5ª EDIÇÃO DE O ‘DIA DOS MUSICAIS’

O Dia dos Musicais’ realiza sua quinta edição e conquista novos espaços no mercado e no país. Após três anos sendo promovido em São Paulo, o evento chega ao Rio de Janeiro dia 12 de novembro, no Teatro Prudential, para criar conexões a partir da Arte e do Teatro Musical através de workshops, fóruns, palestras, espetáculos musicais, a vivência de uma Audição Simulada e um grande show de encerramento. “Neste ano estamos falando especificamente do teatro musical brasileiro e autoral. Queremos estimular as pessoas a tirarem seus projetos do papel, tem muita coisa na programação direcionado pra essa galera mais empreendedora” comentam Jessé e Lurryan, produtores do evento. O projeto soma forças pela primeira vez com o grupo Nós do Morro, a fim de democratizar o evento, e se alia a Benfeitora, uma plataforma de mobilização de recursos, para promover um financiamento coletivo em prol de todo este acesso.

Produzido e idealizado por Lurryan Nascimento e Jessé Scarpellini, ‘O Dia dos Musicais’ foi projetado em 2016 para permitir o intercâmbio e troca de ideias no meio criativo do teatro musical. Durante um dia inteiro, fãs, atores, produtores, professores entre outros profissionais podem adquirir novos conhecimentos e ter contato com outras dinâmicas e práticas participando de aulas e palestras exclusivas com profissionais renomados no mercado nacional. O evento que reúne ao todo mais de 20 aulas com duração de 1:20h cada, criando durante 12h um grande espaço cultural e artístico, busca ainda promover a pesquisa, o estudo, o aprimoramento e o fortalecimento do gênero em todo o Brasil, sendo este o grande mote da edição, empenhada a estimular a criação de novos projetos, dramaturgias, espetáculos e parcerias por meio de sua grade cultural e educacional.

Para a edição carioca, foi criada uma campanha de financiamento coletivo para custear parte da estrutura da realização do evento e, fundamentalmente, viabilizar o acesso dos jovens do Morro do Vidigal atendidos pelo programa Nós do Morro. Na plataforma é possível encontrar todas as possibilidades de colaborar com o projeto, partindo de R$15, e conhecer as recompensas para os apoiadores.

PROGRAMAÇÃO

Aberta para maiores de 10 anos e desenvolvida a partir das três grandes verticais do Teatro Musical – Canto, Dança e Atuação – a programação deste ano contará com a participação de profissionais conhecidos do mercado como Reiner Tenente, Eduardo Rios, Marcelo Castro, Chiara Santo, Beatriz Lucci, Carol Botelho, Fabiana Tolentino, Tony Lucchesi e Hugo Kertz. Entre as possibilidades de trilhas de conteúdo que o público visitante poderá escolher, estão temas como expressão corporal, técnica vocal e modalidades de dança. Haverá ainda um circuito de palestras voltadas para o entendimento do mercado de Teatro, o cenário feminino na Arte e como impulsionar um projeto, esta última ministrada pela Benfeitoria.

Outra atividade desenvolvida com foco em possibilitar aos participantes vivenciarem a experiência do mercado é a Audição Simulada. Os interessados poderão se apresentar para uma banca e receber dicas dos profissionais para aprimorarem suas técnicas e se prepararem para os futuros processos seletivos.

Além da programação educativa, serão realizadas apresentações dos espetáculos “Lugar de Escuta”, do coletivo M.O.T.I.M, o premiado “Cargas D’Água – Um Musical de Bolso” e “Brilha La Luna – O Musical”, todos produções originais, seguindo a linha defendida pelo evento, que, neste ano, visa valorizar essencialmente o teatro musical brasileiro, munindo de ferramentas àqueles que desejem adentrar ao mercado em todas as suas áreas.

Como forma de flexibilizar o acesso ao evento e aos conteúdos promovidos, existem diversas formas de adquirir ingressos para o grande dia imersivo no universo dos musicais. Os interessados podem se inscrever em uma, duas ou três atividades, adquirindo passaportes com outras programações atreladas e a possibilidade de parcelar tudo em até 3x.

