“CHARLIE E A FANTÁSTICA FÁBRICA DE CHOCOLATE”

Corre um boato pela cidade que um dono de uma fábrica de chocolates colocou cinco bilhetes dourados dentro de suas barras de chocolate. Quem os encontrar, poderá visitar a sua fábrica.

Charlie e a Fantástica Fábrica de Chocolate“, a mais nova produção da Atelier de Cultura (“Escola do Rock”, “Billy Eliot”, “Annie”), tem estreia prevista para março no Teatro Alfa. O musical é inspirado no livro homônimo de Roald Dahl.

FACE (1)

O ENREDO

Conta a história de um garoto pobre de onze anos, Charlie Bucket. Ele vive numa casa simples com seus pais e quatro avós. Um dia, seu avô Joe lhe conta sobre Willy Wonka, dono da fábrica de chocolates, que para evitar que concorrentes conhecessem seus segredos, fechou sua fábrica para visitantes. Até que no dia seguinte, os jornais anunciam que a fábrica seria reaberta e Wonka convidaria cinco crianças para visitá-la. Mas para tanto, teriam que encontrar um dos cinco bilhetes dourados escondidos nas suas barras de chocolate.

Os primeiros bilhetes foram encontrados pelo glutão Augustus Bloop; a garota mimada e petulante, Veruca Salt; a garota viciada em chiclete, Violet Beauregard; e o fanático em televisão, Mike Teavee. Ao encontrar uma moeda na rua, Charlie compra a sua barra de chocolate e torna-se o último ganhador do bilhete dourado. Pelas regras do concurso, ele poderá levar um acompanhante. O escolhido é seu avô Joe.

Na fábrica, as crianças e seus acompanhantes encontram os Oompa-Loompas, trabalhadores da fábrica. Durante a visita, as primeiras quatro crianças vão sendo expulsas por não respeitarem os códigos de moralidade e ética da vida (crítica aos pais que estragam seus filhos sendo permissivos). Ao final da história sobra Charlie e seu avô. Com isso, Wonka diz que Charlie será o seu herdeiro sucessor no comando da Fantástica Fábrica de Chocolates.

O AUTOR

220px-Roald_Dahl

Roald Dahl (1916 – 1990)

Roald Dahl nasceu no País de Gales, filhos de imigrantes noruegueses. Além de ser um autor de livros para crianças e adultos, Dahl também foi poeta, roteirista de filmes e piloto de avião na Segunda Guerra. Entre seus livros infantis, temos “James e o Pêssego Gigante“, “Matilda” e “O Fantástico Sr. Raposo“. Já foram vendidos mais de 250 milhões de cópias de seus livros no mundo.

Entre os prêmios que recebeu, estão o “Prêmio Fantasia Mundial pela Realização de Vida” (World Fantasy Award for Life Achievementtradução livre), em 1983, e o “Prêmio do Autor Britânico de Livros Infantis do Ano (British Book Awards’ Children’s Author of the Year – tradução livre), em 1990. A revista Times incluiu seu nome na 16ª posição na lista dos 50 maiores autores britânicos desde 1945.

O LIVRO

Charlie e a Fantástica Fábrica de Chocolate” foi lançado em janeiro de 1964 nos Estados Unidos e dez meses depois, no Reino Unido. Era para ser uma trilogia. O segundo livro “Charlie e o Grande Elevador de Vidro” (“Charlie and the Great Glass Elevator” – tradução livre) foi publicado em  1972. Mas Dahl não terminou o terceiro livro.

A inspiração para a história foi dos tempos em que o autor estudou na escola cristã Repton School (1929 – 1934). A escola era um lugar de abuso físico e psicológico tanto por parte dos estudantes mais velhos e ricos nos mais novos e pobres, como também pelos professores e direção.

Repton_School_-_geograph.org.uk_-_1303684

Repton School

Estes cinco anos influenciaram sua obra – um texto sombrio, com um humor macabro e personagens vilões adultos que perseguem os personagens infantis.

Mas houve algo que foi positivo. A fábrica de chocolates Cadbury mandava ocasionalmente amostras de seus novos chocolates para serem testados pelos alunos da Repton School. O jovem Dahl sonhava com a possibilidade de criar uma nova receita e, com isso, cair nas graças do dono da fábrica. O chocolate foi um tema recorrente em vários de seus livros.

OS FILMES

Várias de suas obras foram adaptadas para as telas de televisão e cinema.

A primeira versão de “Charlie e a Fantástica Fábrica de Chocolate” no cinema foi em 1971 com o filme “Willy Wonka e a Fábrica de Chocolates” (“Willy Wonka & the Chocolate Factory” – tradução livre), dirigido por Mel Stuart e com Gene Wilder e Peter Ostrum, nos papéis principais.

Em 2005, o diretor Tim Burton, fã do livro desde criança, lançou sua versão em “Charlie e a Fábrica de Chocolates” (“Charlie and the Chocolate Factory” – tradução livre), com Johnny Depp e Freddie Highmore, como Willy e Charlie.

