PESCADORA DE ILUSÃO

Inspirada no livro “A Mulher Que Matou os Peixes”, da escritora Clarice Lispector, a fantasia musical Pescadora de Ilusão, de GpeteanH e Pedro Paulo Bogossian, ensina para a criançadas a importância do perdão, com muita diversão e poesia. O espetáculo da Cia. Los Lobos Bobos reestreia no Sesc Pinheiros, no dia 20 de maio e segue em cartaz até 24 de junho, com sessões aos domingos, às 15h e às 17h.

Na história original, Clarice pede às crianças que a perdoem por ter esquecido de alimentar os peixinhos vermelhos de seus filhos. Para garantir a sua absolvição, ela conta histórias divertidas sobre os bichos de estimação que passaram por sua vida, como o cachorro Dilermando e a macaquinha Lisete.

Na peça, as atrizes Carol Badra e Kátia Daher se revezam em sete personagens para tentar defender essa mãe esquecida. No final, as crianças devem decidir se perdoam ou não a personagem de Lispector. Em cena, as atrizes “pescam” os objetos e adereços animados que servirão para contar essa história.

Com músicas originais de Bogossian, o espetáculo discute temas importantes à infância, como a compreensão do outro, o respeito, o amor aos animais e a amizade. “A dupla de atrizes ainda mostra a sua versatilidade ao cantar, sapatear e tocar alguns instrumentos, na bela trilha idealizada pelo diretor musical Pedro Paulo Bogossian, e na coreografia de Chris Matallo”, completa o diretor GpeteanH.

A encenação foi criada em 2017 em comemoração aos 40 anos de morte de Clarice Lispector. A peça, que nas primeiras temporadas contava com participação da atriz Mel Lisboa, estreou em Espírito Santo do Pinhal no Circuito Paulista de Teatro, realizado pela APAA – Associação Paulista dos Amigos da Arte.

SINOPSE

Eugênia (EU) e Turrona (TU) são amigas inseparáveis. O que as une é o amor pelo teatro! Um dia, decidem sair em defesa da escritora Clarice Lispector, que esqueceu de alimentar os peixinhos de seus filhos, o que provocou sua morte. Para tentar conseguir o perdão para Clarice, EU e TU montam um espetáculo pedindo para que os espectadores perdoem a “Pescadora de Ilusão”. O veredito final será dado pelos espectadores. A peça é inspirada no livro A Mulher que Matou os Peixes, de Lispector.

CARMEN

Pescadora de Ilusão
Com Carol Badra e Kátia Daher
Sesc Pinheiros (Rua Paes Leme, 195, Pinheiros, São Paulo)
Duração 60 minutos
20/05 até 24/06
Domingo – 15h e 17h
$17 ($5 – credencial plena)
Classificação Livre

O REI DA VELA

Símbolo do Movimento Antropofágico de Oswald de Andrade, O Rei da Vela ganhou em abril uma montagem hilária dos Parlapatões, em comemoração aos 27 anos da trupe. Com adaptação de Hugo Possolo e direção musical de Fernanda Maia, o 64º trabalho do grupo reestreia no Espaço Parlapatões, entre 26 de maio e 15 de julho, com sessões às sextas e sábados, às 21h, e aos domingos, às 19h.

O elenco é composto pelos atores: Hugo Possolo, Camila Turim, Alexandre Bamba, Nando Bolognesi, Fernanda Maia, Tadeu Pinheiro, Fernando Fecchio, Conrado Sardinha, Fernanda Zaborowsky, Renata Versolato, Daniel Lotoy.

A encenação enfatiza o caráter burlesco e festivo da obra, em clima de cabaré abrasileirado, com forte influência das linguagens do Teatro de Revista, do Circo e do Teatro Épico de Bertolt Brecht. “O Rei da Vela é também um projeto de encenação que recoloca o grupo diante da sua expressividade popular e cria um circo-teatro provocativo, desprendido do melodrama, para se lançar sobre um caráter épico que busca a festa e alegria como prova dos nove”, explica o diretor.

