SEMANA DE ARTE CONTRA A BARBÁRIE

Entre 11 e 18 de fevereiro, sempre na hora do almoço, a escadaria externa do Theatro Municipal será palco para a ‘Semana de Arte contra a Barbárie’, com uma programação que aposta na diversidade de linguagens e gêneros em todas as suas expressões – do cinema à música e à literatura, das artes do corpo às artes plásticas –, num movimento pulsante, crítico e desafiador, para fazer refletir sobre a importância da arte na vida de todos.

Durante os oito dias do evento, devem passar pela frente do mais emblemático teatro de São Paulo centenas de nomes da música, do teatro e do cinema, do circo e da dança, como estão confirmados: Fabiana Cozza, Ilú Obá de Min, Sérgio Mamberti, Denise Fraga, Renato Borghi, Guto Lacaz, Cassio Scapin, Clarisse Abujamra, Amanda Acosta, Mawaca, Badi Assad, Banda Mirim, Grupo Caixa de Imagens, Pascoal da Conceição, Christiane Tricerri, Rubens Caribé, Cia Carne Agonizante (Sandro Borelli), Fernando Alves Pinto, Pedro Vicente, Regina Machado, Vozes Bugras, Negravat, Madalena Bernardes, Chico Salem, Benjamin Taubkin e Ari Colares, Mc Kunumi, Olívio Jekupé, Banda Poin, Cia do Feijão, Teatro Cartum, Paulo Freire, Circo Mínimo, Cia Teatro de Rocokós, Federal, Sonia Ushiyama, Caco Mattos, Orquestra Mundana Refugi, Izabel Padovani, Balangandança/Damas do Trânsito/Bucaneiros, Analu Lacombe, Consuelo de Paula, Simone Sou e Alfredo Bello, Orquídeas do Brasil, Andrea Soares/ Núcleo Pé de Zamba, Lari Finocchiaro, Coletivo Linhas de Sampa, Bando do Teatro dos Comuns, La Pacata, Grupo Dyroa Baya, Kaique Theodoro, grupo Guarani de Parelheiros, Sussurro Poético e muitos outros. Participação por vídeo, nas redes, de Stella Miranda.

Todos  comprometidos com a proposta embasada no artigo 5º da Constituição Federal, que estabelece, em 78 incisos, os direitos fundamentais – como a igualdade de gênero, a liberdade de manifestação do pensamento e de locomoção –, para assegurar uma vida digna, livre e igualitária a todos os cidadãos de nosso pais.

semana-de-arte-contra-a-barbarie

Ator Daniel Warren, como o palhaço Schnier, clicado por Debora de Proença, em frente ao Theatro Municipal

A abertura da Semana de Arte contra a Barbárie, na terça-feira (11/2), ao meio-dia, reúne as vozes de Fabiana Cozza, Regina Machado, Badi Assad e grupo Mawaca, entre outros artistas da música brasileira. Os tambores do bloco afro Ilú Obá De Mim farão parte da manifestação.

Nos dias que se seguem, a programação conta com intervenções cênicas de vários grupos de teatro, como a  Caixa de Imagens, A Digna Cia, Cia do Feijão e Teatro Cartum; e performances da Cia Carne Agonizante, Balangandança Cia / Damas do Trânsito / Bucaneiros, Sonia Ushiyama, Andrea Soares / Núcleo Pé de Zamba, Cris Eifler, e grupo Guarani, de Parelheiros. O circo estará representado por, pelo menos, três grupos: Cia Teatro de Rocokóz e Circo Dani Biu com um grupo de alunos.

Outros cantores também participam da semana: Negravat, Lucas Santana, MC Kunumi e Olivio Jekupé, Leticia Coura e Revista do Samba, Consuelo de Paula, Izabel Padovani, Madalena Bernardes e Kaique Theodoro, os grupos Vozes Bugras, formado só por mulheres, e Saminina, de forró, e as bandas Mirim e Poin, que fazem espetáculos de musica e teatro com uma pegada infantil.

A Semana acontecerá em outras regiões em outras regiões com ações específicas, como a Cia. Paideia, na zona Sul e Grupo Circo Teatro Palomar, na zona Leste. Além de leitura do manifesto da Arte Contra a Barbárie em boa parte dos espetáculos levados pela cidade.

Na terça, dia 18, o programa prevê um encerramento apoteótico, com bandas e blocos de Carnaval.

Outras cidades

Algumas cidades do interior de São Paulo – Campinas, São José do Rio Preto, Mairiporã, São José dos Campos, Piracicaba, Ribeirão Preto, Jacareí, Matão, Americana, Sorocaba, Capivari, Suzano, Franco da Rocha e Francisco Morato -, e também de outros estados – Belo Horizonte, Minas Gerais e Crato, no Ceará- aderiram à ideia e estão organizando ações engajadas com o mote da Semana: arte livre para todos.