No Brasil os dois filmes receberam o mesmo nome “A Fantástica Fábrica de Chocolate“, não fazendo referência a nenhum dos dois personagens principais no título.

O MUSICAL

Oito anos se passaram do último filme, e “Charlie e a Fantástica Fábrica de Chocolate” estreou no Theatre Royal Drury Lane (West End – Londres) em junho de 2013. O enredo é de David Greig, a música de Marc Shaiman e as letras das canções de Shaiman e Scott Wittman. A temporada durou quase quatro anos, encerrando em janeiro de 2017.

A Broadway recebeu o musical no Lunt-Fontanne Theatre, onde ficou em cartaz por nove meses – abril de 2017 a janeiro de 2018. Depois foi apresentado em turnê por cidades norte americanas, Austrália, Itália e Noruega.

DIFERENÇAS ENTRE MUSICAL EM WEST END E NA BROADWAY

Há várias diferenças entre as montagens de Londres e Nova Iorque. Em Londres, o espetáculo era mais voltado para o livro de Dahl, mostrando o relacionamento de Charlie e seu pai; enquanto na Broadway, o filme de 1971 e focando no relacionamento de Charlie e o dono da fábrica de chocolates.

Quanto a aparição de Willy Wonka, o público londrino tinha que aguardar pela metade do primeiro ato; já na Broadway, o musical começa com Wonka recepcionando o público na sua fábrica.

Na versão americana, foram incluídas canções clássicas do filme, bem como novas canções escritas por Shaiman e Wittman.

O grande elevador de vidro – usado no final do espetáculo – também foi adaptado para Broadway, oferecendo um visual mais agradável.

Qual será a versão que veremos no Brasil? Não sabemos! Teremos que esperar até Willy Wonka abrir as portas de sua Fantástica Fábrica de Chocolate no Teatro Alfa, previsto para março.

SILVIO SANTOS VEM AÍ

image1As comemorações dos 90 anos de Silvio Santos começaram cedo. O apresentador mais conhecido do país recebe um presente inusual e singular no dia 13 de março. É quando estreia o musical “Silvio Santos Vem Aí“.

Primeira produção da Paris Cultural – braço teatral da Paris Filme – o espetáculo biográfico levará recortes da vida pessoal e profissional do homenageado para o palco do 033 Rooftop. O texto é de Emílio Boechat e Marilia Toledo, que assina também a direção com Fernanda Chamma. Marco França além de ser o diretor musical, compôs junto com Fernando Suassuna canções originais para a história. Mas as músicas clássicas cantadas nos programas de Silvio também estarão no espetáculo.

Velson

Velson D’ Souza

Velson D’ Souza foi o escolhido para interpretar Silvio Santos. Ator de mais de 17 espetáculos, Velson tem um bom conhecimento sobre o homenageado e o SBT. Participou de novelas do canal (Cristal, Revelação e Vende-se Um Véu de Noiva) e também do”Jogo dos Pontinhos”, quadro do Programa Silvio Santos.

Bianca Rinaldi e Ivan Parente viverão Íris Abravanel e Pedro de Lara. Para interpretar Wagner Montes, foi convidado seu filho, Diego Montez. Completando elenco temos Adriano Tunes, Andreas Trotta, Bruno Kimura, Daniela Cury, Gigi Debei, Giselle Lima, Gustavo Daneluz, Hellen de Castro, Juliana Bógus, Ju Romano, Léo Rommano, Lucas Colombo, Paula Flaibann, Rafael Aragão, Roney Facchini, Roquildes Junior, Thiago Garça, Verônica Goeldi e Vinícius Loyola.

silviosantos

Vamos conhecer agora 40 fatos sobre a vida e a carreira de Silvio Santos.

1. Seu nome de batismo é Senor Abravanel.

2. Abravanel é uma das famílias judaicas mais antigas e ilustres. Pode também ser grafada como AbarbanelAbrabanelAvravanelBarbernell, ou Barbanel. Seu significado literal é Ab (pai) Rabban (sacerdote) El (Deus).

3. Nasceu no Rio de Janeiro em 12 de dezembro de 1930 no bairro da Lapa, região central da cidade.

 

Certidão Silvio Santos

4. Filho primogênito do casal de imigrantes grego e turca, Alberto Abravanel e Rebeca Caro.

5. Possui cinco irmãos: Beatriz (a mais velha), Perla, Sara (Sarita), Leon (Léo) e Henrique (o mais novo).

6. Silvio era o nome que sua mãe lhe chamava. O sobrenome Santos foi adotado quando participou do concurso de calouros do apresentador Jorge Cury.

7. Formado em Técnico em Contabilidade.

8. Seu primeiro produto vendido foi capa para título de eleitor, em 1945, na avenida Rio Branco (RJ).

9. Participou de um concurso para locutor de programa da rádio Guanabara. Ficou em primeiro lugar. Venceu 300 candidatos, entre eles, Chico Anysio, José Vasconcelos, Celso Teixeira e Fernanda Montenegro.