Como já é marca registrada dos Parlapatões, os atores saem de seus personagens e se comunicam diretamente com o público. Um narrador que representa o próprio Oswald (personagem do ator Nando Bolognesi), conduz a plateia pela poética do autor, deixando expostas algumas rubricas originais do texto e jogando com a narrativa.

O espetáculo narra a saga de Abelardo I (personagem de Hugo Possolo), um agiota inescrupuloso que ganhou muito dinheiro em vários segmentos, sobretudo comerciando velas em um país atrasado, onde a energia elétrica ficou tão cara que a população já não consegue mais pagar por ela. Ao lado de seu empregado-pupilo Abelardo II, ele se aproveita da crise econômica para emprestar dinheiro, com juros altíssimos, para o povo faminto.

Abelardo I tem um casamento convenientemente negociado com Heloísa de Lesbos (personagem de Camila Turin), filha de uma família falida e tradicional de latifundiários do café. Submisso ao capital internacional, o protagonista está disposto a fazer qualquer tipo de negócio com os americanos, sem pensar nas consequências dessas transações. Esse sistema de exploração que ele ajudou a construir acabará deglutindo-o no último ato da peça, quando ele é substituído por seu fiel criado.

A trama consegue traçar mais do que uma linha de tempo da transformação da sociedade brasileira no início do século passado – de um Brasil medieval e colonizado para um país urbano, dominado pelo capitalismo e pretensamente liberto. Ela perfaz um arco dramático que escancara as intenções sociais e políticas das personagens que percorrem os três atos da peça para revelar os meandros da alma humana submetida aos jogos de dominação do poder”, acrescenta Possolo.

O novo olhar para o texto modernista, que mostra como a colonização sem limites, escravagista e patriarcal marcou a nossa cultura e o comportamento social, possibilita que pensemos melhor em nosso futuro como nação. Para isso, a trupe estudou a fundo os movimentos antropófago e tropicalista.

SINOPSE

Conhecido como o Rei da Vela, o inescrupuloso empresário Abelardo I aproveita-se da crise econômica no país para emprestar dinheiro para a população faminta com juros altíssimos. Ele se casou com Heloísa de Lesbos, filha de latifundiários falidos do café, só para se aproveitar do nome da família quatrocentona. Submisso ao capital estrangeiro, Abelardo I topa qualquer negócio com os americanos para aumentar seu lucro, mas ele será engolido pelo próprio sistema que ajudou a criar e substituído pelo seu capacho empregado Abelardo II.

CARMEN.png

O Rei da Vela
Com Hugo Possolo, Camila Turim, Alexandre Bamba, Nando Bolognesi, Fernanda Maia, Tadeu Pinheiro, Fernando Fecchio, Conrado Sardinha, Fernanda Zaborowsky, Renata Versolato, Daniel Lotoy
Espaço Parlapatões (Praça Roosevelt,  158, Centro, São Paulo)
Duração 85 minutos
26/05 até 15/07
Sexta e Sábado – 21h, Domingo – 19h
$30/$40
Classificação 14 anos

1984

Considerado um dos romances mais influentes do mundo no século 20, a distopia 1984, do jornalista e romancista britânico George Orwell (1903-1950), ganha adaptação do Núcleo Experimental, com direção de Zé Henrique de Paula. O espetáculo estreia no Teatro Anchieta do Sesc Consolação no dia 1º de junho, e segue em cartaz até 8 de julho. O elenco é formado por Carmo Dalla Vecchia, Rodrigo Caetano, Gabriela Fontana, Eric Lenate, Rogerio Brito, Inês Aranha, Laerte Késsimos, Fabio Redkowicz e Chiara Scallet.

O romance foi publicado em 65 países e virou minissérie, filmes, quadrinhos, mangás, ópera e até inspirou o reality show Big Brother, criado em 1999 pela produtora holandesa Endemol. Recentemente, a obra foi transformada em uma adaptação teatral dos ingleses Duncan MacMillan e Robert Icke. Esta última versão foi o ponto de partida da montagem brasileira.

