ENTRE! A PORTA ESTÁ ABERTA

Entre! A Porta está Aberta conta a história das irmãs Guta (Gabriela Rabelo) e Flora (Glória Rabelo), as duas com mais de 65 anos, que moram em cidades diferentes e não se veem com frequência. Um dia, Flora aparece avisando que veio para ficar apenas uma semana na casa da irmã Guta.
 
A semana se transforma em meses e num resgate cômico e por vezes emocionante, as irmãs trazem à tona revelações e segredos do passado nunca antes revelado, tornando o duelo verbal dinâmico e poético.
 
Um espetáculo recheado de lindas imagens e belas histórias sobre amor, cumplicidade e superação na melhor idade.
 
A peça é o segundo texto de Glória Rabelo a ser encenado e conta com a direção de Dan Rosseto. O elenco ainda conta com os atores Emerson Grotti, Gabriela Gama e Guilherme Araújo. O primeiro texto da autora Histórias que eu não inventei, viajou por 32 cidades (Brasília, Curitiba, Teresina, Belo Horizonte entre outras) e também se apresentou em festivais internacionais no Chile e México.
 
A equipe de Entre! A Porta está Aberta conta ainda com uma ficha técnica com diversos nomes premiados como iluminador Wagner Pinto (Prêmio Shell 2016), o cenógrafo Kléber Montanheiro (APCA e FEMSA 2013) e trilha sonora de Fred Silveira (indicado a melhor trilha no prêmio Aplauso Brasil 2017).
FOTO 01.jpg
Entre! A porta Está Aberta
Com Emerson Grotti, Gabriela Gama, Gabriela Rabelo, Glória Rabelo e Guilherme Araújo
Teatro Itália, (Av. Ipiranga 344 – República, São Paulo)
Duração 60 minutos
20/01 até 17/03 (não haverá apresentação 10/02)
Sábado – 18h
$60
Classificação 12 anos

O MÁGICO DE OZ – O ESPETÁCULO

Baseado na obra original de Lian Frank Baum O MÁGICO DE OZ tem texto e direção geral de um dos nomes mais conceituados na dramaturgia do Teatro para Crianças , FERNANDO LYRA JÚNIOR , que ao longo de seus mais de 20 anos dedicados ao palco foi detentor de vários prêmios e críticas elogiosas.

 

A peça conta a história de Dorot,uma garotinha que se perde no Mundo de Oz e para conseguir o caminho de volta para sua casa precisa encontrar o Grande Mágico de Oz.

 

Com a ajuda da Bruxa do Norte , Doroty , começa a sua procura no caminho até o Castelo do Mágico, onde muita coisa acontece .Ela conhece seus três inseparáveis amigos : O Espantalho , O Homem de Lata e o Leão, que ajudam a menina a atingir seus objetivos.

 

foto original O MAGICO DE OZ.jpg

O Mágico de Oz – O Espetáculo
Com Marina Ribeiro, Matheus Rodrigues, Cibelle de Martin, Rebecca Etiene, Fernando Lyra Jr, Luciano Brandão e Bruno Bianchi.
Teatro Ruth Escobar – Sala Dina Sfat (Rua dos Ingleses, 209 – Bela Vista, São Paulo)
Duração 50 minutos
28/01 até 25/03
Domingo – 17h30
$40
Classificação Livre

UMA HISTÓRIA DE VIDAS PASSADAS

SINOPSE

Você Acredita em Vidas Passadas? Cinco vozes interpretam Fabiana, que quando jovem, sonhava em ser artista, mas impedida e humilhada por sua família que a subjugava incapaz e inferior, entra em depressão. Nesta mesma fase,descobre-se apaixonada por um cantor quando ele vem a falecer.

Em crise, faz regressões de memória que a levam a França no século XVIII e descobre que este amor teve início em sua vida passada. Fabiana tenta encontrar motivos para continuar a viver, mas ainda precisa voltar a acreditar em si mesma.