TRÊS ANOS DE SUCESSO

Realizado pela Dracma Produções, ‘O Dia dos Musicais’ já se posiciona no calendário anual como um dos pontos de encontro de quem vive e respira Teatro Musical. Crescendo ano após ano, o evento reuniu já na sua última edição em São Paulo mais de 1000 envolvidos entre artistas, professores, estudantes, imprensa e fãs. Além de São Paulo, outra capital que recebeu o evento foi Recife, em Pernambuco. A realização do evento no Nordeste, além de marcar a expansão do projeto, demonstra a preocupação em promover o Teatro Musical além do Sudeste.

BeFunky-collage

O Dia dos Musicais

Teatro Prudential (R. do Russel, 804 – Glória, Rio de Janeiro)

12/11

Terça – 10h às 22h

Ingressos disponíveis no site e mais informações: www.odiadosmusicais.com.br

Classificação Livre

NASTÁCIA

Baseado em Nastácia Filíppovna – heroína do clássico “O Idiota”, de Fiódor Dostoiévski – o espetáculo une o teatro a outras linguagens artísticas (como instalação e videoarte) para contar a história de uma das mais instigantes personagens femininas da literatura universal. Com direção de Miwa Yanagizawa e dramaturgia de Pedro Brício, “Nastácia” estreia em 23 de outubro no Teatro III do Centro Cultural Banco do Brasil RJ, onde fica em cartaz até 22 de dezembro. A peça fez sua estreia nacional em agosto deste ano no CCBB Belo Horizonte – onde os ingressos de toda a temporada esgotaram em duas semanas. “Nastácia” tem patrocínio do Banco do Brasil.
 
Idealizadora do projeto, a atriz Flávia Pyramo interpreta Nastácia. “Ela é um exemplo de mulher que transformou fragilidade em força, que lutou por sua dignidade com muita coragem, mesmo vivendo um turbilhão interno e uma violência terrível. Contar sua história foi meu objetivo nos últimos seis anos. Falar sobre Nastácia no teatro, hoje, é uma forma de dar um grito coletivo: chega!”, destaca. No elenco, ao lado de Flávia, estão Julio Adrião (que vive Totski) e Odilon Esteves (interpretando Gánia).
 
A peça se passa no apartamento de Nastácia, na noite do seu aniversário. Ela deve anunciar seu casamento com Gánia, união articulada pelo oligarca Totski, homem que a transformou em concubina desde a adolescência e a submete a um verdadeiro leilão naquela noite. Flávia conta que a ideia de fazer o espetáculo sobre uma personagem, com um recorte específico de um momento da sua história, veio de Kamas Ginkas, diretor de teatro russo que montou “KI from Crime”, uma adaptação de “Crime e Castigo”.
 
Essa peça me marcou bastante. Já amava o livro e fiquei com muita vontade de fazer um espetáculo sobre a Sônia, uma personagem linda de ‘Crime e Castigo’, mas quando eu conheci Nastácia, fiquei louca por ela. A escolha do recorte na festa do seu aniversário se deu pela importância deste momento da história dela, o momento em que ela enfrenta seu algoz e toda a sociedade que a rodeia, e trata a todos e ao seu dinheiro (com o qual tentaram comprá-la) com o mais altivo desdém”, destaca Flávia.
 
Para o dramaturgo Pedro Brício, repulsa e atração são forças conflitantes nos três personagens. “Na festa há outros convidados que não vemos, estão subtraídos na encenação e são apenas mencionados. São aparências e ausências”, conta. A festa não acontece de maneira cronológica. “O passado irrompe de repente e toma conta da cena. A força do que aconteceu antes da festa está ali. A potência do drama dos personagens é o que nos arrebata, por ser tão vertiginoso, por se transformar de uma hora para outra diante dos nossos olhos”, conclui.
 
Passado e presente
 
Concebido entre 1867 e 1869, “O Idiota” está longe de ser anacrônico. Segundo o Datafolha, no ano passado 1,6 milhão de mulheres foram espancadas ou sofreram tentativa de estrangulamento no Brasil; e 22 milhões (37,1%) de brasileiras passaram por algum tipo de assédio. Para a diretora do espetáculo Miwa Yanagizawa, a arte é um espaço em que o artista pode, como mediador, reumanizar estatísticas devastadoras como essas.
 
Às vezes, os números são terríveis, eles nos espantam sem tocar. São séculos de opressão e crueldade contra as mulheres e, muitas vezes, acho que não nos vemos responsáveis pela manutenção de tais tragédias humanas. Tomamos distância como se elas pertencessem a outro universo, como coisas que acontecem somente fora de nossas casas. Lemos números e seguimos nossas vidas repetindo gestos que alimentam a irracionalidade e a negligência com os outros, mas, sem perceber, estamos colaborando com o crescente e alarmante número da violência contra a mulher”, analisa.
 
