O QUEBRA-NOZES

Tradição de final de ano, o Teatro Alfa recebe a 36ª temporada do espetáculo natalino de Tchaikovsky O Quebra-Nozes, interpretado pela Cisne Negro Cia de Dançade 12 a 22 de dezembro (com exceção dos dias 16 e 17), em um total de 13 apresentações, incluindo matinês. Horários – Quarta a sexta-feira, 20h30. Sábado, 17h e 20h. Domingo, 15h e 18h. Além do elenco fixo, dançam bailarinos e atores performáticos especialmente contratados. Os solistas convidados são Marcelo Gomes, brasileiro, estrela Internacional do balé; Alice Mariani, italiana, 1ª bailarina do Dresden Semperoper  Ballet, Alemanha (de 12 a 15/12); e os brasileiros Cícero Gomes, 1º bailarino do Theatro Municipal do Rio de Janeiro e sua partner Manuela Roçado (Rio de Janeiro), que se apresentam de 18 a 22 de dezembro.

Encenado em dois atos, o balé conta a fantasia de Clara, uma menina que na noite de Natal ganha muitos presentes, mas se encanta de uma maneira especial por um deles, um boneco quebra-nozes. Quando todos vão dormir, Clara vai à sala para brincar com seu novo presente, adormece e entra no mundo da fantasia – os brinquedos ganham vida, dançam, lutam, viajam para O Reino das Neves e Reino dos Doces, onde Clara e seu príncipe são homenageados com danças típicas de vários países e com um gracioso grand pas-de-deux da Fada Açucarada. Criada em 1891 pelo compositor russo Pyotr Ilyich Tchaikovsky, a versão da Cisne Negro Cia de Dança tem direção artística de Hulda Bittencourt Dany Bittencourt.

Com direção artística de Hulda Bittencourt e Dany Bittencourt, conta com a colaboração de ensaiadores de expressão na área da dança, como a bailarina e maitre Daniela Severian e a ensaiadora da Cisne Negro Cia de Dança Patrícia Alquezar. A criação de O Quebra-Nozes foi inspirada em uma adaptação francesa de um trecho do conto Nussknacker und Mauserkonig (Quebra-Nozes e o Rei dos Camundongos), de Hoffmann. Tchaikovsky se encantou com as colorações sinistras e fantásticas que envolvem a história e compôs a música para o balé. O resultado é uma obra repleta de fantasia e romantismo.

Tradicional na cidade de São Paulo, o espetáculo recebeu em 2012 o Prêmio Governador do Estado como Melhor Espetáculo de Dança – preferência popular. O Quebra-Nozes conta com a colaboração de ensaiadores de expressão na área da dança, como a professora Denise Siqueira (ex-bailarina e solista de O Quebra-Nozes) e a ensaiadora e assistente de direção da Cisne Negro Cia de Dança, Patrícia Alquezar. O balé apresentará efeitos especiais circenses e acrobacia de tecido a cargo do Circo Escola Picadeiro, considerada uma das mais respeitadas escolas circenses do Brasil, criada em 1983, por Wilson Moura Leite, que tem em seu currículo ex-alunos atuando em importantes companhias no Exterior, alguns deles inclusive no Cirque Du Soleil.

Destaca-se também neste ano a participação de bailarinas integrantes da Usina da Dança, projeto social desenvolvido pelo Instituto Oswaldo Ribeiro de Mendonça – IORM, de Orlândia-SP, fundado pela empresária Josimara Ribeiro de Mendonça, que atua pelo desenvolvimento integral de crianças e adolescentes na região Nordeste do Estado de São Paulo e mantém parceria com a Cisne Negro Cia. de Dança. No saguão do Teatro, haverá a apresentação de corais convidados, interpretando músicas natalinas, uma hora antes do início dos espetáculos, sob a coordenação da pianista Maria Inês Vasconcellos. O espetáculo conta com maquiagem e visagismo criados pela equipe Jacques Janine, sob a supervisão de Chloé Gaya. “É uma obra que nos faz embarcar no sonho de Clara, transportando-nos a um mundo de imagens fascinantes, repletas de magia e beleza, que ficam gravadas para sempre em nossas mentes e em nossos corações“, diz Hulda Bittencourt, fundadora da companhia e diretora artística do espetáculo O Quebra-Nozes.

