TONY AWARDS 2019

O Tony Awards 2019, prêmio máximo dos destaques do Teatro/Teatro Musical da Broadway, aconteceu na noite de ontem, 9 de junho.

Hadestown” foi o grande vencedor, levando oito premiações, incluindo melhor musical. Na categoria teatro, “The Ferryman” ganhou quatro estatuetas, incluindo melhor peça. “Rodgers and Hammerstein’s Oklahoma!” levou o prêmio de melhor remontagem de um musical. “The Boys in the Band” foi o vencedor de melhor remontagem de uma peça. E aqui no país, o ator/diretor Tadeu Aguiar aproveitou para postar no seu instagram, que montará  a peça no ano que vem.

O evento também teve vários momentos especiais e inéditos. Ali Stroker (Rodgers and Hammerstein’s Oklahoma!) foi a primeira atriz cadeirante a ser premiada. Rachel Chavkin foi a única mulher a concorrer a categoria de direção de musical (Hadestown) e levou o prêmio. Os atores veteranos Elaine May e André De Shiels, ganharam seus primeiros Tony por melhor atriz da peça “The Waverly Gallery” e ator coadjuvante do musical “Hadestown”.

FACE (4)

 

A cerimônia

A abertura foi emocionante. James Corden, o apresentador do evento, começou o número musical, no sofá de sua sala assistindo televisão. Falou de todos os seriados e programas que ele assiste, as maratonas que tem que ser vistas para poder se inteirar do que está no ar,… mas que sentia falta de ver algo ao vivo, sentir uma energia especial. É quando a parede de sua casa levanta e mostra a platéia do Radio City Music Hall, onde acontece a cerimônia de premiação.

Durante cerca de 10 minutos, James canta a diferença de ver uma apresentação ao vivo, com os atores na sua frente, do que ver pela telinha, um programa ‘frio e distante’ (mas, ele faz um mea culpa para a tv, já que tem seu programa de entrevistas diário)

Premiação

 

Teatro

Melhor Peça – The Ferryman

Melhor Remontagem – The Boys in the Band

Melhor Ator – Bryan Craston (Network)

Melhor Atriz – Elaine May (The Waverly Gallery)

Melhor Ator Coadjuvante – Bertie Carvel (Ink)

Melhor Atriz Coadjuvante – Cellie Keenan-Bolger (To Kill a Mockingbird)

Melhor Direção – Sam Mendes (The Ferryman)

Melhor Design de Som – Fitz Patton (Choir Boy)

Melhor Design de Luz – Neil Austin (Ink)

Melhor Figurino – Rob Howell (The Ferryman)

Melhor Cenografia – Rob Howell (The Ferryman)

FACE

Teatro Musical 

Melhor Musical – Hadestown

Melhor Remontagem – Rodgers and Hammerstein’s Oklahoma!

Melhor Ator – Santino Fontana (Tootsie)

Melhor Atriz – Stephanie J. Block (The Cher Show)

Melhor Ator Coadjuvante – André De Shields (Hadestown)

Melhor Atriz Coadjuvante – Ali Stroker (Rodgers and Hammerstein’s Oklahoma!)

Melhor Direção – Rachel Chavkin (Hadestown)

Melhor Libreto – Robert Horn (Tootsie)

Melhor trilha sonora (música e/ou letras) escrita para o teatro – Anaïs Mitchell (Hadestown)

Melhor Orquestração – Michael Chorney e Todd Sickafoose (Hadestown)

Melhor Coreografia – Sergio Trujillo (Ain’t too Proud)

Melhor Design de Som – Nevin Steinberg and Jessica Paz (Hadestown)

Melhor Design de Luz – Bradley King (Hadestown)

Melhor Figurino – Bob Mackie (The Cher Show)

Melhor Cenografia – Rachel Hauck (Hadestown)

FACE (1)

 

 

 

 

 

 

 

CORPOS OPACOS

As freiras coroadas da Colômbia, que até o século XIX experimentaram a clausura absoluta no mosteiro de Santa Clara, em Bogotá, inspiraram as atrizes Carolina Virgüez, colombiana que reside no Brasil há 38 anos, e Sara Antunes a idealizar e criar a peça Corpos Opacos. Para assinar a direção, convidaram a diretora Yara de Novaes. A montagem estreia em São Paulo, no Sesc Belenzinho, após a bem–sucedida temporada no Rio de Janeiro no fim do ano passado.

