O DIA EM QUE A MINHA VIDA MUDOU POR CAUSA DE UM CHOCOLATE COMPRADO NAS ILHAS MALDIVAS

Espetáculo infantil O dia em que a minha vida mudou por causa de um chocolate comprado nas Ilhas Maldivas estreia no Sesc Pinheiros, no dia 10 de março. Inspirada no livro de Keka Reis, que foi indicado ao Prêmio Jabuti em 2018, a peça marca a estreia de Thaís Medeiros como diretora. A temporada segue até 14 de abril, com sessões aos domingos, às 15h e às 17h. O elenco traz Angela Ribeiro, Thomas Huszar e Tutti Pinheiro.

Na trama, Mia, Bereba e Jade têm 11 anos e são estudantes do 6º ano do Ensino Fundamental. Mia encontra um bilhete anônimo debaixo de sua carteira que diz: “Quer sentar do meu lado hoje na perua?”. Abalada pela possibilidade de o autor ser Bereba, seu melhor amigo, ela se tranca no banheiro da escola para pensar sobre o que fazer. De repente, descobre que nada será como antes. Aquele minúsculo bilhetinho tem tudo para mudar seu destino, sua vida e até mesmo o eixo do Planeta Terra. Além de conter fortes indícios de que Bereba está com segundas intenções em relação a ela, o bilhetinho significa que: Mia está despertando o interesse dos meninos, ela deixou de ser criança, é oficialmente uma pré-adolescente, não terá mais amizades inocentes com garotos e ela não tem a menor ideia de como se comportar em uma situação dessas.

Mia encontra seu campo de guerra e de paz na cabine do banheiro das meninas. Naquele cubículo, conversando consigo mesma, ela começa sua jornada emocional. A pré-adolescente vai construindo e reconstruindo aquilo que sente e aquilo que viu, por meio de interpolações cronológicas, retrocessos e avanços temporais. A partir daí a narradora nos transporta para outras esferas da sua vida, através dos parênteses que ela vai abrindo e dos personagens e lugares que surgem: Bereba, Jade, seu pai, sua mãe, o parquinho, o seu quarto… A encenação acompanha estes deslocamentos espaciais e também apresenta o ponto de vista e o universo de Bereba e Jade. Os três usam a imaginação para criar novas cores, personagens, rumos e significados para seus problemas reais ou inventados.

O elenco se reveza na interpretação de todos os papéis e na manipulação dos elementos (cenário, figurinos e adereços), em uma encenação ágil e com as estruturas do jogo cênico reveladas. A montagem é fortemente apoiada na criatividade e bom uso dos recursos de luz, cenografia, sonoplastia, adereços, figurinos e transporta o público para diversos tempos e espaços.

Durante os ensaios, o elenco realizou um intenso treinamento de improvisação com Rhena de Faria, no qual foram experimentados diversos jogos que desencadearam um processo rico e original de proposição de cenas e composição de personagens. Este trabalho foi decisivo para a definição do tom de jogo da peça e para a transposição da atmosfera vibrante do livro para o teatro. A fisicalidade também surgiu nesses encontros, sugerindo uma dinâmica versátil entre os atores, em que cada um se multiplica como personagem, pensamento, narrador, imagem e paisagem. O espetáculo convoca o espectador a uma experiência teatral imaginativa e intensa, equivalente a perspicácia e a graça que o relato de Mia oferece aos seus leitores.

Os figurinos assinados por Mira Haar, em parceria com Paula Weinfeld, propõem uma combinação divertida entre estampas e sobreposições de roupas casuais que permitem uma manipulação rápida e revelada na composição de todos os personagens. A dupla também assina o cenário e os adereços do espetáculo, criando um diálogo preciso entre todos os elementos. O cenário é minimalista, composto por um chão de lona com a pintura de um labirinto, como nos jogos de tabuleiro, e um cabideiro de madeira suspenso por faixas de lona que atravessam o palco. Nele estão penduradas cerca de 30 mochilas de onde saem grande parte dos adereços.

