UM DIA NA BROADWAY

Depois de quase 15 anos encenando clássicos do universo infantil, o diretor e músico Billy Bond volta a montar espetáculos adultos com a estreia de Um Dia na Broadway, a partir do dia 5 de outubro, sábado, às 21 horas, no Teatro Bradesco.

Tributo aos grandes musicais americanos, o espetáculo é uma produção viabilizada em parceria com a Opus, empresa do ramo de entretenimento que mantém nove casas de espetáculos no Brasil. Billy Bond aposta no encantamento dos brasileiros por Nova York. Acredita que o programa preferido dos turistas daqui por lá, além de fazer compras, é visitar os teatros, pontos icônicos da cidade, como a Estátua da Liberdade e o Empire State.

Assim, criou seu novo espetáculo na medida para seduzir uma platéia ávida para ver os “melhores espetáculos do mundo”. “Somos admiradores de Nova York, viajamos para lá anualmente, duas vezes por ano, no verão e no inverno“, conta, falando também em nome da mulher, a produtora-executiva Andrea Oliveira. Um dos investimentos mais curiosos da produçãé um carro tingido de amarelo fazendo às vezes de um táxi aos moldes dos que circulam pelas ruas da Grande Maçã, nome pelo qual ficou conhecida a cidade.

O diretor deseja reproduzir no espetáculo o espírito de Nova York. Quer agradar quem conhece e ama a cidade e também os que nunca estiveram por lá. Para levar o público nessa viagem, criou uma ambientação característica. Um painel de 160 metros de tiras de luz de LED irá reproduzir pontos turísticos clássicos da metrópole, como Times Square, Broadway, Estátua da Liberdade, Wall Street, Harlem, Empire State, Metrô e Grand Central Station. Minucioso e detalhista, Billy pretende que o espectador se reconheça no palco e nas personagens. Assim, até os ruídos característicos da cidade também devem cumprir seu papel de transportar o público nessa trajetória. Em estilo grandioso, a abertura com 20 bailarinos ao som da orquestra ao vivo  é um convite para se deixar envolver pelo universo dos musicais o encantamento de New York.

A história começa com a chegada de uma família de férias em Nova York. Acompanhado pelos filhos, um casal viaja para Nova York a fim de comemorar o aniversário de casamento onde se conheceu e se apaixonou. Logo há um desencontro e as crianças se perdem dos pais no metrô da Grand Central Station.

A partir de então, na tentativa de reencontrá-los, os irmãos se aventuram por lugares onde acreditam que encontrarão o casal.  Sabem que os pais são fanáticos por teatro, portanto na busca, visitam os teatros da Broadway e assistem trechos de musicais clássicos.

Na plateia, o público acompanha a saga da família e se delicia com as cenas concebidas por Billy para reproduzir a atmosfera de 10 dos mais famosos musicais de todos os tempos, em imagens, figurinos, cenarios e músicas cantadas ao vivo. 

São eles: Priscilla (aosom de It’s Raining Men), Evita (Don’t cry for me Argentina), Chicago (All that jazz), Grease (Summer Night), Les Miserable (One day more), Mary Poppins (Supercalifragilistic), West Side Story (Tonight), Jesus Cristo Superstar (Superstar), Cats (Memories), Mamma Mia (Dancing Queen), Welcome  In New York, Empire My Mind , Money Monet , On Broadway.

No decorrer da trama, uma personagem entra para ajudar a contar a história. Trata-se do próprio George Michael Cohan, artista identificado como um dos primeiros a fazer espetáculos no formato de musical nos Estados unidos. Para dar suporte e veracidade ao cenário virtual, a montagem conta com cenários físicos e outros elementos cenográficos, que estão sendo construídos no galpão da produtora, em Embu das Artes. A produção investiu na compra de um automóvel a ser usado como táxi cenográfico no palco. Retirou motor e outras, peças internas e pintou de amarelo. É nele que os personagens vão se movimentar pela cidade. 

Como não pode faltar nas montagens do diretor, a encenação conta com números aéreos, levitação e outros truques e efeitos especiais. Para dar a sensação de 3D, Billy explica que há um cenário virtual (foram compradas imagens em 4K em NY) e um físico, os dois mesclados. Foi construído um palco giratório automatizado de 15 por sete metros. Surround, o som envolverá o público. Para que tudo sai como o diretor concebeu, uma equipe de 10 profissionais trabalha há meses na computação gráfica. A reprodução dos espaços da cidade tem de ser fiel. É exigência de Billy.

CARMEN (1)

Um Dia na Broadway

Com Alvinho de Padua; Titzi Oliveira; Isabella Casarini; Henry Gaspar; MarcioYacoff. Cantores: Felipe Tavolaro, Luiz Pacini, Marcio Louzado. Cantoras: Ana Luiza Ferreira, Debora Dibi, Renata Ricci, Thais Piza. Bailarinas: Ale Lorena, Amanda Flowers, Camila Lacerda, Ingrid Marques, Jennyfer Kauana, Juliana Moretto, Larissa Porrino, Luana Oliveira, Luciana Romani, Luiza Freiria, Marina Trivelato, Mônica Gross, Nicole Bertaggia, Thalita Medeiros. Bailarinos: Denis Pereira, Emanuel Faioli, Heitor Garcia, Italo Rodrigues, Leandro Affonso e Estevam.

