“70! DISCODÉCADA – DOC. MUSICAL”

Prazer em conhecer
Somos as tais frenéticas
E um anjo doido fez
A gente se encontrar no Dancing Days” (“Somos as tais Frenéticas“).

Dhu MoraesEdyr DuqueLeila “Leiloca” NevesMaria Lídia “Lidoka” Martuscelli, Regina Chaves e  Sandra Pêra. Ou simplesmente As Frenéticas.

gvogqd5b9k79qkxsjsqgq9ii

Edyr, Leiloca, Lidoka, Dhu, Regina e Sandra

Se você não viveu na década de 70, não deve saber quem elas são. Ou melhor, se estava em Marte a partir de 1976, não as conhece e/ou nunca ouviu, nem dançou um dos hits eternizados na voz delas.

Mas não tem problema. Elas devem se reunir mais uma vez, para estarem debaixo das luzes dos refletores do palco, em 70! Discodécada – Doc. Musical, a partir de 2018.

O musical de Frederico Reder e Marcos Nauer é a ‘continuação’ do sucesso de público 60! Década de Arromba – Doc. Musical (2017). O espetáculo utilizou ferramentas de documentário (fotos, vídeos e depoimentos reais), somadas a cenas, textos e canções apresentadas ao vivo por 24 atores/cantores /bailarinos para contar a história da década de 1960. A cantora Wanderléa foi a convidada especial para o musical.

Quer saber mais como foi o espetáculo, leia aqui.

Em uma conversa com Marcos Nauer na época de lançamento do espetáculo em São Paulo, ele disse que tinha gostado do resultado e queria fazer os ‘Doc Musicais’ das décadas de 70 a 90.

No final deste ano, ele postou uma foto “suspeita” no seu story do instagram. Ao centro do símbolo do novo espetáculo estavam elas, as representantes mor da época nacional da discoteca – As Frenéticas.

 

20171213_231918.png

Fazendo uma pesquisa sobre a década, a escolha é super adequada, pois elas foram o grupo musical brasileiro que melhor representou os anos 70, onde todos iam para as pistas de dança, abriam suas asas, soltavam suas feras, pois

Na nossa festa
Vale tudo
Vale ser alguém
Como eu
Como você” (“Dancing Days“)

A Influência dos Dzi Croquettes

Antes que elas aparecessem, em 1972 o coreógrafo americano Lennie Dale criou um grupo masculino com visual andrógino. Eram homens barbudos, com corpo peludo e uma maquiagem pesada e trajes femininos.

O grupo era formado por Lennie Dale, Wagner Ribeiro de Souza, Cláudio Gaya, Cláudio Tovar, Ciro Barcelos, Reginaldo di Poly, Bayard Tonelli, Rogério di Poly, Paulo Bacellar, Benedictus Lacerda, Carlinhos Machado, Eloy Simões e Roberto de Rodrigues.

dzi-70.jpg

Durante os espetáculos, apresentavam monólogos humorísticos alternados com números de canto e dança.

Mas as autoridades brasileiras não aceitaram bem essa quebra de tabus dos Dzi Croquettes. Era o tempo do regime militar, com isso o espetáculo foi censurado. O grupo viajou para a Europa, exilando-se em Paris e fazendo sucesso em terras internacionais, tendo como madrinha a atriz e cantora, Liza Minelli.

Mas apesar de todo o sucesso, o grupo encerrou suas atividades em 1976. Só que influenciaram vários atores, cantores e grupos, inclusive essas tais Frenéticas.

 

O Surgimento do Grupo

A disco music já era moda nos Estados Unidos por volta de 1976, e teve seu boom com o lançamento do filme “Os Embalos de Sábado a Noite” (“Saturday Night Fever” – 1977), com John Travolta e as canções do grupo Bee Gees.

Aqui em terras cariocas, nesta mesma época, o produtor musical Nelson Motta foi convidado para fazer uma ação que divulgasse o Shopping da Gávea. Por que não criar uma discoteca dentro do shopping?

