MOGLI – O LIVRO DA SELVA

Mogli – O Livro da Selva” é uma adaptação de Fabio Brandi Torres para a obra de Rudyard Kipling, que narra a história e as aventuras vividas por um menino criado por lobos. A encenação dirigida por Eduardo Leão bebe na fonte do teatro oriental e no universo mágico indiano.

Com movimentos de animais inspirados em “Rei Leão” e “Cats”, a história de “Mogli – O Livro da Selva” não abre mão do humor  e apresenta a agilidade vista nas animações Disney. A produção da montagem escolheu os atores mirins Chico Sanches de Melo e Pedro Estevam – que estreiam no teatro, ambos com 8 anos de idade – para se revezarem no papel principal. Com a  inclusão dos atores mirins, a encenação busca a autenticidade do olhar de criança.

O diretor Eduardo Leão diz que o processo de criação da montagem contou com a espontaneidade dos atores mirins e a vontade de jogar, típica da faixa etária deles. “Além da disposição para o jogo lúdico, a diferença de tamanho entre os atores adultos e crianças reforça a leitura de que Mogli é um menino pequeno num ambiente hostil, que é a floresta”.

A encenação faz referência ao teatro oriental, o que é revelado principalmente pelas músicas criadas especialmente para o espetáculo por André Abujamra, e nos figurinos desenhados por Olintho Malaquias. “Também trabalhei com o elenco detalhes da atuação. Atores fazem personagens animais em pé, com movimentações, posturas e energias que lembram a vida selvagem. Mas nunca fazem animais em quatro patas”, detalha o diretor.

 Mogli_divulga_o

Mogli – O Livro da Selva
Com Ivy Souza, Lia Canineu, Thiago Andreuccetti, Everton Granado, Leo Romanno, Chico Sanches de Melo e Pedro Estevam
Teatro Folha – Shopping Pátio Higienópolis (Av. Higienópolis, 618 – Consolação, São Paulo)
Duração 50 minutos
03/02 até 01/06 (sessões extras nos feriados e emendas de feriados 12 e 13/02, 30/03, 30/04, 01 e 31/05, 01/06.
Sábado e Domingo – 16h
$25
Classificação 04 anos

PALESTRAS SOBRE EMPREENDEDORISMO NAS ARTES CÊNICAS

O Teatro Folha propõe ao mercado de artes cênicas uma série de palestras sobre empreendedorismo teatral, abordando temas diversos, com o objetivo de colaborar para a profissionalização da produção artística. As palestras serão voltadas para profissionais e estudantes de teatro interessados em gerir suas carreiras, entrar no mercado de trabalho ou se reposicionar neste ramo de atividade como investidor.

O ator, diretor e empresário nas artes cênicas Isser Korik realizará 14 palestras no primeiro semestre, sempre contanto com a participação de outros profissionais que devem falar de suas experiências, de acordo com o tema de cada palestra. Isser e convidados responderão dúvidas comuns entre estudantes e profissionais, oferecendo informações que serão úteis para quem deseja realizar os próprios projetos. “Um jovem passa anos estudando numa escola e se forma em Artes cênicas. O que fará no dia seguinte? As escolas ensinam a atuar, mas não se focam em aspectos práticos da carreira, como aprender a ler um contrato de trabalho ou se produzir”, explica Isser.

A programação do primeiro módulo de atividades se inicia no dia 05 de março com a palestra “O mercado de trabalho do ator”. Tratando de forma mais específica sobre os perfis dos atores profissionais e do mercado de teatro em escolas, empresas etc., haverá as palestras “O mercado do ator em TV, publicidade, dublagem e locução ” (12/03), “O mercado do ator conjugado com atividades paralelas na produção teatral (19/03), “O mercado do ator conhecido: mitos e verdades” (26/03), “O mercado do ator conhecido:  produção de elenco e agenciamento” (09/04), “O ator-empreendedor” (16/04), “Remuneração” (23/04), “O contrato” (07/05),  “Relação de trabalho e comportamento profissional” (14/05)  e “Relação de trabalho ator-diretor” (28/05). Ainda no primeiro semestre acontecerão as palestras “A produção, seus itens e estrutura” (04/06), “A produção cooperativada” (11/06), “A produção empresarial (18/06) e “A produção por cotas” (25/06).