Principal tradutor da obra de Dostoiévksi para o português, Paulo Bezzera destaca que a história de Nastácia, como tudo em Dostoiévski, é de uma espantosa atualidade. “Primeiro ela é vítima de um grão-senhor e gentleman pedófilo, que se vale do repentino estado de miséria dela e do muito dinheiro que possui e a transforma em concubina aos 12 anos de idade, sem sofrer qualquer censura da sociedade: é o poder do dinheiro falando mais alto. Depois, já adulta, é vítima de um amante paranoico, que, por não conseguir conquistar seu amor, simplesmente a mata. Portanto, duas formas de crime contra a mulher: o crime alicerçado no dinheiro e o crime derivado da impossibilidade de conquistar o coração e a mente da mulher. Ou seja, o crime motivado pelo sentimento de posse, pela tentativa de coisificação da mulher”, explica.
 
Instalação artística
 
Além dos figurinos e da direção de arte, Ronaldo Fraga assina a instalação artística que fica em exibição no Teatro III, de quarta a domingo, das 9h às 17h, com entrada franca. Durante o espetáculo, a instalação é o cenário que abriga a trama. É uma forma de amplificar a crítica presente em “Nastácia” e dialogar ainda com outros fortes temas abordados em “O Idiota”, como a descrição dos rostos dos personagens. O Príncipe Míchkin (o homem positivamente belo retratado por Dostoiévski) diz que, ultimamente, se fixa muito nos rostos. “Ele é o único que consegue ver as pessoas além da aparência”. A questão da beleza é muito presente no romance: o contraste da beleza enquanto matéria e a beleza dos valores de amor e compaixão.
 
A narrativa dos retratos de Dostoiévski também foi inspiração para o cineasta Cao Guimarães, autor da videoarte que integra a instalação. Em sua primeira incursão no teatro, ele diz que o trabalho foi realizado por meio de imagens e sons que se relacionam direta e indiretamente com “Nastácia” e “O Idiota”. Mas o principal objetivo, segundo ele, é ampliar a crítica e a reflexão em torno de um comportamento costumaz e perverso: a objetificação da mulher.
 
FACE
Nastácia
Com Flávia Pyramo, Julio Adrião e Odilon Esteves
Centro Cultural Banco do Brasil RJ (Rua Primeiro de Março, 66 – Centro, Rio de Janeiro)
Duração 100 minutos
23/10 até 22/12
Quarta a Domingo – 19h30
$30
Classificação 16 anos

MUSICAL SOBRE AYRTON SENNA RODA POR RIO E SÃO PAULO

Uma caravana composta por um caminhão-palco exclusivo, além de outros veículos de produção, repletos de artistas se prepara para pegar a estrada pelo interior do país. A Stone, fintech de serviços financeiros, selou uma parceria com a Tenente Mendes e a Aventura, na qual fundaram uma nova companhia de teatro. Uma plataforma itinerante se apresentará a partir de novembro nas cidades de São José dos Campos, Taubaté e Guaratinguetá, em São Paulo, além de Resende e Volta Redonda, no Rio de Janeiro. O projeto é apresentado pelo Ministério da Cidadania e Stone, com produção da Tenente Mendes e coprodução Aventura.

A Stone sempre teve como um de seus grandes diferenciais a atenção e foco em ajudar pequenos e médios empreendedores do interior do Brasil a vender mais e gerir melhor o seu negócio para crescer sempre. Esse mesmo pensamento nos fez escolher essas cinco cidades que sempre nos acolheram para começarmos esse projeto grandioso, que levará cultura, entretenimento e lições de empreendedorismo”, explica Augusto Lins, presidente da Stone.

Em praças de cada cidade, um caminhão se transformará em palco com tecnologia de elevação de teto e estrutura impecável de iluminação e som para apresentação do espetáculo biográfico inédito “Ayrton Senna – O Musical”. Com dramaturgia de Ana Velloso e direção de Sérgio Modena e Gustavo Wabner, o musical conta a história de vida de um dos maiores pilotos de Fórmula 1 de todos os tempos, embalado por grandes nomes da música brasileira, como Roberto Carlos, Milton Nascimento, Seu Jorge, Paralamas do Sucesso e Caetano Veloso. “A história do Ayrton Senna irá inspirar a todos com sua determinação e resiliência, características essenciais, principalmente para donos de negócios”, conclui Augusto.