Em 1976, surge o “The Frenetic Dancin’ Days Discotheque” (onde atualmente é o Teatro dos Quatro), para funcionar por apenas três meses. Para trabalhar como garçonetes e cantoras, Nelson convidou seis atrizes de teatro/teatro musical – Dhu, Edyr, Leiloca, Lidoka, Regina e Sandra, que em pouco tempo seriam conhecidas como “As Frenéticas“.

frenetic_dancindays

O Sucesso Frenético

As atrizes atuavam como garçonetes no começo da noite, até que em uma certa hora, abandonavam os aventais e bandejas, para subirem no palco e interpretarem covers de Rita Lee, Rolling Stones e outros. Os ensaios eram comandados por Roberto de Carvalho , que começava a namorar Rita Lee.

O primeiro uniforme do sexteto foi feito por Marília Pêra, que era casada com Nelson, na época. Dizem também que ela foi a inspiração para um dos maiores hits do grupo – “Perigosa” (“Eu sei que eu sou, bonita e gostosa, e sei que você me olha e me quer…”).

Bastou duas semanas para as atrizes serem conhecidas pelo público e reverenciadas por atores e cantores como Tônia CarreiroMilton Nascimento, Sônia BragaCaetano Veloso, Gal Costa, Maria Bethânia, Ney Matogrosso, Lulu Santos, entre outros, que terminavam a noite na discoteca. A febre disco emplacou no país e virou sucesso nacional.

Das ‘discos’ para o mundo

Que a Dona Felicidade
baterá em cada porta,
e que importa a Mula Manca 
se eu quero 
A Dona Felicidade” (“A Felicidade Bate à Sua Porta“)

Com o fechamento da discoteca, o sexteto permaneceu junto, ensaiando novas canções, entre elas a composição de Gonzaguinha, até então conhecido como cantor de protesto – “A Felicidade Bate à Sua Porta“.

Liminha, ex-baixista do grupo “Os Mutantes” e produtor musical, resolve produzir o primeiro compacto. Por coincidência, essa gravação foi feita no estúdio da Wanderléa.

Com o sucesso, elas foram contratadas pela WEA/Warner Music e lançaram o primeiro disco em 1977 – “Frenéticas“, que tinha o hit “Perigosa“. Vendeu 150 mil cópias e recebeu um Disco de Ouro.

hqdefault

Do segundo disco, “Caia na Gandaia” (1978), vieram os hits “Dancing Days” e “O Preto que Satisfaz“, que foram temas das novelas da rede Globo – “Dancin’ Days” (1978) e “Feijão Maravilha” (1979).

A novela “Dancin’ Days” foi uma mania nacional, que mostrava a protagonista Júlia Matos (Sônia Braga) arrasando na pista de dança. Influenciou a moda nacional (meias lurex, sandália de salto fino), brinquedos (boneca ‘Pepa’), difusão dos vôos de asa delta, além das várias discotecas abertas pelo país.

0,,15141084,00.jpg

O sucesso do grupo foi tanto que elas fizeram shows na América Latina e Europa, além de terem sido convidadas para participarem da primeira transmissão da televisão em cores, em Portugal (1980 – Festival da Canção).

As Frenéticas ainda lançaram mais três discos, mas sem tanto sucesso. Já era o começo do fim. No último disco, “Diabo a 4” (1983), o grupo já não contava com a presença de Sandra Pêra e Regina Chaves. Até que em 1984, o grupo se desfez.

Tentaram ainda mais dois retornos, sendo que ainda emplacariam o hit “Perigosas Peruas” na novela homônima (1992).

70! Discodécada – Doc. Musical

Agora, esperamos que seja mais uma oportunidade para revê-las no palco. Se bem que das seis, só quatro poderão estar presentes, afinal Lidoka faleceu em 2016 e Edyr está atualmente no Retiro dos Artistas.

Escolha seu melhor figurino e vá – seja camisa de poliéster ultra estampada, terninho, salto plataforma, calça boca de sino, macacão com decote bem generoso, shortinho, paetê, tecido metalizado, transparência e muita lycra… tudo acompanhado de meias lurex com sandálias de salto alto fino e…

Dance bem
Dance mal
Dance sem parar
Dance bem
Dance até
Sem saber dançar” (“Dancing Days“)

Quer conhecer mais

Sandra Pêra registrou em livro a história – ou melhor, as histórias – do grupo em “As Tais Frenéticas – Eu Tenho uma Louca Dentro de Mim” (2008).

