#EuValorizo SESC e SENAC

Este abaixo-assinado tem por objetivo respaldar, apoiar e fortalecer a atuação do Serviço Social do Comércio (Sesc), do Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac) em todo o Brasil, e de todo Sistema Comércio, composto pela Confederação Nacional do Comércio – CNC, Federações, Sindicatos, Sesc e Senac.

O Sistema Comércio faz parte da vida de milhões de brasileiros, seja na oferta de cursos profissionalizantes, nas atrações culturais ou no acesso a ações de saúde e qualidade de vida e na defesa e representação dos empresários com Comércio de Bens, Serviços e Turismo.

Ao assinar este documento, cada brasileiro está contribuindo para tornar ainda mais fortes tanto o Sesc quanto o Senac, ajudando a garantir a continuidade de um trabalho que valoriza os trabalhadores do comércio e suas famílias, gerando desenvolvimento e promovendo ações de educação, alimentação, saúde, cultura,
esporte e lazer em todo o território nacional.

 

FESTIVAL UneVersos

Duas atrizes maravilhosas – Amanda Doring e Gabi Porto – juntaram forças  para criar o Festival UneVersos, primeiro festival beneficente de música brasileira exclusivamente LGBTQIA+.

O evento vem pra somar na visibilidade e conscientização sobre os jovens da comunidade em situação vulnerável.

Os convidados são artistas – Renan Cavolik, Letrux Redux, Mulamba, Triz, Johnny Hooker, Bruno Gadiol, entre outros –  que têm uma voz ativa na comunidade, e que juntos unirão seus versos e discursos para celebrar uma noite de muito amor e representatividade.

O Theatro NET receberá o público e os artistas do festival. No dia 26, acontece a edição carioca, e no dia seguinte, a paulista.

Toda verba arrecadada com a venda dos ingressos será revertida em doação para as ONGs Casinha (RJ) & Casa1 (SP) – casas de cultura, educação e acolhida de indivíduos LGBTQIA+.

Toda forma de amor vale a pena! Música para todes! Siga o instagram do UneVersos.

FACE (1)

Festival UneVersos

Classificação 16 anos

$60

26/11 – Theatro NET Rio (Rua Siqueira Campos, 143 – Copacabana, Rio de Janeiro)

Terça – 21h

27/11 – Theatro NET SP (Rua Olimpíadas, 360 – Vila Olímpia, São Paulo)

Quarta – 21h

ESPELHO

Dia 22 de novembro, sexta-feira, às 20h, reestreia a peça Espelho do grupo Refinaria Teatral, em comemoração aos dez anos de atividade ininterrupta. A direção e texto são de Daniel Alves Brasil. No elenco estão Ana Szcypula, Karyn Camoski e Daniel Santana. A temporada será de sexta à domingo, até dia 15 de dezembro, e é uma das ações artísticas prevista no projeto Teatro uma Pátria Habitável, contemplado na 32° edição da Lei de Fomento ao Teatro para a cidade de São Paulo. Os ingressos são no sistema pague quanto puder.

Para o grupo, revisitar essa obra é uma maneira de beneficia-la com o acumulo geral da pesquisa em torno do trabalho da(o) atriz (ator) que estimulou desde então. 

Sinopse:

            Um indivíduo enclausurado em si mesmo entra em contato com sua consciência sem perceber. A tensão cresce entre as duas partes e os conflitos revelam que sua vida está entrelaçada a sistemas que as manipulam. O personagem tenta desesperadamente se desvencilhar de algo que ele nem sabe o que é.

O grupo Refinaria Teatral, núcleo da Cooperativa Paulista de Teatro, é um teatro de treinamento que pesquisa e desenvolve técnicas extraídas da arte marcial Karatê-do. Essa investigação prática gera um estilo particular de comunicação e efeito cênico que hiperpotencializa a presença cênica do ator, expandindo e retendo a energia corpórea, gerando cenas, ações e personagens arquétipos de simbologia crítica. A grande produção de energia corporal sobre controle do ator, que os trabalhos revelaram ao longo dos anos, geram um magnetismo potente que traz o espectador para dentro da obra. Recursos de ação que saíram dessa investigação, como a ação fotográfica e o ator fragmentado estimula o criativo, o reflexivo do espectador fazendo com que ele crie junto com a obra, o espectador-criador. Chamamos essa investigação, trabalho pilar do grupo Refinaria e que está em constante desenvolvimento, de Teatro Marcial.

