O FRENÉTICO DANCIN’ DAYS

Asas abertas, feras soltas, o Rio de Janeiro era uma festa. E não havia lugar mais adequado para celebrar do que o Frenetic Dancing´Days Discotheque, boate idealizada pelos amigos Nelson Motta, Scarlet Moon, Leonardo Netto, Dom Pepe e Djalma. E por que não resgatar esse tempo quando o carioca era feliz e sabia? Os dias de alegria estão de volta!

Ao lado de Patrícia Andrade, o próprio Nelson Motta assina a história de ‘O Frenético Dancin’ Days’. O musical marca a estreia da coreógrafa e bailarina Deborah Colker na direção de um espetáculo teatral, com realização das Irmãs Motta e Opus e direção de produção de Joana Motta.

O musical será uma superprodução, com 17 atores e sete bailarinos, escolhidos através de audições, à exceção de Stella Miranda, uma das mais importantes atrizes de musicais do país, que foi convidada especialmente para o projeto. Além de Stella, que interpreta Dona Dayse, o elenco é formado por: Ariane Souza (Madalena), Bruno Fraga (Nelson Motta), Cadu Fávero (Djalma), Franco Kuster (Léo Netto), Gabriel Manita (Inácio/Catarino), Karine Barros (coro/stand in feminino), Larissa Venturini (Scarlet), Natasha Jascalevich (Bárbara), Thadeu Matos (Tony Manero), além das Frenéticas: Carol Rangel (Edyr de Castro), Ester Freitas (Dhu Moraes), Ingrid Gaigher (Lidoca), Julia Gorman (Regina Chaves), Larissa Carneiro (Leiloca) e Ludmila Brandão (Sandra Pêra).

WhatsApp Image 2018-07-11 at 22.25.20

Elenco e Equipe Produção

Deborah Colker (que acaba de ser premiada na Rússia com o Prix Benois de la Danse, considerado o Oscar da Dança) assina também as coreografias e terá ao seu lado uma ficha técnica de peso: Gringo Cardia (cenários), Maneco Quinderé (designer de luz) e Alexandre Elias (direção musical). Passarão pelo palco os principais personagens que marcaram não apenas a história da boate, mas da cultura nacional.

A noite carioca fervia nos anos 70, quando a casa foi criada para inaugurar também o Shopping da Gávea. A cena disco estava explodindo em Nova York, mas ainda não tinha acontecido no Brasil. O Dancin´Days foi inaugurado em 05 de agosto de 1976 e marcou a chegada da discoteca no país. Lady Zu, Banda Black in Rio, Tim Maia, a pista da boate fervia. Na casa, se apresentaram nomes como Rita Lee (ainda com o Tutti-Frutti), Raul Seixas, Gilberto Gil.

Entretanto, nada causou tanta sensação quanto o surgimento das Frenéticas. Contratadas inicialmente como garçonetes, elas também faziam uma breve apresentação durante a madrugada. O sucesso foi imediato: Leiloca, Sandra Pera, Lidoca, Edyr, Dhu Moraes e Regina Chaves logo abandonaram as bandejas e assumiram os holofotes. Elas foram o primeiro grupo contratado da multinacional Warner, que estava aportando no Brasil. O país inteiro cantou ‘Dancin´Days’, ‘Perigosa’, ‘O Preto que satisfaz’ (abertura da novela ‘Feijão Maravilha’, da TV Globo), entre tantas outras.

Freneticas

As Frenéticas

A boate funcionou por apenas quatro meses, pois o contrato era limitado ao período que antecedia a abertura do Teatro dos Quatro. Ela celebrava um Rio e um país que conseguiam ser livres, apesar da ditadura militar. A casa reunia famosos e anônimos, hippies e comunistas, todas as tribos com o único objetivo de celebrar a vida. O sucesso foi tamanho que a casa foi reaberta no Morro da Urca e inspirou a novela ‘Dancin´ Days’, de Gilberto Braga, que tinha a música homônima das Frenéticas como tema de abertura. O país inteirou caiu na gandaia e entrou na festa.

E é justamente esta festa que estará de volta a partir de agosto. O espetáculo relembrará grandes clássicos da discoteca como ‘I love the nightlife’, ‘You make me feel might real’, ‘We are Family’, ‘Y.M.C.A’, ‘Stayin´alive’, além de clássicos das Frenéticas e grandes sucessos nacionais da época, como ‘Marrom Glacê’ e ‘A noite vai chegar’, entre outros. O Rio de Janeiro voltará a sorrir!