4bdf28029c9bc

O programa “Por Toda Minha Vida” (rede Globo), lançado em 2011, contou a história do grupo. Pode ser encontrado no youtube. Para interpretá-las foram escolhidas Lisieux Maia (Leiloca), Gabrielle Lopez (Lidoka), Nina Morena (Sandra), Corina Sabbas (Dhu), Denise Spíndola (Edir) e Flávia Rubim (Regina). É também deste programa a última imagem que temos das seis juntas.

8mp5gfgenzf5z8u5s478tjd8u

Lidoka, Dhu, Regina, Leiloca, Sandra e Edyr

RENATO RUSSO, O MUSICAL

Um espetáculo magnífico, sucesso de crítica e público por onde passa volta aos palcos de São Paulo para uma curta temporada no Theatro NET SP que promete muita emoção embalada pelas belíssimas canções e histórias curiosas sobre a vida e a obra do grande poeta, do Rock nacional.

O grande sucesso do musical também se dá pela combinação perfeita das músicas de Renato Russo, que marcaram toda uma geração, somados a  Dramaturgia de Daniela Pereira de Carvalho, Direção consagrada de Mauro Mendonça Filho, Iluminação de Wagner Pinto, Cenário de Bel Lobo e Bob Neri, além da banda Arte Profana que toca ao vivo para delírio dos fãs e também para os novatos que ainda não conhecem a fundo a grande importância do astro do rock nacional no cenário artístico brasileiro. “Apenas o ator que faz o Renato Russo é mais ou menos”, brinca Bruce Gomlevsky, protagonista de “Renato Russo – O Musical”.

A banda Arte Profana é formada por teclado, guitarra, baixo, bateria e ilustra com 22 canções, a peça que conta a história de Renato Russo desde a juventude “punk” em Brasília, quando fundou a banda Aborto Elétrico e ficou por dois anos em uma cadeira de rodas até o sucesso da Legião Urbana. O quebra-quebra num show em Brasília e os problemas com drogas estão na encenação.

Depoimentos, reportagens, entrevistas, livros e imagens de shows serviram como base para a concepção da obra biográfica, que estreou no centro do Rio há mais de 10 anos. “Renato é um grande poeta, e é por isso que continua causando comoção nas gerações de hoje. Sua obra gera um impacto enorme na nossa cultura”, afirma Gomlevsky.

Sem a menor dúvida o que move o espetáculo é a força do Renato e o legado que deixou na Legião Urbana, através das composições, que são a cada dia mais atuais. Os fãs se renovam e hoje temos além de adultos e idosos na plateia, jovens e adolescentes que se emocionam a cada sessão”, conta Bianca de Felippes, produtora do musical e do longa metragem “Eduardo e Mônica”, que está em produção.

Renato Russo- O Musical percorreu mais de 40 cidades, já foi assistido por quase 300 mil pessoas em 400 sessões. Após temporada no Teatro Frei Caneca, a peça realizará turnê por outras cidades brasileiras, reproduzindo toda a energia e brilhantismos das obras deste grande poeta e pensador que fez história e que até hoje segue como sendo um dos nomes mais importantes da história do rock nacional.

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

Renato Russo, o Musical
Com Bruce Gomlevsky e Banda Arte Profana:
Theatro Net SP – Shopping Vila Olímpia (Rua Olimpíadas 360 – Vila Olimpia, São Paulo)
Duração 120 minutos
05/01 até 25/02
Sexta e Sábado – 21h, Domingo – 17h30
$50/$120
Classificação 12 anos

ADMIRÁVEL NINO NOVO

Ator e diretor de teatro, Cassio Scapin coleciona mais de 60 diferentes personagens em seu currículo, entre teatro, TV e cinema, dos mais variados tipos, como Ary Barroso, Jânio Quadros, Santos Dummont, Miriam Muniz na peça Eu não dava praquilo, Olavo Bilac, Brás Cubas na peça Memórias Póstumas, Urbano Madureira no Sítio do Pica Pau Amarelo, até um traficante chinês além dos vários personagens da peça O Mistérios de Irma Vap, entre tantos outros. Já recebeu 4 indicações ao Prêmio Shell, ganhando 1, e 4 indicações ao Prêmio APCA, ganhando 2. Além de ganhar também os prêmios Mambembe de teatro infantil, Arte Qualidade Brasil, Governador do Estado e 4 APETESP.

