CASA DE BRINQUEDOS

O famoso CD Casa de Brinquedos, com canções de Toquinho e Mutinho, ganha uma versão teatral com texto e direção de Carla Candiotto. Depois de passar por várias cidades brasileiras, o musical infantil tem sua estreia em São Paulo no dia 14 de setembro no Teatro Frei Caneca, onde segue em cartaz até 27 de outubro, com sessões aos sábados às 16, e aos domingos, às 15h.

O espetáculo tem direção musical e arranjos de Daniel Tauszig, cenário e figurino de Kleber Montanheiro, iluminação de Wagner Freire, direção de movimento de Fabricio Licursi, direção de produção de Marlene Salgado, idealização e produção de Raul Leite. O elenco tem Bel Nobre, Caio Merseguel, Carolina Rocha, Pedro Arrais, Eduardo Leão, Flávia Strongolli, Gabriel Ebling e Adriano Tunes.

Lançado em 1983, o álbum Casa de Brinquedos reúne canções sobre brinquedos que ganham vida própria por meio das vozes de Toquinho e outros grandes intérpretes da música brasileira, como Simone, Tom Zé, Chico Buarque, Paulinho Boca de Cantor, Carlinhos Vergueiro, Baby Consuelo, Cláudio Nucci e Roupa Nova.

O musical costura dramaturgia e música, trazendo nove das onze canções do álbum original interpretadas ao vivo pelos atores, incluindo os sucessos O Caderno, A Bailarina, O Robô̂ e Aquarela. A trama explora as singularidades de uma turma de brinquedos que busca reviver um passado repleto de brincadeiras e momentos felizes.

A história apresenta um adulto que tem no lucro seu único objetivo de vida. Planeja ganhar muito dinheiro com a construção de um grande empreendimento comercial, mesmo que tenha que demolir tudo em sua volta. É quando surge em seu caminho uma Casa de Brinquedos, habitada pelos saudosos e divertidos brinquedos de seu passado de criança. Após inúmeras aventuras e confusões, os brinquedos entendem que o inquieto menino se tornou um “adulto” insensível e, por fim, desistem de tentar convencê-lo a não destruir tudo. Resolvem então partir, mas antes entregam um caderno que traz as recordações de quem um dia foi um inventivo menino. Com isso, o nosso adulto percebe que a criança que existe em cada um de nós jamais pode ser esquecida.

É a história de um adulto que perde o prazer de viver e só pensa em ganhar dinheiro. Quando se lembra de seu passado e se conecta com sua infância, muda a sua forma de ver o mundo. Toda essa metáfora fala sobre a memória dos brinquedos da nossa infância. Somos feitos de nosso passado”, explica a diretora e autora Carla Candiotto.

Poético e atual, o texto dá suporte para o estilo característico de Carla Candiotto nos palcos, apresentando diálogos ágeis, movimentos precisos e dinâmicas que exploram a magia e humor do universo musical, componentes que possibilitam uma fácil identificação das crianças

FACE

Casa de Brinquedos

Com Bel Nobre, Caio Merseguel, Carolina Rocha, Pedro Arrais, Eduardo Leão, Flávia Strongolli, Gabriel Ebling e Adriano Tunes.

Teatro Frei Caneca – Shopping Frei Caneca (R. Frei Caneca, 569 – Consolação, São Paulo)

Duração 60 minutos

14/09 até 27/10

Sábado – 16h, Domingo – 15h

$80

Classificação livre

O PEQUENO PRÍNCIPE

Baseado no clássico “O Pequeno Príncipe”, de Antoine de Saint-Exupéry, a história começa com a queda de um pequeno avião. Julgando estar só naquele deserto do Saara, o Aviador se surpreende ao ver um garoto que o encanta com suas perguntas e sua ingenuidade com as questões da vida.

Nosso Pequeno Príncipe mostra pelas suas aventuras por outros mundos, tudo o que aprendeu sobre o universo das pessoas grandes: desde o amor pela sua Rosa, que ele julga ser única em todo o universo, até as conversas com sua amiga Raposa, que o ensina que o essencial é invisível aos olhos.

Aos poucos o Aviador se identifica com o garoto e percebe que está se distanciando de sua criança interior, e então parte em busca de um auto conhecimento e percebe que começou uma linda amizade.

Com uma estética trabalhada no universo infantil, com projeções e cenários lúdicos, essa releitura da obra reforça que devemos crescer, mas não esquecer.

