OS ARQUEÓLOGOS

Depois de uma temporada de estreia aclamada por público e crítica e da participação no Festival de Curitiba e Palco Giratório (Porto Alegre), Os Arqueólogos volta à São Paulo em temporada no Instituto Cultural Capobianco. Escrito por Vinicius Calderoni, dirigido por Rafael Gomes interpretado por Guilherme Magon e Vinicius Calderoni.

O espetáculo rendeu o Prêmio APCA 2016 na categoria Melhor Autor para Vinicius Calderoni e recebeu outras quatro importantes indicações (Prêmio APCA: Melhor Espetáculo; Prêmio Shell: Melhor Autor; Prêmio Aplauso Brasil: Melhor Autor e Melhor Espetáculo de Grupo).

Dois narradores transmitem – com linguagem que parodia os jargões de modalidades esportivas como futebol, boxe e automobilismo – cenas corriqueiras que se passam na praça de uma grande cidade:  um pai que ensina ao filho como fotografar com uma câmera analógica, um casal que discute na calçada, uma garota que conta quanto tempo cada pessoa demora pra desfazer o sorriso do rosto depois que se despede de um conhecido, etc. Dois arqueólogos do futuro avaliam com rigor científico e frieza vestígios de uma estranha civilização: a nossa.

O oitavo espetáculo da Cia. Empório de Teatro Sortido detém-se na grandeza do ínfimo: dependendo do valor que se atribui a cada gesto cotidiano, o ordinário converte-se em extraordinário. Assim se ergue uma costura de pequenos detalhes mundanos que constituem algo próximo de uma “arqueologia íntima” para traçar um painel do nosso tempo.

O texto de Os arqueólogos foi publicado em livro em agosto de 2018 pela Editora Cobogó, bem como os três textos que compõem a Trilogia Placas Tectônicas, escrita por Vinicius Calderoni e composta por Não nem nada (Indicada ao Prêmio Shell de Melhor Autor), Ãrrã (Vencedora do Prêmio Shell de Melhor Autor) e Chorume.

CARMEN (3)

Os Arqueólogos

Com Guilherme Magon e Vinicius Calderoni

Instituto Cultural Capobianco (R. Álvaro de Carvalho, 103 – Centro, São Paulo)

Duração 60 minutos

02/10 até 18/12 (não haverá espetáculo no dia 06/11)

Terça – 21h

$50

Classificação 12 anos

A MENINA E O TEMPO

Trupe Pé de Histórias, criada em 2008, começa temporada no Teatro Alfa do espetáculo inédito A Menina e o Tempo. A nova peça reúne teatro e música a elementos do cotidiano, em uma história que estimula a imaginação das crianças a partir de suas próprias vivências.

O espetáculo conta a história de Nina, uma menina que tem tantos compromissos que nunca sobra tempo para fazer aquilo que mais gosta, brincar. No domingo, dia que Nina e seu pai passariam brincando, os dois perdem-se em seus smartfones e abre-se uma fenda no tempo.

Agora, sem energia nem Wi-Fi, Nina não tem aplicativos para voltar pra casa. Para encontrar o pai e aproveitar o tempo perdido, ela conta com a ajuda da tartaruga Antígona, a libélula Efêmera e Siri Siri.

O espetáculo inclui canções próprias e tradicionais que conduzem à narrativa, incluindo referências que conquistam também o público adulto. Violão, sopro e bateria são alguns dos instrumentos que fazem parte das apresentações, cujas canções são interpretadas ao vivo.

CARMEN (2).png

 A Menina e o Tempo

Com Naya Sá e Tucci Fattore

Teatro Alfa – Sala B (R. Bento Branco de Andrade Filho, 722 – Santo Amaro, São Paulo)

Duração 55 minutos

29/09 até 25/11

Sábado e Domingo – 16h

$40

Classificação Livre

CIDADE DOS CÃES

Uma cidade qualquer, pouco importa onde é, quatro estranhos se cruzam, um professor atormentado, uma psicóloga depressiva, uma adolescente vingativa e um matador de aluguel, quatro objetivos diferentes.
Suas angústias, medos e demônios se confrontam como cães de rua, brigando pelo escasso lixo para comer.
Uma metáfora irônica e violenta de uma sociedade que já não produz mais heróis.
A peça Cidade dos Cães, texto de José Alberto Martins, estreia em 05 de outubro no Teatro Paiol Gurgel.
CARMEN
Cidade dos Cães
Com Alinne Bello, Liza Caetano, Ronney Thiago, Vagner Miranda, José Alberto Martins, Mário Bortolotto (Narração)
Teatro Paiol Cultural (R. Amaral Gurgel, 164 – Vila Buarque, São Paulo)
05 até 26/10
Sexta – 21h
$40
Classificação – não informada