Para comemorar seus 36 anos de carreira, Cassio trás de volta aos palcos uma de suas mais importantes criações, depois de 20 anos sem interpretá-lo. O mais conhecido e querido personagem, do já legendário Castelo Rá Tim Bum, está de volta numa sensacional aventura inédita, com texto e direção de Mauricio Guilherme e produção de Rodrigo Velloni.

Numa arrojada iniciativa e acompanhado apenas do invisível Espírito da Aventura (na voz de Ney Matogrosso), o aprendiz de feiticeiro deixa o Castelo para cair na estrada e assim descobrir o sentido e a sensação do que é uma verdadeira aventura.

Como escolher para onde ir? Como se guiar? Que roupas levar? Com que meio de transporte? São tantas as perguntas para responder. E as possibilidades também. Sendo então nosso protagonista um jovem mágico, estas possibilidades se multiplicam em inúmeras outras.

Seja numa noite estrelada, num deserto escaldante, no alto do Monte Everest, no espaço sideral e até no fundo do mar, entre muitos outros lugares, explorar o desconhecido é o lema dessa viagem. Através de um novo olhar, Nino vai descobrindo o que é diferente no mundo e o que também pode vir a ser. Uma lição básica para todos que embarcam numa nova jornada, como a dele.

A montagem mostra um jeito completamente novo de reencontrar um velho amigo através de projeções arrojadas, truques cênicos, trilha especialmente composta e a presença do talento único de Cássio Scapin, o Nino original da série da TV Cultura que foi ao ar a partir de 1994, com inúmeras reprises até o dia de hoje, sendo considerado um dos melhores produtos audiovisuais da história da televisão brasileira.

Nino, o eterno menino de 300 anos, convida a todos para este reencontro nos palcos do Teatro das Artes. Crianças, jovens e (claro!) adultos também.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Admirável Nino Novo
Com Cassio Scapin
Teatro das Artes – Shopping Eldorado (Av. Rebouças, 3970 – Pinheiros, São Paulo)
Duração 60 minutos
13/01 até 25/03
Sábado e Domingo – 16h
$60
Classificação Livre

OS GUARDAS DO TAJ

À primeira luz da manhã, um novo edifício representando o poder crescente do império será revelado: o glorioso Taj Mahal. Mas para estes dois guardas, amigos de longa data e designados a proteger o palácio, a manhã vem trazer uma crise existencial que abalará sua fé no Império e nos outros humanos.

Os Guardas do Taj retrata dois homens comuns que se deparam com a beleza imensurável do Taj e ao mesmo tempo são varridos pela carnificina e pela injustiça que cerca uma das maravilhas mais famosas do mundo. O ano é de 1648 e os dois guardas imperiais estão em pé e de costas para o ainda não revelado Taj Mahal. Um deles, Babur (Ricardo Tozzi) está cheio de curiosidade inextinguível; o outro, Humayun (Reynaldo Gianecchini) é pura ortodoxia obediente. Amigos desde a infância acabam se confrontando diante das regras estabelecidas e da maneira que cada um deles vê a sociedade e suas vidas.

Além de estarem proibidos de olhar para o edifício, os dois amigos também acabam sendo escalados para participarem da famosa história arbitrária que o imperador ordenou que executassem. O texto do americano Rajiv Joseph levanta questões potentes sobre o humano, o preço pago ao longo da história para realizar os caprichos dos poderosos, mesmo quando resultam em maravilhas arquitetônicas que, em última análise, serviriam para dar prazer às massas. Esta é uma das muitas lendas que cercam o Taj, mas que o autor usa de maneira brilhante para explorar, de forma inteligente e sem ser esmagadoramente dramática, uma série de ideias filosóficas. Uma delas é se há limites à busca humana pelo conhecimento, o que rege as relações de amizade e as proibições absurdas que muitas vezes nos são impostas.