FACE (1)

O Pequeno Príncipe

Com André Collin , Bruna Izar, Diego Chimenes , Lucas Brito , Otávio Dutra e Sabrina Estefam

Teatro Espaço ao Cubo (R. Brg. Galvão, 1010 – Barra Funda, São Paulo)

Duração 55 minutos

01 a 29/09

Domingo – 16h

$50

Classificação Livre

FLORESTA DOS MISTÉRIOS

Quando Guta, Rafa e Duda entram na Floresta dos Mistérios, conduzidos pelos misteriosos elementais, eles estão prestes a conhecer não só as forças da natureza, representados pelos mitológicos Saci Pererê, Sereia Iara e Boitatá, mas também a enorme força que existe dentro de cada um deles. Idealizado, escrito e dirigido por Márcio Araújo, o espetáculo infantil Floresta dos Mistérios estreia dia 7 de setembro, sábado, às 16 horas no Teatro Alfa. 

Inclusiva, com áudio-descrição e libras em todas as sessões, a peça utiliza bonecos manipulados que representam as crianças, cada uma com uma deficiência: surdez, Síndrome de Down e paralisia cerebral. “É muito importante dar representatividade a todas as pessoas, sobretudo às minorias, para que o mundo possa conviver em harmonia. Além disso, discutir com o público a questão do desmatamento e do meio ambiente é essencial nesse momento”, afirma Márcio Araújo. Guta, Rafa e Duda lutarão pela preservação da floresta e de toda vida existente lá dentro frente aos planos da ambiciosa prefeita Marta Lúcia, que pretende construir ali a maior fábrica de celulares do mundo, sempre acompanhada de seu fiel escudeiro, o atrapalhado Romildo. Mas os habitantes da mata não pretendem se entregar tão facilmente. Fica, então, a pergunta: é possível um mundo onde tecnologia e natureza possam conviver?

Nessa defesa em favor da floresta, as crianças contracenam com seres folclóricos como o Saci Pererê, a sereia Iara e o Boitatá, com os quais se identificam e criam laços afetivos em função das necessidades especiais de cada criança. Unidos, eles enfrentam a ganância da prefeita. Dessa reflexão, de que o mundo é um lugar com espaço para todos, nasceu a ideia e o desejo de Floresta dos Mistérios, um espetáculo acessível e que traz questões como inclusão, preservação da natureza e valorização da cultura popular brasileira em uma enorme aventura musical.

Criados por Márcio Pontes, referência no teatro de animação, os bonecos têm o tamanho real das crianças. As músicas são de Márcio Araújo e Tato Fischer, compostas especialmente para o espetáculo e cantadas ao vivo. O cenário de Nani Brisque e a luz de Wagner Freire ajudam a contar essa história de superação, inclusão e magia.Com produção e idealização da Humanize Produções e Marujo Produções, o espetáculo amplia a discussão sobre a inclusão social, defesa do meio ambiente e reflete também acerca da tecnologia/desenvolvimento e sustentabilidade. O projeto contempla um site com vídeos de entrevistas, material de apoio pedagógico e curiosidades sobre a peça. Para ter acesso ao conteúdo exclusivo acesse o site do projeto: www.florestadosmisterios.com.br  . É  apresentado pelo Ministério da Cidadania e Volkswagen Financial Services.

FACE.png

Floresta dos Mistérios

Com Clayton Bonardi, Daniel Costa, Daniela Schitini, Débora Vivan, Mateus Menezes, Wesley Leal, Lucas Kelvin e Marizilda Rosa

Teatro Alfa – Sala B (R. Bento Branco de Andrade Filho, 722 – Santo Amaro, São Paulo)

Duração 60 minutos

07/09 até 20/10

Sábado e Domingo – 16h

$40

Classificação Livre

A VERDADEIRA HISTÓRIA DO BARÃO

A Verdadeira História do Barão comemora os 27 anos de trajetória da Cia. Cênica Nau de Ícaros com espetáculo inédito para toda a família. A peça fica em cartaz no Teatro do Sesi-SP de 15 de agosto a 24 de novembro.

Para juntos levarem aos palcos as inacreditáveis aventuras do Barão de Munchausen, a Nau de Ícaros se associou à produtora teatral Marlene Salgado e convidou Marcelo Romagnoli, com reconhecido e consolidado trabalho na Banda Mirim, para assumir a direção e dramaturgia. A montagem mostra uma trupe de teatro itinerante, perdida por terras brasileiras, que tenta sobreviver encenando as histórias fantásticas do famoso Barão. A figura de Munchausen transita entre a verdade e a mentira, o sonho e a realidade, o absurdo e o delírio para narrar fugas incríveis, fatos extraordinários, perigos assombrosos e encontros improváveis.