Abaixo, as Frenéticas interpretam a música tema da boate.

O Frenético Dancin’ Days

Com Stella Miranda, Ariane Souza, Bruno Fraga, Cadu Fávero, Franco Kuster, Gabriel Manita, Karine Barros, Larissa Venturini, Natasha Jascalevich, Carol Rangel, Ester Freitas, Ingrid Gaigher, Julia Gorman, Larissa Carneiroe Ludmila Brandão

Teatro Bradesco Rio – Shopping Village Mall (Avenida das Américas, 3900 – Barra da Tijuca, Rio de Janeiro)

Duração 120 minutos

24/08 até 21/10

 

Sexta – 21h, Sábado – 17h e 21h, Domingo – 18h

$75/$160

Classificação Livre

 

 

 

NÓS DO MORRO – ENCONTROS, 32 ANOS DEPOIS

O Nós do Morro completa 32 anos de história e, para comemorar essa marca, apresenta o espetáculo “Encontros, 32 anos depois”. Uma releitura da primeira produção do grupo, será encenada nos bairros da Pavuna, Penha e Madureira, entre os dias 14 e 30 de junho, com preços populares. Além disso, será realizado também debates sobre arte e cultura, encerrando com SLAM de poesia.

Nada poderia ser mais emblemático, quando o Grupo foi fundado há mais de 30 anos, a produção foi a primeira a ser apresentada pelo Nós do Morro, em 1987, e tinha o nome de “Encontros”. Com argumentos preparados por Luís Paulo Corrêa e Castro, a história fala da vida dos adolescentes do Vidigal na década de 80, mostrando os principais pontos de encontro e reunião e os problemas enfrentados no cotidiano dos moradores de uma favela em plena “década perdida”.

Revisitar esse texto é uma forma de celebrar, além de ser um exercício de memória que possibilita voltarmos para nós mesmos e, ao retratar esses “Encontros”, 32 anos depois, percorremos a nossa própria história e nos fortalecemos no crescimento humano e na sensibilidade artística que nos construiu. Assim, o Grupo festeja a sua história e os inúmeros encontros que possibilitaram a sua consolidação, renovando a sua missão de atuar pela ampliação do acesso à arte e à cultura aos moradores das periferias cariocas”, completa a diretora de produção, Dani Carvalho.

Antes de tudo, Encontros é uma celebração à vida desses jovens sonhadores que, impossibilitados de contar com políticas públicas que os ajudassem a ter acesso aos bens de produção cultural e a uma vida melhor, se viravam como podiam, fazendo do seu viver uma forma de expressão de uma geração que vivia à margem das benesses da sociedade de consumo e do mundo da “alta cultura”, afirma o diretor artístico e fundador do Nós do Morro, Guti Fraga.

Hoje, após tantas décadas e mudanças no mundo, a peça volta à cena em uma releitura assinada por Fabrício Santiago, com colaboração de Álamo Facó. O argumento é o mesmo e os conflitos permanecem, mas as situações foram adaptadas para o contexto atual, com a dinâmica de uma sociedade cada vez mais impactada pela globalização. A remontagem desse espetáculo é a prova de que a semente germinada com a criação do Nós do Morro frutificou, mostrando que a iniciativa idealizada por Guti Fraga, Fred Pinheiro, Luís Paulo Corrêa e Castro e Fernando Mello da Costa serviu de espelho para uma série de movimentos culturais criados em favelas e bairros da periferia, formando crianças, jovens e adultos e mostrando que a vida vivida na arte é muito mais bonita.

Ainda criança, o maior sonho da minha vida era simplesmente conseguir viver da minha arte. E, ao ter a sorte de encontrar com a escola de teatro Nós do Morro, o meu sonho se tornou possível. Retornar ao grupo nesse momento como dramaturgo é um dos presentes mais especiais de toda minha trajetória”,  diz o dramaturgo de “Encontros 32 anos depois”, Fabrício Santiago.

Apesar da diferença de 31 anos entre a primeira montagem e essa, a importância ainda é bastante latente na história, não somente do Nós do Morro, mas de tantas outras comunidades espalhadas pelo Rio de Janeiro e pelos demais estados brasileiros.