Com direção de Rafael Primot e João Fonseca, os temas centrais do espetáculo sobre dois guardas imperiais proibidos de olhar para o esplendor do Taj Mahal em sua inauguração, são a curiosidade humana, o capricho dos poderosos e a amizade entre dois homens. Além disso, quando os guardas são ordenados a realizar uma tarefa impensável, as consequências os obrigam a questionar os conceitos como amizade, beleza e dever, e os muda para sempre de maneira única e poética.

Amizade, lealdade, subserviência, poder. Qual o real sentido da vida e das relações? Quando a luz se apaga, qual a única beleza que nos resta? A jornada desses dois amigos nos questiona se vale a pena pagar um preço tão alto para manter a ordem estabelecida.

Com produção de Selma Morente e Célia Forte, através da Morente Forte Produções Teatrais, Os Guardas do Taj é um espetáculo sobre a amizade, os valores e as escolhas que fazemos. Vale a pena simplesmente fazer as coisas sem questionar? Obedecer à ordem estabelecida sem pensar? Será que há um caminho melhor para seguirmos? Esses dois amigos, tão diferentes entre si, acabam descobrindo o que realmente importa na vida e vivem as consequências de suas escolhas.

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

Os Guardas do Taj
Com Reynaldo Gianecchini e Ricardo Tozzi
Teatro Raul Cortez (Rua Dr. Plínio Barreto 285 – Bela Vista, São Paulo)
Duração 75 minutos
13/01 até 25/03
Sexta e Sábado – 21h, Domingo – 18h
$60/$80
Classificação 12 anos

COISAS ESTRANHAS ACONTECEM NESTA CASA

Um grande mistério chega aos teatros neste verão. A nova comédia de Pablo Diego Garcia tem co-direção de Marisa Orth e direção geral de Marcio Macena. A peça conta a história de 5 personagens excêntricos,  presos por uma tempestade, e muitos segredos dentro de uma mansão mau assombrada.

Coisas Estranhas Acontecem Nesta Casa celebra a diversidade dentro de um contexto absurdo. A peça fala sobre a família que podemos escolher, sobre os monstros que temos que matar para sobreviver, e sobre os problemas que devemos enterrar no nosso jardim.

Fleury, Kleber e Alfredo são três excêntricos, dramáticos e misteriosos homens, que moram juntos em um casarão no alto da serra em Campos do Jordão. Tudo poderia ocorrer bem na vida desses personagens não fosse o fato de eles estarem falidos e se odiarem. Fleury é o mais velho e está perdendo a memória; Kleber é alcoólatra, mau humorado e fumante compulsivo; Alfredo é um costureiro sem talento. Tudo começa quando Fleury esquece a panela de pressão no fogo e explode o jantar que seria servido para a cliente mais importante de Alfredo, a socialite Marcela Vitanozzi. A encomenda que Marcela fará ao costureiro poderá salvar os três da miséria. Isso faz com que eles se unam para preparar o melhor jantar já servido até hoje.

Mas algo misterioso acontece e a socialite acaba falecendo durante o jantar. Desesperados eles resolvem enterrar o corpo no jardim, mas são surpreendidos por uma visita inesperada. Um jornalista misterioso aparece querendo entrevistar a socialite. E a confusão estará armada quando os três fizerem de tudo para a defunta parecer vivinha da silva! Muitos segredos serão revelados, uma fortuna em dinheiro estará em jogo e coisas estranhas acontecem pela casa.

A mansão foi erguida no topo da colina. Para chegar até ela é necessário um longo caminho entre as montanhas. Alguns pinheiros se escondem, mas quando se atravessa a densa floresta, já nos deparemos com o grande portão de ferro retorcido onde girassóis foram esculpidos nas grades como colagens infantis. E lá, ao fundo das árvores, a pequena mansão reina como uma velha senhora tomando um chá da tarde.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Coisas Estranhas Acontecem Nesta Casa
Com Pablo Diego Garcia, Pedro Bosnich, Bruno Sperança, Deo Patricio e Daniel Aguiar
Teatro Augusta (R. Augusta, 943 – Cerqueira César, São Paulo)
Duração 90 minutos
13/01 até 04/03
Sábado – 22h, Domingo – 20h
$50
Classificação 12 anos