A iluminação de Olivia Munhoz é parte importante do jogo proposto pela encenação. Ela demarca territórios, propõe cor, vibração e movimento e nos ajuda a compor o espaço da memória. A trilha sonora repleta de climas e efeitos divertidos de Arthur Decloedt também completa o clima animado do espetáculo e ajuda na composição dos momentos ternos com as canções feitas a partir referências jazzísticas.

A montagem aborda os principais temas da pré-adolescência: mudanças hormonais, físicas e emocionais, pertencimento, despertar do amor, novas responsabilidades escolares, despedida da infância, busca pela verdadeira identidade, novos paradigmas nas relações familiares e a importância das amizades e do grupo, sempre com muito humor, linguagem veloz e uma pitada de drama.

O espetáculo foi contemplado em 2017 pelo Edital PROAC 07/2017 de Produção de Espetáculos Infanto-Juvenis.

FACE (3).png

O Dia em que a Minha Vida Mudou por Causa de um Chocolate Comprado nas Ilhas Maldivas

Com Angela Ribeiro, Thomas Huszar e Tutti Pinheiro

Sesc Pinheiros (Rua Pais Leme, 195, Pinheiros – São Paulo)

Duração 55 minutos

10/03 até 14/04

Domingo – 15h e 17h

$17 ($5 credencial plena)

Classificação: Livre

É TUDO FAMÍLIA!

A peça ‘É tudo Família!’, com atores jundiaienses, baseada no livro “É tudo família!” de Alexandra Maxeiner, publicado por Klett Kinderbuch, Leipzig/Alemanha foi destaque de público e crítica em 2018. A peça foi vencedora de melhor espetáculo de texto adaptado pela Associação Paulista de Críticos de Artes (APCA) ainda concorre ao Prêmio São Paulo de Incentivo ao Teatro Infantil e Jovem nas categorias: melhor espetáculo infantil; direção e autoria de texto adaptado e ao Prêmio Aplauso Brasil de melhor espetáculo infantojuvenil.

O que é família? É possível escolhê-la? Laços que se formam a partir de relações não catalogadas ou comumente aceitas podem levar esse nome? Se não, qual nome dar aos cada vez mais diversos tipos de união que existem? Seriam uma espécie de “genérico” de família? Receberiam o nome do seu princípio ativo, nesse caso, “Amor”?

Kiko Marques, diretor convidado para o trabalho diz que: “Mais do que tentar responder essa pergunta a ideia foi, desde o início do projeto, lançar sobre o tema um olhar desprovido de preconceitos, mas também de bandeiras. Como o olhar do menino que diz: “o rei está nu”. Um olhar que não julga, apenas diz o que vê. Ainda que o que vê passe pelo crivo de seu olhar, não há julgamento. Há a nudez do rei”.

No caso de nossa peça, poderíamos adaptar a definição para “dizer aquilo que vê. Mas como fazer isso se o que se aprende não corresponde ao que se vê? Como dizer o que se espera que seja dito: “que belas roupas o rei está vestindo” se o rei está nu? É sobre esse dilema que se debruçam nossos pequenos heróis. De um lado, conceitos estáticos, como totens. Do outro, vida que se vê, suas contradições e suas diversas formas de amar e cuidar”, complementa Marques.

A cenografia de Marisa Bentivegna aposta na ambientação em consonância com a direção e traz uma tradicional sala de aula com a emblemática lousa e seus vários significados.

Sinopse

Dá para responder rápida e objetivamente “o que é família”?

Davi, Lucas, Lucinha e Júlia têm 9 anos e 1 hora para dar esta resposta em forma de seminário, na frente da classe inteira e do professor bem bravo.

Só que Davi tem uma irmã, um meio-irmão e duas meias-meias-irmãs; tem uma mãe e um meio-pai, um pai e uma meia-mãe, um meio-meio-pai e uma meia-meia-mãe. Lucas tem uma irmã, um pai e uma mãe; quando briga com a irmã, ele vai pra casa dos avós. Lucinha tem pais que nem se falam; mora só com a mãe; e queria ter um irmão pra brincar. Júlia não tem irmãos, mas tem tudo em dobro; mora metade da semana com o pai e metade da semana com a mãe.

