirou-se livremente nos contos da escritora Lygia Fagundes Telles para criar a atmosfera de mistério, com diálogos fantásticos, retratando personagens que são enganados pelo mundo e por eles próprios. O espetáculo é uma alegoria fantástica da crise políticia nacional.

Na história, o território de Ciranda de Pedra tem uma nova líder: o sistema operacional Tigrela. “Afinal, um sistema é incorruptível. Ao mesmo tempo, um ex-rei, uma religiosa, uma jornalista e um operário estão sendo caçados pelo exército de ratos anões. O que essa nova líder e eles têm em comum? Como num quebra cabeça, presente e passado fundem-se neste atípico suspense sobre poder, tecnologia e sexo. TIGRELA foge do maniqueísmo atual e apresenta personagens dissonantes e plurais, que lutam contra seus anjos e demônios corruptíveis

Com a caixa cênica vazia, os espaços vão sendo desenhados pela iluminação e movimentação dos atores. Os elementos da peça se complementam na contradição: fala e corpo, luz e espaço, música e ruído.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Tigrela
Com Igor Amanajás, Larissa Carneiro, Lucas Sancho e Thaize Pinheiro
Complexo Funarte – Sala Carlos Miranda (Alameda Nothmann, 1058 – Campos Elíseos, São Paulo)
Duração 60 minutos
02/09 até 01/10
Sábado – 19h, Domingo – 18h
$20
Classificação 16 anos

 

O NOME DO SHOW VOCÊ DECIDE

Matheus Ceará volta ao Comedians para uma pré-temporada de seu novo show, com estreia prevista para 2018.

Em “O Nome do Show Você Decide”, Matheus Ceará traz novas piadas e  novos quadros, como o ventríloquo humano, que conta com a participação de alguém da plateia, e o  boneco Matheus Ceará ventríloquo, que faz uma referência divertida a sua perda de peso recente.

A risada é garantida.

O público que for ao Comedians durante toda a temporada será convidado a sugerir um nome para o novo show.

Na última apresentação do ano, no dia 5 de dezembro, o humorista vai revelar o nome escolhido.

 Em uma atitude inédita nos palcos de São Paulo, o autor do título vai ganhar um carro no valor de R$ 20.000, um presente de Matheus Ceará e da A3 Rastreadores.

Este slideshow necessita de JavaScript.

O Nome do Show Você Decide
com Matheus Ceará
Comedians (Rua Augusta, 1.129 – Cerqueira César, São Paulo)
Duração 70 minutos
05/09 até 05/12
Terça – 21h
$45
Classificação 16 anos

HISTÓRIAS DE ALEXANDRE

Grupo 59 de Teatro apresenta, em setembro, o espetáculo infanto-juvenil Histórias de Alexandre, a partir da obra de Graciliano Ramos, no Teatro Anchieta do Sesc Consolação. Com direção de Cristiane Paoli Quito, a temporada vai de 2 a 30 de setembro, aos sábados e feriado, às 11 horas.

A peça reúne histórias e fanfarronices de um típico mentiroso do sertão, numa encenação recheada por canções inéditas. Publicado em 1944 por Graciliano, o livro, homônimo traz contos coletados na memória oral do folclore nordestino, resgatando crenças, costumes e mitos da região. Na transposição para o palco, foram selecionadas algumas histórias, respeitando e mantendo na íntegra as palavras do autor.

Alexandre é um homem já velho; tem um olho torto e fala bonito: um típico contador de histórias. Está sempre acompanhado pelos moradores das redondezas e até por pessoas de consideração, que vem à sua modesta casa para ouvir as narrativas “fanhosas” que conta: Seu Libório, cantador de emboladas; o cego preto Firmino; mestre Gaudêncio Curandeiro, que reza contra mordedura de cobras; e Das Dores, benzedeira de quebranto. Cesária, mulher de Alexandre, está sempre por perto, e pronta para socorrer o marido quando ele se “engancha” ou é questionado em suas narrativas.

Apropriando-se do universo linguístico e das imagens sugeridas por Graciliano Ramos, Histórias de Alexandre dá corpo e voz à palavra escrita, tecendo uma “colcha de retalhos” onde os atos de contar, cantar e dramatizar se entrecruzam e criam uma poética propícia à invocação da memória afetiva.

A diretora fala da importância que teve a apropriação das palavras pelos atores no processo criativo, já que o texto foi escrito há mais de 70 anos, com um vocabulário distinto do atual: “é fundamental que as histórias sejam compreendidas por todas as crianças, tanto as menores quanto os adolescentes, por isso as experimentações que fizemos com a presença do público foram tão importantes para encontramos o caminho da encenação”, explica Cristiane Paoli Quito.

A montagem reflete a atmosfera da obra literária para receber os ouvintes das histórias de Alexandre e promove uma experiência de troca onde a simplicidade e o despojamento do ato cênico, em tom de conversa, convocam a participação e imaginação de todos.

A musicalidade, característica dos trabalhos do Grupo 59 de Teatro, tem lugar de destaque no espetáculo. Todas as canções foram criadas coletivamente a partir de passagens do livro, inclusive com algumas citações ao cancioneiro popular brasileiro. O repertório inclui embolada, repente, reza, canções populares e modas de viola que são interpretadas pelo coro de atores, acompanhados por instrumentos acústicos (violão, viola, acordeom, flautas, pífaro, berimbau e percussão) executados ao vivo. A palavra cantada não só dá suporte, como também exerce função narrativa nas formas épica, lírica e dramática.

Com a encenação de Histórias de Alexandre o grupo dá continuidade à investigação iniciada, em 2009, com O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá (espetáculo também dirigido por Cristiane Paoli Quito), na qual busca uma forma de se comunicar com a criança por meio de um jogo-brincadeira de contação de história, apoiado fundamentalmente na palavra e no trabalho corporal dos atores. A arte do grupo busca estimular nos pequenos espectadores a criatividade, a imaginação e a inventividade, características típicas das tradicionais brincadeiras de rua e de quintais.

Sinopse

Na pequena sala de Alexandre os amigos se reúnem para ouvir suas aventuras e façanhas, sempre narradas com exagero e entusiasmo. Sua mulher, Cesária, acompanha tudo de perto e nunca deixa o marido perder o fio da meada. São essas histórias de Alexandre que o Grupo 59 de Teatro “conta cantando” e “canta contando”: um convite a todas as idades para a aventura de imaginar o possível e o impossível, pelas palavras de Graciliano Ramos.

image002

 

Histórias de Alexandre
Com Grupo 59 de Teatro – Carol Faria, Felipe Alves, Felipe Gomes Moreira, Fernando Oliveira, Gabriel Bodstein, Gabriela Cerqueira, Jane Fernandes, Nathália Ernesto, Nilcéia Vicente, Ricardo Fialho e Thomas Huszar. 
Teatro Anchieta – SESC Consolação (Rua Dr. Vila Nova, 245 – Vila Buarque, São Paulo)
Duração 60 minutos
02 a 30/09
Sábado e Feriado – 11h
$17 ($5 – credencial plena do SESC). Grátis para crianças até 12 anos
Classificação 6 anos