Breve sinopse

O Quebra-Nozes conta a história de Clara e seu precioso boneco Quebra-Nozes, presente de seu padrinho, o mago Drosselmeyer. Juntos, eles enfrentam uma cruel batalha contra o Rei dos Ratos e seu exército, viajando pelo Reino das Neves até o Reino dos Doces.

FACE (2)

O Quebra-Nozes

Com Cisne Negro Cia de Dança

Teatro Alfa (R. Bento Branco de Andrade Filho, 722 – Santo Amaro, São Paulo)

Duração 120 minutos

12 a 22/12 (não haverá sessão dia 16 e 17)

(sessão popular 18/12 – 4a as 16h – $20/$40)

Quarta, Quinta e Sexta – 20h30, Sábado – 17h e 20h, Domingo – 15h e 18h

$75/$160

Classificação Livre

INAUGURAÇÃO SEDE CIRCO ZANNI

O Circo Zanni vai inaugurar a sua sede na Raposo Tavares, com apresentações nos dias 30 de novembro, 1.º, 7, 8 de dezembro de 2019. O novo endereço, próximo de São Paulo, faz parte das novidades pensadas para a região pelo grupo circense que comemora 15 anos de atividades com a inauguração do mais novo ‘centro cultural de Cotia’.

O espetáculo do Zanni reúne uma estrutura próxima do circo clássico com características do circo contemporâneo. O público poderá assistir números aéreos, de acrobacia, de equilíbrio, de palhaçaria, entre outros, embalado pela música da banda Zanni. O espetáculo dura 60 minutos e a direção artística foi feita por Domingos Montagner. A direção musical é de Marcelo Lujan.

A decisão de ter um endereço fixo em Cotia é resultado do sucesso da companhia e ponto alto do aniversário de 15 anos. O terreno onde ficará a lona – quilômetro 26 da Rodovia Raposo Tavares, sentido São Paulo – vai contar com área para alimentação, banheiros e estacionamento.

A programação que será desenvolvida no novo endereço prevê atividades como oficinas, cursos, palestras, aulas e, evidentemente, espetáculos. Com a nova empreitada, o grupo quer consolidar um espaço permanente, um equipamento cultural vivo.

Com a possibilidade de ter um local fixo para o desenvolvimento das atividades artísticas e pedagógicas e de difusão sistemática, pretendemos ao longo do tempo agregar artistas, formadores, jovens em formação e comunidade para usufruir do fomento à cultura do circo na sua mais ampla gama de possibilidades”, afirma Márcia Nunes, produtora do Zanni.

Segundo Márcia, com a programação regular de atividades abertas à comunidade “será possível agregar a força criativa e de trabalho de colaboradores com quem temos estreita relação e interesse de intercâmbio e oferecer ao público um contato com o circo que contemple tanto a fruição do espetáculo como atividades de interesse público”, afirma.

FACE

História

Criado em 2004, o Zanni visa resgatar a importância dos espetáculos circenses apresentados sob lona em centros urbanos. Sua arte encanta plateias, seduzidas pela magia e beleza dos espetáculos. Entre os fundadores da companhia estão nomes de relevo da arte circense como Domingos Montagner, Daniel Pedro, Erica Stoppel, Fernando Sampaio, Isabel Mucci, Luciana Menin, Marcelo Lujan, Maíra Campos e Pablo Nordio.

Reconhecido pela sua excelência artística, o Zanni conseguiu incorporar características dos circos clássico e tradicional. Em São Paulo, já ocupou importantes territórios da cidade em diversas temporadas, com apresentações no Parque Augusta, no Memorial da América Latina, no Shopping Raposo, em várias unidades do Sesc, no Parque do Povo, entre outros.

FACE (1)

Inauguração sede do Circo Zanni

Com Circo Zanni

Quilômetro 26 da Rodovia Raposo Tavares sentido São Paulo

30/11 a 08/12

Sábado – 19h, Domingo -17h

$60

Classificação Livre

A ÚLTIMA ESTROFE

A Última Estrofe faz curta temporada no espaço Pessoal do Faroeste, em São Paulo, somente aos domingos, em dezembro (1,8,15 e 22).