Então, eles não sabem o que dizer: família é um grupo de pessoas com laços de sangue? Ou um grupo de pessoas que moram na mesma casa? Ou um grupo de pessoas que se gostam? Ou um grupo em que há pai-mãe-filhos? Ou é tudo família?

FACE.png

É Tudo Família!

Com Aline Volpi, Ana Paula Castro, Marcelo Peroni e Vladimir Camargo

Sesc Consolação

Duração 75 minutos

23/02 até 23/03 (não haverá apresentação 02/03)

Sábado – 11h

$17 (Grátis para menores de 12 anos)

Classificação 6 anos

O MÁGICO DE OZ

Baseado na obra original de Lian Frank Baum “ O MÁGICO DE OZ ” tem texto e direção geral de um dos nomes mais conceituados na dramaturgia do Teatro para Crianças , FERNANDO LYRA JÚNIOR , que ao longo de seus mais de 30 anos dedicados ao palco foi detentor de vários prêmios e críticas elogiosas.
A peça conta a história de Dorothy, uma garotinha que se perde no Mundo de Oz e para conseguir o caminho de volta para sua casa precisa encontrar o Grande Mágico de Oz. Com a ajuda da Bruxa do Norte , Dorothy, começa a sua procura no caminho até o Castelo do Mágico, onde muita coisa acontece. Ela conhece seus três inseparáveis amigos: O Espantalho , O Homem de Lata e o Leão, que ajudam a menina a atingir seus objetivos.
CARMEN (1).png
O Mágico de Oz
Com Marina Ribeiro,  Giuliano Landim, Cibelle de Martin, Rebecca Etiene, Fernando Lyra Jr, Luciano Brandão e Dico Paz.
Teatro Ruth Escobar – sala Dinah Sfat (Rua dos Ingleses, 209 – Bela Vista, São Paulo)
Duração não informada
27/01 até 31/03
Domingo – 17h30
$40
Classificação Livre

10 ANOS DA TRUPE PÉ DE HISTÓRIAS

Em 2019, a Trupe Pé de Histórias completa 10 anos e a melhor maneira de fazer festa é estar no palco, revivendo com o público um pouco da sua história.

De 02 a 10 de fevereiro ele apresentam, Já, Elvis?, de 16 a 24/02, A Menina e o Tempo, de 09 a 17/03, Conto Cantando e finalizam com o Conto dos Pássaros, de 23 a 31 de março.

A Trupe começou seu caminho fazendo teatro em festas de aniversário, depois a música e o formato de “show” foram ganhando força e espaço em parques, praças e teatros. Os “shows” cantam e contam histórias, já que a companhia acredita que essas são sementes frutíferas para qualquer geração.

No segundo semestre de 2018, a “Menina e o Tempo” foi indicada como melhor espetáculo infantil, pelo prêmio São Paulo de incentivo ao teatro infantil e jovem de São Paulo. Também foi indicada pela Folha de São Paulo como melhor espetáculo infantil de 2018, ficando em 2º lugar por júri popular.

A menina Nina é a personagem central dos espetáculos “Já, Elvis?”, “A Menina e o Tempo”, “Conto Cantado” e “Conto dos Pássaros” e como qualquer criança, passa por desafios, como brigar com sua melhor amiga, perder alguém muito querido e pensar sobre o futuro, o passado e o presente. Com a ajuda de seu pai consegue descobrir mais sobre o mundo a sua volta.

Em “Já, Elvis?” Nina, briga com sua melhor amiga por estar sendo muito mandona e se depara com um rei ainda mais mandão que ela. Músicas e danças do Elvis Presley  fazem um divertido encontro da “rainha do 2ºC” com o “rei do rock”.   Contando que é importante ouvir o que os amigos têm a dizer.

