PARADA DAS LUZES

Idealizado pelos produtores Taís Somaio (Valentina Produções) e Fernando Vieira (Vagalume Light Performance), a capital paulista recebe a 1ª Parada das Luzes nos dias 14 e 21 de dezembro, com saída em frente ao Shopping Light para um desfile pelo centro da cidade a partir das 18 horas. A Parada das Luzes faz parte do projeto Festival de Natal de São Paulo e acontece no Triângulo SP, que traz um recorte especial do centro paulistano onde se situam os principais prédios históricos da cidade, entre eles o Largo São Bento, Pateo do Collegio e Largo São Francisco.

Levando a magia do Natal através de um espetáculo surpreendente, único e emocionante, artistas e bailarinos desfilam interpretando 60 personagens do mundo imaginário caracterizados como Fadas, Cristhmas Girls, Duendes, Soldados, Bailarinas, Flocos de Neve, Príncipes, Reis e Rainhas, Papai e Mamãe Noel entre outras criaturas mágicas iluminadas por centenas de lâmpadas. Os figurinos, confeccionados na Alemanha, chegam a pesar 15 quilos cada um e são feitos à mão, com aplicação de pedraria e luzes de led, cerca de 200 a 400 em cada roupa, que somam aproximadamente 20 mil lâmpadas.

Paulista de Guarulhos, Fernando Vieira, que vive na Alemanha, em Colônia, há 20 anos, é apaixonado por circo e teatro e idealizou o projeto nas ruas da Alemanha. Na época teve a ideia de reciclar os figurinos e iluminá-los com o maior número possível de lâmpadas de led. Graduado pela Escola Internacional de Circo em São Paulo onde ganhou experiência no palco, no cinema e na televisão, realiza com uma equipe internacional e multidisciplinar performances e shows em diversos festivais e parques temáticos em toda a Europa, como: Bélgica, Alemanha, Estônia, Islândia, Itália, Portugal, Escócia, entre outros.

Recolhi vários figurinos em teatros alemães. Eram figurinos usados em óperas. Dei a eles novas cores, novos formatos e acrescentei as luzes. Em cada figurino aplicamos cerca de 200 a 400 lâmpadas. Em 2004 começamos a viajar a Europa. Esse tipo de evento é muito tradicional por aqui e une música e performances teatrais e circenses.” Conta Fernando. No Brasil, Fernando, em parceria com a também produtora Taís Somaio, somaram forças para realizar a primeira edição da parada na capital.

Valentina Produções trouxe o projeto para o Brasil em 2017. Percorremos diversas cidades brasileiras e agora é o momento de mostrar esse trabalho incrível para a cidade de São Paulo.” Afirma Taís que pretende nos próximos anos percorrer vários estados brasileiros.

Trazemos o espetáculo para as ruas para que todos possam contemplar, de forma gratuita, a beleza desse evento, é o nosso presente para a cidade de São Paulo. É um acontecimento que reforça o espírito natalino, que emociona, une as pessoas, traz paz, reflexão e sobretudo, o espírito da solidariedade.

É um colorido incrível, fantástico. As pessoas ficam encantadas nessa época natalina. Para a confecção desses figurinos, peças únicas, leva-se até 2 meses para o resultado final. A parte elétrica aplicada possui um sistema de baterias que garante segurança e sustentabilidade a eles. As luzes dão um efeito maravilhoso nos nossos figurinos.” Conclui Taís.

O evento começa em frente ao Shopping Light, centro da cidade, e percorre as ruas do entorno até o Pateo do Colégio. Durante esse percursos, os artistas desenvolvem performances e ao final, de volta ao Shopping Light, acontece um show no local.