Importante salientar que a Semana resgata o Movimento Arte Contra a Barbárie, lançado em 1999, como manifesto e mobilização inicial de sete companhias teatrais contra a mercantilização da cultura e em prol da construção de uma política cultural pública e democrática.

A programação está sujeita a modificações e poderá ser confirmada no site artigoquinto.art.br

Artistas e grupos de Produção, Programação, Comunicação, Manifesto e Finanças, num total aproximado de 56 profissionais, estão trabalhando voluntariamente, sem cachês, para realizar a Semana. Produtores, atores, designers gráficos, fotógrafos, assessores de imprensa, cantores, educadores, dramaturgos, roteiristas, diretores teatrais, bailarinos, artistas circenses, coreógrafos, bailarinos, músicos, compositores e cineastas uniram-se ao Movimento Artigo Quinto para lutar pela liberdade de expressão, pela democracia e contra o desmonte da Cultura.

APOIO:  Radar Sound, Usina Sonora, Gustavo Breier e Bruta Flor.

BLACK BRECHT: E SE BRECHT FOSSE NEGRO?

Espetáculo Black Brecht: E se Brecht fosse Negro?, montagem do coletivo Legítima Defesa livremente inspirada na peça O Julgamento de Luculus, de Bertolt Brecht volta em cartaz no dia 31 de janeiro, sexta-feira, às 21h, no Centro Cultural São Paulo, Espaço Cênico Ademar.

Perante o Supremo Tribunal do Reino das Sombras apresenta-se Luculus Brasilis, o general civilizador, que precisa prestar contas da sua existência na terra para saber se é digno de adentrar no Reino dos Bem-Aventurados. Sob a presidência do juiz dos Mortos, cinco jurados participam do julgamento: um professor, uma peixeira, um coveiro, uma ama de leite e um não-nascido. Estão sentados em cadeiras altas, sem mãos para segurar nem bocas para comer, e os olhos há muito apagados. Incorruptíveis.

O diretor Eugênio Lima, partiu das questões centrais da obra de Brecht para a concepção da montagem. “Pensamos nas dimensões que unem classe, raça e gênero e também o legado colonial dessa construção social. A partir daí convidamos a dramaturga Dione Carlos para trabalhar junto com o grupo. Construímos a peça em três tempos não lineares: o tempo dos vivos, o tempo dos mortos e o tempo dos não nascidos. Para quebrar com essa linearidade, esses tempos se tocam. É o que chamo de uma oferenda na esquina do futuro. A gente precisa recuperar a capacidade de imaginar outros futuros e para isso é preciso desconstruir o legado colonial sobre o passado. Carregar as memórias dos nossos ancestrais e trazer para dentro da nossa vida cotidiana”, fala o diretor.

Durante a pesquisa o coletivo Legítima Defesa se debruçou sobre aquilo que começou como uma provocação: E se Brecht fosse Negro? Nesta provocação, qual seria o lugar ocupado pela raça? Sua obra seria lida por uma perspectiva interseccional? Unindo classe, raça e gênero? Seria possível construir um espetáculo sobre uma perspectiva afro brasileira diaspórica da obra e dos procedimentos de Brecht?

O espetáculo estreou no Sesc Pompeia no dia 18 de abril de 2019. A trama da peça foi construída durante uma ocupação do Legítima Defesa, no próprio Sesc Pompeia, em novembro de 2017. Em março de 2018, também na Unidade, foi apresentado ao público mais uma etapa, com um módulo de imersão (encenação). Em junho de 2018 o projeto Black Brecht: E se Brecht Fosse Negro? Foi comtemplado com o Prêmio Zé Renato de apoio à produção e desenvolvimento da atividade teatral para a cidade de São Paulo. A peça foi eleita pelo Guia da Folha entre as melhores estreias do ano de 2019 e, também foi escolhida pelo blog Cacilda, da fotógrafa Lenise Pinheiro, para figurar entre os destaques do ano.

FACE

Black Brecht: E se Brecht fosse Negro?

Com Eugênio Lima, Walter Balthazar, Luz Ribeiro, Jhonas Araújo, Palomaris Mathias, Tatiana Rodrigues Ribeiro, Fernando Lufer, Luiz Felipe Lucas, Luan Charles, Marcial Macome e Gilberto Costa

Centro Cultural São Paulo – Espaço Ademar Guerra (Rua Vergueiro, 1000, Paraíso, São Paulo)

Duração 110 minutos

31/01 a 01/03 (dia 21, 22 e 23/02 não haverá apresentação)

Sexta e Sábado – 21h, Domingo – 20h

$20

Classificação 18 anos