As pesquisas contínuas sobre o trabalho de Jerzy Grotowski, Meyerhold, Tadeusz Kantor, Antonin Artaud, Eugenio Barba e o teatro oriental sustentam e alimentam o trabalho desenvolvido pelo grupo, que visa o refinamento constante das ferramentas do principal elemento do teatro: o ator. Em nossas obras discutimos as distintas temáticas da situação de opressor e oprimido, buscando quebrar paradigmas e comodismos.

O grupo surgiu em 2008 e já se apresentou em diversos teatros de São Paulo e de outras cidades. Participou e recebeu premiações de diversos festivais nacionais e internacionais como o Festival de Curitiba, XVII Encuentro Latino Americano de Teatro de Copiapó – Chile, Festival Internacional de Chañaral – Chile, e Encuentro Internacional de Teatro em Aragua, na Venezuela.

O Grupo já foi contemplado em programas de apoio à produção artística como o Programa Myriam Muniz, o programa VAI II, o Programa de Intercâmbio e Difusão Cultural, 28° Edição da Lei de Fomento ao Teatro para a cidade de São Paulo, entre outros. Todo o trabalho do grupo é autoral e ao longo de seus mais de dez anos de estrada, já criou 7 obras teatrais.

Em 2017 o grupo realizou uma parceria com a Universidade de Guadalajara – México, resultando na apresentação de diversas ações culturais (apresentação de obras, oficinas e palestras) do grupo em Guadalajara. Além de trabalhar com a obra “Porque as mulheres choram”, o grupo finalizou a construção do sexto espetáculo em parceria com o grupo Mexicano Perspectiva Escénica, que foi intitulada “Inexistência”. As apresentações ocorreram na cidade de São Paulo e em Guadalajara e outras cidades próximas (México).

Atualmente, o grupo está realizando o projeto “Teatro: Uma Pátria Habitável”, contemplado pela 32ª Edição da Lei de Fomento ao Teatro para a Cidade de São Paulo, que investiga as bases do teatro brasileiro antes da colonização, pesquisa atual desse grupo paulistano que objetiva, através de vivências e olhares nas manifestações artísticas de caráter cênico mais tradicionais dos povos indígenas brasileiros, encontrar a corporeidade cênica e a estrutura cênica dos povos originários das terras brasileiras. Pesquisa essa denominada de Encontro com o teatro de Pyndorama.

Para mais informações acesse o site: www.refinariateatral.com.br

FACE

Espelho

Com Ana Szcypula, Karyn Camoski e Daniel Santana

Sede do grupo Refinaria Teatral (Rua João de Laet, 1507 – Vila Aurora, São Paulo)

Duração 70 minutos

22/11 até 15/12

Sexta e Sábado – 20h, Domingo – 18h

Pague o quanto puder

Classificação 14 anos

Reserva de ingressos pelo e-mail refinariateatral@gmail.com

LANÇAMENTO LIVRO “MEMÓRIAS SINCERAS”

Por quase cinco anos, Leilah Assumpção revolveu sua memória para pinçar o que mais lhe saltava à mente para compartilhar com os leitores: os bons e velhos amigos, o início de carreira, a família, as escolhas profissionais; histórias tristes e dolorosas, passagens de chorar de rir que compõem uma face mais íntima de sua vida e dos seus 50 anos dedicados ao teatro.

Dispostas em 15 capítulos curtos e sem se prender a uma sequência cronológica, as Memórias sinceras de Leilah desenham, quase em estilo de crônicas, toda a história de uma geração atuante no cenário brasileiro cultural, no teatro, na TV e no cinema. Estão no livro Leila Diniz, Odete Lara (sua melhor amiga por anos), Zé Celso, José Vicente, Antonio Bivar, Consuelo de Castro, Clóvis Bueno, Ruth Escobar, Antunes Filho, Flavio Rangel, Irene Ravache, Marieta Severo, Aderbal Freire Filho, Marcos Caruso e Vera Holtz (dupla que neste momento está em cartaz em Lisboa, com Intimidade indecente, sucesso de público onde quer que aporte).

As festas, os amigos que se tornaram famosos, sua origem como manequim do costureiro Dener, as terríveis lembranças dos duros anos de ditadura, o enfrentamento com a censura, tudo está no livro. E, pasme com essa revelação: Leilah também foi atleta campeã de saltos ornamentais em trampolim.

Leilah Assumpção conquistou reconhecimento como dramaturga, sobretudo por ressignificar em seus textos o papel da mulher na sociedade. Desde sua estreia com  Fala baixo senão eu grito, em 1969,  já mostrava que sua principal vocação estava em compor personagens femininas densas em busca do autoconhecimento e da liberdade. Ganhou com esta peça o Molière de melhor texto. O crítico Sábato Magaldi observou: “disposta a colocar em xeque determinadas posturas assumidas no mundo do trabalho e no espaço familiar, a autora voltou-se para os problemas existenciais da mulher imersa numa estrutura política ditatorial”.