FACE (1)

Parada Das Luzes

14 e 21/12

Sábado – a partir das 18h

Saída em frente ao Shopping Light (R. Cel Xavier de Toledo, 23 – Centro Histórico, São Paulo)

Grátis

Classificação Livre

FALE SOBRE MIM

Transformar memórias, anseios e dores de estudantes da escola pública em arte. Esse é o objetivo da atriz, diretora e professora de Artes Cênicas Luiza Rangel que, junto com seus ex-alunos da Escola Municipal Vera Lúcia Chaves da Costa, no Conjunto Urucânia, localizado entre os bairros de Paciência e Santa Cruz, na Zona Oeste do Rio, formou um grupo de teatro. No dia 14 de dezembro (sábado), eles apresentam o espetáculo “Fale sobre mim” na Sala Paschoal Carlos Magno, na UNIRIO. No elenco estão a professora e os alunos Analya Britney (13 anos), Brenda Laura Coelho (13), Caio Nunes (13), Lucas Reis (14), Maria Paula dos Santos (13) e Wilson Ruan (15).

O espetáculo surgiu dentro da escola que a artista-docente leciona desde 2017. No último ano, ela propôs um trabalho focado em Teatro Documentário e no uso de narrativas autobiográficas na cena a partir da escuta dos alunos. Ao final do ano letivo, a professora reuniu um grupo de estudantes que frequentemente demonstrava interesse em se aprofundar na linguagem do teatro para encontros semanais fora do horário de aula. A pesquisa com adolescentes se mostrou um solo fértil e, durante o processo de criação de “Fale sobre mim”, a professora Luiza também se colocou na experiência de criar uma cena autobiográfica. A ação dissolveu a hierarquia entre os alunos e a educadora já que ambos assumiram o exercício de compartilhar suas narrativas e expor sua história pessoal.

O objetivo é convocar os estudantes a olhar as metáforas do mundo e a encontrar novos sentidos em seu cotidiano e em sua história de vida”, explica a professora Luiza Rangel. “Ainda existe pouca abertura para a experiência de escuta no espaço da escola.  Precisamos ouvir mais os alunos, suas famílias e valorizar suas contribuições. É importante proporcionar relações mais plurais, afetivas e humanas na escola”, defende a professora que, aos 27 anos, dá aulas para 580 alunos de 18 turmas do ensino fundamental.

Tendo como foco o trabalho com a memória, a autobiografia e o uso de arquivos em cena, a dramaturgia de “Fale sobre mim”, escrita pela professora e pelos alunos, está estruturada em dois atos. O primeiro é o ponto de vista da docente, suas impressões ao entrar em sala de aula, seu encantamento com a potência artística dos estudantes e também seu estranhamento diante de uma realidade árida e violenta. Já o segundo ato é a criação dos alunos, que tecem seu olhar sobre a adolescência, a escola, a família, a cidade, os sonhos e o tempo. O espetáculo traz também o olhar para um período de conflito pelo domínio de territórios entre grupos rivais, que assolou o conjunto Urucânia em 2018, uma região, até então, sem tantos relatos de violência. “Foi um período complicado e a escola chegou a fechar por dias. Isso afetou a vida de toda a comunidade. Tínhamos que falar sobre o que estava acontecendo. Eu precisava muito mais ouvir do que trazer propostas”, lembra a professora Luiza Rangel.

A partir daí, os alunos começaram a produzir textos e cenas, que foram costurados pela professora. “Além das narrativas oficiais, há os relatos dessas crianças da periferia, que têm pouco acesso aos equipamentos culturais, mas que estão produzindo com muita potência artística. Eu olho para a escola e vejo uma incrível pulsão de vida, alegria e potencial artístico em meio ao caos. Parte do meu trabalho é mostrar para os alunos que o teatro também é lugar deles, que o que eles fazem não é algo menor. A história desses jovens reflete uma questão mais ampla, que é social, cultural e econômica; por isso é importante de ser contada sob o ponto de vista deles”, diz a professora.