O texto falava do cotidiano da favela, porque era importante que os moradores se reconhecessem e, através dessa experiência, vislumbrassem a vivência artística como algo próximo e tangível, atuando pela democratização do acesso à arte. Acreditávamos na possibilidade de aliar formação artística à responsabilidade social. Entendíamos o processo de criação artística como uma filosofia de vida, capaz de formar cidadãos atentos aos problemas do mundo e generosos com os outros. Então, remontar esse texto é uma forma de reafirmar que continuamos acreditando em tudo o que nos motivou desde o início. A nossa história nos mostra que o Grupo Nós do Morro é uma iniciativa que deu certo e, diante desses 32 anos, temos a certeza de que apenas começamos. Que venham os próximos 32”, salienta Fraga.

 Crédito fotografico Felipe Paiva.JPG

Encontros, 32 anos depois

Com Alexandre Cipriano, Alice Coelho, Bruno Borges, Cida Costa, Danilo Martins, Deivison Santos, Diego Francisco, Edson de Oliveira, Felipe Paulino, Jeckie Brown, João Vítor Nascimento, Leilane Pinheiro, Mariana Alves, Marília Coelho, Nathália Mattos, Pablo Sobral, Ramon Francisco, Sônia Magalhães, Taiana Bastos, Thaís Dutra, Tiago Ebeneze

Arena da Dicró (rua  Flora Lôbo, 184 – Penha Circular, Rio de Janeiro)

*haverá tradução em libras para a apresentação do espetáculo

23 de junho – Debate sobre arte e cultura encerrado com SLAM de poesia

Horário: 16h

Entrada franca

23 de junho –  Apresentação do espetáculo

Horário: 20h

Telefone: (21) 3486-7643

Valor do Ingresso: Inteira R$10,00 e meia R$5,00

Arena Fernando Torres (rua Bernardino de Andrade, 200– Madureira, Rio de Janeiro)

29 e 30 de junho – Apresentações do espetáculo

Horário: 20h

Telefone: (21) 3495-3078

Valor do Ingresso: Inteira R$10,00 e meia R$5,00

30 de junho – Debate sobre arte e cultura encerrado com SLAM de poesia

Entrada franca

Horário: 16h

GODSPELL

O espetáculo Godspell, sucesso em 2015, ganha nova temporada a partir de 5 de junho no Teatro Serrador. De autoria de John-Michael Tebelak, direção de João Fonseca, direção musical de Tony Lucchesi e coreografia de Victor Maia, a nova temporada fica até dia 26 de junho, com sessões às terças e quartas sempre às 19h30. Com exceção da última semana, quando as sessões serão na segunda e terça.

Após seu lançamento, nos anos 70, o musical virou imediatamente o emblema de toda uma geração e um clássico da Broadway ao subverter a estética e a narrativa comumente associada a figura de Jesus. Não buscava desvirtuá-lo,  mas sim aproximando a essência de sua mensagem à realidade de todos nós através de canções pop-rock que se tornaram clássicos do teatro musical e da música mundial. Mas isso foi em 1970 nos Estados Unidos da América – e agora?

O amor em primeiro lugar, é isso que Godspell quer nos mostrar. E esse discurso se faz muito atual, já que vivemos em tempos tão difíceis e decisivos, onde constantemente somos levados à guerrear com nossos pares – literalmente e metaforicamente – o nosso espetáculo e a nossa companhia viu necessária à nossa volta aos palcos para levar essa mensagem sobre amizade, lealdade e amor – diz Lyv Ziese, do elenco da peça.

A peça já havia ganhado releitura de João Fonseca em 2015, que na época decidiu juntar um grupo de jovens atores para montar o musical usando elementos da cultura popular brasileira e a linguagem jovem atual, ele revisitava por completo a obra e propunha uma versão inédita e genuinamente brasileira do clássico da Broadway. Porém a nova remontagem do diretor promete algumas novidades!

As parábolas, as canções e as cenas divertidas de Godspell traçam o caminho de cada integrante do grupo para compreender a filosofia do “bem viver”, proposta no Evangelho de São Matheus, como um caminho para transformar o processo caótico que rege as relações humanas na sociedade atual. Dito isso, longe de ser veículo de uma mensagem religiosa, Godspell é engraçada, emocionante, jovem, popular, acessível e resgata a essência da mensagem do evangelho: a tolerância e o amor – complementa Caio Loki, responsável pela designer de arte e figurino.