Considerado um dos maiores contadores de aventuras absurdas, o Barão de Munchausen foi um militar alemão e os relatos de suas andanças pelo mundo serviram de base para o clássico da literatura universal “As Aventuras do Barão de Munchausen”, publicado em 1785 pelo alemão Rudolf Erich Raspe (1736-1794). No cinema, uma das obras mais marcantes foi o longa-metragem de 1988 do cineasta norte-americano Terry Gilliam.

A ideia é abordar o teatro e as artes como elementos transformadores da realidade à medida que fazem o ser humano pensar em novas possibilidades de vida. “Quando escolhemos esse projeto para apresentar ao SESI-SP, que consideramos uma das instituições mais importantes do Brasil para produção e fomento à Cultura, pensamos nessa força de criação de novos imaginários trazida pelo Barão. Há mais de dois séculos, ele já pensava na imaginação como uma maneira de se resolver questões impossíveis. Neste momento tão particular, permeado por tantos retrocessos,  sentimos a necessidade de contribuir para que as novas gerações tenham condições de reinventar sua realidade e até mesmo superá-la, partindo de uma das características humanas mais revolucionária: a criatividade“, explica Marco Vettore, diretor da Nau de Ícaros e idealizador da peça.

Para completar essa trupe, a Nau de Ícaros conta especialmente com a atriz Lu Grimaldi que, com este convite,  sente-se retornando ao início da sua carreira em São Paulo, fazendo parte de um grupo, seu berço no teatro, como declara.

O espetáculo tem entrada gratuita oferecida pelo Teatro do Sesi-SP, com reservas antecipadas de ingressos disponíveis no site do Centro Cultural Fiesp (www.centroculturalfiesp.com.br) a partir do dia 12/08, às 8h. Os ingressos remanescentes são disponibilizados na bilheteria 15 minutos antes da apresentação, no dia do espetáculo.

A encenação

O espetáculo explora a metalinguagem ao contar a história de uma trupe de teatro que encena as aventuras do Barao e, para acentuar esse jogo, revela os truques do teatro, expondo os processos da criação, as trocas de figurino e adereços, a movimentação nas coxias. “A grande força da história está no poder transformador da fantasia, na capacidade de inventar novas realidades, superando todo tipo de limitação. O espetáculo segue a lição do Barão e busca transformar o rotineiro em magnifico”, esclarece o diretor Marcelo Romagnoli.

Além da obra original e do filme, outras referências visuais para a encenação são as técnicas da Commedia Dell’Arte, o período pré-cinema e as gravuras que ilustraram as várias edições do livro de Raspe. A encenação, como é costume nos trabalhos da Nau de Ícaros, une o teatro, circo e a dança, rompendo as fronteiras entre essas linguagens, sem que deixem de estar a serviço da história.

Os figurinos, assinados por Chris Aizner, são criados a partir de sobreposições de peças, misturando elementos do século 18 e modernos. “É um figurino que tende para uma época, mas ao mesmo tempo não define qual é esse tempo, porque a história é atemporal. Essa trupe está ensaiando as histórias do Barão na atualidade, como poderia estar na Renascença, ou no meio do sertão brasileiro”, acrescenta o encenador.

A cenografia de Márcio Medina é composta por elementos que são manuseados o tempo todo pelos atores para construir imagens grandiosas, como um telão com várias paisagens e uma grua que alcança seis metros de altura. A trilha sonora de Marcelo Pellegrini é formada por composições originais, parte tocadas ao vivo, parte gravadas. Já a iluminação de Wagner Freire, aliada a projeções de imagens de Raimo Benedetti, tem o desafio de criar um ambiente íntimo para essas cenas dos ensaios do grupo de teatro e um ambiente de fantasia e encantamento  na hora da apresentação do espetáculo, como um grande sonho. O visagismo dos atores é criado por Leo Pacheco.

FACE (1)

A Verdadeira História do Barão

Com Álvaro Barcellos, Celso Reeks, Erica Rodrigues, Letícia Doretto, Lu Grimaldi e Marco Vettore

Teatro do Sesi – SP (Av. Paulista, 1313 – Jardins, São Paulo)

Duração 60 minutos

15/08 até 24/11

Quinta e Sexta – 11h (exclusivamente para escolas), Sábado e Domingo – 14h

Grátis (Reservas antecipadas de ingressos pelo site http://www.centroculturalfiesp.com.br abertas todas as segundas-feiras, às 8h. Ingressos remanescentes serão distribuídos no dia da apresentação, 15 minutos antes na bilheteria do Teatro.)