Fortemente marcada por imagens e pela performatividade, a peça investiga o repertório de retratos póstumos de las monjas coronadas que mantiveram em vida seus corpos velados ao olhar do mundo exterior para, depois de mortas, serem retratadas por pintores. As imagens destas mulheres religiosas exemplares podem ser vistas até hoje em diversos museus na Colômbia: corpos opacos, adornados com coroas de flores e vestidos com mortalhas bordadas desde muito jovens pelas próprias freiras para o grande dia da consumação do seu casamento místico com Cristo: o dia da morte.

Inspiradas por essa iconografia marcada pela prática da reclusão e da disciplina religiosa, as idealizadoras e criadoras querem desvelar poeticamente a “potência incendiária dessas carnes, dos segredos que guardam o erotismo e a transgressão de corpos vigiados e escondidos”, destaca Carolina Virgüez. ‘Trata-se de posicionar no teatro corpos que em vida não foram vistos, nem ouvidos e pesquisar de que modo é possível conceber práticas que restituam essas corporalidades”.

Corpos jamais vistos em vida que, no dia da morte, são finalmente apreciados, observados e pintados por homens trazem alguns questionamentos. Qual é o sentido de só serem olhados quando mortos em uma espécie de nascimento às avessas? O que pensar da linguagem silenciosa (e silenciada) das visões, transes e êxtases místicos inscrita na matéria desses corpos? “É no interior desta perturbada matéria opaca, entre a submissão da disciplina ascética e a transgressão erótica do êxtase religioso, que se situa esse trabalho: ecoando desejos inauditos e fabulando outras hipóteses, roteiros e trajetórias para eles”, observa Sara.

FACE (1)

Corpos Opacos

Com Carolina Virgüez e Sara Antunes

SESC Belenzinho – Sala de Espetáculos I (Rua Padre Adelino, 1000 – Belenzinho, São Paulo)

Duração 50 minutos

31/05 até 30/06

Sexta e Sábado – 21h30, Domingo – 18h30

$30 ($9 – credencial plena)

Classificação 12 anos

CABARÉS TEXTOS PUTOS

Viciada em sexo, Abhiyana pensa sobre o assunto todos os dias, em diversos momentos. O vício acabou a levando a escrever sobre o assunto. Até o fim do ano, ela lança o seu segundo livro sobre o tema, intitulado Por que gozar é tão bom?, que traz contos ficcionais e reais de experiências sexuais que também inspiram a criação do show Cabaré Textos Putos, que acontece de 24 de maio a 14 de junho, no Teatro de Bolso do IV Mundo, sempre às sextas, às 21h30.
Em modelo intimista, o show tem como foco mostrar o prazer feminino e colocar a mulher como protagonista da arte pornográfica. Além de Abhiyana lendo alguns dos contos do próximo livro, o show também terá cenas dos curtas que Abhiyana fez para o projeto de lançamento do seu segundo título, bem como o acompanhamento musical do tecladista Rodrigo Zanettini.
FACE

Cabaré Textos Putos

Com Abhiyana

Teatro de Bolso do IV Mundo (Praça Jesuíno Bandeira, 124 – Vila Romana, São Paulo)

Duração 75 minutos

24 e 31/05, 07 e 14/06

Sexta – 21h30

$40

Classificação 18 anos

ZORRO – NASCE UMA LENDA

Comemorando o centenário de criação do herói de capa e espada, “Zorro – Nasce Uma Lenda” tem sua estreia marcada para 2 de agosto, no Rooftop 033 (Teatro Santander), com temporada até novembro.