Em “A Menina e o Tempo”, mais recente espetáculo da Trupe, as canções autorais ganham destaque e compõe a narrativa. Nesse espetáculo musical, Nina é uma menina que tem tantos compromissos que nunca sobra tempo para fazer aquilo que mais gosta,
brincar. No domingo, dia que Nina e seu pai passariam brincando, os dois perdem-se em seus smart fones e abre-se uma fenda no tempo. Agora, sem energia nem Wi-Fi, Nina não tem aplicativos para voltar pra casa. Para encontrar o pai e aproveitar o tempo perdido, ela conta com a ajuda da tartaruga Antígona, a libélula Efêmera e a siri Siri.

O “Conto Cantado” é o primeiro espetáculo musical da Trupe e é também Cd e livro. Um passeio pelo repertório das cantigas tradicionais e outras autorais. Nele, a menina Nina percebe que está crescendo quando o seu primeiro dente de leite cai. Uma pergunta do seu pai conduz o seu sonho: “O que vai ser quando eu crescer?”. Nina encontra personagens do mar, do céu e da terra, que explicam a ela o que acontece quando a gente cresce, cada qual, a sua maneira. No final, sua aventura a leva a também questionar seu pai: “e você, pai, o que vai ser quando eu crescer?”

O “Conto dos Pássaros” é um show com cantigas tradicionais e contemporâneas. Nele, Nina, apaixonada por seu Sabiá, o prende em uma gaiola para que ele cante só pra ela. O Sabiá foge e leva consigo todos os pássaros da cidade de Passaredo. Nina descobre, com a ajuda do Urubu Rei, que precisará sonhar junto com sua cidade para que os pássaros
retornem.

CARMEN (2).png

10 Anos da Trupe Pé de Histórias

Com Trupe Pé de Histórias

Teatro Alfa ( R. Bento Branco de Andrade Filho, 722 – Santo Amaro, São Paulo)

Duração 50 minutos

02/02 até 31/03

Sábado e Domingo – 16h

$40

Classificação Livre

02 a 10 de Fevereiro – Já, Elvis?

16 a 24 de Fevereiro – A Menina e o Tempo

09 a 17 de Março – Conto Cantado

23 a 31 de Março – Conto dos Pássaros.

BOB SOOM EM O TREM DE FERRO

Ao som de clássicos do cancioneiro popular, como A BaratinhaPintor de JundiaíMarcha Soldado e Pula Pula Pipoquinha, a formiguinha azul Bob Zoom, que soma mais de 724 milhões de visualizações no Facebook, se apresenta ao lado dos seus amigos noTeatro MorumbiShopping com Bob Zoom em: O Trem de Ferro a partir do dia 19 de janeiro, sábado, 16 horas.

No espetáculo, Bob Zoom e os amigos Cachorro, Joaninha, Barata, Menininho e Menininha vão viver uma aventura animada para encontrar o trem de ferro que dá nome ao show. Nessa viagem divertida, os personagens vão se deparar com situações inusitadas que prometem surpreender e alegrar a criançada e seus pais.

O espetáculo é composto por 18 canções, todas bem conhecidas do público que se acostumou a acompanhar o Bob Zoom na internet e em outras plataformas. Em 2017, o espetáculo anterior do Bob Zoom (Bob Zoom – Show) foi apresentado em cidades como São Paulo, no próprio Teatro MorumbiShopping, Rio de Janeiro e Salvador.

Este novo show é um convite para a diversão e viagem no tempo, já que atualmente viajar de trem não é algo mais tão comum na realidade das crianças. Estamos muitos satisfeitos com o resultado e torcemos para que todos se divirtam ao máximo”, afirma Marcos Mello, um dos criadores da formiguinha.

O Bob Zoom foi criado em 2012 e logo alcançou grande sucesso na internet. Atualmente conta com mais de 724 milhões de visualizações no Facebook e quase um milhão de curtidas no Facebook. O personagem e sua turma lançaram quatro temporadas com clássicos da música infantil e músicas autorais com gravações em português, inglês e espanhol, alcançando mais de 200 países.