Teatro Bradesco – Bourbon Shopping (R. Palestra Itália, 500 – Perdizes, São Paulo)

Duração  105 minutos

05 a 28/10

Sexta e Sábado – 21h, Domingo – 20h

$80/$200

Classificação Livre

COBRA NA GELADEIRA

Depois de estrear no Centro Cultural São Paulo (CCSP), a versão de Marco Antônio Pâmio para Cobra na Geladeira, do canadense Brad Fraser, reestreia no Teatro Viradalata, no dia 6 de outubro. O espetáculo segue em cartaz até 25 de novembro, com apresentações aos sábados, às 21h30, e aos domingos, as 18h30.

Esta e a segunda montagem de Pâmio – vencedor do prêmio APCA 2014 pela direção da peça Assim É (Se lhe parece) – para uma obra do dramaturgo canadense; a primeira foi a peça Pobre Super Homem.

Inédito no Brasil, o texto relata a vida e relações de nove personagens, a maioria deles vivendo em uma casa antiga e misteriosa caindo aos pedaços, que serve como república. Produto do mundo contemporâneo, brutalmente desumanizado e dominado pelo consumismo, eles beiram o universo da vida noturna e da indústria do sexo, através de comportamentos insanos e descontrolados.

A partir de temas como o consumismo descontrolado, a dependência química, a autocobrança dos jovens para corresponder às exigências sociais, o uso da internet na propagação de conteúdo adulto, o racismo, o abuso sexual, entre outros, o texto traça um panorama ácido e ao mesmo tempo bem-humorado sobre a sociedade contemporânea e seus valores em transformação.

A encenação explora a linguagem cinematográfica, assim como o texto original, para dar conta das mais de 100 cenas de Fraser, que têm rápidos saltos no tempo/espaço, cortes secos e diálogos curtos, diretos e sarcásticos.

Outra característica da obra é sua capacidade de deixar a plateia ser conduzida por uma espécie de montanha russa, ao percorrer caminhos eletrizantes e sem chance de volta no seu percurso tortuoso. O objetivo é fazer com que o espectador se sinta dentro da Casa, que pode ser considerada a protagonista da peça, onde habitam e convivem esses personagens. “Minhas peças são sobre pessoas que estão tentando criar famílias e sobre a grande dificuldade de se fazer isso”, diz Fraser. Vale citar que a “cobra na geladeira” do título também se torna uma habitante da Casa e elemento-chave da história.

Com poucos elementos realistas no cenário, a montagem privilegia o trabalho do ator, à medida que todas as decisões e emoções acontecem no próprio texto. Já a iluminação tem a proposta de marcar as transições de lugar e de tempo em cada cena.

Sem temer provocar progressistas ou conservadores, a peça não se perde em sentimentalismos e relata pessoas solitárias na sua busca desesperada por alguma forma de afeto.

CARMEN.png

Cobra na Geladeira

Com Esdras de Lúcia, Felipe Hofstatter, Gustavo Moura, Juliane Arguello, Lui Vizotto, Marina Possebon, Regina Maria Remencius, Rodrigo Basso, Tailine Ribeiro

Teatro Viradalata (Rua Apinajés, 1387 – Sumaré, São Paulo)

Duração 120 minutos

06/10 até 25/11

Sábado – 21h30, Domingo – 18h30

$30

Classificação 16 anos

E COM UM BEIJO… EU MORRO

Um jogo cênico para celebrar a morte com a própria morte, ágil, divertido que buscasse no pós-dramático a referência estética e nos textos de Shakespeare a principal referência dramatúrgica. Foram estas as bases de criação do coletivo Bobik & Sofotchka, formado na Alemanha por Márcia Nemer, para compor ‘E, com um beijo…Eu morro’, que está em cartaz, de 21/09 a 22/10, sextas, sábados e segundas, às 21h e domingos, às 19h, na SP Escola de Teatro, sede Roosevelt.

A peça traz ao palco as mortes escritas por Shakespeare em um jogo cênico composto de uma sucessão de vidas interrompidas, totalmente descontextualizadas. Os personagens das 68 mortes escolhidas para entrar em cena (e que foram escritas para acontecer no palco) vão sendo revelados por seus nomes, e pelas palavras finais de cada um deles (como a célebre despedida de Romeu, que dá nome à peça).

Partimos da ideia de provocar e intrigar o espectador, fazendo nascer nele o desejo de conhecer mais da obra de um dos maiores artistas que a humanidade já produziu’, complementa.

‘E, com um beijo…Eu morro’ começou a ser desenhada na ocasião das comemorações dos 400 anos de morte do dramaturgo William Shakespeare (Stratford-upon-Avon, 1564-1616). Os estudos realizados pelo grupo propiciaram um profundo mergulho na obra do bardo inglês que escreveu incessantemente mais de 100 cenas de morte em suas 38 peças. “O espírito do Soneto 71, que diz: “Não lamente por mim quando eu morrer” foi o que norteou a dramaturgia, diz Marcia Nemer, diretora da peça.