Escrita em 1949, a obra-prima de Orwell voltou a ganhar enorme destaque na era de Donald Trump, na qual a pós-verdade e os “fatos alternativos” tomaram conta da política. Prova disso é que o livro subiu na lista dos mais vendidos na Amazon desde a posse do presidente norte-americano e, segundo a editora, as vendas aumentaram em 10.000%.

A distopia se passa no fictício Estado da Oceânia, governado por um líder supremo chamado Grande Irmão, que chegou ao poder depois de uma guerra mundial que eliminou as nações e criou três grandes potências totalitárias. Esse Estado é pautado pela burocracia, censura e, sobretudo, pela vigilância. Quase sem qualquer forma de privacidade, cidadãos são espiados o tempo todo pelas “teletelas”, uma espécie de televisores espalhados nos lares e em lugares públicos, capazes de monitorar, gravar e espionar tudo.

Nesse lugar vive Winston Smith, funcionário do Ministério da Verdade, responsável por falsificar registros históricos para garantir que eles respaldem os interesses do Grande Irmão. O protagonista detesta o novo sistema, mas não tem coragem de desafiá-lo. Ele apenas declara seu ódio nas páginas de um diário secreto. Isso muda quando ele conhece Júlia, uma funcionária do Departamento da Ficção. Juntos eles sonham com uma rebelião e praticam pequenos atos de desobediência. A represália aos amantes será brutal.

No Núcleo Experimental, costumamos dizer que os temas que nos interessam discutir sobre o palco são aqueles que nos provocam raiva. Esta montagem de 1984 vem contaminada dessa revolta, dessa profunda indignação em relação à Polícia das Ideias que persegue o livre pensamento e vaporiza quem não corrobora o sistema, em relação ao Ministério da Verdade que produz uma sequência interminável de notícias falsas que confundem e manipulam os fatos, em relação ao Departamento de Ficção que imbeciliza e amansa a população e até mesmo à Novafala, a tentativa do poder estabelecido de minar a linguagem ao ponto de impedir a capacidade de pensamento”, comenta o diretor.

Sobre a adaptação de Duncan MacMillan e Robert Icke, Zé Henrique de Paula acrescenta: “Ela ressalta e funde duas ideias aparentemente opostas, ficção e realidade. Qual delas é mais preponderante sobre a outra? Elas são necessariamente excludentes? No que acreditar mais, naquilo que se supõe ficcional ou no que nos ensinaram que é real? Em época de ficcionalização da vida privada através das infames redes sociais, os adaptadores colocam Winston Smith – que ainda traz em si uma centelha de consciência – no centro de um redemoinho de acontecimentos ora reais, ora ficcionais, que poderia muito bem ser encarado como um reality show a respeito do próprio Winston. Isso amplifica o alcance do romance e aproxima a distopia ao nosso presente”.

SINOPSE

O Grande Irmão assumiu o poder da fictícia Oceânia depois de uma guerra global que eliminou as nações e criou três grandes Estados transcontinentais. O líder supremo instalou um grande sistema de censura, burocracia e vigilância em seu território. Winston Smith trabalha no Ministério da Verdade, responsável por falsificar registros históricos com a missão de moldar o passado à luz dos interesses do Estado. Ele escreve sua opinião contrária ao sistema nas páginas de seu diário, mas não tem coragem de desafiá-lo. Isso muda quando se apaixona por Júlia, funcionária do Departamento de Ficção. Eles passam a acreditar que uma rebelião é possível.