UMA HISTORIA DE VIDAS PASSADAS - baixa.jpg

Uma História de Vidas Passadas
Com Gleiciane Felício, Iara Pereira da Costa, Andressa Marconi, Kamila Mafra e Fernanda Rusvéer. 
Teatro do Ator (Praça Roosevelt, 172 – Centro, São Paulo)
Duração 60 minutos
27/01 até 03/03 (não haverá 10/02)
Sábado – 20h
$50
Classificação 14 anos

O BEBÊ QUE NÃO DORMIA E TROCAVA A NOITE PELO DIA

Depois do sucesso de seu monólogo cômico “Meu Trabalho é um Parto”, em que interpreta 12 personagens, a atriz e dramaturga Veridiana Toledo volta a narrar os apuros e os dilemas enfrentados por pais de primeira viagem na comédia musical infantil O bebê que não dormia e trocava a noite pelo dia. Escrito em 2012, o texto é levemente inspirado na experiência pessoal da autora e do diretor Marcelo Galdino com o nascimento de seu filho Ian.

Em cena, Veridiana e os atores Luciano GattiAndo CamargoLívia Ziotti e Diego Rodda contam em tom fabulesco as aventuras de um casal que está há meses sem dormir porque seu bebê trocou o dia pela noite, o que acontece com muitos recém-nascidos. Para tentar solucionar esta questão, eles buscam ajuda em muitos lugares. Eles chegam até a viajar ao Japão com a esperança de que o fuso horário ajude o filho a descansar na hora que eles querem.

Quando eles voltam dessa viagem, percebem que o bebê passa a dormir à noite naturalmente e que todos os esforços foram inúteis. A ideia da montagem é criar uma reflexão sobre o desejo do homem contemporâneo de controlar a natureza de acordo com as necessidades de sua vida acelerada, ignorando o tempo real das coisas.

Para dar suporte aos divertidos tropeços do casal, os atores, que se revezam em diferentes papéis, interpretam ao vivo uma série de canções compostas especialmente para a peça por Marcelo Galdino e Diego Rodda. Cada tema homenageia um estilo musical brasileiro.

O cenário é construído com objetos e instrumentos musicais, que adquirem diferentes funções de acordo com as demandas da encenação. Um carrinho, por exemplo, é usado ora como berço, ora como carrinho de bebê, ora como um avião. Uma caixa branca é usada para a projeção de sombras e para delimitar o espaço de representação.

Sem qualquer forma de fomento, o espetáculo só pôde ser realizado cinco anos depois de escrito, graças a uma campanha de vendas antecipadas de ingressos, crowdfunding, que também ajudou a para produzir um CD com a trilha sonora original e um livro com o texto da montagem.

IMG_3641

O Bebê Que Não Dormia e Trocava a Noite pelo Dia
Com Ando Camargo, Diego Rodda, Lívia Ziotti, Luciano Gatti e Veridiana Toledo
Teatro Viradalata (Rua Apinajés, 1387 – Sumaré, São Paulo)
Duração 60 minutos
17/02 até 01/04
Sábado e Domingo – 16h
$50
Classificação Livre

PARA ONDE IR

Para onde ir” reestreia dia 23/2, sexta-feira, às 19h, no Teatro Laura Alvim – Sala Rogério Cardoso da Casa de Cultura Laura Alvim – espaço da Secretaria de Estado de Cultura/FUNARJ – com sessões sextas e sábados, 19h e domingos, 18h, até 18/03. Alcoolismo, desemprego, pobreza, miséria, violência contra a mulher, prostituição infantil, infanticídio e autodestruição são temas pelos quais passeia a bem-sucedida adaptação de Yashar Zambuzzi.

Construído a partir do personagem Marmieládov, do romance Crime e Castigo, escrito pelo russo Fiódor Dostoiévski(1821-1881), e da obra Uma temporada no inferno, do francês Arthur Rimbaud (1854-1891), em homenagem à poesia crítica do jovem poeta alemão Bertolt Brecht (1898-1956), o monólogo, com adaptação e atuação de Yashar Zambuzzi, marcou a estreia da atriz e produtora Viviani Rayes na direção. Ambos são fundadores da Te-Un TEATRO e, entre vários trabalhos juntos, atuaram e produziram a aclamada Blackbird (David Harrower).