Antes de 1969, já havia escrito Vejo um vulto na janela, me acudam que sou donzela (1964) e Use pó de arroz Bijou (1968). Continuou com Jorginho, o machão (1970) e Amanhã, Amélia, de manhã (1973), que foi rebatizada como Roda cor de roda (1975). Mais títulos foram se acrescentando à sua fértil produção: A Kuka de Kamaiorá (1975), que foi encenada sete anos depois na forma de musical com o título O segredo da alma de ouro (1983), Sobrevividos (1978), Seda pura e alfinetadas (1981) e Boca molhada de paixão calada (1984), além de novelas, minisséries e casos especiais para a televisão.

Maria Adelaide Amaral escreve fechando o livro: “O colorido coloquial e o humor se fundem para criar uma poética muito pessoal”, disse o saudoso Yan Michalsky, a propósito da dramaturgia de Leilah Assumpção. “Uma autora original e única”, disse Renata Pallotini sobre Leilah. Eu acrescentaria a inteligência, a vocação natural para escrever diálogos, criar subtextos, situações e conflitos inusitados. Uma a uma, Leilah remove todas as máscaras até revelar nua e crua a pequena tragicomédia do ser humano. Suas criaturas ultrapassam a classe que pertencem”.

Fotos de Vania Toledo e do arquivo pessoal da dramaturga dão um toque emocionante e expressivo à edição.

image002

Lançamento livro “Memórias Sinceras”

De Leilah Assumpção

204 páginas (caderno de fotos de 16 páginas) Formato: 16×23 cm

ISBN: 978-85-8202-077-7 Preço de capa: R$49,90

Sá Editora

Livraria Cultura – Conjunto Nacional (Av. Paulista, 2073 – Cerqueira César, São Paulo)

23/11

Sábado – a partir das 16h

K-POP DREAMS, O MUSICAL

K-Pop Dreams, O Musical retrata o universo do movimento musical de maior sucesso global dos últimos tempos. O espetáculo ficará em cartaz de 14 de março a 05 de abril, aos sábados e domingos, no Theatro NetSP. Os ingressos estão à venda no site Sympla.
 
O elenco é formado por 20 jovens que atuam, dançam e cantam ao vivo em mais uma super produção da Boom Produções e BRZ Produções com produção local Sócrates Online Eventos.
 
Com roteiro e direção de Esteban Grossy e coreografias de Thiago Miyamura, K-Pop Dreams conta a história de Sunny, uma garota brasileira que tenta ser aceita no movimento apesar de não ter ascendência asiática. A DreamTop, uma agência nacional de talentos procura repetir o sucesso das grandes agências coreanas e inicia uma série de audições para formar um novo grupo musical. Sunny – com a ajuda de suas melhores amigas orientais, Min e Jessie – passa por uma completa transformação que a deixa com um visual asiático e acaba sendo aceita pela produção. Mas logo percebe que não será fácil manter a farsa em um ambiente tão competitivo e exigente.
 
Embalados por sucessos de nomes como BTS, Blackpink, EXO, TXT, Red Velvet, TWICE, Monsta X, NCT-U, KARD, além de canções originais, o espetáculo mostra a luta diária de jovens buscando seus sonhos. Esforço diário, treinamentos exaustivos em busca da perfeição de movimentos, piruetas vocais, aulas de idiomas e extensas sessões de fotos somados a exigências contratuais, abusos físicos, bullying psicológico, preconceitos raciais ou sexuais resultam em inevitáveis problemas pessoais.
 
O lado dos outros envolvidos na realização do trabalho também é retratado por personagens como Nina – inabalável mulher de negócios e CEO da agência – e Falcon e Canário, profissionais de sua confiança que trabalham incansavelmente na criação de um novo fenômeno.
 
E assim o público é apresentado a um novo grupo musical. Jovens talentosos que atuam, cantam e dançam em um show vibrante e energético com todos os ingredientes que tornaram o K-Pop um fenômeno mundial: coreografias marcantes, figurinos modernos, efeitos visuais, música pop dançante com letras que falam sobre as angústias dos adolescentes e a pressão social para serem bem sucedidos.
Siga K-Pop Dreams
 
FACE (1).png
K-Pop Dreams, o Musical
Com elenco ainda não divulgado
Theatro NET SP – Shopping Vila Olímpia (R. Olimpíadas, 360 – Vila Olímpia, São Paulo)
Duração
14/03 até 05/04
Sábado – 18h, Domingo – 17h30
$100/$300
Classificação Livre