CARMEN (3).png

1984
Com Carmo Dalla Vecchia, Rodrigo Caetano, Gabriela Fontana, Eric Lenate, Rogerio Brito, Inês Aranha, Laerte Késsimos, Fabio Redkowicz, Chiara Scallet
Sesc Consolação – Teatro Anchieta (Rua Dr. Vila Nova, 245, Vila Buarque, São Paulo)
Duração 90 minutos
01/06 até 08/07
Sexta e Sábado, 21h, Domingo – 18h
$40 ($12 – credencial plena)
Classificação 14 anos

MISSÃO SUPER SECRETA

Quais universos uma criança poderia descobrir se a tecnologia da vida cotidiana parasse de funcionar? Este é o tema do espetáculo infantil Missão Super Secreta, de Thereza Falcão, que estreia no dia 26 de maio no Teatro Raul Cortez, onde segue em cartaz até 15 de julho. O elenco conta com a participação de Thais Müller (que recentemente fez a novela “Os Dez Mandamentos”, na TV Record) e Miguel Romulo (que atuou em “Êta Mundo Bom” e “Joia Rara” na TV Globo) e a direção é de Bel Kutner, atriz e diretora.

A peça revela as brincadeiras de Juca e sua prima Teco, que têm apenas oito anos e precisam encontrar alguma maneira de se divertir em um dia de enchente na cidade onde eles moram. Além da falta de energia provocada pela chuva forte, os dispositivos eletrônicos portáteis da casa ficaram sem bateria.

Esse é o ponto de partida para que as crianças mergulhem em um terreno até então pouco percorrido por eles: o de suas próprias imaginações. Cada móvel, cada objeto da casa recebe um novo sentido, uma nova utilidade nos mundos que eles começam a construir, sempre traçando um paralelo com a própria realidade que os cerca. Juca e Teco vivem uma aventura até então inédita em suas vidas.

A ideia é criar uma reflexão sobre uma forma de diversão tátil e lúdica, mostrando que o poder da imaginação não cabe em uma tela. Além disso, a peça pretende sensibilizar crianças e adultos para a interatividade com o outro, o aqui e agora, muito além das redes sociais.

SINOPSE

Ao se verem em uma pane elétrica causada por mais uma enchente calamitosa na cidade onde vivem e com todos os seus aparelhos sem bateria, os primos Juca e Teco, um menino e uma menina de oito anos de idade, mergulham em um terreno até então pouco percorrido por eles: o de suas próprias imaginações! Cada móvel, cada objeto da casa recebe um novo sentido, uma nova utilidade nos mundos que eles começam a construir, sempre traçando um paralelo com a própria realidade que os cerca. Juca e Teco vivem uma aventura até então inédita em suas vidas.

CARMEN (2).png

Missão Super Secreta
Com Thais Müller e Miguel Romulo. Stand-in: Mari Cerrone e Caíque Nogueira
Teatro Raul Cortez (Rua Dr. Plínio Barreto, 286 – Bela Vista, São Paulo)
Duração 60 minutos
26/05 até 15/07
Sábado e Domingo – 16h
$60
Classificação Livre

CORIOLANO

Considerada uma das obras menos montadas de William Shakespeare (1564-1616), Coriolano é também uma das mais experimentais e intrigantes. Com direção de Márcio Boaro e 14 atores em cena, a vibrante montagem da Cia. Ocamorana para o clássico inglês ganha nova temporada popular no Teatro Alfredo Mesquita, entre 1º de junho e 1º de julho, com ingressos vendidos por apenas R$20.

SINOPSE

Caio Marcio Coriolano, é um general romano temido e reverenciado, está em desacordo com a cidade de Roma e seus cidadãos. Impulsionado a ocupar a poderosa e cobiçada posição de Cônsul por sua mãe controladora e ambiciosa, Volumnia, ele não está disposto a agradar às massas cujos votos ele precisa para assegurar o cargo. Quando os Tribunos do Povo fazem com que o povo se recuse a apoiá-lo, a raiva de Coriolano gera um protesto que culmina em sua expulsão de Roma. O herói banido se alia então ao seu inimigo declarado Tulio Aufídio para vingar-se da cidade. Uma obra de Shakespeare que se mostra atual para os problemas das Repúblicas modernas.