Bob Zoom em: O Trem de Ferro

Teatro Morumbi Shopping – Morumbi Shopping (Avenida Roque Petroni Júnior, 1089; Santo Amaro, São Paulo)

Duração 50 minutos

19/01 até 10/03

Sábado e Domingo – 16h

$60

Classificação Livre

FESTIVAL TEATRO INFANTIL NO SESC PINHEIROS

Em fevereiro, as crianças poderão conferir uma série de shows e peças de teatro no Sesc Pinheiros.

O espetáculo Pequena Magdalenada Companhia de Copas, segue temporada até dia 10 de fevereiro.

No dia 9 de fevereiro, na praça, entra em cena a montagem Navegar, do grupo Esparrama.

O auditório recebe o show Bichos de Cá dias 17 e 24 de fevereiro. Nos dias 23 e 24 de fevereiro, a peça Um Canto para Carolina, da Cia dos Inventivos, será apresentada na praça.

A programação infantil encerra com o show Pelo Mundo com Mawacado grupo Mawacadia 24 de fevereiro, no Teatro Paulo Autran.

PROGRAMAÇÃO

Teatro – Pequena Magdalena

Com Companhia de Copas

Domingos, 15 e 17 horas, até 10 de fevereiro

Local: Auditório (98 lugares)

Recomendação: 5 anos. Duração: 60 minutos.

Preços: Grátis para crianças até 12 anos. R$ 17,00 (inteira), R$ 8,50 (meia entrada: estudante, servidor de escola pública, + 60 anos, aposentados e pessoas com deficiência) e R$ 5,00 (credencial plena do Sesc – trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo matriculado no Sesc e dependentes).

Pequena-Magdalena.-Foto-Jéssica-G.-Teodoro-k

Às vésperas do Dia dos Mortos, uma animada festa no México, Magdalena se envolve em uma grande confusão e corre o risco de arruinar a mais tradicional festa de seu país. A peça é inspirado na infância da artista plástica mexicana Frida Kahlo (1907 – 1954).

____________________________________________

Teatro – Navegar

Com Grupo Esparrama

9 a 17 de fevereiro, sábados e domingos, 16 horas

Local: Praça

Recomendação: Livre. Duração: 50 minutos.

Grátis

navegar-grupo-esparrama-no-sesc-avenida-paulista-2.jpg

Grupo Esparrama apresenta o espetáculo Navegar – originalmente encenado no Minhocão – que traz como tema a relação das crianças com os espaços urbanos e a forma como elas interagem com a cidade. Durante a viagem de dois navegadores de cidade, Nina e Samuel, eles se juntam para transformar as ruas e vielas por onde passam. Porém, eles são surpreendidos pelo Gatão que se proclamou o dono de todas as coisas do mundo e que agora quer o barco deles. Ele e seus capangas usarão de todos os disfarces para enganá-las, mas, com a ajuda de seus amigos pássaros, as crianças descobrirão que para a imaginação não há limites, se não for possível navegar pela cidade, sempre será possível voar por ela.

___________________________________________

Show – Bichos de Cá

Com Grupo Nhambuzim

Dias 17 e 24 de fevereiro, domingos, 15 e 17 horas

Local: Auditório (98 lugares)

Recomendação: Livre. Duração: 60 minutos.

Preços: Grátis para crianças até 12 anos. R$ 17,00 (inteira), R$ 8,50 (meia entrada: estudante, servidor de escola pública, + 60 anos, aposentados e pessoas com deficiência) e R$ 5,00 (credencial plena do Sesc – trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo matriculado no Sesc e dependentes).

nhambuzim-bichosdeca1-creditos-valdemir-cunha.jpg

Misturando música, folclore e meio ambiente, o grupo apresenta espécies da nossa fauna a partir de expressões da cultura popular brasileira. Para cada bicho, uma canção, e cada canção num ritmo característico da região onde ele vive. Tem o carimbó do peixe-boi, o jongo do muriqui, o maracatu do jabuti e muito mais. O espetáculo propõe uma viagem às florestas, planícies e sertões do Brasil, revelando um pouco da nossa diversidade cultural e ambiental.