O segundo módulo de palestras acontecerá de agosto a dezembro, abordando temas, como, direitos autorais, leis de incentivo, captação de recursos, divulgação de espetáculos e relação do produtor com os diferentes perfis de curadoria de programação de teatros privados e públicos, entre outros assuntos do interesse de quem quer ser um empreendedor nas artes cênicas.

isser (1).jpg

SOBRE ISSER KORIK

Diretor, ator, produtor, tradutor e dramaturgo, Isser Korik coleciona trabalhos marcantes como comediante em mais de 30 anos de carreira, como  “Vacalhau & Binho”, de Zé Fidélis, que permaneceu oito anos em cartaz; “O Dia que Raptaram o Papa”, de João Bethencourt; e, recentemente, “E  o Vento não Levou”, de Ron Hutchinson, e “Toda Donzela Tem um Pai que é uma Fera”, de Gláucio Gill.

Como diretor se destaca na comédia. Concebeu “Nunca se Sábado…”, apresentado por quatro temporadas sob sua direção-geral, que marcou a cena paulistana.

Dirigiu “O Empréstimo”, de Jordi Galceran;  “Jogo Aberto”, de Jeff Gould; ”Nove em Ponto”, de Rui Vilhena, “A Minha Primeira Vez”, de Ken Davenport; a trilogia cômica de Alan Ayckbourn “Enquanto Isso…”; “O Mala”, de Larry Shue; o projeto “Te Amo, São Paulo”, que reuniu grandes nomes da dramaturgia paulista; além dos infantis “A Pequena Sereia”, de Fábio Brandi Torres; “Grandes Pequeninos”, de Jair Oliveira; “Cinderela”, “O Grande Inimigo” e “Ele é Fogo!”, de sua autoria, tendo recebido por esse último o Prêmio APCA. É diretor artístico da produtora Conteúdo Teatral e do Teatro Folha.

Palestras sobre empreendedorismo teatral com Isser Korik e convidados

Público alvo: estudantes e profissionais de teatro a partir de 17 anos

Investimento (1º módulo): R$ 150,00 por palestra.
50% de desconto para quem adquirir o pacote com todas as palestras (valor: R$ 1.050,00).

Inscrições: cursosteatrofolha@gmail.com ou (11) 95120-4000

Mais informações: www.teatrofolha.com.br e www.conteudoteatral.com.br

A TIA É UM SHOW

Guilherme Uzeda volta em cartaz com a peça “A TIA É UM SHOW”, até final de março, domingos às 19h30, no teatro Ruth Escobar.

O espetáculo se passa em um programa de auditório comandado pela TIA, personagem criada por Guilherme Uzeda, e traz muita diversão, de forma leve e descontraída.

Uma apresentadora totalmente informal conduz o programa de maneira muito peculiar, se atrapalhando de forma ingênua e levando a plateia a um riso descontraído e cúmplice.

Entre seus vários quadros, estão o ‘Bailão da Tia’ – onde pessoas da plateia são chamadas para participar de um concurso de dança, ‘Tia Canta e Encanta’, ‘Tia Responde’ onde a Tia responde de forma engraçada as cartas dos telespectadores.

No formato dos antigos programas de auditório, o espetáculo traz convidados especiais a cada semana, sorteio de prêmios para a plateia e os famosos ‘reclames’, onde o público participa de forma ativa e divertida com esta TIA simpática e cheia de entusiasmo todos riem muito!

image001.jpg

 A Tia é um Show
Com Guilherme Uzeda
Teatro Ruth Escobar – Sala Dina Sfat (Rua dos Ingleses, 209 – Bela Vista, São Paulo)
Duração 70 minutos
14/01 até 18/03
Domingo – 19h30
$50
Classificação 12 anos

A PEQUENA SEREIA

O musical ‘A Pequena Sereia’, superprodução da Broadway inspirada no filme da Disney, terá sua primeira montagem no Brasil, a partir de 30 de março, no Teatro Santander.

A diretora e coreógrafa Lynne Kurdziel-Formato, que já esteve à frente de diversos musicais no mundo, assinará a versão brasileira, destinada ao público de todas as idades, tanto para quem guarda o filme em sua memória afetiva quanto para as novas gerações.  É a primeira vez que a Disney autoriza uma montagem no país, sem obrigação de ser uma réplica da americana.

IMM e Stephanie Mayorkis, da EGG Entretenimento, compraram os direitos para realizar este espetáculo  no Brasil, que terá 33 atores em cena e 12 músicos, com apresentação do Ministério da Cultura,Mercado Livre e Mercado Pago, patrocínio da Zurich Santander SegurosSkyMultiplus e Prevent Senior, com apoio da ColgateDrogaria São Paulo e Focus Energia.