Para os alunos, o espetáculo “Fale sobre mim” é como um desabafo. Maria Paula, por exemplo, leva para a cena relatos e reflexões sobre racismo. Já Brenda, durante o processo criativo, começou a investigar suas origens, assunto que até então a deixava em dúvida. Wilson considera que montar a peça foi uma oportunidade de conhecer as diferentes histórias dos amigos, identificar-se e sentir empatia. Estar em cena é a melhor coisa que aconteceu na vida de Caio e ele acha que a professora Luiza é uma amiga especial, que extrai o melhor de cada aluno. Analya cita Frida Kahlo, artista que conheceu nas aulas de Artes. Lucas se lembrou de seu avô e do papel determinante que teve em sua vida, como um segundo pai.

Lembrar é um ato de resistência pois não se pode separar a história pessoal da história social. Lembramos para não deixar que esqueçam a história do sujeito comum, do morador de Urucânia, do professor e do aluno(a) de escola pública. É importante trazer o nosso ponto de vista sobre a cidade, já que as narrativas oficias são sempre centralizadas demais. Falar de si é um ato político e poético”, finaliza a professora.

Fale Sobre Mim

Com Analya Britney, Brenda Laura Coelho, Caio Nunes, Lucas Reis, Luiza Rangel, Maria Paula dos Santos e Wilson Ruan.

Sala Paschoal Carlos Magno – UNIRIO (Av. Pasteur, 436 – fundos – Urca, Rio de Janeiro)

Duração 60 minutos

14/12

Sábado – 16h

Grátis (distribuição de senhas a partir das 15h30)

Classificação Livre

FESTIVAL DE FÉRIAS NO TEATRO DR. BOTICA

O Teatro Dr. Botica celebra a chegada de dezembro com um FESTIVAL DE FÉRIAS.

Até o dia 22 de dezembro,  4 espetáculos infantis serão apresentados de quinta a domingo, com ingressos  promocionais por R$ 15,00. Para adquirir basta ficar ligado no site do teatro todas as quartas-feiras. Outras boas notícias é que professores tem preço especial e aniversariantes não pagam!

Diversão, música e muita pipoca embalam o Dr. Botica, teatro que abriga com  exclusividade produções destinadas ao público  infantil, com atendimento interpessoal, conforto, segurança e sua identidade olfativa. É claro que os familiares entram no clima e sempre são muito bem-vindos.

FACE (5)

DINOBABYS – O BERÇÁRIO JURÁSSICO

Duração: 50 minutos

Dias: 07, 08, 14 e 15/12

Sábados e Domingos | 17h

$50

AS AVENTURAS DO SÍTIO DO PICA PAU AMARELO

Duração: 60 minutos

Dias: 06, 07, 08, 13, 14, 15, 21 e 22/12

Sextas, Sábados e Domingos (Exceto 20/12) | 14h

$50

RAPUNZEL O MUSICAL

Duração: 60 minutos

Dias: 05 e 12/12

Quintas-feiras | 18h

$50

 

CAFÉ COM AS PRINCESAS

Duração: 80 minutos

Dias: Sextas, Sábados e Domingos | 10h30

Dias: 06, 07, 08, 13, 14, 15, 20, 21 e 22/12

$50

O BARÃO DAS ÁRVORES

Escola de Atores Wolf Maya apresenta, nos dias 10, 11 e 12 de dezembro (de terça a quinta, às 20h30) o espetáculo O Barão das Árvores, de Italo Calvino. A montagem, dirigida por Thierry Tremouroux, é um estudo sobre o livro homônimo do autor.

As sessões acontecem no Teatro Nathalia Timberg, com elenco formado por alunos da Turma M6B da instituição.

A peça conta a história de um garoto que, revoltado com o comportamento dos pais, decide subir às árvores e ficar lá em cima para sempre. Um simples ato de rebeldia infantil de Cosme transforma-se na sua forma de ver o mundo. Sua intenção não era estar mais próximo do céu. “Aquele que pretende observar bem a terra deve manter a necessária distância“, justifica o protagonista. E o mundo que o autor nos revela é um universo de ideias e experiências recheado por um humor fino e sofisticado.