____________________________________________

Teatro – Um Canto para Carolina

Com Cia dos Inventivos

Sábado e domingo, 23 e 24 de fevereiro, 16 horas

Local: Praça

Recomendação: Livre. Duração: 50 minutos.

Grátis

canto_para_carolina_zc3a9-carlos-baretta2.jpg

Inspirado na obra Quarto de Despejo, da autora mineira Carolina Maria de Jesus, o espetáculo dialoga com o público infantil ao mostrar para as crianças as injustiças e contradições em que vivem outras tantas crianças no país. Na peça são abordadas questões como o medo da morte, o questionamento das diferenças sociais, as relações com a sociedade e com a família.

Na trama, os irmãos João, José e Vera recebem de presente o primeiro exemplar da publicação do livro-diário Quarto de Despejo, escrito por sua mãe, Carolina Maria de Jesus. Mergulhando no cotidiano registrado por ela, os filhos revivem suas histórias de luta por uma vida melhor.

____________________________________________

Show – Pelo Mundo com Mawaca

Com Mawaca

Dia 24 de fevereiro, domingo, 17 horas

Local: Teatro Paulo Autran (1010 Lugares)

Recomendação: Livre. Duração: 60 minutos.

Preços: Grátis para crianças até 12 anos. R$ 30,00 (inteira), R$ 15,00 (meia entrada: estudante, servidor de escola pública, + 60 anos, aposentados e pessoas com deficiência) e R$ 9,00 (credencial plena do Sesc – trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo matriculado no Sesc e dependentes).

01338612_4c5d6b5f8b.jpeg

O grupo Mawaca apresenta o espetáculo infantil Pelo Mundo com Mawaca, que propõe uma viagem pelos ritmos e canções de países como França, Albânia, Tanzânia, Índia, Portugal, Israel e Brasil. Por meio de uma trama de sons e histórias que educam e entretém a plateia, o show é baseado no livro De todos os cantos do mundo (Cia das Letrinhas), escrito por Heloisa Prieto e Magda Pucci. O grupo passeia também por uma canção em Suaíli, por uma dança portuguesa, um canto indígena da Amazônia, uma oração à deusa Kali e uma dança circular hebraica.

____________________________________________

PÉ DE PALHAÇO

Durante o mês de dezembro, o Sesc Belenzinho apresenta o infantil circense Pé de Palhaço com a Cia. Pelo Cano. A temporada tem sessões aos sábados e domingos, às 16h, até o dia 22/12. Já no dia 23/12, a apresentação ocorre às 12h. O espetáculo acontece na Área de Convivência da unidade, com entrada franca.

Pé de Palhaço reúne esquetes, números clássicos de circo, criações próprias e muita criatividade. Duas palhaças, Emily e Manela, contam histórias de princesas, organizam uma festa surpresa, adivinham o pensamento da plateia, se transformam em homensn, tentam aprender origami, brincam com água e sabão e, claro, limpam tudinho depois.

Toda essa aventura é narrada com o auxílio de papel, caneta e muita paspalhice. Com recursos despojados, as palhaças se divertem com as crianças numa grande brincadeira, bem próximas do universo infantil onde a magia se instaura nas coisas simples e as coisas mais cotidianas podem ser grandes descobertas.

Cia. Pelo Cano é formada por Paola Musatti e Vera Abbud, ambas trabalham com a linguagem do palhaço há mais de 20 anos. Começaram a praticar as disciplinas circenses e o teatro no início da década de 90. Profissionalmente, dividiram o palco nas apresentações da Cia. Cênica Nau de Ícaros, em 1992, dos Parlapatões, em 1996, são palhaças improvisadoras no Jogando no Quintal, desde 2002, e parceiras nos Doutores da Alegria, desde 1991.

CARMEN (2).png

Pé de Palhaço

Com Paola Musatti e Vera Abbud

Sesc Belenzinho – Área de Convivência térreo (Rua Padre Adelino, 1000, Belenzinho – São Paulo)

Duração não informada

01 a 22/12

Sábado e Domingo – 16h (23/12 – Domingo – 12h)

Grátis

Classificação Livre