IMG_0454

Godspell

Com Alain Catein, Analu Pimenta, Bernardo Dugin, Carol Botelho, Deborah Marins, Diana Cataldo, Erick de Luca, Gabi Porto, Giovanna Rangel, Ingrid Gaigher, Joana Mendes, João Telles, Leo Bahia, Lyv Ziese, Oscar Fabião, Raphael Rossatto e Ugo Cappelli  Swing: Tecca Ferreira

Teatro Serrador (Sen. Dantas, 13 – Centro, Rio de Janeiro – RJ)

Duração 120 minutos

05 a 26/06

Terça e Quarta – 19h30 (com exceção da última semana, quando será na segunda e terça)

$40

Classificação Livre

PERDOA-ME POR ME TRAÍRES

Escrita por Nelson Rodrigues no ano de 1957, a peça “Perdoa-me por me traíres” volta a ser encenada no Espaço Furnas Cultural, em Botafogo, em curta temporada com entrada gratuita. Com elenco formado por Bebel Ambrosio, Bob Neri, Clarissa Kahane, Ernani Moraes, Gabriela Rosas, João Marcelo Pallottino, Rose Lima, Tatiana Infante e Wendell Bendelack, sob a direção de Daniel Herz, a reestreia acontece no dia 16 de junho.

O espetáculo, que já ganhou diversas encenações por todo o Brasil e até mesmo pelo mundo, conta a história de Glorinha, uma adolescente órfã. Reprimida pelo tio com quem vive, ela é instigada por sua melhor amiga, Nair, a conhecer o mundo dos bordéis. Seu tio, Raul, ao descobrir que a sobrinha se prostitui, decide então revelar segredos sobre a sua origem. Esses segredos podem mudar o rumo da história.

A peça é um clássico de Nelson Rodrigues, um presente para qualquer ator e esse também será para a plateia, que poderá desfrutar desse universo encantador, que hipnotiza o público. Todos os ingredientes da obra de Nelson estão lá: desejos, traições, morte, sexo, vingança, violência física e moral, prostituição e todos esses sentimentos que regem a humanidade até os dias de hoje e estão longe de serem datados.

Sobre o que o estimulou a trabalhar nessa nova montagem, Daniel Herz, que já dirigiu também a obra “Valsa nº 6”, do mesmo autor, explica: “Nelson é universal e por isso sempre atual, mas é importante não deixar a singularidade do ´sotaque´ rodriguiano parecer uma cena cheia de naftalina. Manter a linguagem, mas parecer que ela é dos nossos dias, do nosso momento histórico. Esse é o grande desafio”. Daniel acredita ainda que Nelson se repete com uma originalidade incrível e que dirigir “Perdoa-me…” é virar um pouco todos eles: a doença e a paixão que cada personagem carrega. Para finalizar Herz ainda diz “Ele é o nosso Shakespeare. Genial. Único! Poderia ficar o resto da vida só montando Nelson.”

O cenário, com assinatura de Fernando Mello da Costa, é composto por venezianas, que brincam com uma das principais questões dessa peça: o que se revela e o que não deve ser revelado. No palco também está em cena o que vai além do sentido real, já que ali está exposta a sujeira que a água não limpa e a que a muitos atormenta e atordoa: a sujeira moral. Os atores ainda contam com a ajuda da psicanalista Evelyn Disitzer que os auxilia na composição dos traços de personalidade de cada personagem.

Nesse momento em que a cultura passou a ser uma coisa menor, onde o teatro é visto como algo menor na cabeça de algumas pessoas, a gente ter a coragem de encenar Nelson Rodrigues, esse autor maldito, só pode ser benéfico para todos. Acredito que vamos buscar um pote atrás do arco-íris, nessa montagem que promete -, diz Ernani Moraes.

 CARMEN (1).png

Perdoa-me por me traíres

Com Bebel Ambrosio, Bob Neri, Clarissa Kahane, Ernani Moraes, Gabriela Rosas, João Marcelo Pallottino, Rose Lima, Tatiana Infante e Wendell Bendelack

Espaço Furnas Cultural (Real Grandeza, 219 – Botafogo, Rio de Janeiro)

Duração 80 minutos

16 a 24/06

Sábado e Domingo – 19h

Entrada gratuita

Classificação 14 anos

PIPPIN TEM ESTREIA MARCADA

O musical “Pippin” volta aos palcos brasileiros depois de mais de 40 anos da sua primeira montagem. No dia 02 de agosto, a dupla de diretores e produtores Charles Möeller e Claudio Botelho estreiam o espetáculo no Teatro Clara Nunes, na cidade do Rio de Janeiro.