Coriolano, por Márcio Boaro

A cada ano notamos mudanças no nosso dia a dia, surgem diferenças comportamentais que são absorvidas rapidamente, vivemos com diferenças significativas em relação há dez anos. Neste quadro a peça Coriolano de William Shakespeare nos salta aos olhos, a história que se passa no período tão antigo que não se tem comprovações históricas de ter ocorrido, mas a história narrada parece ser nossa contemporânea.

O conceito de República (do latim res publica, “coisa pública”) era recente, a história se passa no século V antes de Cristo, mas o jogo de poder e as intrigas políticas são as mesmas. Nas origens da política republicana vemos muitos dos seus vícios.

A ideia de república onde o senado é uma estrutura política de Estado em que são necessárias três condições: um número razoável de pessoas (multitude); uma comunidade de interesses e de fins (communio); e um consenso do direito (consensus iuris). Que nasce das três forças reunidas: libertas do povo, auctoritas do senado e potestas dos magistrados.

Este conceito que parece perfeito não incluía o povo, que se manifesta, a pressão popular cria os seus representantes os “Tribunos do Povo” dentro de um regime que já devia conter os interesses populares.

Neste contexto surge um jovem general romano (aristocrata) que não acredita nos direitos dopovo, que é respeitado como herói de guerra e se coloca como candidato a Cônsul (chefe de estado), os tribunos fazem uma manobra para que ele não seja eleito e que além disto seja exilado, o grande general torna-se inimigo de Roma. Esta narrativa tem 2500 anos, mas poderia ter sido escrita a partir do jornal de hoje, o jogo pelo poder prevalece e o povo continua procurando uma forma de validar seus anseios.

CARMEN (1).png

Coriolano
Com Mônica Raphael, Manuel Boucinhas e Litta Mogoff
Convidados:  Andressa Ferrarezi, André Capuano, Joaz Campos, Pedro Felicio, Rodrigo Ramos, Toni D´Agostinho, Al Nascimento, Aton Macário, Letícia Negretti, Luiz Campos, Thaís Campos.
Teatro Municipal Alfredo Mesquita (Avenida Santos Dumont, 1770, Santana, São Paulo)
Duração 120 minutos
01/06 até 01/07
Sexta e Sábado – 20h30, Domingo – 19h
$20
Classificação 12 anos

FLICTS

Em uma época em que preconceitos de todos os gêneros estão cada vez mais gritantes, o espetáculo Flicts, com direção e adaptação de Lívia Gaudencio, ensina para a criançada a importância de respeitar e aceitar o outro como ele é. A peça reestreia no Teatro Municipal da Moóca Arthur Azevedo, no dia 9 de junho.

A partir do primeiro livro infantil escrito pelo cartunista Ziraldo, a montagem narra o drama de uma cor chamada Flicts, que não está presente no arco-íris, nas bandeiras e nem em nada deste mundo. Por esse motivo, o personagem é excluído e mal recebido onde quer que vá e parte em uma jornada mundo afora para descobrir o seu lugar.

Flicts é uma metáfora para as pessoas excluídas, solitárias e diferentes. A ideia da encenação é mostrar para os pequenos que o bullying e toda forma de discriminação devem ser tratados como algo nocivo e desrespeitoso, além de reforçar a noção de que cada um tem sua individualidade e subjetividade. Outro tema é a relativização do belo, a noção de que a beleza não tem um padrão pré-determinado e cada um deve desenvolver seu pensamento crítico sobre o que é bonito ou não.

Escrita em 1969, ano em que o homem pisou pela primeira vez na Lua, a obra de Ziraldo foi dada como presente da embaixada brasileira nos Estados Unidos ao astronauta Neil Armstrong, que, em resposta ao autor, disse: “A Lua é Flicts”. A temática do livro que encantou o viajante espacial continua atual quase 50 anos depois de seu lançamento, por isso o grupo resolveu encená-lo.

O elenco conta com a participação de Bárbara Salomé, Bianca Fernandes, Ederson Miranda, Eliot Tosta e Rai Teichimam.