A cada semana, a partir do dia 01 de novembro, uma cidade diferente irá receber a Cia. Stone de Teatro, onde serão realizadas quatro apresentações gratuitas, sendo que uma delas será exclusiva para escolas da região.  Durante o final de semana, também serão oferecidas atividades para crianças, como contação de histórias e cinema, com filmes sobre o Senninha. Outro destaque serão os workshops de canto, dança e interpretação, com Reiner Tenente (coordenador pedagógico do projeto) e produção cultural, com Anita Carvalho, oferecendo oportunidades de aprendizados com nomes renomados do mercado de entretenimento. Boas risadas também não vão faltar. Durante a programação estão previstas sessões de stand up com Nelson Freitas, ator, produtor e humorista com 35 anos de carreira.

Sobre “Ayrton Senna, o musical”:

“Ayrton Senna – O Musical” é uma nova montagem, com texto de Ana Veloso, direção de Sérgio Modena e Gustavo Wabner, direção de movimento e coreografia de Roberta Serrado, direção musical de Tony Lucchesi e Cláudia Elizeu e figurino de Karen Brustolin. O elenco é formado por 12 atores/cantores/ dançarinos: Alex Martins, Alina Cunha, Ana Lobo, Augusto Volcato, Caio Lisboa, Gustavo Fagundes, Joana Mendes, Mateus Penna Firme (que interpretará o piloto), Reiner Tenente, Rhuan Santos, Sarah Plutarcho e Vitor Louzada.

A história do brasileiro Ayrton Senna, tricampeão mundial de Fórmula 1, o levou a ser reconhecido como um dos maiores pilotos de todos os tempos, herói nacional e ídolo internacional. A vida desse campeão, mundialmente consagrado, promete encantar a todos, com o elenco de novos talentos cantando clássicos da MPB, como “Johnny Furacão”, de Erasmo Carlos, “Eu Sou Terrível” (de Roberto e Erasmo) e “Calhambeque” (de Roberto Carlos). Não faltará também a música preferida do piloto, cantada por Bituca, “Canção da América”.

Outros clássicos da nossa música também poderão ser entoados pelas plateias que lotarem as praças, como “Tempo Rei” e “Andar com Fé”, de Gilberto Gil, “Coragem”, sucesso na voz de Diogo Nogueira, “Desesperar Jamais”, de Ivan Lins, “Alma de Guerreiro”, de Seu Jorge, “Velocidade”,  que foi cantada pelo Jota Quest, “Será que vai chover”, hit dos Paralamas do Sucesso e “Oração ao Tempo”, de Caetano Veloso, ajudam a abrilhantar a trilha sonora desse espetáculo musical, que promete emocionar a todos.  Não poderá faltar ainda o “Tema da Vitória”, com direito a imagens da primeira vitória de Ayrton Senna no Brasil.

FACE (1)

Cidades e datas:

São José dos Campos (SP) – 01 a 03 de novembro

Taubaté (SP) – 08 a 10 de novembro

Guaratinguetá (SP) – 15 a 17 de novembro

Resende (RJ) – 22 a 24 de novembro

Volta Redonda (RJ) – 29 de novembro a 01 de dezembro

Programação

Sexta-feira

Abertura

15H – Ayrton Senna, o musical – espetáculo especial para escolas

20H – Ayrton Senna, o musical – estreia para o público

Sábado

14H – Início das atividades infantis

15H – Cine Senninha

16H – Workshop produção cultural: Anita Carvalho

17H – Contação de histórias: Senninha

18H – Stand-up: Nelson Freitas, com Vida de Artista

20H – Ayrton Senna, o musical

Domingo

10H     – Início das atividades infantis

             – Workshop canto

11H     – Cine Senninha

11H30 – Workshop Dança

12H30 – Contação de histórias: Senninha

14H      – Cine Senninha

14H30  – Contação de histórias: Senninha

              – Workshop Interpretação

17H      – Show de artista local

19H      – Ayrton Senna, o musical

3 MANEIRAS DE TOCAR NO ASSUNTO

Um tema, três solos curtos. O espetáculo inédito “3 maneiras de tocar no assunto” é um manifesto artístico contra a homofobia na sociedade moderna. O ator e diretor Leonardo Netto está de volta à dramaturgia depois de “A ordem natural das coisas” – peça cujo texto levou o Prêmio Cesgranrio 2018 e foi indicado ainda aos prêmios Shell, APTR e Botequim Cultural. Com direção de Fabiano de Freitas, “3 maneiras de tocar no assunto” estreia em 3 de outubro no Teatro Poeirinha, no Rio de Janeiro, onde fica em cartaz até 22 de dezembro (de quinta a sábado, às 21h; domingo, às 19h).