A direção é de Rodrigo Ferraz, que comemora 15 anos de carreira no teatro e no audiovisual. O elenco é formado por Wood Moura, Daniel Alexs, Whintney Polato, Carola Valente, Rafael Sabinos e Evelyn Simões.

De autoria do jovem ator e dramaturgo Wood Moura, em parceria com Whintney Polato, A Última Estrofe fala de paixão, ódio e possessão. É o primeiro texto teatral assinado pela dupla de artistas. Reúne suspense, drama, audiovisual, interatividade e muita música.

Dado é um cantor no auge do sucesso, que está passando por um momento de dúvidas na sua vida e conhece um policial que o salva de um precipício. De caráter duvidoso, Dado não vai medir esforços para conquistá-lo; mal sabe ele que a partir desse dia começa uma nova jornada na sua trajetória. Você faria de tudo pra conquistar alguém? Sim ou não?

O diretor Rodrigo Ferraz leva para o teatro a sua experiência no audiovisual.  A peça conta com a exibição de curtas-metragens que fazem uma introdução sobre a vida de cada personagem. Os vídeos serão exibidos antes do início de cada sessão e trazem participações muito especiais de Ferraz, e dos atores Eliana Guttman, Erick Zamorim, Bianca Belain e Ray Vieira.

Outro destaque da montagem é a trilha sonora, que além de composições musicais exclusivas, traz grandes sucessos do rock brasileiro dos anos 80 e 90. O público tem a tarefa de decidir o final da história.

FACE (2)

A Última Estrofe

Com Wood Moura, Daniel Alexs, Whintney Polato, Carola Valente,Rafael Sabinos e Evelyn Simões

Sede Luz do Faroeste (R. do Triunfo, 301 – República, São Paulo)

Duração 85 minutos

01 a 22/12

Domingo – 19h30

$20

Classificação 16 anos

PAREM DE FALAR MAL DA ROTINA

Em comemoração aos 17 anos em cartaz e com milhões de espectadores, o espetáculo Parem de falar mal da rotina reestreia no Teatro João Caetano, centro do Rio, dia 21 de novembro.

Com o apoio institucional do Governo do Rio de Janeiro, da Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa e da Fundação Anita Mantuano de Artes do Estado do Rio de Janeiro, o monólogo apresentado pela poetisa, jornalista e escritora capixaba Elisa Lucinda, em tom de conversa informal, traz 56 personagens expressando os sentimentos mais simples do cotidiano. A atriz mistura o amor, a dor, o óbvio, com as histórias vividas e ouvidas por ela, além de poemas retirados de três dos seus livros: O semelhante (1995), Eu te amo e suas estreias (1999) e A fúria da beleza (2006).

O espetáculo interativo propõe uma divertida reflexão e utiliza versos e conversas despojadas sobre a rotina, uma espécie de espelho capaz de projetar mil possibilidades, provocando verdadeiras transformações nas relações humanas.

A peça nasceu das inúmeras lições que a natureza nos ensina todo dia. A grande lição é a capacidade de estreia que faz tudo na natureza acontecer de forma espetacular, di-a-ri-a-men-te: o nascer do sol, o pôr do mesmo sol, o céu, a chuva, as estrelas, os ventos e as tardes. A natureza ensina a toda gente, mas, às vezes, alunos distraídos que somos, não vemos o lindo óbvio que ela nos oferece e as dicas que ela pode nos dar na condução do nosso cotidiano”, diz a atriz.A plateia é conduzida a perceber que “a rotina” é uma ideia fictícia, e que os sujeitos têm em si o poder da mudança, como protagonistas das suas próprias vidas.

