ROMEU E JULIETA, O MUSICAL

Inspirado no clássico romântico de William Shakespeare, Gustavo Gasparani e Eduardo Rieche escreveram o texto de “Romeu e Julieta, o Musical“, que terá 25 canções de Marisa Monte. Sob direção de Guilherme Leme, o espetáculo tem estreia no Teatro Riachuelo (RJ) no dia 09 de março.

A produção divulgou na noite desta sexta feira o elenco completo do musical.

Como par romântico, temos Thiago Machado (“Cantando na Chuva”) e Bárbara Sut (“Rio Mais Brasil – O Musical”). Ícaro Silva (“S’imbora, o musical – A História de Wilson Simonal”) fará Mercúcio, Stela Maria Rodrigues (“Emilinha”) fará Ama, Claudio Galvan (“Forever Young”) fará Frei. Pedro Caetano (“Les Misérables”) fará Teobaldo, Bruno Narchi (“Rent”) fará Benvoglio e Diego Luri (“Mudança de Hábito”) fará Páris.

Os pais de Julieta serão interpretados por Marcello Escorel (de “12 Homens e uma Sentença”) e Kacau Gomes(“Les Misérables”). Os de Romeu serão interpretados por Max Grácio (“Les Misérables”) e Neusa Romano (“Mudança de Hábito”). Kadu Veiga (“O Musical Mamonas”) será o Príncipe de Verona.

Completando o elenco temos Daniel Haidar (“Trá lá lá”),Gabi Porto (“Beatles Num Céu de Diamantes”), Gabriel Vicente (“Cartola – O Mundo É um Moinho”), Franco Kuster (“Vamp, O Musical”), Laura Carolinah (“Alegria, Alegria”), Luci Salutes (“Salve, Malala”), Natalia Glanz (“Espelho, Espelho Meu”), Pedro Caetano (“Les Misérables”), Santiago Villalba (“On Broadway”), Saulo Segreto (“Bilac Vê Estrelas”), Thiago Lemmos (“Les Misérables”) e Vitor Moresco (“Les Misérables”)

Abaixo, uma parte de elenco durante uma pausa nos ensaios.

elenco-romeu-e-julieta-ensaio

 

AYRTON SENNA, O MUSICAL

Conhecido mundialmente como um dos maiores pilotos de Fórmula 1 de todos os tempos, Ayrton Senna inspirou gerações. Mas é a essência da personalidade e caráter de Ayrton, com espírito guerreiro e de solidariedade, o humor, amores e a relação com a família que o público poderá conhecer melhor em “Ayrton Senna, o musical”, produção da Aventura Entretenimento e Aventura Teatros, em parceria com a Família Senna e apresentado pelo Bradesco. O musical, com direção de Renato Rocha, entra em cartaz no Teatro Sérgio Cardoso, em São Paulo, no dia 16 de março.

O projeto tem patrocínio da Atlas Schindler, BMA, Rede D’Or São Luiz, Riachuelo, Sem Parar e Volkswagen Financial Services, apoio da Alelo, Momenta Farmacêutica, Timken e White Martins e aAvianca como transportadora oficial.

A superprodução reúne 26 atores em um espetáculo diferente, para toda a família, que conta a história por meio de acrobacias e efeitos especiais, integrando música, dança, teatro e circo.

Com texto e músicas inéditas de Claudio Lins e Cristiano Gualda, que dão o tom para contar a carreira do piloto por meio de uma linguagem artística, a trama acontece com duas histórias paralelas. De um lado temos Hugo Bonemer (Hair, Yank!, Rock in Rio, o musical e A Lei do Amor) como o Ayrton Senna, o atleta focado, perfeccionista, competitivo e louco por vitórias e do outro lado temos João Vitor Silva (Verdades Secretas e Rock Story) como Beco – apelido de Ayrton entre os mais próximos –, um jovem paulistano que trabalha com a família, com sonhos, valores e ideais. “Quisemos contar a história de uma pessoa comum que virou um herói nacional. E o Ayrton era isso, uma pessoa com dúvidas, medos, mas também inspiradora, que corria muito atrás dos seus sonhos e chegou no topo“, diz Claudio Lins. A narrativa traz grandes momentos da carreira e da vida de Ayrton Senna, como a relação dele com os pais e a emblemática vitória em Interlagos em 1991.

O espetáculo começa na última corrida de Ayrton, em Ímola, na Itália, e desenvolve com o que pode ter passado pela cabeça de Ayrton naquelas últimas cinco voltas. “É como se nessas últimas voltas ele se lembrasse dos principais momentos da vida dele, como uma retrospectiva”, comenta Aniela Jordan, sócia-diretora da Aventura Entretenimento. Cenários, sons e luzes envolvem e levam o público para dentro de uma corrida de Fórmula 1. Números aéreos e acrobacias representam no palco a velocidade que fazia parte da vida de Senna.