Tenho muito orgulho do processo de desenvolvimento que o Teatro musical no Brasil vem passando desde 2001 até hoje. Atualmente, temos grandes talentos no país, assim como músicos, equipes criativas e técnicos capacitados. Investimos na formação de plateia”, destaca Stephanie Mayorkis, co-produtora do espetáculo e diretora da IMM. “Tudo isto, junto com nossa relação profissional de credibilidade e parceria com o time da Disney Theatrical, contribuiu para que a Disney nos desse esse voto de confiança e oportunidade para trabalharmos em uma versão totalmente nova, com qualidade e adaptações que sejam pertinentes ao nosso país”, acrescenta.

Em sua estreia no país, Lynne Kurdziel-Formato ficou encantada com a qualidade dos atores brasileiros: “eles são extremamente talentosos e criativos. E o que mais me impressionou e me fez sentir “em casa” foi a paixão com a qual eles se entregavam nas cenas, totalmente abertos a tudo que propusemos”.

 

Com base na clássica história de Hans Christian Andersen, ‘A pequena sereia’ tem como protagonista Ariel, que vive no fundo do mar, mas quer fazer parte do mundo dos humanos. Depois de tomar coragem e fazer um acordo com Úrsula, a esperta bruxa do mar, Ariel embarca na aventura da sua vida. Ao lado de Linguado e Sebastião, Ariel precisará de coragem e determinação para fazer o bem para os seus dois mundos.

 

MTS  SÃO PAULO    31/01/2018     CADERNO 2   A PEQUENA SEREIA  Ensaio  do musical " A Pequena Sereia" , rua Cotoxó 321. FOTO: JF DIORIO/ESTADÃO

Lucas Cândido (Linguado), Tiago Abravanel (Sebastião) e Fabi Bang (Ariel) (crédito JF Diorio/Estadão)

Com base na clássica história de Hans Christian Andersen, ‘A pequena sereia’ tem como protagonista Ariel, que vive no fundo do mar, mas quer fazer parte do mundo dos humanos. Depois de tomar coragem e fazer um acordo com Úrsula, a esperta bruxa do mar, Ariel embarca na aventura da sua vida. Ao lado de Linguado e Sebastião, Ariel precisará de coragem e determinação para fazer o bem para os seus dois mundos.

A montagem terá toques de brasilidade. “A versão ficou maravilhosa, com pitadas e ritmos do nosso país que encantarão o público”, afirma Stephanie Mayorkis. “Tenho certeza que entregaremos uma bela produção à plateia brasileira, fiel às intenções originais do musical. Nossos tradutores fizeram um trabalho adorável e toda a magia da Disney estará presente no palco desta superprodução”, enaltece Lynne.

 “A Pequena Sereia é um clássico da Disney e tem uma presença muito forte na memória dos brasileiros de todas as idades. Ele trata de um tema cada vez mais atual, que é a força das mulheres e a capacidade que elas têm de correr atrás de seus sonhos”, afirma Stephanie MayorkisLynne Kurdziel-Formato complementa: “todos os jovens passam por estágios nos quais eles sentem que não se encaixam, que são incompreendidos, o que costuma gerar o conflito de gerações. A Pequena Sereia é uma história universal, é também sobre os sacrifícios que estamos dispostos a fazer para o amor, seja ele o romântico, de família, de amigos”.

Produzido originalmente pela Disney Theatrical Productions, o musical estreou oficialmente na Broadway em 2008. O texto do musical é de Doug Wright, com música de Alan Menken , letras de Howard Ashman (escritas para o filme) e  letras adicionais de Glenn Slater. “Eu amo a música de Alan Menken, em um momento você está muito emocionado e, no instante seguinte, está gargalhando. Em vários momentos, queremos sair cantando e dançando juntos. Como qualquer bom musical, há uma grande variedade de estilos”, afirma Lynne.

A Pequena Sereia teve duas indicações ao Tony Awards, três ao Drama Desk Awards (incluindo melhor atriz), sete ao Broadway.com Audience Awards (vencendo com Sierra Boggess, na categoria revelação favorita), além de ter sido indicado ao Grammy como melhor álbum de gravação de elenco.

Lançado em 1989, o filme foi uma das maiores bilheterias do ano, sendo um marco na retomada das grandes produções da Disney. ‘Under the sea’, presente também na trilha do musical, ganhou o Oscar e Globo de Ouro de melhor canção original, além do Grammy de Melhor canção escrita para filme. A trilha sonora também venceu o Oscar e O Globo de Ouro.

A montagem brasileira traz, além de Lynne Kurdziel Formato (diretora artística e coreógrafa), Vânia Pajares(diretora musical), Fernanda Chamma (diretora artística e coreógrafa associada), Mariana Elisabetsky eVictor Mühlethaler (tradução) e Stephanie Mayorkis (produção geral).