Italo Calvino (1923-1985) foi um dos mais importantes escritores italianos do século XX. Nasceu em Cuba, pois seus pais eram cientistas italianos e estavam de passagem pelo país. Sua literatura é considerada sincera, delicada e extremamente ágil. Participou da resistência ao fascismo durante a Segunda Guerra Mundial. Foi membro do Partido Comunista Italiano, tendo se desfiliado em 1957, cuja carta de renúncia ficou famosa. Seu primeiro livro foi A Trilha dos Ninhos de Aranha, publicado em 1947, e uma de suas obras mais conhecidas é As Cidades Invisíveis, de 1972.

FACE (4).png

O Barão das Árvores

Com Rodrigo Calonga, Carolina Bonani, Caroline Moreira, Emily Matte, Giliane Mattos, Giuliana Zigoni, Juliana Kaizer, Kellen Rosostolato, Leo Acorci, Leo Machado, Marcelle de Oliveira, Marina Ghermer, Mathson Castro, Mayara Luz, Renan Reis, Savio Oliveira, Shayanne Fonseca, Vinicius Moreno e Yas Carvalho

Teatro Nathalia Timberg – Freeway Center (Av. das Américas, 2000 – Barra da Tijuca, Rio de Janeiro)

Duração 90 minutos

10 a 12/12

Terça, Quarta e Quinta – 20h30

$10

Classificação 12 anos

 

É DIA DE CIRCO

No próximo dia 14, a Subprefeitura da Lapa leva ao bairro de Jaguaré o projeto É Dia de Circo. Durante oito horas, serão apresentados dentro de uma lona com 150 lugares diversos espetáculos, com destaque para a participação do Circo Amarillo (Argentina), Caravana Tapioca (Recife) e Mauro Cosenza (Uruguai). Além de curtir as apresentações na lona, o público poderá se divertir com intervenções circenses que serão apresentadas na praça, se deliciar com a distribuição de pipocas e pular muito nos brinquedos infláveis.

Durante este dia, se apresentarão:

Junior Taz

Palhaço, ator, produtor, malabarista e roteirista, Junior Taz atua como palhaço desde 2010, é um dos cofundadores Cia Moscas Volantes, possui três espetáculos autorais e tem uma vasta experiência em ser Mestre de Cerimônia. Nesse grande dia, ele traz todo seu bom humor para a porta do circo, representando o grande MC, coordenando as intervenções artísticas e entretendo o público presente na praça

Caravana Tapioca – Recife – 10h30

Anderson Machado é ator, clown e músico com 12 anos de carreira. Estudou teatro, música e comicidade com grandes nomes como Ricardo Pucceti, Aziz Gual, Moshe Coen, Jenniick Dupont, Chacovati, Bete Dorgan entre outros. Já recebeu prêmios de melhor ator nos anos de 2014 e 2016 , pela APACE, um deles pelo o seu espetáculo solo Cavaco e Sua Pulga Adestrada, que irá compor o repertório do projeto.

Transportando o público para o universo clássico e imaginário do circo de pulgas, o espetáculo apresenta Maria, a pulga adestrada que chega de paraquedas, canta, faz música com panelas, cospe fogo, doma uma fera, entre outras habilidades nunca antes vistas.

Paine Santamaria – Argentina – 13h

Malabarista, Palhaça e Musicista, Paine desenvolve trabalhos e pesquisas sobre a arte circense há 16 anos, com especialização em malabarismo contemporâneo e espetáculos de rua. Já realizou apresentações em 9 países, participando de diversos Festivais, Convenções Circenses e Projetos Sociais, se nutrindo do trabalho grupal e também se desafiando ao espetáculo solo.

Nesse evento promete divertir crianças e adultos com seu espetáculo A Louca das Frutas. Sua Palhaça Figaza convida o público para uma viagem por um paraíso tropical! Números de malabares com maçãs, equilíbrio de melancias e manipulações de abacaxis compõem o repertório deste criativo espetáculo.