Classificação Livre

Agendamentos para escolas: ccfagendamentos@sesisp.org.br

ERA UMA VEZ UMA HISTÓRIA DE PRÍNCIPES E PRINCESAS

A Turma da Mônica retorna aos palcos com a produção musical baseada em clássicos da literatura. Era uma Vez uma História de Príncipes e Princesas, fica em cartaz no Teatro Porto Segurode 7 de setembro a 27 de outubro, com sessões aos sábados e domingos, às 15h. A direção geral do espetáculo é de Mauro Sousa, diretor da Mauricio de Sousa AO VIVO, com supervisão do criador da Turma da Mônica, Mauricio de Sousa.

O cenário parece saído de um livro de contos de fadas, com palácio e florestas, a fábula acontece em ambiente incrivelmente lúdico e inspirador para um público de todas as idades. Os figurinos e as canções foram criados nos estúdios Mauricio de Sousa e dão  o clima para que a Turminha mais amada do Brasil traga em cena referências a inesquecíveis personagens clássicos da literatura mundial, como Chaupezinho Vermelho e o Lobo Mau, Cinderela e seu Príncipe Encantado, Branca de Neve, seu Príncipe Florian e a Bruxa Má, Bela Adormecida e Phillip, Capitão Gancho e até mesmo o Gigante do Pé de Feijão.

Era uma Vez uma História de Príncipes e Princesas é embalado por surpresas, suspenses e muita aventura, numa história encantadora, onde superar desafios pode fortalecer laços de amizade, união e respeito!

Tudo começa no Reino do Limoeiro…

Era uma vez um lindo lugar chamado Reino do Limoeiro, onde moravam uma princesa chamada Mônica e um príncipe chamado Cebolinha que, num belo dia, tiveram suas vidas transformadas por uma Bruxa Má! Então, para que tudo volte ao normal, eles terão que enfrentar muitos obstáculos com a ajuda de seus novos amiguinhos: Cascão Gancho, Chico Pé de Feijão e Magali com seu chapeuzinho vermelho.

A Princesa Mônica é sempre carinhosa, porém sua impulsividade rende boas coelhadas. O Príncipe Cebolinha, vaidoso e esperto, causa grandes transformações com seus planos infalíveis. Magali Vermelho só quer saber de comer os doces da vovozinha. Cascão Gancho é um capitão como nunca se viu, pois não tem medo de trovão, mas foge da água. Chico Pé de Feijão trocou o seu único bem, uma vaquinha, por alguns feijões, na esperança de salvar o planeta Terra sozinho. Ah! Sem falar da Bruxa! Uma trama surpreendente que sai da imaginação e ganha vida para ficar na história de cada um.

De acordo com o diretor do espetáculo, Mauro Sousa, Era uma Vez uma História de Príncipes e Princesas apresenta uma emocionante jornada de amizade. “O espetáculo traz a essência do que é o universo da Turma da Mônica e cumpre bem a missão de transformar as histórias em quadrinhos em experiência lúdica, educativa e cultural.

FACE (1)

Era Uma Vez Uma História de Príncipes e Princesas

Com Turma da Mônica

Teatro Porto Seguro (Al. Barão de Piracicaba, 740 – Campos Elíseos – São Paulo)

Duração 60 minutos

07/07 até 27/10

Sábado e Domingo – 15h

$70/$120

Classificação Livre

GRAND SPECTACLE DU CIRQUE

Nos dias 7 e 8 de setembro, o Teatro Alfa (em SP) recebe a renomada companhia circense Universo Casuo com o “Grand Spectacle Du Cirque”, idealizado pelo artista Marcos Casuo, o único brasileiro que protagonizou o espetáculo “Alegria”, do Cirque du Soleil. As sessões serão às 16h e às 20h, no sábado, e 15h e 19h, no domingo, e parte da verba arrecadada será revertida para o Instituto Luisa Mell, que resgata, cuida e abriga animais abandonados.

O espetáculo reúne música, performance, humor e poesia em um só universo. É repleto de cores e movimentos, fazendo uso de efeitos luminosos, sonoros e técnicas especiais. Temos o intuito de resgatar a alegria e os sonhos dos espectadores. Além disso, conto com figurinos e maquiagem elaborados especialmente para as performances, utilizando materiais e recursos de alta tecnologia, música ao vivo, enredo próprio e acrobacias de tirar o fôlego – completa Casuo sobre o show.

Não é a primeira vez que o artista promove eventos em prol de causas nobres. Dessa vez a parceria é com o instituto Luisa Mell.