Os destaques do elenco são os atores Letícia Spiller, Marcos Mion, Bruno Fagundes e Nicole Rosemberg. Completando o elenco, temos André Torquato, Mariana Saraiva, Talita Real, Rodrigo Negrini, Luanna Zenun, Daniel Cabral, André Luiz Odin, Ygor Zago , Lucas Nunes.

A equipe criativa tem Ulysses Cruz na direção e Carlos Bauzys como diretor musical. A versão é de Bianca Tadini e Luciano Andrey. Theodoro Cochrane assina os figurinos, Anderson Bueno fica responsável pelo visagismo e Tocko Michelazzo pelo design de som. A trilha sonora é composta por canções do grupo Gipsy Kings e de John Cameron. A produção do musical é da Atual Produções em parceria com a Bárbaro Produções.

62167294_2757732234301533_6893180982594109440_n

O herói mascarado

Personagem criado em 1919, pelo escritor norte-americano, Johnston McCulley, tem este nome, que em espanhol significa raposa, por ter as mesmas características do animal: sagacidade, inteligência e astúcia.

Zorro é o alter-ego de Don Diego de La Vega, jovem membro da aristocracia  que vive na Califórnia, de meados do século XIX, uma colônia da coroa espanhola. Após concluir seus estudos na Europa, ao retornar para casa, percebe que os governantes oprimem o povo. Para lutar pelos fracos e oprimidos, usa de um disfarce. Sem o mesmo, é apenas um homem que se acovarda diante de situações de perigo.

zorro2

Outra montagem

O musical teve uma primeira montagem no país, no Teatro das Artes, em 2010. Era uma adaptação de Stephen Clark e Helen Edmundson para romance de Isabel Allende. No elenco, Jarbas Homem de Mello, Camilla Camargo, Luiz Araújo, Naíma, Claudio Cury, entre outros.

Curiosidade: O personagem título era para ser vivido por Murilo Rosa, mas que próximo da estreia abandonou o espetáculo.

 

 

 

O SHOW DA LUNA – MUSICAL

Após enorme sucesso de bilheteria e crítica, as crianças terão nova oportunidade para se encantar com o espetáculo ‘O Show da Luna – Musical’. As aventuras da garotinha curiosa que adora ciências, e famosa pelas descobertas na tela da televisão, voltam aoTeatro Opus, em São Paulo, nos dias 8 e 9 de junhoàs 15hConfira o serviço completo abaixo.
O musical Show da Luna é uma produção do núcleo teatral da TV PinGuim, criado e dirigido por Célia Catunda, Jonatan Pilolé e Kiko Mistrorigo. As canções que serão apresentadas no palco, de autoria de André Abujamra e Márcio Nigro, foram especialmente coreografadas para o espetáculo.
Em cena, há um grande elenco de bailarinos e atores que irá contracenar com a cientista preferida das crianças. Durante as apresentações, Luna, Júpiter e Cláudio tentarão desvendar como a água vira chuva, se há alguém vivendo em Marte e por que as bolhas são redondas. Tudo isso em uma aventura pra lá de divertida, e repleta de canções, danças e fantasias.
FACE (2)
O Show da Luna – Musical
Teatro Opus – Shopping Villa Lobos (Av. das Nações Unidas, 4777 – Alto de Pinheiros – São Paulo)
Duração 60 minutos
08 e 09/06
Sábado e Domingo – 15h
$80/$120
Classificação Livre

LÍRICO PERO NO MUCHO

Após muitos pedidos de seu público, o ator e cantor, Leonardo Neiva, recém-saído do elenco de “O Fantasma da Ópera” onde dava vida ao icônico personagem Fantasma, estreia seu novo projeto em junho no Teatro Opus, em São Paulo.

Lírico Pero no Mucho” será um show onde o renomado barítono brasileiro, consagrado no mundo da ópera e dos musicais, irá mostrar sua versatilidade cantando clássicos do jazz, pop, rock, MPB, musicais e lírico para comemorar os 20 anos de sua carreira no Brasil e no exterior. A ideia já existia há muitos anos e o momento propício finalmente chegou, servindo também como uma comemoração, por conta destes anos de carreira.