Drama conta a história de Marmieládov, funcionário público, que após perder o emprego, entrega-se ao vício do álcool. Numa taberna ele acompanha a chegada dos fregueses e aproxima-se ora de um, ora de outro, para contar-lhes as dificuldades que passa por conta do vício, a necessidade de sustentar sua família e as desventuras de sua vida. A peça dialoga com o público numa linguagem dinâmica e coloquial, promovendo um contato direto e desmistificador com dois grandes autores da literatura universal cujas obras têm, em comum, as situações extremas da vida.

O público ao entrar na sala de espetáculo, ou melhor, na taberna, recebe uma dose de cachaça e/ou café, para serem consumidos com porções de amendoim presentes nas mesas, onde podem apoiar o jogo americano que recebem na entrada, que nada mais é que o programa da peça. Só um gole é o ponto de partida para a encenação. Tudo pensado e conduzido para tornar a experiência cênica num momento de grande interação.

Após percorrer 1 ano em cartaz nos teatros do Rio de Janeiro, PARA ONDE IR reestreia sua 5ª temporada no Teatro onde fez a sua estreia, brindando suas mais de 50 apresentações e a repercussão positiva da crítica:

Para Onde Ir
Com Yashar Zambuzzi
Teatro Laura Alvim – Sala Rogério Cardoso (Av. Vieira Souto, 176 – Ipanema, Rio de Janeiro)
Duração 50 minutos
23/02 até 18/03
Sexta e Sábado – 19h, Domingo – 18h
$30
Classificação 14 anos

FOREVER YOUNG

A comédia musical Forever Young retrata de forma bonita, poética e bem-humorada, a terceira idade. O espetáculo está no Teatro Fernando Torres com sessões sexta, às 21h30, sábado, às 21h, domingo, às 19h, até 25 de marçoA novidade é a entrada de Nany People no elenco, que também conta com Saulo Vasconcelos, Janaina Bianchi, Rodrigo Miallaret, Marcos Lanza e NaimaA direção é Jarbas Homem de Mello, tradução e adaptação de Henrique Benjamin e direção musical de Miguel Briamonte (piano ao vivo).

Com grandes hits mundiais do pop e rock, o aclamado musical, do suíço Erik Gedeon, estreou em agosto de 2016, no Teatro Raul Cortez em São Paulo, realizou temporada em 2017 no Rio de Janeiro e passou por mais oito capitais brasileiras. O espetáculo foi indicado aos maiores prêmios de teatro musical como Prêmio Bibi Ferreira, Prêmio Reverência, entre outros.

De forma bonita, poética e bem-humorada, a peça apresenta seis grandes atores que representam a si mesmos no futuro, quase centenários. Apesar das dificuldades eles continuam cantando, se divertindo e amando. Tudo acontece no palco de um teatro, que foi transformado em retiro para artistas, sempre sob a supervisão de uma enfermeira. Quando ela se ausenta, os simpáticos senhores se transformam e revelam suas verdadeiras personalidades através do bom e velho rock’n’roll  mostrando que o sonho ainda não acabou e que eles são eternamente jovens.   A comédia musical consegue relatar não apenas o problema da exclusão social na “melhor idade”, mas também aborda questões sobre a velhice com muito humor e músicas que marcaram várias gerações.

Forever Young é uma grande homenagem a todos os artistas que trouxeram tanta magia para as pessoas. E, principalmente, passa a mensagem que ser jovem é algo eterno, que a vida não para, apenas muda-se a frequência das ações. 

Os hits são sucessos do rock e pop mundial de diversos anos, passando pelas décadas de 50, 60, 70, 80 até chegar aos anos 90. Músicas que são verdadeiros hinos como I Love Rock and Roll, Smells Like a Teen SpiritI Will SurviveI Got You BabeRoxanneRehabSatisfactionSweet DreamsMusicSan FranciscoCalifornia Dream inLet It BeImagine, e a emblemática Forever YoungJá o repertório nacional conta com canções como Eu nasci há 10 mil anos atrás de Raul Seixas, Do Leme ao Pontal de Tim Maia e Valsinha de Chico Buarque. 