Interpretados por Leonardo Netto, os três solos independentes colocam em pauta questões relacionadas à homossexualidade e ao preconceito e intolerância contra o homossexual e a comunidade LGBT em geral. “Homofobia mata todo mundo: o pai que teve a orelha arrancada por beijar o filho, os irmãos que foram linchados por andarem abraçados. Não adianta achar que você está livre porque você não é gay. Estamos vivendo um retrocesso de entendimento sobre isso, um conservadorismo estúpido. A população LGBT no Brasil está alijada de quase setenta direitos previstos na Constituição”, ressalta o autor, que abordou o tema por três instâncias distintas, uma para cada texto: Escola, Lei e Estado.

No primeiro solo, O homem de uniforme escolar, o público assiste a uma aula de bullying homofóbico: o que é, como praticar e quais as suas consequências físicas e emocionais. São histórias reais de crianças e jovens que sofreram com o preconceito e a intolerância na escola.

Na sequência, O homem com a pedra na mão parte do depoimento ficcional de um dos participantes da Revolta de Stonewall, ocorrida em junho de 1969 em Nova York, marco fundamental da luta pelos direitos da comunidade LGBT, que completou 50 anos em 2019. Desenrola-se, então, uma descrição minuciosa da noite em que os frequentadores (gays, lésbicas, travestis, drag queens) do bar Stonewall Inn reagiram, pela primeira vez, a mais uma batida policial no local.

O último solo, O homem no Congresso Nacional, foi construído a partir de falas do ex-deputado federal Jean Wyllys, proferidos entre janeiro de 2011 e dezembro de 2018. Para criar o texto, Leonardo assistiu e transcreveu discursos, pronunciamentos, entrevistas e declarações do Jean e, cuidadosamente, criou o depoimento de um deputado gay e ativista na tribuna da Câmara.

Os textos propõem uma interlocução direta com o público: o que há, afinal, de tão incômodo, maléfico e repugnante na homossexualidade? Por que, através dos tempos, ela teve sempre de ser punida? Por que a orientação sexual de uma pessoa a transforma num cidadão de segunda classe, com menos direitos que o resto da população?

Para dirigir a montagem, Leonardo convidou o ator, dramaturgo e diretor Fabiano de Freitas, um artista-pesquisador dos temas LGBTI+. É a primeira vez que eles trabalham juntos. “Sempre quis trabalhar com o Dadado (apelido de Fabiano). Vi ‘O Homossexual ou a dificuldade de se expressar’, ‘Balé ralé’ (peças que abordavam a homossexualidade) e achei espetacular. Achava que ele teria o olhar perfeito para essa peça”, diz o autor. “Pesquiso e estudo esse personagem que é a bicha e sua identidade negligenciada. Essa peça fala a partir desse lugar. Quando li o texto, pensei: é parte da minha pesquisa”, conta o diretor.

Durante a temporada, estão programados três debates (datas e nomes a confirmar) após a apresentação do espetáculo, com os temas: “Maneira 1 – LGBTI+, Infância e Educação”, “Maneira 2 – As conquistas do movimento LGBTI+ na história” e “Maneira 3 – LGBTI+ e o poder”.

FACE (1)

3 Maneiras de Tocar no Assunto

Com Leonardo Netto

Teatro Poeirinha (Rua São João Batista, 104 – Botafogo, Rio de Janeiro)

Duração 80 minutos

03/10 até 22/12

Quinta, Sexta e Sábado – 21h, Domingo – 19h

$50

Classificação 14 anos

VIRADA SUSTENTÁVEL RIO 2019

No dia de Ação Global pela Agenda 2030 da ONU, 25 de outubro, foi lançada a programação da Virada Sustentável Rio 2019, a maior mobilização de cultura e educação para a sustentabilidade do Brasil. Diversos parceiros do festival estiveram no lançamento, que aconteceu na Casa Firjan. Meditação no Pão de Açúcar, um palco liderado por mulheres no Circo Voador e o Fórum Virada Sustentável são algumas das atrações entre as mais de 400 atividades gratuitas que acontecerão em aproximadamente 30 bairros da cidade, de 17 a 20 de outubro. A programação já está disponível no site  www.viradasustentavel.org.br.