FACE (1)

Parem de Falar Mal da Rotina

Com Elisa Lucinda

Teatro João Caetano (Praça Tiradentes, s/n – Centro, Rio de Janeiro)

Duração 150 minutos

21/11 até 15/12

Quinta, Sexta e Sábado – 19h, Domingo – 18h

$50

Classificação 12 anos

Teatro João Caetano – Telefone: (21) 2332- 9257

Classificação: 12 anos. Duração: 150 minutos.  Gênero: Comédia

 

Ficha Técnica

Texto, direção e atuação: Elisa Lucinda. Assistente de Direção: Geovana Pires. Cenografia: Gisele Licht.  Figurinos: Christina Cordeiro.  Iluminação: Djalma Amaral.  Criação do design: Tangerina Designer.  Design gráfico e Projeto Gráfico: Marcello Queiroz. Direção de Produção: Caio Bucker.  Produção Executiva e Turnê: Ricardo Fernandes.  Operação de luz e som: Alessandro Persan. Assistência de Produção: Aline Monteiro. Camareiro e Contrarregra: Eduardo Pires. Assessoria de Imprensa: Carlos Gilberto. Assessoria Jurídica: Renan Nazário. Realização: Bucker Produções Artísticas e Casa Poema.

 

Nestes momentos difíceis e ao mesmo tempo importantes na trajetória da nossa democracia, mais me agrada ainda entrar em cartaz com o Parem de Falar Mal da Rotina, a tão mal falada rotina. Defendo-a porque sei que se somos autores dela, somos também responsáveis por sua qualidade na parte dela que nos compete. Essa comédia reflexiva nos leva a crer que se pode pensar e rir ao mesmo tempo”.

Elisa Lucinda

TODA NUDEZ SERÁ CASTIGADA

Clássico da dramaturgia brasileira, TODA NUDEZ SERÁ CASTIGADA, de Nelson Rodrigues, chega aos palcos em uma releitura cênica pelas mãos dos diretores Carolina Guimarães e Vitor Moreno. A nova montagem estreia dia 29 de Novembro, sexta-feira às 21h, na SP Escola de Teatro – Sede Roosevelt, e traz no elenco os atores Alex Slama, Dandara Terra, Danilo Rosa, Leonardo Silva e Paloma Gavinhos.

Com apresentações nas sextas e sábados às 21h, domingos às 19h e segundas-feiras às 21h – até 16 de Dezembro – TODA NUDEZ SERÁ CASTIGADA conta a história do viúvo religioso Herculano, que se encontra em um dilema quando seu irmão, no intuito de ajudá-lo, marca um encontro com uma prostituta. Apesar das memórias da esposa, Herculano se apaixona pela linda Geni, causando um alvoroço na família, especialmente com seu filho único, Serginho, que se recusa a aceitar o novo relacionamento do pai.

Na releitura cênica do universo rodrigueano proposta pela dupla de diretores, o espetáculo se apropria de máscaras e de uma atmosfera mais lúdica, estabelecendo uma encenação mais poética e leve com o intuito de aproximar o público do texto. Para a diretora Carolina Guimarães o público já possui um imaginário sobre Nelson Rodrigues e o objetivo da encenação é trazer um novo olhar com ênfase no texto. “A montagem valoriza o ator em cena, por isso a concepção cenográfica parte de objetos simbólicos que completam o jogo cênico do ator, como as máscaras”, conta ela.

Máscaras sociais

Já o diretor Vitor Moreno explica que a encenação é repleta de símbolos e que as máscaras possuem várias leituras, pois cada personagem é representado pela máscara de um animal. “Cada ser humano tem seu animal interno, além das famosas máscaras sociais. A ideia é tornar o público cúmplice tirando o peso da encenação sem uma atmosfera densa”, completa ele.

TODA NUDEZ SERÁ CASTIGADA é uma tragédia pautada na hipocrisia da sociedade brasileira e como uma forma de se reinventar diante dessa sociedade, já que a repressão do desejo é o que gera todo o conflito da peça. O principal símbolo é a cama de casal que ocupa o centro do palco e representa o indivíduo na sociedade. Ao redor desta cama, as máscaras e figurinos estão vestidos em bustos de cada personagem trazendo a forma da persona viva e presente durante toda a encenação. Todos os cinco atores vestem malhas em tons de nude, representando o nu, e quando entram em cena vestem as máscaras e figurinos. “Isso ocasiona a sensação de que as personagens estão o tempo todo fazendo parte da cena e de uma sociedade observadora, que julga todos os fatos da história”, dizem os diretores.