Responsável pela direção do espetáculo, Renato Rocha desenvolveu carreira internacional por quase 10 anos e é reconhecido por unir circo e teatro. O artista criou espetáculos em Londres (para a Royal ShakespeareCompany, The Roundhouse, LIFT (Festival Internacional de Teatro de Londres) e Circolombia), para a Bienal Internacional de Artes de Marselha, Teatro Nacional da Escócia, Festival Internacional de Dança de Leicester, União Européia e Unicef. “Para fazer um espetáculo sobre o Senna precisávamos usar muita velocidade, sons e luzes. Temos um espetáculo com muitos números aéreos e pendulares. Juntamos ferramentas de várias plataformas – teatro, o circo, a música e a dança – para essa grande homenagem a um dos nossos maiores heróis”, comenta o diretor.

Lavínia Bizzotto é a coreógrafa responsável pela construção e direção dos movimentos do espetáculo. A bailarina, atriz e coach corporal já ministrou cursos de dança contemporânea para a Intrépida Trupe e Cia de Dança Deborah Colker e traz toda a sua experiência para esta montagem. “Trabalhamos muito para a construção de uma coreografia forte, rápida e intensa”, comenta Lavínia. Para suporte circense à produção, Rodolfo Rangel integra a equipe como coach de acrobacia. O brasileiro integra a equipe de criação do Cirquedu Soleil e comanda o desenvolvimento acrobático do elenco. “Temos oito acrobatas já experientes no elenco e, além deles, aproveitamos para também capacitar alguns artistas que já têm uma aptidão física para a realização de alguns movimentos acrobáticos corretamente e com segurança”, disse Rodolfo.

No cenário, Gringo Cardia traz a referência às pistas de Fórmula 1 com os elementos que pertencem ao mundo da velocidade, como pneus, capacetes, boxes e faixas. Um pneu com 6m de altura e 3,5m de comprimento é um grande elemento acrobático em movimento e utilizado para as coreografias. Completam o cenário um painel de LED com 6m x 7,5m de altura e boxes – simulando garagens da F1 – montados nas laterais do palco, que abrigam a banda.

Para trazer o ar das passarelas para o palco, Dudu Bertholini assina o figurino do espetáculo. “Esse musical fala sobre o que o Senna representa para todos nós e ele representa superação, coragem, vitória e enfrentar os medos. Isso tudo é uma leitura mais sonhadora, mais poética, então tivemos a possibilidade de criar uma linguagem para esse musical que é o que a gente faz na passarela também”, conta o estilista. Para sustentar as coreografias rápidas e os movimentos acrobáticos, Dudu recorreu à tecnologia para a confecção das peças.  “Um exemplo é o macacão de piloto – que reproduzimos na forma – e colocamos tacos de malha na lombar, nas entrepernas e axilas para que eles possam executar os movimentos. Escolhemos matérias-primas que têm essa funcionalidade e esse conforto”, explica Bertholini.

Completam a equipe criativa o diretor musical Felipe Habib, a criação sonora de Daniel Castanheira, desenho de som do Carlos Esteves, desenho de luz de Renato Machado e o visagismo de Anderson Montes.

26731374_1226659840800945_1209372405253900816_n.jpg

Ayrton Senna, o Musical
Com Hugo Bonemer, Victor Maia, João Vitor Silva, Lucas Vasconcelos, Pepê Santos, Will Anderson, Leonardo Senna, Adam Lee, Ivan Vellame, Kiko do Valle, Natasha Jascalevich, Estrela Blanco, Karine Barros, Lana Rhodes, Bruno Carneiro, Douglas Cantudo, Juliano Alvarenga, Marcella Collares, Marcelinton Lima, Olavo Rocha, Laura Braga, João Canedo, Gabriel Demartine, Paula Raia, Norrana Hadassa e Pedro Valério Lopez.
Teatro Sérgio Cardoso (Rua Rui Barbosa, 153 – Bela Vista – São Paulo)
Duração 140 minutos
16/03 até 03/06
Quinta e Sexta – 20h30, Sábado – 17h e 21h, Domingo – 18h30
$50/$150
Classificação Livre

ALAKAZAN – A FÁBRICA MÁGICA

Senhoras e senhores, preparem-se para uma grande viagem ao divertido universo de magia e fantasia do Circo dos Sonhos. No próximo dia 23 de fevereiro, reestreia em São Paulo o espetáculo Alakazan – A Fábrica Mágica, que traz à cena ilusionismo, música, teatro, dança e circo. O espetáculo acontece na lona montada na esquina da Rua Vergueiro com Avenida Ricardo Jafet, com sessões de terça a domingo.