Mauro Cosenza – Uruguai – 14h30

Mauro Cosenza teve sua formação de base na escola de circo em Trivenchi, na Argentina, onde teve aulas de dança, estudou palhaçaria, teatro e malabarismo. Durante sua trajetória escolheu seus mestres com um olho muito afinado, os quais ajudaram a mesclar vários estilos e habilidades diferentes. Ele apresentará seu H2oBoom, um espetáculo criativo que mescla água e explosões, mostrando o delírio na pesquisa de manipulação de balões e objetos, utilizando o teatro físico e técnicas de malabarismo para a construção poética-visual do espectáculo.Com direção do argentino Victor Avalos (Palhaço Tomate), o interprete traz para a cena El Gran Enano, um palhaço excêntrico, elétrico e realista, possuído por um bufão que habita em um ponto tênue entre o empírico e o delírio.

Circo Amarillo – Argentina – 17h

O Circo Amarillo é um grupo que desde 1997 desenvolve uma pesquisa diferenciada baseada na figura do palhaço excêntrico musical. Durante esses anos de existência, tem sua atuação bastante diversificada, envolvendo espetáculos em lona, teatro e rua. Nesse evento a grupo apresenta seu espetáculo Sem Concerto, que apresenta dois palhaços que se encontram para a apresentação do seu último e único disco. Em meio a formalidades do evento, o inesperado acontece: o disco se quebra! A partir daí começa a divertida aventura para resolver este problema e com isso há espaço até para a participação de um artista convidado. Além da música tocada ao vivo, o espetáculo agrega técnicas de circo e clown marcadas pela comicidade que agrada o público de todas as idades.

FACE (3)

É Dia de Circo

Praça Porto Carreiro s/n – Jaguaré, São Paulo

14/12

Sábado – 10h às 18h

Grátis

QUEM PROSPERA SEMPRE ALCANÇA

A determinação dos brasileiros em encontrar novas opções de trabalho por conta própria, pequenas noções de educação financeira, como a importância do planejamento e da organização para a realização dos nossos sonhos, são temas do espetáculo musical de rua Quem Prospera Sempre Alcança, que retorna a São Paulo na próxima semana.

A peça com texto e direção de Leonardo Cortez se apresenta nos dias 12 e 13 de dezembro, a partir das 12h30, e no 14 às 16h na loja da Livraria Cultura Paulista – Espaço Cine Astor, encerrando o primeiro ano do projeto. Jonatan Harold assina a direção musical e as composições originais, já os figurinos e cenário são de Márcio Araújo.

Patrocinada pela Visa, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura da Secretaria Especial da Cultura, do Governo Federal, esse ano a peça passou por mais de dez cidades em diferentes estados, sempre de forma gratuita.

O projeto previa a realização de 40 apresentações, sendo dez na cidade de São Paulo e três em cada uma das demais cidades. Onze dessas apresentações, incluiriam um tradutor de libras. O público total estimado era de 4.680 pessoas, porém as expectativas se superaram, até o momento foram realizadas 55 apresentações, totalizando o público de 9.291 pessoas. Com o público destas novas apresentações na Livraria Cultura o projeto alcançará mais do que o dobro de público do que o previsto. Além disso, foram realizadas 37 apresentações com tradução em libras, em vez de onze.

 “Em 2018, o Brasil bateu recorde em número de novos microempreendedores, o que reforça a importância de apoiarmos um espetáculo como esse. As mensagens transmitidas, como a importância do planejamento e do gerenciamento das receitas e despesas, são extremamente relevantes para o crescimento dos negócios deste público”, explica Sabrina Sciama, Diretora de Comunicação da Visa do Brasil.

O espetáculo começa com a entrada de dois técnicos de uma companhia teatral encarregados de montar o palco para a apresentação que será feita no local. Eles fazem às vezes de operários e mestres de cerimônia e evocam situações sobre empreendedorismo a partir de três outras histórias.

Na primeira delas, duas fãs de uma dupla sertaneja decidem, na fila para entrar no show, como vão gastar o dinheiro que juntaram com muito sacrifício. Na segunda, dois vendedores ambulantes resolvem fazer uma atrapalhada sociedade e na terceira, um falido dono de boteco recebe a visita de uma inusitada fada-madrinha.