FACE

Toda Nudez Será Castigada

Com Alex Slama, Dandara Terra, Danilo Rosa, Leonardo Silva e Paloma Gavinhos

SP Escola de Teatro – Sede Roosevelt – Sala Alberto Guzik (Praça Roosevelt, 210 – Consolação, São Paulo)

Duração 80 minutos

29/11 até 16/12

Sexta e Sábado – 21h, Domingo – 19h, Segunda – 21h

$40

Classificação 14 anos

PRESENTE DE ANIVERSÁRIO

Com o desejo de levar às crianças uma ressignificação das datas comemorativas, sobretudo o aniversário, evidenciando seu sentido de celebração, o grupo Os Tapetes Contadores de Histórias decidiu transformar em teatro o valor do encontro e a alegria das pessoas estarem juntas com o espetáculo PRESENTE DE ANIVERSÁRIO. A montagem, que tem direção de Cleiton Echeveste, faz apresentações gratuitas na CAIXA Cultural São Paulo de 28 de novembro a 8 de dezembro, quinta-feira a domingo, às 15h.

Em PRESENTE DE ANIVERSÁRIO três pitorescos viajantes (Warley Goulart, Edison Mego e Cadu Cinelli) chegam ao lugar ideal onde uma criança está prestes a nascer. Mas antes, eles precisam lidar com suas diferenças, a fim de compreender o que significa escuta e amizade. Então estes divertidos andarilhos se valem de narrativas que levarão enfim à consumação de tão esperada comemoração. A relação entre os três personagens vai pouco a pouco revelando a importância da consciência da diferença como caminho afetivo e base emocional para a construção da amizade.

Para o ator Cadu Cinelli, a peça nasceu do desejo de levar às crianças uma ressignificação das datas comemorativas, sobretudo o aniversário, evidenciando seu sentido de celebração. “Por isso, vimos a importância de produzir uma   experiência   que ressaltasse o valor do encontro e a alegria de estarmos juntos”, explica ele. Já o ator Warley Goulart conta que a delícia e a ousadia da montagem residem na proposta de transformar o evento teatral em um parabéns coletivo e pensar a importância das datas comemorativas como oportunidades de comemorar a alegria de viver.

Contos inspiram objetos em tecidos

Pensando no tema do aniversário, o grupo Os Tapetes Contadores de Histórias chegou a três pilares poéticos: o “tempo”, contado através das estações do ano, das primaveras, com sentido de transformação e amadurecimento; o “bolo”, objeto de comunhão a partir do ato de preparar a comida e repartir em presença e coletivamente e o “presente”, como símbolo do oferecimento de si para o outro. “Tais pilares nos conduziram a quatro contos: os mitos gregos de Deméter e Rei Midas, o conto americano João Esperto Leva o Presente Certo e a história da tradição russa A Bela Wassalissa”, diz Cadu Cinelli.

Para tal, os artistas do grupo costuraram inusitados objetos de tecido que servem de cenário para os contos escolhidos: Para o mito Deméter e Perséfone, costuraram um poncho que vai se abrindo, com bolsos internos de onde deuses gregos surgem para explicar o porquê das estações do ano e no mito do Rei Midas criaram um extenso pergaminho, dividido em quadros que, no desenrolar, vão ilustrando o mito do rei da Frígia que teve que aprender a lidar com as consequências ao desejar o toque de ouro.

Já para o conto João Esperto Leva o Presente Certo, o grupo inventou uma casa que se abre e se transforma num grande bolo de aniversário. A história mostra como o “melhor presente” não necessariamente é algo material, mas a presença do outro ao nosso lado. Ao final, todas as crianças cantam parabéns, fazendo seus votos para um futuro melhor. E por fim há o conto A Bela Wassaliza, com caixas com tecidos bordados com imagens da história, em que uma sai de dentro da outra como as matrioskas russas.