O gerente de Sustentabilidade do Sistema Firjan, Jorge Peron, abriu as apresentações. “Estamos honrados pela parceria institucional com a Virada Sustentável, principalmente pelos nossos pontos de intersecção, que são o trabalho para o desenvolvimento, formação de valores e construção de uma sociedade mais justa e equilibrada. A Virada Sustentável é inclusiva, abrangente e social e tem o mesmo objetivo que o nosso, que é o de não deixar ninguém para trás”, disse.

A Virada Sustentável tem o propósito de aumentar o engajamento da sociedade em relação à sustentabilidade, unindo causas e organizações transformadoras. A programação é repleta de atividades culturais, exposições de artes visuais, shows musicais, oficinas, performances, atividades infantis, rodas de conversa e painéis de debate com temática ambiental, social e econômica. O eixo da programação são os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU.

“O espírito da Virada Sustentável é fortalecer a rede de sustentabilidade. Hoje temos vários exemplos de patrocinadores que conheceram projetos durante a Virada, e de organizações que se conheceram no nosso festival e agora realizam projetos juntos. São várias as possibilidades de conexão e sinergia para a construção de uma cidade melhor para todos, e esse é o nosso melhor legado”, disse Renato Saraiva, diretor da Virada Sustentável no Rio de Janeiro.

Meditação nas Alturas | Bondinho Pão de Açúcar

No dia 17 de outubro (quinta-feira), às 7h, a Virada Sustentável começa no Bondinho Pão de Açúcar com uma grande atividade de meditação em um dos cenários mais inspiradores do Rio. E nos outros quatro dias de festival, estão programadas mais de cem atividades de saúde e bem-estar espalhados pela cidade como yoga restaurativa, constelação familiar, reiki, entre outras.

Palco Delas | Circo Voador

Uma noite comandada por mulheres no Circo Voador será um dos pontos altos da terceira edição da Virada Sustentável no Rio. A cirandeira mais famosa do mundo, Lia de Itamaracá, fará um encontro memorável com o Jongo da Serrinha. Também se apresentam a emblemática banda As Bahias e a Cozinha Mineira e o grupo lúdico e poético Slam das Minas RJ. A Feira Crespa marca presença com venda de artigos produzidos por empreendedoras e militantes da beleza negra. A programação no Circo Voador acontece no dia 17 de outubro, a partir das 19h.

Fórum Virada Sustentável | Casa Firjan

Nos dias 18 e 19 de outubro, o Fórum Virada Sustentável ocupa dois espaços da Casa Firjan: o Auditório e o Lab Cocriação. Cerca de 1500 pessoas são esperadas para debater questões sociais, econômicas e ambientais. Serão quase vinte painéis com especialistas em diversos temas, todos relacionados aos ODS. Amazônia, mudanças climáticas, segurança pública, educação, alimentação e fome zero, diversidade e equidade são alguns temas de exposição de ideias e debates.

Parque Lage e Sesc Tijuca

Arte, cultura, educação, promoção de saúde e bem-estar, ação e conhecimento são as bases das centenas de atividades que acontecem nos dias 18, 19 e 20 nestes dois endereços. No Parque Lage serão 11 espaços com atividades da Virada Sustentável, já o Sesc Tijuca reservou 9 locais para abrigar atividades, entre salas fechadas e espaços ao ar livre.

Alcance territorial

A Virada Sustentável tem o propósito de promover uma grande mobilização comunitária para a construção de uma sociedade mais justa, inclusiva e sustentável, por isso uma das características do festival é a realização de atividades em comunidades e bairros em todas as zonas da cidade. Esse objetivo é alcançado por meio da articulação e parceria com diversas organizações e coletivos sociais. Neste ano, a Virada Sustentável alcança mais de 30 bairros, de Sepetiba e Campo Grande, na zona oeste, a Ramos e Madureira, na zona norte, além das cidades de Niterói, São Gonçalo, Nova Iguaçu, Duque de Caxias e São João do Meriti.

Sobre a Virada Sustentável

A Virada Sustentável é um movimento de mobilização e educação para a sustentabilidade por meio do maior festival cultural sobre o tema do Brasil. A primeira edição no país aconteceu em 2011, em São Paulo. Hoje o festival já está em mais cinco cidades: Rio, Porto Alegre, Salvador, Fortaleza e Manaus.

