SENHORA DOS AFOGADOS

Jorge Farjalla volta a cena teatral paulistana com um novo ‘Nelson Rodrigues‘. Após a montagem de “Dorotéia“, que ficou em cartaz por dois anos, “Senhora dos Afogados” abre as cortinas do Teatro Porto Seguro, nesta sexta, 23 de fevereiro.

A montagem surgiu numa festa de aniversário da atriz Letícia Birheuer, que pediu ao diretor que a desconstruísse numa peça teatral. Foi quando surgiu a ideia de montar o texto de 1947. Letícia vive seu primeiro papel masculino: Paulo, filho do clã Drummond.

Os Drummond são uma família tradicional de três séculos, com mulheres que valorizam a fidelidade conjugal. Moema, a filha mais velha de Misael e D. Eduarda, guarda um amor pelo pai e resolve afogar suas irmãs mais novas, Clarinha e Dora, no mar para não dividir a atenção dele com elas.

A peça começa com a família chorando pela morte de Clarinha. Simultaneamente, as prostitutas do cais do porto, em homenagem a uma ex-colega que foi assassinada há 19 anos, deixam de trabalhar.

Dona Eduarda e Moema, além do irmão, Paulo, se digladiam em torno da questão do pudor e da honra da mulher, hostilizando-se devido a um ódio primordial. Para viver só com seu pai, Moema monta um plano para que a mãe o traia com o próprio noivo, um ex-oficial da marinha.

20180222_200638.jpg

 

Traição, famílias desfeitas, reviravoltas e morte.  Todos os ingredientes de uma tragédia grega, bem como de um texto rodriguiano. “Senhora dos Afogados” se assemelha a “Electra Enlutada“, de Eugene Oneill (1931) e “Orestíada” de Ésquilo.

Há a presença do ‘coro grego‘ –  personagens que comentam com uma voz coletiva a ação dramática que está a decorrer. Todos atores, além de seus personagens, interpretam o coro, seja dos vizinhos dos Drummonds, seja das prostitutas do local.

Farjalla trabalhou a montagem como um texto mítico, onde há uma linha bem tênue dividindo o sagrado do profano. A ação da peça foi transposta das ruas do Rio de Janeiro para um manguezal recifense, cidade natal de Nelson Rodrigues. Os personagens estão todos sujos de lama deste mangue, como se mostrando que não há ninguém limpo, sem um pecado.

Esta nova montagem de “Senhora dos Afogados” é cheia de simbologia, tanto que o último – e mais importante personagem – é o farol do porto. Uma construção que relembra o passado, marca o presente e ilumina o futuro. Mas como em toda tragédia – qual futuro?

Senhora dos Afogados
Com Alexia Dechamps, João Vitti, Karen Junqueira, Rafael Vitti, Letícia Birkheuer, Nadia Bambirra, Jaqueline Farias e Du Machado.
Teatro Porto Seguro (Alameda Barão de Piracicaba, 740 – Campos Elíseos, São Paulo)
Duração 90 minutos
23/02 até 29/04
Sexta e Sábado – 21h, Domingo – 19h
$70/$90
Classificação 16 anos
Texto: Nelson Rodrigues
Direção e encenação: Jorge Farjalla
Dramaturgia: Jorge Farjalla
Direção musical e trilha original: João Paulo Mendonça
Direção de arte e espaço cênico: José Dias
Figurinos e adereços: Jorge Farjalla e Ana Castilho
Desenho de Luz: Vladimir Freire e Jacson Inácio
Preparação Corporal: Jorge Farjalla
Maquiagem e visagismo: Vavá Torres
Assistente de direção: Raphaela Tafuri
Preparação vocal: Patrícia Maia
Design Gráfico: Kalulu Design & Comunicação
Direção de Produção: Lu Klein

Um comentário sobre “SENHORA DOS AFOGADOS

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s