UM BONDE CHAMADO DESEJO

A história criada por Tennessee Williams narra a decadência de Blanche Dubois, que se abriga na casa da irmã, Stella, para fugir do passado e se depara com seu vulgar cunhado, Stanley Kowalski. Marlon Brando e Jessica Tandy interpretaram, em 1947, na Broadway, dirigidos por Elia Kazan, os protagonistas que aqui são representados por Maria Luisa Mendonça e Eduardo Moscovis. O texto ganharia notoriedade mundial no cinema, quatro anos depois, quando o mesmo Kazan dirigiu a adaptação cinematográfica com Brando e Vivian Leigh nos papéis principais.

Na trama, a sonhadora e atormentada Blanche DuBois muda-se para a casa da irmã, Stella, no estado norte americano de New Orleans, para logo entrar em violento embate com a brutalidade de seu cunhado, Stanley. Na tensão entre a carnalidade bestial de Stanley e o espírito etéreo de Blanche, ergue-se a mais pungente e bela metáfora do duelo entre o sonho e a realidade, entre a alma e o corpo, que o teatro já produziu.

Com direção de Rafael Gomes, completam o elenco Donizeti Mazonas (no papel de Harold Mitchell), Virgínia Buckowski (no papel de Stella Kowalski), além dos atores Fabrício Licursi, Nana Yazbek e Davi Novaes.

Através do enredo doméstico de Tennessee Williams, criam-se complexos universos éticos e estéticos, com refinadas teias simbólicas, maestria de linguagem e, principalmente, enorme envergadura moral.

O diretor Rafael Gomes, um dos mais destacados encenadores da nova cena teatral paulistana (Prêmio APCA por Música Para Cortar Os Pulsostrês indicações ao Prêmio Shell por Gotas D’Água Sobre Pedras Escaldantesmais de 20 indicações e 5 Prêmios conquistados pelo musical Gota D’Água [a seco]; 2 indicações de melhor espetáculo e Prêmio APCA de melhor autor para a peça Os Arqueólogos) é um profissional que, assim como Elia Kazan, diretor da montagem inaugural do texto, transita entre o Audiovisual e o Teatro, com experiência multidisciplinar, buscando as particularidades e convergências em cada uma das artes, bem como aquilo que as alimenta mutuamente.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Um Bonde Chamado Desejo
Com Maria Luisa Mendonça, Eduardo Moscovis, Virgínia Buckowski, Donizeti Mazonas, Fabricio Licursi, Nana Yazbek e Davi Novaes
Teatro Tucarena (Rua Monte Alegre, 1024 – Perdizes, São Paulo)
Duração 110 minutos
19/01 até 01/04
Sexta e Sábado – 21h, Domingo – 18h
$80
Classificação 14 anos

A VISITA DA VELHA SENHORA

Clássico do suíço Friedrich Dürrenmatt, escrito em 1956, se mantém atual e apresenta um olhar irônico sobre a fragilidade dos valores morais, da justiça e da esperança

Texto do autor suíço Friedrich Dürrenmatt, A Visita da Velha Senhora volta ao palco do Teatro do SESI-SP sob a direção de Luiz Villaça. A montagem inédita, com Denise Fraga, Tuca Andrada, Ary França, Fábio Herford, Davi Taiyu, Maristela Chelala, Romis Ferreira, Renato Caldas, Eduardo Estrela, Beto Matos, Luiz Ramalho e Rafael Faustino, expõe a fragilidade dos valores morais e da noção de justiça quando a palavra é dinheiro. Em 2018, o espetáculo fica em cartaz de 24 de janeiro até 18 de fevereiro, com entrada gratuita

Na trama, os cidadãos da cidade de Güllen esperam ansiosos pela chegada da milionária Claire Zachanassian (vivida por Denise Fraga) – que promete salvá-los da falência. No jantar de boas-vindas, Claire impõe uma condição: doa um bilhão à cidade se alguém matar Alfred Krank, o homem por quem foi apaixonada na juventude e que a abandonou grávida por um casamento de interesse. Ouve-se um clamor de indignação e todos os habitantes de Güllen rejeitam a absurda proposta. Claire, então, decide esperar, hospedando-se com seu séquito no hotel da cidade.