Oficina e roda de conversa

Durante a temporada do espetáculo PRESENTE DE ANIVERSÁRIO, o grupo Os Tapetes Contadores de Histórias realizam na CAIXA Cultural São Paulo a oficina Ateliê de Histórias sobre a arte de contar histórias e uma roda de conversa sobre as práticas de narração de histórias no meio urbano e nos contextos profissionais.

A oficina Ateliê de Histórias acontece nos dias 30 de novembro e 1º, 7 e 8 de dezembro, sábados e domingos, das 9h às 12h com mediação de Warley Goulart. Durante a oficina são realizadas dinâmicas sobre as práticas narrativas, de como contar histórias e as reflexões sobre o tema. Nos últimos dois encontros os participantes são convidados a confeccionar um suporte que sirva de cenário para contar histórias com papéis de presente aos moldes dos materiais utilizados pelo grupo. Já a roda de conversa acontece dia 6 de dezembro, sexta-feira, ás 18h. Com mediação de Cadu Cinelli os participantes serão convidados a expor suas experiências e vivências com a narração de histórias, ou seus desejos de projetos, e a partir do acolhimento e escuta do que foi exposto serão feitos convites a reflexão sobre o papel da narração de histórias nos dias de hoje.

FACE (4)

Presente de Aniversário

Com Warley Goulart, Edison Mego e Cadu Cinelli

Caixa Cultural São Paulo (Grande Salão – Praça da Sé, 111 – Centro – São Paulo)

Duração 60 minutos

28/11 até 08/12

Quinta, Sexta, Sábado e Domingo – 15h

Grátis (distribuição de ingressos a partir das 9h do dia do evento)

Classificação Livre

CAOS

Impasses e surpresas que todos estão sujeitos a vivenciar no dia a dia da cidade do Rio de Janeiro estão reunidos no espetáculo Caos, de Rita Fischer, que é apresentado no dia 15 de novembro durante as Satyrianas e estreia na sexta-feira seguinte, dia 22, no Espaço Parlapatões. A peça estreou em 2018 no Teatro Serrador, no Rio de Janeiro, teve uma turnê de três meses em Portugal (em Lisboa e Porto) e agora vai para a sua sexta temporada, que marca a sua estreia em São Paulo

Com direção de Thiago Bomilcar Braga, a montagem é uma reunião de contos que a atriz e idealizadora do projeto escreveu ao longo dos últimos anos. Interferências, desconfortos, possíveis perdas, maus tratos, indiferenças, acidentes e desvios da cidade caos foram todos vividos e experenciados por ela.

A peça convida o espectador a fazer parte do universo autobiográfico de Rita e suas observações sobre os choques urbanos e seus desdobramentos éticos. Em cena, a atriz e idealizadora do projeto divide o palco com a atriz Maria Carol, que empresta sua visão de mundo para movimentar o tráfego e acentuar ainda mais o caos da autora. Ao todo são quinze contos encenados, abordando desde as mazelas sociais ao vício de postar fotos nas redes sociais, passando por sentimentos pessoais de Fischer.

Achamos de suma importância realizar este espetáculo porque não sou somente eu que vivencio o caos no dia a dia. Estamos literalmente largados numa cidade que já foi maravilhosa e agora é habitada e governada pelo descaso e negligência em quase todas as esferas. E tomando como ponto de partida que o teatro pode ser um grande ‘agente transformador’ para pensarmos e criarmos um mundo melhor, nada mais atual e pertinente do que falar sobre o Rio de Janeiro de uma forma bem-humorada, reflexiva, crítica e atual”, propõe a dramaturga.

Esses contos, que foram sendo publicados ao longo dos últimos anos no Facebook, carregam um grito de dor e amor para tentar tornar um mundo, ou melhor, um Rio de Janeiro melhor. E sendo todos nós criadores do mesmo; porque não? “Caos” fala sobre o humano e sobre essa realidade que vivenciamos, ora como sujeito, ora como objeto desses possíveis e prováveis encontros.

FACE (2)

Caos

Com Maria Carol e Rita Fischer

Espaço Parlapatões (Praça Roosevelt, 158, Consolação – São Paulo)

Duração 60 minutos

22/11 até 13/12

Sexta – 21h     

$40

Classificação 12 anos