Dirigido por Rosana Jardim, o espetáculo conta com performances de grande impacto e números circenses de báscula, contorção, rola, malabares, monociclo, equilíbrio no arame, tecido aéreo, faixa e muita palhaçada. Alakazan – A Fábrica Mágica traz à cena o duelo entre os personagens Alan e Kazani, que disputam a atenção da pequena Ly, a já conhecida menininha do Circo dos Sonhos. Ly é uma criança curiosa, que toca e fotografa tudo ao seu redor. Em uma visita à Biblioteca, ela é surpreendida por Alan, que surge como num passe de mágica e lhe entrega um livro especial, retirando o tablet de suas mãos. Encantada pelo livro, ela pede que ele leia a história, mas quando ele inicia, é interrompido por um som de sinos. Quando os dois procuram de onde vem tal som, surge Kazani, que transporta todos para a Fábrica Mágica, um universo fantástico onde tudo é possível.

A cada badalar do sino e movimento das engrenagens, Ly é transportada para outro universo com novas atrações, sempre acompanhada pelo seu amigo Alan. Kazani não gosta da interação entre Alan e Ly e compete por sua atenção. Essa disputa irá seguir e se fortalecer até o último ato, onde ocorre o confronto final, quando Ly conseguirá transmitir aos dois o poder da amizade e união, mostrando que é possível compartilharem suas habilidades, assim como os livros e os tablets, que compartilham seus conhecimentos com seus leitores.

Sobre o Circo dos Sonhos

Circo dos Sonhos pertence à família Jardim, que tem mais de 30 anos de tradição circense. Foi fundado em 2004, e já apresentou seus espetáculos para mais de 4 milhões de pessoas. Suas estruturas já visitaram diversos estados brasileiros, encantando com os elogiados espetáculos “Circo dos Sonhos – O sonho vai começar”, “Circo dos Sonhos no mundo da Fantasia” e “Quyrey, uma aventura na selva”. Tendo como embaixador o artista Marcos Frota, o Circo dos Sonhos possui atualmente duas lonas que circulam pelo país, e conta com uma equipe de mais de 150 profissionais, entre eles costureiras, designers, artistas plásticos, produtores, diretores, marceneiros, serralheiros, figurinistas, cenógrafos, bailarinos, coreógrafos, acrobatas, malabaristas, palhaços, trapezistas, contorcionistas e produtores.

Além de produzir e levar entretenimento pelo país, a Família Jardim possui grande expertise na realização de oficinas e treinamentos, pois atua também em eventos corporativos, palestras, assessoria circense, locação de tendas e tensionados.

Alakazan – a Fábrica Mágica
Com Trupe Circo dos Sonhos
Circo dos Sonhos (Avenida Ricardo Jafet, 1730 – Vila Mariana, São Paulo)
Duração 90 minutos
23/02 até 29/04
Terça, Quarta, Quinta e Sexta – 20h, Sábado, Domingo e Feriado – 16h, 18h e 20h
$30/$50
Classificação Livre

CASAR PRA QUÊ?

A comédia romântica CASAR PRA QUÊ? estreia no dia 2 de março no Teatro Gazeta.  O texto é de Alessandro Anes, que também atua na peça ao lado de Michelle Martins.  A direção é de Eri Johnson.

O espetáculo estreou em 2007  e nunca mais saiu de cartaz. Apesar de já ter rodado mais de 60 palcos de norte a sul do  país, somando um público de mais de 800 mil espectadores, a comédia chega pela primeira vez em São Paulo. “CASAR PRA QUÊ? permite mudanças no roteiro exatamente por brincar com o cotidiano e transforma-lo em comédia”, fala  Alessandro Anes sobre o espetáculo. “ Isso acaba fazendo o público voltar várias vezes ao teatro e torna cada apresentação um momento prazeroso também para nós, atores”, completa.

A história se passa no apartamento dos recém-casados Pedro Paulo e Ana Lúcia. O casal acabou de se conhecer numa boate, onde foram “atingidos” pelo cupido do amor à primeira vista. Ela, uma “patricinha” de classe média alta,  super vaidosa e culta; ele um suburbano, galanteador, enrolão, que omite suas origens para conquistá-la.

A partir desta união, a peça relata o cotidiano do casal, onde as brigas causadas pelas inúmeras diferenças só fazem divertir o público, não só com as piadas do texto, mas também pela identificação com as situações vividas no palco.

Mas o espetáculo não mostra e nem vive só das brigas. Pedro Paulo e Ana Lúcia são realmente super apaixonados e cada crise e discussão sempre  termina aos beijos e abraços, já que rola entre os dois  “aquele lance de pele”. Quando um encosta no outro  não há água no mundo que apague esse fogo.  Entre brigas e paixão, fica a interrogação:  CASAR PRA QUÊ?.

image004

Casar Para Quê?
Com Michelle Martins e Alessandro Anes
Teatro Gazeta (Av. Paulista, 900 – Bela Vista, São Paulo)
Duração 70 minutos
02/03 até 29/04
Sexta – 21h, Sábado e Domingo – 20h
$70/$80
Classificação 14 anos