Foi um exercício de paciência na procura por patrocínio para montar o espetáculo. Isto porque a dupla já tinha o direito do musical desde 2015. Tinha sido divulgado que a atriz Beatriz Segall, que na época ira estrear “Nine”, seria a vó Berthe.

O elenco do musical foi divulgado hoje em uma matéria feita pelo jornalista do Estadão, Ubiratan Brasil.

1528743248531

É composto por Felipe de Carolis (Pippin), Totia Meireles (M.C.), Adriana Garambone (Fastrada), Jonas Bloch (Carlos Magno), Cristiana Pompeo (Catharina), Luiz Felipe Mello (Theo), Nicette Bruno (Berthe), Guilherme Logullo (Lewis).

A trupe circense será vivida por Analu Pimenta, Bel LimaBruninha RochaDaniel LackFlavio RochaJessica AmendolaJoão Felipe Saldanha, Paulo Vitor, Rodrigo Cirne, Sérgio Dalcin Victoria Aguilera.

Suely-nanini-pippin-1

Montagem nacional de 1974

Houve uma primeira montagem no país em 1974, dois anos após a estreia na Broadway. No elenco, entre outros, Marco Nanini no papel principal e Marília Pera, como M.C, que inovou em ser a primeira mulher a viver o papel de M.C. (sua substituta na montagem era Suely Franco). Somente 40 anos após, que a atriz norte americana Patina Miller interpretou o mesmo papel.

 

Gene Foote, coreógrafo-assistente de Bob Fosse no espetáculo da Broadway, veio ao país para ensinar a coreografia.

Pippin é um musical escrito e musicado por Stephen Schwartz, com libretto de Roger O. Hirson e direção e coreografia por Bob Fosse.

Conta a história de Pippin, um jovem príncipe, filho mais velho do rei Carlos Magno, em busca de autoconhecimento e de um significado para a sua vida. Sua história é narrada por uma Mestre de Cerimônias e uma trupe. Nessa jornada, após assumir o trono, percebe que não é tão diferente quanto seu pai.

 

 

 

 

 

FALE MAIS SOBRE ISSO

Com 25 anos de carreira na TV, no teatro e no cinema, a atriz e psicóloga Flávia Garrafa (que atuou nas séries “Tô de Graça”, do Multishow, e “Surtadas na Yoga”, da GNT; e no filme “O Candidato Honesto”, de Roberto Santucci) desembarca no Rio de Janeiro com seu monólogo cômico Fale Mais Sobre Isso, idealizado por seu companheiroPedro Vasconcelos (diretor dos filmes “Fala Sério, Mãe!”, “Dona Flor e Seus Dois Maridos” e “O Concurso”).  Depois de seis temporadas esgotadas em São Paulo, a peça entra em cartaz no Rio de Janeiro entre 7 de maio e 25 de junho, no Teatro dos 4, no Shopping da Gávea, com sessões às segundas-feiras, sempre às 20h.

Dirigido por Pedro Garrafa, irmão e sócio da atriz, o espetáculo é o primeiro texto teatral escrito por Flávia. A peça discute com muito humor a capacidade e o desejo de mudança das pessoas que procuram a psicoterapia. Em cena, uma psicóloga conhece as angústias, dúvidas, questionamento e desconforto de quatro pacientes.

A terapeuta Laura está na faixa dos quarenta anos e, como a maioria das mulheres, divide seu tempo entre cuidar da família e da carreira. Sob a ótica dessa figura, a plateia acompanha o atendimento do Sr. B, um jovem de cerca de 30 anos que tem a organização e a metodologia como lemas de vida; da Sr. C, que foi trocada por uma mulher mais jovem e, ao invés de sentir tristeza, fica feliz e sente-se culpada por isso; do Sr. D, que acredita ser Deus; e de Alice, uma senhorinha doce de 78 anos que nunca conseguiu falar o que realmente sente.