O festival, idealizado por André Palhano e Mariana Amaral, envolve articulação e participação direta de organizações da sociedade civil, órgãos públicos, coletivos de cultura, movimentos sociais, equipamentos culturais, empresas, escolas e universidades, entre outros, com o objetivo de apresentar uma visão positiva e inspiradora sobre a sustentabilidade e seus diferentes temas para a população, além de reforçar as redes de transformação e impacto social existentes nas diferentes cidades.

ERA MEDEIA

Você sempre age de acordo com seus princípios éticos? Ou será que muitas vezes suas ações e comportamentos contradizem o seu discurso? A partir dessa reflexão se desenrola a trama do espetáculo Era Medeia, que, depois de uma bem-sucedida temporada, estará em cartaz novamente, a partir de 9 de outubro, no Teatro Glaucio Gill, em Copacabana, sempre às quartas e quintas, às 20h, até 24 de outubro. Com supervisão de Cesar Augusto, texto e direção de Eduardo Hoffmann e argumento de Marina Monteiro, a peça se passa durante os ensaios de uma adaptação da tragédia “Medeia”, de Eurípedes, pano de fundo para uma discussão que também passa pelo machismo, o abuso de poder, exposição da vida privada e a importância do processo na criação artística.

Em cena, estão os atores Eduardo Hoffmann, Isabelle Nassar (nas sessões de quarta-feira) e Caroline Monlleo (nas sessões de quinta-feira), que vivem Pedro Lobo, um diretor excêntrico, e Verônica Albuquerque, uma atriz insegura. O público é convidado a assistir a um ensaio aberto do espetáculo no qual estão trabalhando juntos. Aos poucos, o passado deles vem à tona, e os espectadores passam a ser testemunhas de um acerto de contas íntimo entre os personagens.

A escolha de Medeia como o texto que os personagens ensaiam tem um propósito: é um ícone da representação de uma mulher que rompe com os padrões sociais estabelecidos. Apesar de tomar atitudes cruéis, ela é uma personagem que não fica à mercê das decisões e escolhas dos homens à sua volta”, explica o ator e diretor Eduardo Hoffmann. “E aí é que está a contradição. O diretor está montando Medeia justamente para enaltecer a força dessa mulher que rompe com os padrões repressivos e, no entanto, o modo como ele lida com a atriz (que já foi mulher dele) é extremamente repressor e abusivo”, acrescenta.

A partir da exposição da vida íntima do ex-casal, “Era Medeia” também faz uma reflexão sobre por que o público de hoje parece se interessar mais pelos bastidores da criação do que pela própria criação. “O fato de estarmos vivendo uma realidade social e política extremamente espetacularizada contribui para que o caráter ficcional da arte esteja cada vez mais com sua potência diminuída. E já faz bastante tempo que os reality shows tornaram as pessoas personagens mais interessantes aos olhos do público do que os personagens criados nas obras de ficção. É uma extrema necessidade de ser arrebatado pelo REAL, até porque o cotidiano atual está extremamente teatralizado”, analisa Hoffmann.

FACE (1)

Era Medeia

Com Isabelle Nassar, Caroline Monlleo e Eduardo Hoffmann

Teatro Glaucio Gill (Praça Cardeal Arcoverde, s/nº Copacabana – Rio de Janeiro)

Duração 60 minutos

09 a 24/10

Quarta e Quinta – 20h

$30

Classificação 14 anos

MUSICALMENTE, O MUSICAL

O espetáculo, fala sobre a vida de um músico que depois de um tempo no anonimato, recebe uma proposta de trabalho para escrever um musical. E nesse processo criativo, ele se depara com suas angústias, tristezas, amores e tudo isso com uma pitada de humor.

O repertório vai da MPB ao Rock e passeando pelos clássicos dos musicais. Todas as músicas são cantadas ao vivo. Venha viajar na cabeça desse músico você também.

FACE

Musicalmente, o musical
Com Angela de Andrade, Giovanna Toscano e Rafael Nascimento
Teatro Cândido Mendes Ipanema (R. Joana Angélica, 63 – Ipanema, Rio de Janeiro)
Duração 75 minutos
07 a 28/09
Sábado – 20h
$60 ($25 para leitores do Opinião de Peso)
Classificação Livre