A montagem também faz parte do projeto Eu Faço Cultura e conta com 250 ingressos gratuitos para pessoas de baixa renda disponíveis no site www.eufacocultura.com.br.

Fotos MARCOS MORAES (21).jpg

Forever Young
Com Nany People, Saulo Vasconcelos, Janaina Bianchi, Rodrigo Miallaret, Marcos Lanza, Naima, Miguel Briamonte. 
Teatro Fernando Torres (Rua Padre Estevão Pernet, 588 – Tatuapé – São Paulo)
Duração 100 minutos
19/01 até 25/03
Sexta – 21h,30, Sábado – 21h, Domingo – 19h
$60/$70
Classificação 10 anos

APROXIMANDO-SE DE A FERA NA SELVA

A peça transita entre três núcleos que tem suas fronteiras borradas: “A Fera na Selva”, com os personagens John Marcher e May Bartran; as biografias dos escritores Henry James e Constance Fenimore Woolson e o núcleo composto por ator e atriz. Gabriel Miziara faz John, Henry e ator, e Helô Cintra interpreta Constance, May e atriz.

Henry James escreveu a Fera em 1903, quase dez anos após a morte da sua grande amiga Constance. A amizade entre os escritores tem muitos paralelos com a relação estabelecida entre os protagonistas dessa novela de Henry.

As personagens da peça são amarradas pelas convenções sociais, ao mesmo tempo muito solitárias e de uma sensibilidade extrema, busquei inspiração em alguns artistas plásticos, além das obras literárias, para adentrar neste universo. Edward Hopper, por exemplo nos traz a solidão impressa em suas obras, algumas telas de Monet e Magritte, além de uma tela pintada pelo dramaturgo Strindberg, me trazem de diferentes formas, uma existência velada e profunda”, comenta a diretora.

Para a construção da dramaturgia, Marina Corazza se pautou na novela “A Fera na Selva” de Henry James, em “O Mestre, romance de Colm Tóibín sobre a vida do escritor americano, na biografia de Constance, “Constance Fenimore Woolson: Portrait of a Lady Novelist”, escrita pela americana Anne Boyd Rioux, além de um livro de contos de Contance “Miss Grief and other stories”, organizado pela mesma escritora.

A encenação

A peça estará em cartaz no porão do Centro Cultural São Paulo, que foi reaberto em dezembro de 2017, depois de ficar fechado durante anos para uma reforma. A diretora optou por uma encenação limpa, com poucos elementos, mas que são fundamentais para o espetáculo.

O figurino assinado pelo estilista Mareu Nitschke traz linhas modernas e nada óbvias para os atores, em contraponto a algumas peças mais amplas que simbolizam o universo dos personagens. O cenário manipulado pelos atores, é uma parceria da diretora Malú Bazán com Renato Caldas. A assistência de direção é de Carolina Fabri. A luz é assinada por Miló Martins e a trilha sonora é de Daniel Maia. A produção do espetáculo é da Canto Produções.

Sinopse:

A peça aborda a relação de amizade entre os escritores Henry James e Constance Fenimore Woolson, a partir da investigação de suas biografias e da novela “A Fera na Selva” de Henry James, em que um homem espera pelo grande acontecimento de sua vida. Dois atores transitam entre as personagens reais e as personagens fictícias criadas pelos escritores, lançando um olhar particular sobre suas relações.

Aproximando-se de A fera na Selva_crédito Andreia Machado (5)

Aproximando-se de A Fera na Selva
Com Gabriel Miziara e Helô Cintra
Centro Cultural São Paulo – Espaço Cênico Ademar Guerra (Rua Vergueiro, 1000 – Liberdade, São Paulo)
Duração 60 minutos
02/02 até 11/03
Quinta, Sexta e Sábado – 21h, Domingo – 20h
Entrada gratuita (ingressos retirados 1 hora antes nas bilheterias do CCSP)