PEDRAS AZUIS

Já não brota nada verde do solo seco de Pedras Azuis. A esperança das poucas famílias que ainda vivem nesse vilarejo no meio do agreste é alimentada pelo caminhão pipa de Antero, que, uma vez por semana, traz a vida líquida para abastecer as vítimas da seca. Quando isso acontece, ele é recebido com festa na praça por todos os moradores munidos de seus baldes de água na cabeça.
 
Dessa maneira, Antero garante o sustento de sua esposa Diana e de seus quatro filhos até o dia em que a prefeitura decide comprar o próprio caminhão pipa para abastecer a cidadela. Com a vida ainda mais seca e dura, ele está prestes a tomar uma decisão extrema, capaz de mudar para sempre a vida em Pedras Azuis.
 
Só restam algumas questões para o protagonista: o que deve fazer para se salvar? Até onde pode ir para mudar esse cenário? Qual é o limite? Qual é a linha tênue entre a dignidade e a arbitrariedade? Qual o preço justo a se pagar por um erro? 
A relação de Antero com Diana é de terrível abuso físico e psicológico, mas ela resignada, acuada naquele cenário, aceita. Quanto de abuso e humilhação Diana deve aguentar para salvar essa família?
 
Com direção e texto de Marcio Macena, a encenação adota os personagens como o alicerce da narrativa, com mínimos recursos de cenografia, figurino e iluminação. O trabalho é pautado na linguagem corporal, fala, corte seco e jogo de sons e silêncios – pausas que convidam o espectador a pensar sobre o que está em sua frente.
 
O elenco conta com a participação de Annelise Medeiros, Emanuel Sá e Neto Manic. A trilha sonora, assinada por Felipe Roseno e Federico Puppi, apresenta canções interpretadas especialmente para a peça pela cantora Maria Gadú. Outro convidado especial é Zeca Baleiro, que empresta sua voz para uma gravação em off da montagem. 
 
SINOPSE
O sol inclemente castiga a cidade de Pedras Azuis, um lugar seco e triste no Sertão. No meio do agreste amarelo vivem poucas famílias que lutam para sobreviver à sede diária. Quando o caminhão pipa de Antero chega, carregado de água, uma vez por semana, todos os moradores do local correm para a praça com seus baldes na cabeça para coletar um pouquinho daquela vida líquida. Certo dia, a prefeitura decide comprar o próprio caminhão, e Antero perde o sustento de sua mulher Diana e de seus quatro filhos. Uma decisão extrema pode mudar a vida do lugarejo. O que ele deve fazer para se salvar? Qual é o limite? Até onde ele pode ir para mudar alguma coisa?
Pedras azuis1.jpg
Pedras Azuis
Com Annelise Medeiros, Emanuel Sá e Neto Manic
Viga Espaço Cênico – Sala Piscina (Rua Capote Valente, 1323, Sumaré – São Paulo)
Duração 60 minutos
06/09 até 16/10
Quarta e Quinta – 21h
$50
Classificação 16 anos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s