A magia está no ar! Que alegria ter o Universo Casuo como parceiro do meu trabalho pela causa animal. Um circo cheio de alegria e diversão não precisa de animais, e isso o Casuo vai provar para vocês no seu espetáculo encantador. Eu também estarei lá para viver este momento mágico e ainda ajudar o Instituto Luisa Mell. Vamos unir muita diversão com o apoio aos animais e juntos fazer a magia do amor e do cuidado acontecer! – ressalta Luisa Mell.

Sinopse: O Espetáculo conta a história de um Universo paralelo, o “Universo Casuo”. Um lugar mágico onde tudo é possível. Nele, o personagem denominado Jean Francua o Clown, percebe que a Terra, o Planeta Azul, o qual antigamente esbanjava cores, hoje está desbotada e quase sem cor. O Clown resolve atravessar o portal, entrar no nosso mundo e trazer de volta todos os sonhos, fantasias e tornando novamente colorido.

Mais informações no http://www.universocasuo.com.br/espetaculos/grand-spectacle-du-cirque

FACE (1)

Grand Spectacle Du Cirque

Duração 90 minutos

Teatro Alfa (Bento Branco de Andrade Filho, 722 – Santo Amaro, São Paulo)

07 e 08/09

Sábado – 16h e 20h, Domingo – 15h e 19h

$150 (Parte da renda revestida para o Instituto Luisa Mell)

Classificação Livre

MUITO RUÍDO POR SHAKESPEARE

A Cia Núcleo estreia dia 3 de agosto, sábado, no Teatro Alfa, um projeto inédito no Brasil, Muito Ruído por Shakespeare – apenas apresentado em espanhol no VIII Festival Shakespeare Buenos Aires, em 2018. As sessões são aos sábados e domingos, às 17h30, até 1º de setembro.

A Cia Núcleo sempre teve verdadeiro apreço pela literatura e muitas de suas obras bebem da fonte dos grandes clássicos. Neste momento a Cia se aventura em obras do bardo William Shakespeare, adaptando duas de suas tragédias para o universo infantil. Um mensageiro tem que contar a história de Macbeth, e um outro tem que dizer a história de Otelo. Eles se encontram no meio do caminho e decidem trocar suas histórias, para evitar fadiga. Assim andarão menos e evitarão os percalços de adentrar um reino desconhecido.

A Cia Núcleo traz uma obra imersa no imaginário do bardo e que traça paralelos com questões atuais onde diversos acontecimentos políticos são mediados e influenciados pela imprensa, internet e pelas fake news. É um espetáculo para toda a família, em que os maiores irão acompanhar os caminhos tortuosos destes enredos, enquanto os menores irão se deliciar com os quiproquós desta dupla, sem se ausentar da mensagem geral do texto.  Utilizando a palavra, a música, o teatro de objetos e as projeções como fio condutor, para divertir e comover os espectadores, a Cia Núcleo pretende assim exaltar a poesia do homem do milênio. 

Sobre o espetáculo

Em um jogo narrativo conduzido por um personagem que manipula tudo de fora do cenário, e entra em cena por meio de projeções e interações, temos dois mensageiros que enfrentarão os problemas que aparecem no ato de comunicar uma história. Manipulação de informação, notícias falsas, ausência de dados são algumas das dificuldades que irão interferir diretamente neste objetivo. A história de Otelo narra um desenlace trágico de um casal apaixonado. Otelo ama Desdemona, mas ludibriado por Iago acredita na traição de sua amada. Já nos acontecimentos de Macbeth, reis são mortos em nome do poder e da ambição. Estas complexas histórias criadas por Shakespeare irão se embaralhar na fala destes mensageiros, apontando para equívocos na transmissão de um caso e suas consequências.

Em uma época em que diversos acontecimentos políticos são mediados e influenciados pela imprensa e internet, a Cia Núcleo traz uma obra imersa no imaginário do bardo e que traça paralelos com estas questões. É um espetáculo para toda a família, onde os maiores irão acompanhar os caminhos tortuosos destes enredos, enquanto os menores irão se deliciar com os quiprocós desta dupla, sem se ausentar da mensagem geral do texto. Crianças estão acostumadas com omissões de informações, mentiras contadas para evitar possíveis discussões e dificuldades em entender todos os lados de um fato. O desafio da Cia., então, estabelece-se neste lugar onde o texto de Shakespeare, o nó das Fakes News e a produção de um ato cênico abarquem estas questões para crianças e adultos.

FACE.png

Muito Ruído por Shakespeare

Com André Medeiros Martins, Caio Merseguel, Ronaldo Liano e Yuri de Francco

Teatro Alfa – Sala B (R. Bento Branco de Andrade Filho, 722 – Santo Amaro, São Paulo)

Duração 50 minutos

03/08 até 01/09

Sábado e Domingo – 17h30

$40

Classificação Livre