Na peça, o público vai saber de curiosidades como: das 118 mortes escritas por W. Shakespeare, 50 foram fora de cena e 68 no palco. Por faca ou espada, 51, 9 suicídios, sendo 3 por veneno e um por “cobra no peito”, 3 de envenenamento por engano, 1 por sufocamento, 3 em peças dentro de peças, 2 por velhice e 1 por doença.

CARMEN (2).png

E, com um beijo…Eu morro

Com Alexcia Custódio, Daíse Neves, Samira Lochter

SP Escola de Teatro – sede Roosevelt (Praça Franklin Roosevelt, 210, Consolação – São Paulo)

Duração 40 minutos

21/09 até 22/10

Sexta, Sábado e Segunda – 21h, Domingo – 19h

$20 (somente em dinheiro)

Classificação Livre

FLORES NA CABEÇA – VIDA E FOTOGRAFIA

O QUE EU FAÇO DA MINHA VIDA ENQUANTO A MINHA MORTE NÃO ACONTECE?

A frase do filósofo Mário Sérgio Cortella é um dos motes da peça “Flores na Cabeça – Vida e Fotografia”, que conta a história de Luciana Cavalcanti, uma menina/mulher, que assim que conseguiu realizar seu maior sonho recebeu uma sentença de morte: um câncer agressivo estava tomando conta do seu corpo e ela teria pouco tempo de vida.

Ao invés de se entregar para a doença, ela luta desesperadamente pela vida, levando a todos uma mensagem de otimismo, esperança a quem já a perdeu e encontrando para si mesma uma razão para continuar respirando ao enxergar prazer nas coisas mais simples.

Seis meses antes de morrer, Luciana deixou um e-mail com todas as instruções para o seu velório para sua grande amiga, Luciana Garcia. Junto com o texto  fez também um pedido “Não deixem que as pessoas me esqueçam”.

Comovida com o drama vivido pela amiga que conhecia desde a adolescência e movida pelo juramento para que ela não fosse esquecida, a atriz e também autora Luciana Garcia decidiu montar um espetáculo que despertasse nas pessoas a vontade de repensar suas vidas: “Não temos certeza de nada nesse mundo, a não ser da nossa finitude. Pensando a morte, acredito que a gente possa entender um pouco melhor o que estamos fazendo de nossas vidas”, disse.

O diretor da peça, Alcides Peixe, que estreia dia 06 de outubro,  optou por montar o monólogo com Luciana Garcia no papel de atriz-narradora conduzindo o espectador em atitude quase confessional e de desnudamento, pois a proposta também é documental. “Assim, de forma intimista, a história vai sendo traçada amparada por elementos visuais de projeções e demais dispositivos físicos e tecnológicos”.

A fotografia também tem um importante papel em “Flores na Cabeça”, promovendo um diálogo sobre vida e memória com questões como qual o papel da fotografia na história de cada um? O que deixamos de legado além da saudade? Um convite a olhar para o outro e falar sobre sentimentos de uma forma que o mundo atual não nos convida mais

Segundo Alcides Peixe: “Numa sociedade cada vez mais desumanizada, efêmera e repleta de ódio com o diferente, se faz necessário reaprendermos a olhar o outro, descobrir o que nos faz iguais, nos identificarmos como seres coletivos e, ao nos depararmos com o semelhante (ou não), nos reconhecermos. A história das Lucianas nos envolve, na medida em que nos percebemos como seres cada vez mais perdidos de nossas raízes e crenças.

CARMEN (1).png

Flores na Cabeça – Vida e Fotografia

Com Luciana Garcia

Teatro Augusta – Sala Experimental (R. Augusta, 943 – Cerqueira César, São Paulo)

Duração não informada

06/10 até 16/12

Sábado – 21h30, Domingo – 19h

$50

Classificação não informada

CÁLCULO ILÓGICO

A premiada atriz Jéssika Menkel chega a São Paulo com a peça de sua autoria “Cálculo Ilógico“. Dirigida por Daniel Herz, a atriz traz ao palco relatos da sua vida, juntamente a cálculos matemáticos.
Em um flash a personagem Ella apresenta seu universo numérico buscando uma nova perspectiva para ver o mundo. Relembra, revive e calcula acontecimentos. Expõe nos números a eliminação errada do seu irmão D+1. Enxerga a vida através de uma lógica matemática, calcula a probabilidade dos acontecimentos e busca razões nos números e nas fórmulas para explicar um cálculo chamado vida.
Uma peça documental, uma autoficção escrita a partir de questões da vida da autora e atriz Jéssika Menkel. Acontecimentos da vida podem ser cálculos matemáticos, como a morte. Uma autoficção misturada a uma autobiografia. A vida real em números, em um cálculo ilógico.
CARMEN
Cálculo Ilógico
Com Jéssika Menkel
TOP Teatro (R. Rui Barbosa, 201 – Bela Vista, São Paulo)
Duração não informada
06 a 28/10
Sábado – 21h, Domingo – 19h
$40
Classificação não informada