Os pacientes são inspirados na vida real, mas não em uma experiência minha como psicóloga ou de qualquer outra pessoa. Eu pensei em como seriam essas pessoas no psicólogo. Acho que são tipos muito comuns que se comportariam de maneira muito peculiar em um consultório e dariam muito material para o terapeuta. É muito importante que os casos não se resolvam todos, porque a psicologia não é magia, não é conto de fadas. É a vida real, e, como em qualquer outra profissão das saúde, às vezes os problemas não têm solução”, explica Flávia.

Além da vida real, outra inspiração para a peça foi o romance “Mentiras no Divã”, de Irvin D. Yalom. “A partir desse livro eu comecei a ver como um consultório pode ser ficcionalmente interessante. Reli também muitos volumes do Freud, como ‘A Interpretação dos Sonhos’, e conversei com muitos psicólogos. Na verdade,  continuo conversando com eles e mudando sempre a peça, porque isso é fundamental”, acrescenta.

A ideia de juntar teatro e psicologia surgiu em 2015, graças a Pedro Vasconcelos, que, por conhecer muito bem a atriz, sugeriu que ela escrevesse e interpretasse um texto sobre a vida de cinco personagens em busca de mudanças. “É a realização de um desejo levar para o palco a junção dessas tão antagônicas profissões: psicóloga e atriz. O texto busca mostrar o lado da terapeuta, as falas das outras personagens acabam por esclarecer quem é a psicóloga, seus medos e questões”, conta a atriz e dramaturga.

image001

Fale Mais Sobre Isso
Com Flávia Garrafa
Teatro dos 4 – Shopping da Gávea (Rua Marquês de São Vicente, 54 – Gávea, Rio de Janeiro)
Duração 70 minutos
07/05 até 25/06
Segunda – 20h
$60
Classificação 14 anos

A DAMA E O VAGABUNDO – O MUSICAL

A Dama e o Vagabundo, clássico da literatura infantil e imortalizado pelas mãos de Walt Disney, em 1955, a partir de um conto original do norte-americano Ward Greene, reestreia dia 5 de maio no Teatro Fashion Mall, 17h.

Dirigido e adaptado por André Breda e direção musical de Cosme Motta, a produção da RPR Produções conta a clássica história de Dama (Carol Leipelt), uma Cocker Spaniel acostumada ao luxo e aos carinhos de seus donos que vê sua vida se transformar quando estes têm um bebê. No contraponto, Vagabundo (Caio Godard), um vira-lata acostumado com os perigos das ruas da cidade, possuidor de um enorme instinto de sobrevivência e de uma boa dose de malandragem.

Com linguagem moderna, em relação ao famoso filme, que conta a história de amor entre uma cadela de raça e um vira-lata, completam o elenco os atores Debora Mesquitta (Shelly), Daniel de Mello (Bidu), Nicolas Moraes (Caco), Alison Weller (Humano), Clarice Monteiro (Humana) e Bruna Natali (Lily).

Ao fugir de casa, Dama se perde pela cidade, cruzando seu “mundo perfeito” com o contrastante universo em que vive Vagabundo, de quem dependerá para conseguir sobreviver em meio aos perigos que habitam nas esquinas da cidade.

Ela é uma Dama. Ele é um Vagabundo. Dois mundos; duas realidades; um caminho cruzado. O que será que acontece quando nos arriscamos a conhecer o desconhecido? No mínimo uma grande aventura! Claro que falamos dos nossos melhores amigos, os cachorros!

A Dama e o Vagabundo nos mostra que temos um mundo inteiro a descobrir, que o mais importante está nas pequenas coisas, que não precisamos de muito para ser feliz, mas, principalmente, que o encaixe perfeito está onde as diferenças se completam!

Com músicas originais, cantadas ao vivo, e personagens que encantam a todos os públicos, o musical foi eleito, pela Revista Veja, como um dos 5 melhores espetáculos infantis em sua primeira temporada, no Teatro Vannucci.

A nova temporada tem sessões aos sábados e domingos, 17h, até dia 27 de maio.

Márcia Lopes (2).jpg

A Dama e o Vagabundo – O Musical
Com Carol Leipelt, Caio Godard, Debora Mesquitta, Daniel de Mello, Nicolas Moraes, Alison Weller, Clarice Monteiro, Bruna Natali
Teatro Fashion Mall – Sala II – Shopping Fashion Mall (Estrada da Gávea, 899 – São Conrado, Rio de Janeiro)
Duração 55 minutos
05 a 27/05
Sábado e Domingo – 17h
$60
Classificação Livre