Como a história se passa nos anos de 1960, a montagem tem uma trilha sonora original, composta por Leo Mendonza, inspirada na sonoridade da banda inglesa The Beatles.

Já os figurinos, assinados por Paolo Suhadolnik, dialogam com as cores e formas geométricas presentes nas obras do pintor holandês Piet Mondrian. O trabalho com os atores, proposto por Gaudencio, é baseado em partituras físicas inspiradas no circo-teatro e no melodrama, utilizando vários registros de energia do corpo em cena.

SINOPSE

Flicts é discriminado entre as outras cores porque ninguém o conhece. Ele representa o excluído, o solitário, o diferente. Mas, como todos têm o seu lugar no mundo, Flicts também irá encontrar o seu. A peça é uma adaptação da obra de Ziraldo, com dramaturgia inédita e trilha sonora original. O espetáculo traz diversão, interação e reflexão sobre o preconceito e a relativização do belo.

HISTÓRICO

O espetáculo Flicts estreou em São Paulo em março de 2018 cumprindo 10 apresentações, no Teatro Paulo Eiró, e já realizou apresentações em Feira de Santana/BA, Belo Horizonte/MG, Contagem/MG e João Monlevade/MG.

CARMEN.png

Flicts
Com Bárbara Salomé, Bianca Fernandes, Ederson Miranda, Eliot Tosta e Rai Teichimam
Teatro Municipal da Moóca Arthur Azevedo (Av. Paes de Barros, 955 – Moóca, São Paulo)
Duração 55 minutos
09/06 até 01/07 (exceto dia 17/06)
Sábado e Domingo – 16h
$16
Classificação 4 anos

ODISSEIA

Com 10 anos de trajetória, a Cia. Hiato estreia no dia 9 de junho, no Sesc Avenida Paulista seu sétimo espetáculo: Odisseia, inspirado no poema épico de Homero, que teve estreia internacional em maio no Onassis Cultural Centre, em Atenas, na Grécia. Com direção de Leonardo Moreira e dramaturgia coletiva, a peça fica em cartaz até 8 de julho, com sessões de quinta a sábado, às 19h, e aos domingos, às 17h.

Sinopse

Inspirada no épico de Homero, a Cia. Hiato comemora seus dez anos com a estreia de “Odisseia”. Como rapsodos antigos, sete atores recontam odisseias pessoais e coletivas, oscilando entre realismo e fantasia. A experiência viva de narrativas marginais à Odisseia desafia tanto as dicotomias ficção / realidade , público/ privado quanto borra a polaridade ator e espectador.

A partir da tão conhecida história de um homem que deixou seu lar e seu coração para lutar uma guerra e acabou por vagar por anos tentando voltar para casa, a Cia Hiato convida o  público a tomar o lugar do protagonista ausente Odisseu e navegar por diferentes ilhas.

Os sete atores desenlaçam memórias, dúvidas e sonhos a partir dos personagens e narrativas do épico grego: o abandono de Telêmaco; a rejeição de Calipso; o corpo de Circe; a violência estratégica de  Atena; o fogo de Héstia; a espera de Penélope.

Uma viagem a um só tempo íntima e grandiosa; o encontro entre o ridículo da nossa vida ordinária e a força mítica das histórias que ainda tentam nos explicar. Porque, depois de tudo dito e feito, podemos igualmente ser ordinários e míticos.

CARMEN (2)

Odisseia
Com Aline Filócomo, Aura Cunha, Fernanda Stefanski, Luciana Paes, Maria Amélia Farah, Paula Picarelli e Thiago Amaral
Sesc Avenida Paulista (Avenida Paulista, 119, Bela Vista, São Paulo)
Duração 270 minutos (com dois intervalos de 20 minutos)
09/06 até 08/07
Quinta, Sexta e Sábado – 19h, Domingo – 17h
$30 ($9 – credencial plena)
Classificação 18 anos