Com clima descontraído, feito com elegância e bom gosto musical, o show terá duração de 90 minutos, contendo 18 músicas em seu repertório. A direção musical do show fica por conta de Léo Mancini e a direção geral de Jonathas Joba.

Leonardo possui em seu currículo mais de 40 títulos dentre eles ópera, musical e repertório sinfônico. Já interpretou diversos personagens tanto no Brasil como no exterior. Foi um dos protagonistas do musical Les Misérables no Brasil e no México e em 2018 protagonizou o icônico e mais famoso personagem dos musicais o Fantasma da Ópera. Trabalhou ao lado de grandes artistas como Roger Waters, Daniela Mercury, Fernando Meirelles e o grupo Take 6. Participou de gravações premiadas como a da Ópera Rienzi na França e a Sinfonia Nº 10 de Villa-Lobos com a OSESP, além de suas discografias independentes. Foi vencedor do XII Prêmio Carlos Gomes e do Concurso Internacional de Canto Bidu Sayão.

O reconhecido e premiado cantor brasileiro possui críticas ao redor do mundo, como por exemplo a importante revista alemã “Opernwelt”, que o descreveu como: “…um barítono de linda voz, ensolarada e incandescente que impressiona cantando e atuando maravilhosamente bem…”.

O show acontecerá no dia 04 de junho, às 21h no Teatro Opus, situado no quarto andar do Shopping Villa Lobos (Av. Das Nações Unidas, 4777. Jardim Universidade Pinheiros, São Paulo – SP). O teatro tem lugar para 720 pessoas, divido em três setores, sendo plateia baixa, plateia alta e balcão. Os valores dos ingressos custarão de R$25,00 a R$100,00. Os ingressos já estão à venda pelo site uhuul.com e na bilheteria do teatro.

FACE

Lírico Pero no Mucho

Com Leonardo Neiva

Teatro Opus – Shopping Villa Lobos (Av. das Nações Unidas, 4777 – Alto de Pinheiros, São Paulo)

Duração 90 minutos

04/06

Terça – 21h

$50/$100

Classificação Livre

ELES NÃO USAM BLACK-TIE

Após uma temporada de sucesso em 2018, no Teatro Aliança Francesa e viagens pelo interior de São Paulo, Eles não usam Black-Tie” um dos textos mais importantes da dramaturgia nacional retorna em mais uma temporada a partir do dia 31 de maio no Teatro Morumbi Shopping. O texto de Gianfrancesco Guarnieri comemorou ano passado 60 anos da primeira montagem realizada no Teatro de Arena.

Nesta obra, Gianfrancesco Guarnieri transcreve de maneira cotidiana questões sócio-políticas vividas por Tião, personagem que o próprio autor viveu na montagem do Arena.

A história revela, como primeira instância, a organização de uma greve com suas posições ideológicas, morais e divergentes para cada personagem, o que faz com que as discussões entre pai e filho sejam frequentes. Num plano abrangente estão apoiadas relações familiares como: gravidez, casamento, educação e religião.

A plateia poderá vivenciar no palco uma família comovente que sobrevive de maneira humilde, mas não menos digna, refletindo o espelho de uma camada social que abrange milhões de brasileiros. Além disso, a peça tem como pano de fundo reflexões sobre a frágil condição humana, sobre os homens e seus conflitos, trazendo um verdadeiro um debate entre a coletividade e o individualismo, simultaneamente cru e sensível.

FACE (1).png

Eles Não Usam Black-Tie

Com Camila Brandão, Carolina Stofella, Haroldo Miklos, Kiko Pissolato, Miriam Palma, Paloma Bernardi, Paulo Gabriel, Samuel Carrasco, Tiago Real e Vicentini Gomez

Teatro Morumbi Shopping (Av. Roque Petroni Jr., 1089 – Jardim das Acácias, São Paulo)

Duração 100 min

31/05 até 30/06

Sexta e Sábado – 20h, Domingo – 19h

$70

Classificação 12 anos