Para aguçar um pouco mais a sua curiosidade, postamos um trailer de como foi a montagem na Broadway (lembrando, que aqui será uma montagem nacional).

A Pequena Sereia
Com Fabi Bang, Tiago Abravanel, Rodrigo Negrini, Andrezza Massei, Lucas Cândido, Conrado Helt, Fábio Yoshihara, Elton Towersey, Lucas de Souza, Marcelo Vasquez, Arízio Magalhães, Alberto Venceslau, Alessandra Dimitriou, Ana Araújo, Andreza Meddeiros, Bruna Vivolo, Carla Vazquez, Daniel Caldini, Fernanda Muniz, Guilherme Pereira, Henrique Moretzsohn, Johnny Camolese, José Dias, Letícia Soares, Marisol Marcondes, Murilo Armacollo, Nay Fernandes, Renato Bellini, Rodrigo Garcia, Sandro Conte, Vanessa Mello, Willian Sancar e Ygor Zago.
Teatro Santander (Av. Juscelino Kubitschek, 2041 – Itaim Bibi, São Paulo)
Duração 150 minutos
30/03 até 29/07
Quinta e Sexta – 21h, Sábado – 16h e 20h, Domingo – 15h e 19h
$75/$280
Classificação Livre

PUTZ GRILL…

Digno de menção no Guinness Book, o livro dos Recordes, “Putz Grill…” é único show de Stand-up comedy brasileiro em cartaz por 10 anos ininterruptos pelo país. Este é um enorme feito inédito que Oscar Filho comemora e também se despede em 2018.

Caso raro em se tratando de um espetáculo solo, o fato é que o monólogo de humor “Putz Grill…”, que é um sucesso de público, volta em cartaz no dia 3 de março, no Teatro MorumbiShopping, com sessões aos sábados às 23h.

No espetáculo, vida pessoal e fatos do cotidiano fazem parte do repertório do show, sob o ponto de vista sarcástico e irônico de Oscar Filho. Valendo-se de seu talento como ator, a criatividade de seus textos e com um trabalho de corpo marcante, o show mostra seus vários talentos, que é o que garante a longevidade do espetáculo e as gargalhadas da plateia.

Sobre Oscar Filho

Depois de merecidas férias, o ator Oscar Filho volta ao teatro para o décimo e último ano do sucesso “Putz Grill…”. 

O multiartista Oscar Filho ficou conhecido do grande público ao fazer parte da equipe do extinto programa CQC, da Band, e desde então pode ser visto em atuando em peças teatrais, filmes, e séries de TV.

Já conhecido pelo público adulto, Oscar Filho surpreendeu o público infantil interpretando o vilão atrapalhado Gonzalito, nos dois filmes inspirados na novela infantil Carrossel, que atingiu a incrível marca de 5 milhões de espectadores.

Na TV, atualmente está participando das gravações da 3.a temporada da série “Xilindró”, no canal Multishow.

Além dos eventos corporativos em que se apresenta com seu stand-up, com toda a bagagem das telas e dos palcos, ele foi convidado a ministrar palestras em empresas, onde divide com a plateia toda a sua trajetória profissional e pessoal, traçando um paralelo entre seu dia a dia e o da empresa.

Vale a pena conferir ao último ano deste marco do humor paulista que já bateu 1 milhão de espectadores além de ter sido eleito, em 2011, melhor show de stand-up no Brasil pelo 10.o Prêmio Jovem Brasileiro. “Posso garantir que o meu show é melhor que a música Que Tiro Foi Esse.“, fala Oscar Filho sobre o sucesso do show. 

 image001

Putz Grill…
Com Oscar Filho
Teatro MorumbiShopping (Av. Roque Petroni Junior, 1089, Jardim das Acácias – São Paulo)
Duração 60 minutos
03/03 até 24/04
Sábado – 23h
$50
Classificação 14 anos

O JARDIM

Em comemoração a seus 10 anos de carreira, a Cia. Hiato relembra um de seus mais elogiados trabalhos, O Jardim com uma nova temporada no Teatro João Caetano a partir de 9 de fevereiro.

A terceira peça da trupe conquistou em 2011 os prêmios Governador do Estado, APCA (melhor direção) Shell (Autor e Cenário), CPT – Cooperativa Paulista de Teatro (Autor e Espetáculo) e Questão de Crítica (Figurino).

Com direção e dramaturgia de Leonardo Moreira, a peça trata das memórias perdidas, a partir de uma investigação sobre a doença de Alzheimer, bem como das memórias que nunca se apagam e das memórias inventadas.  A montagem pretende se conectar ao público por meio de uma narrativa múltipla, reinventada pela reapropriação de episódios clássicos da literatura. Um deles é o trecho de “Em busca do Tempo Perdido”, de M. Proust, em que a degustação de um simples bolinho, mergulhado em uma xícara de chá, abre as portas para a memória de uma vida inteira.