Falar sobre empreendedorismo no Brasil atual é falar sobre o caminho pelo qual cada vez mais brasileiros estão optando por seguir em função da crise econômica. Ao mesmo tempo, ter acesso aos mecanismos de desenvolvimento de novos negócios é a possibilidade real de concretização dos sonhos profissionais. Quem Prospera Sempre Alcança é um espetáculo que inclui dicas de educação financeira, principalmente ligadas ao empreendedorismo, sem a pretensão de ser didático, que apresenta, com muito humor, situações e ciladas que qualquer um pode se meter por conta da inexperiência nos negócios e na vida pessoal”, conta o autor e diretor Leonardo Cortez.

A encenação busca as raízes do teatro popular, do circo-teatro e da comédia de costumes. “Artisticamente, pesquisei sobre a linguagem teatral do espetáculo de rua, me debruçando sobre a obra de Dario Fo e os trabalhos da Cia. La Mínima”, acrescenta.

O humor é elemento de aproximação direta com o público, conquistado através de um texto ágil, contemporâneo e de comunicação franca. Novos personagens são evocados pelos dois principais a partir do uso de máscaras e acessórios. A participação dos espectadores é solicitada em brincadeiras interativas que se desdobram enquanto o público é testemunha da construção de uma peça enquanto assiste a outra.

Essa metalinguagem é uma forma de reflexão tanto para o espectador comum sobre o fazer teatral como para o próprio artista, que precisa empreender em seu ofício. “O artista via de regra é empreendedor de sua própria obra e precisa entender dos mecanismos de produção cultural para levar sua pesquisa ao público. O estabelecimento de parcerias, tão comum no mundo dos negócios, se faz absolutamente necessário em tempos de crise econômica e cultural”, explica o diretor.

Os figurinos, cenários e adereços são inspirados nas companhias teatrais itinerantes. “Elas fazem até hoje o popular teatro mambembe de imediata identificação popular e que tem nas restrições orçamentárias o seu mote de beleza e originalidade. Temos assim, a sobreposição de tecidos e o reaproveitamento de materiais, numa estética que remete ao circense. A música, originalmente composta para o espetáculo, dialoga com gêneros populares como o sertanejo e o samba de raiz, em números interativos. A ideia é que o público saia do espetáculo cantando e pensando nos próximos passos para a realização dos seus sonhos”, revela.

O projeto também conta com audiodescrição que pode ser acessada pelo link – http://bit.ly/QPSA_AD .

FACE (1)

Quem Prospera Sempre Alcança

Com André Santos e Djair Guilherme

Livraria Cultura Paulista – Espaço Cine Astor (Av. Paulista, 2073 – Bela Vista, São Paulo)

Duração 45 minutos

12 a 14/12

Quinta e Sexta – 12h30, Sábado – 16h

Grátis

Classificação Livre

GONZAGUINHA: O ETERNO APRENDIZ

Aplaudido por mais de 50.000 pessoas em apresentações no Rio de Janeiro (3 temporadas de muito sucesso no Teatro João Caetano, Sala Municipal Baden Powell, Teatro dos Grandes Atores e Teatro Rival) no interior de Minas (Itajubá, Pouso Alegre, Varginha…), em Salvador (Teatro Jorge Amado), São Paulo (Teatro Procópio Ferreira), Bauru (Teatro Municipal), Belo Horizonte (Teatro Alterosa e no Cine Theatro Brasil Valllourec), São Luís do Maranhão (Teatro Arthur Azevedo), Brasília (Teatro Ulisses Guimarães e Teatro dos Bancários), Fortaleza (no Teatro Via Sul), Manaus (Teatro Manauara) e em Curitiba (Tetro Fernanda Montenegro) , o musical GONZAGUINHA: O ETERNO APRENDIZ estará de volta a São Paulo, para uma única apresentação no Teatro Liberdade.

