CANTOS DE COXIA E RIBALTA

Espetáculo indicado ao Prêmio Destaque Imprensa Digital 2018 (categoria Destaque Roteiro Original) e vencedor do Prêmio MP (Musical Popular) de Teatro Musical Independente 2019 (nas categorias Melhor Roteiro Original, Melhor Direção e Melhor Coreografia), “Cantos de Coxia e Ribalta” está de volta à São Paulo para curtíssima temporada: entre 26 de julho a 11 de agosto, às sextas e sábados (19h) e domingos (17h), no Teatro Arthur Azevedo, na Mooca. Os ingressos antecipados já estão à venda online, clicando aqui, ou acessando o site do espetáculo: www.cantosdecoxiaeribalta.com.br.

Musical 100% autoral e brasileiro, “Cantos de Coxia e Ribalta” foi criado por Alef Barros e Gustavo Dittrichi, a partir do estudo de três vertentes artísticas: os personagens-tipos da commedia dell’arte, os ritmos musicais brasileiros e o teatro narrativo brasileiro; combinando esta nova abordagem com a bagagem de pesquisa cênica que a Cia. Lusco-Fusco já carrega; teatro e música (ou teatro musical).

Tanto o texto quanto as músicas são originais. O argumento (escrito por Gustavo Dittrichi) buscou livre inspiração na obra de Luis Alberto de Abreu; em especial no texto “O Auto da Paixão e da Alegria”. A linguagem cênica tem inspiração no musical “Godspell“, de Stephen Schwartz e John-Michael Tebelak. Já a música (escrita por Alef Barros) buscou referências na obra musical de Chico Buarque; nas composições de Baden Powell com Toquinho, em especial nos seus estudos e releituras dos cantos de terreiro e umbanda; e na bossa-nova em geral. Os arranjos musicais e composições gerais são de Dario Ricco, Hiago Guirra e Marco De Laet; e os arranjos vocais são de Joyce Roldan. A concepção cênica e estética é de Gustavo Dittrichi.

Sinopse do espetáculo

Sob os sussurros da coxia e as luzes de ribalta, um grupo de atores se reúne para contar uma história. Entre o corre-vida e as chegadas e partidas dos trilhos de uma estação de trem, o público é apresentado a uma trupe de teatro em crise financeira, que corre o risco de ter seu teatro tomado por conta da especulação imobiliária. Um Poeta então é encarregado de criar uma grande obra teatral a fim de trazer de volta aos artistas os tempos áureos: é a última chance do Teatro sobreviver.

Neste cenário, personagens tipificados, inspirados pelos tipos commedia dell’arte – o Dono da Cia., um Poeta, um Músico, uma Primadonna, um Jovem Ator sonhador e uma linda e ambiciosa Jovem Atriz – passam a viver seus próprios conflitos, que misturam-se com a própria história da peça que estão montando.

Enquanto tentam contar a história, a realidade mistura-se com a ficção até que se tornem uma coisa só. A abordagem poética da paixão, da desilusão, da entrega, da inveja e competição, da morte e, sobretudo, da sensação de estar sempre tentando permanecer “de pé” e superar os obstáculos impostos pelo destino – sensação tão comum ao Teatro e também à vida cotidiana – são os ingredientes para mover o espetáculo.

FACE (1)

Cantos de Coxia e Ribalta

Com  Gustavo Dittrichi, Beatriz Belintani, Joyce Roldan e Laís Helena, Marco De Laet, Carol Silveira, Igor Patrocínio, Nina Vettá, Rodolfo Mozer, Renan Lucena, Isabella Costa, André Costa, Rodrigo Ruffeil, Beatriz Poza, Belle Sena

Teatro Arthur Azevedo (Av. Paes de Barros, 955 – Mooca, São Paulo)

26/07 até 11/08

Sexta e Sábado – 19h, Domingo – 17h

$34

Classificação 12 anos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s