Outra analogia vem da poesia de histórias ordinárias que saltam dos depoimentos colhidos em visitas a asilos e casas de repouso, um lugar de memórias. A autobiografia do neurologista Eric M. Kandel, ganhador do Prêmio Nobel, também é uma referência. Na obra, são descritos os processos biológicos de memória e aprendizado.

Outras fontes de inspiração são as fotografias e a narrativa extremamente emocional do fotógrafo Philip Toledano, além dos escritos verídicos de um esquizofrênico e depoimentos pessoais dos atores-criadores: familiares, lembranças, fotografias e objetos que guardam memórias. Outro guia nesta trajetória criativa é o trabalho com instituições dedicadas ao tratamento e prevenção do Mal de Alzheimer.

O espetáculo também se apresenta como experiência pessoal, por meio do compartilhamento entre nossa história, a história que inventamos e a história do público. Essa perspectiva gera um olhar sobre o que nos dá a sensação de ‘pertencimento’ e nos conecta às nossas origens”, explica Leonardo Moreira.

SINOPSE

Três histórias pertencentes a tempos diferentes se cruzam, se sobrepõem e se chocam para formar uma paisagem a ser contemplada pelo espectador: um jardim que une as memórias que perdemos, as memórias que não podem ser apagadas e ainda aquelas que imaginamos. O espetáculo parte de lembranças reais do diretor/dramaturgo e dos atores para refletir, por meio de narrativas bem-humoradas e tocantes, sobre a perda de memória e a construção de nossas histórias individuais. A memória é um instrumento para se questionar nossa percepção coesa e coerente da realidade. O espetáculo também se apresenta como experiência pessoal, por meio do compartilhamento entre as histórias da companhia, que os artistas inventaram e do público.

O Jardim
Com Aline Filócomo, Fernanda Stefanski, Luciana Paes, Maria Amélia Farah, Paula Picarelli, Thiago Amaral, Edison Simão
Teatro Municipal João Caetano (Rua Borges Lagoa, 650 – Vila Clementino, São Paulo)
Duração 90 minutos
09 a 25/02
Sexta e Sábado – 21h, Domingo – 19h
$20
Classificação 14 anos

RENATO RUSSO – O MUSICAL

Em cartaz no Theatro NET São Paulo, na Vila Olímpia, o espetáculo Renato Russo – O Musical cumpre temporada até 4 de março. Em cena, belíssimas canções e histórias curiosas sobre a vida e a obra de um dos grandes poetas do rock nacional, Renato Russo (1960-1996).

Com dramaturgia de Daniela Pereira de Carvalho, direção de Mauro Mendonça Filho, iluminação de Wagner Pinto, cenário de Bel Lobo e Bob Neri, o musical reúne canções que marcaram toda uma geração. No papel principal está o ator Bruce Gomlevsky.

Em cena, a banda toca ao vivo Para deixar o espetáculo ainda com mais cara de show. A Arte Profana é formada por teclado, guitarra, baixo, bateria e ilustra a peça com 22 canções. O texto conta a história de Renato Russo desde a juventude punk em Brasília, quando fundou a banda Aborto Elétrico e ficou por dois anos, em uma cadeira de rodas, até o sucesso da Legião Urbana. O quebra-quebra num show em Brasília e os problemas com drogas estão na encenação.

Depoimentos, reportagens, entrevistas, livros e imagens de shows serviram de base para a concepção da obra biográfica, que há 11 anos estreou no centro do Rio. “Renato é um grande poeta, e é por isso que continua causando comoção nas gerações de hoje. Sua obra gera um impacto enorme na nossa cultura”, afirma Gomlevsky.

Sem a menor dúvida, o que move o espetáculo é a força do Renato e o legado que deixou na Legião Urbana, através das composições, que são a cada dia mais atuais. Os fãs se renovam e hoje temos além de adultos e idosos na plateia, jovens e adolescentes que se emocionam a cada sessão”, conta Bianca de Felippes, produtora do musical e do longa metragem “Eduardo e Mônica”, que será rodado este ano.

Fotos Ricardo Brajtermam-3.jpg

Renato Russo – O Musical
Com Bruce Gomlevsky
Theatro NET São Paulo – Shopping Vila Olímpia (Rua Olimpíadas, 360 – Vila Olímpia, São Paulo)
Duração 120 minutos
até 04/03
Sexta e Sábado – 21h, Domingo – 17h30
$50/$120
Classificação 12 anos