A partir dessa premissa, Friedrich Dürrenmatt nos premia com uma obra-prima da dramaturgia, construindo uma rede de cenas que se entrelaçam, cheias de humor e ironia, onde os personagens vão, pouco a pouco, escancarando a fragilidade humana diante do grande regente de nossas vidas: o dinheiro.

A Visita da Velha Senhora é caracterizada por Dürrenmatt como uma comédia trágica. Seu texto faz uso do humor para a reflexão. Disseca os conflitos morais, as noções de ética, poder e justiça e as sutilezas de suas fronteiras. Até onde pode-se ir por dinheiro? O que significa justiça em nossos tempos? Até que ponto o valor moral da justiça se adequa ao poder econômico? Até que ponto a linha ética se molda ao poder? Até onde nos vendemos? E quanto nos custa a não submissão? Ao longo da história, o público se depara com questões que sempre estiveram em pauta na história da humanidade e que se apresentam agora mais atuais do que nunca.

Depois de dois anos e meio de A Alma Boa de Setsuan, de Bertolt Brecht, e um ano e meio de Galileu Galilei, do mesmo gênio alemão, sou mais uma vez surpreendida pela potente atualidade de um clássico. Não foi por acaso que cheguei a Dürrenmatt. Foi discípulo, bebeu em Brecht. Lá está o mesmo fino humor, a mesma ironia e teatralidade. Dürrenmatt também se faz valer do entretenimento para arrebatar o público para a reflexão”, afirma Denise Fraga.

Na peça Alma Boa de Setsuan, a personagem principal perguntava “como posso ser boa se eu tenho que pagar o aluguel? Como posso ser bom e sobreviver no mundo competitivo em que vivemos? ”. Em Galileu Galilei, o questionamento central era “como posso ser fiel ao que penso sem sucumbir ao poder econômico e político vigente? Como manter meus ideais comprando meu vinho bom?”. Para Denise Fraga, “encenar a Visita depois de A Alma Boa e Galileu é quase como completar uma trilogia. A trilogia de nosso eterno dilema entre a ética e o ganha pão”.

Em cada uma das peças – Alma Boa, Galileu Galilei e A Visita da Velha Senhora – as relações de poder e os conflitos morais vividos pelos personagens são explícitos. A diferença é que Brecht prefere desconstruir as ilusões de que nos alimentamos e propor uma possível transformação, enquanto Dürrenmatt as mantém vivas e ri delas por serem apenas isso: ilusões, enganos pelos quais lutamos e sempre lutaremos.

A Visita da Velha Senhora conta com direção do cineasta Luiz Villaça, que depois do sucesso de Sem Pensar, de Anya Reiss, e A Descida do Monte Morgan, de Arthur Miller, retorna ao teatro. A montagem ainda conta com a sofisticação dos cenários e figurinos de Ronaldo Fraga, a batuta do maestro Dimi Kireeff na direção musical, o desenho de Luz de Nadja Naira, da Companhia Brasileira de Teatro; Lucia Gayotto, na direção vocal; Keila Bueno, nas coreografias e preparação corporal, e Simone Batata, no visagismo.

“A tragédia do mundo moderno só é passível de representação no palco como comédia. A comédia é a expressão do desespero”.
(Friedrich Dürrenmatt)

Este slideshow necessita de JavaScript.

A Visita da Velha Senhora
Com Denise Fraga, Tuca Andrade, Ary França, Fábio Herford, Davi Taiyu, Romis Ferreira, Maristela Chelala, Renato Caldas, Eduardo Estrela, Beto Matos, Luiz Ramalho e Rafael Faustino
Teatro do Sesi-SP (Av. Paulista, 1313 – Bela Vista, São Paulo)
Duração 120 minutos
24/01 até 18/02
Quarta, Quinta, Sexta e Sábado – 20h, Domingo – 19h
Entrada Gratuita (Reservas antecipadas de ingressos online pelo portal http://www.sesisp.org.br/meu-sesi)
Classificação 14 anos