GONZAGUINHA: O ETERNO APRENDIZ mostra um pouco da história de um dos maiores compositores e intérpretes brasileiros, que nos deixou há 28 anos e tem como ponto de partida exatamente suas principais ferramentas de trabalho; a música e a palavra.

No palco, o ator ROGÉRIO SILVESTRE dá vida ao personagem central, o próprio Gonzaguinha, interpretando um texto que passeia por momentos marcantes da vida do cantor e compositor carioca; como a infância no Morro de São Carlos (RJ), os primeiros passos na carreira artística, os embates com a ditadura militar e a relação conflituosa com o pai, o rei do Baião, Gonzagão.

O espetáculo apresenta 16 canções assinadas pelo próprio Gonzaguinha – “Explode Coração”, “Recado”, “Começaria Tudo Outra Vez”, “Moleque”, “Sangrando”, “O Que é o Que é?”, “Ponto de Interrogação”, “Eu Apenas Queria Que Você Soubesse”, “Com a Perna no Mundo”, “Grito de Alerta”, “De Volta ao Começo”, “Palavras”, “É”, “Diga Lá, Coração”, “Espere por Mim, Morena” e “Vamos a Luta” – que misturam xote, samba, baião e música romântica que foram gravadas pelos maiores nomes da nossa MPB, como Maria Bethânia, Simone, Joanna, Zizi Possi, Raimundo Fagner, Ângela Maria, Cauby Peixoto  e o próprio Wagner Tiso que já participou algumas vezes do espetáculo.

Com o intuito de preservar a memória desse ícone da MPB, o espetáculo apresenta passagens da vida do artista que iniciou sua trajetória na década de 60 em meio aos tropeços da ditadura militar e seguiu cantando seus amores e anseios pela vida.

Os temas que integram o musical também evidenciam como o compositor, numa constante busca, foi um dos poucos a falar com tanto domínio poético e olhar crítico sobre o morro, as questões sociais e o amor, recorrendo sempre a diferentes linguagens e ritmos, como o samba, o bolero e o baião.

Sua música – de refinada composição, mas sem perder de vista a rica cultura popular que lhe serviu de base – deu voz tanto às angústias de um país, durante os anos de chumbo sob a Ditadura Militar, quanto às paixões arrebatadoras que fazem o coração explodir.

Seus sambas, de inspiração contagiante, à exemplo de “O Que é, o Que é?”, são um retrato fiel da alma brasileira.

Só pra lembrar…

Luiz Gonzaga do Nascimento Júnior, mais conhecido como Gonzaguinha, está no time dos maiores artistas brasileiros.

Nasceu no RJ no dia 22/09/1945 e nos deixou, aos 45 anos após sofrer um acidente de carro, na madrugada do dia 29/04/1991, quando voltava pra casa depois de um dos seus muitos shows pelo interior do país.

Gonzaguinha era filho registrado, mas não natural, do cantor e compositor pernambucano Luiz Gonzaga, ‘o rei do baião’ e de Odaléia Guedes dos Santos, cantora do Dancing Brasil. Teve 04 filhos: Daniel Gonzaga, Fernanda, Amora Pêra e Mariana.

Em 2017 foi tema do carnaval da Estácio de Sá, com o enredo “É! O Moleque desceu o São Carlos, pegou um sonho e partiu com a Estácio!” e no último Carnaval de 2019, a escola de samba Império Serrano escolheu como samba enredo, o sucesso de Gonzaguinha, “O Que é, o Que é ?”.

Certamente, GONZAGUINHA: O ETERNO APRENDIZ merece ser visto e revisto pelos fãs do Gonzaguinha e principalmente, pelos amantes do bom teatro.

Gonzaguinha: O Eterno Aprendiz

Com Rogério Silvestre

Teatro Liberdade (R. São Joaquim, 129 – Liberdade, São Paulo)

Duração 80 minutos

13/12

Sexta – 21h

$80

Classificação 14 anos