10. Serviu exército como paraquedista (1948).

11. Nos dias de folga do exército, trabalhava como locutor de rádios.

12. Uma delas ficava em Niterói (RJ). Durante os trajetos de ida e volta, assumiu o sistema de som da barca que fazia o transporte entre as duas cidades. Além de colocar música, vendia espaços para anúncios comerciais e até promovia jogos de bingo para os passageiros.

13. O famoso Baú da Felicidade foi comprado de Manoel de Nóbrega (pai de Carlos Alberto e criador da “Praça da Alegria”) em 1958. Era uma empresa que vendia baús de presentes de Natal para crianças mediante pagamento em prestações.

 

14. Recebeu o apelido “Peru que fala” do amigo Ronald Golias, porque ficava vermelho quando se envergonhava. Outra marca registrada é sua risada inconfundível.

15. Casou primeira vez com Maria Aparecida (Cidinha) e depois com Íris. Pai das famosas filhas número um – Cintia, dois – Silvia, três – Daniela, quatro – Patrícia, cinco – Rebeca e seis – Renata.

Cintia, Rebeca, Renata, Daniela, Patricia e Silvia

Cintia, Rebeca, Renata, Daniela, Patricia e Silvia

 

16. Silvio é avô do ator, cantor e apresentador, Tiago Abravanel.

silvio-santos-e-tiago-abravanel

17. Durante suas férias, Silvio vai com a esposa para a casa na cidade de Celebration, Florida (EUA). Lá ele relaxa e faz as tarefas de casa, como qualquer outra pessoa.

18. Quando vai ao cinema ou teatro, costuma entrar na sala somente após iniciado o filme/peça. Mas gosta mesmo é de ficar em casa e ver NETFLIX (ele tem assinatura gratuita vitalícia dada pelo presidente do canal, após uma propaganda espontânea feita pelo apresentador no seu programa dominical).

A Televisão

19. Entrou para a televisão em 1962, com o programa “Vamos Brincar de Forca“, na tv Paulista (que viria a se tornar na tv Globo).

20. O programa dominical começou no ano seguinte, com apenas duas horas (12h às 14h). Era um concurso de calouros.

size_960_16_9_silvio-santos51

21. Veio ter a fama nacional na tv Globo, onde ficou por 14 anos (incluindo os anos da tv Paulista). Seu contrato terminou em 1976, quando a Globo cria seu padrão de qualidade, e encerra contrato com atores/apresentadores de cunho popular.

22. Criou em 1976 sua própria emissora, a TVS, que era transmitida apenas para o público carioca, apesar de sua sede ser em São Paulo, no bairro da Vila Guilherme. Foi o embrião para sua rede de televisão nacional:

23.  Sistema Brasileiro de Televisão (SBT) foi inaugurado em 1981.

Curiosidades

24. Como a concessão foi dada pelo governo (na época militar), Silvio criou o quadro dominical “A Semana do Presidente“. Começou no governo Figueiredo e durou vinte anos. Citava um resumo dos atos semanais do governo federal.

25. Chegou a ficar por 14 horas apresentando os vários quadros dominicais do Programa Silvio Santos.

26. Apresentou ao grande público nomes como Hebe Camargo, Ronald Golias, Carlos Alberto de Nóbrega, Celso Portiolli, Gugu Liberato, Maísa, Mara Maravilha e Luis Ricardo, entre outros.

hebe-beija-silvio-trofeu-imprensa-2009-original1

27. O locutor oficial do seu programa foi Luiz Lombardi Neto, que o público só conhecia pela voz. “Apareceu pela primeira vez” quando participou do desfile de carnaval em homenagem a Silvio.

size_960_16_9_silvio-santos19

Lombardi

28. O Troféu Imprensa, criado por Plácido Manaia Nunes em 1958, começou a ser organizado, produzido e apresentado por Silvio Santos a partir 1970.

29. Gravou as marchinhas carnaval “Coração Corintiano” e “A Pipa do Vovô”. No total foram 135 músicas, 4 álbuns e 41 compactos. Gravou também a Série Silvio Santos para Crianças (1977).

Silvio_Santos_Para_as_Crianças

30. Em 1991, a escola de samba carioca Tradição, levou a história de Silvio para a avenida no enredo “Hoje É Domingo, É Alegria. Vamos Sorrir e Cantar!”.

31. Por um pedido de Hebe Camargo e Décio Goldfarb (Lojas Marisa), Silvio criou o Teleton em 1998. Um programa feito para arrecadar fundos para a Associação de Assistência à Criança Deficiente (AACD). Em 22 anos anos, ajudou a criar e manter 8 centros de reabilitação com os mais de 477 milhões de reais arrecadados.

32. É um homem que não gosta muito de mudar seus hábitos. O cabelo foi cuidado por 40 anos pelo cabeleireiro Jassa. Para se vestir, seus ternos foram feitos pela Camelo ou pelo alfaiate D’Carlos, por muitos anos. Se bem que no tempo livre, Silvio gosta de uma camisa florida ou um T_Jama (marca de roupas do neto, Tiago Abravanel). E não use perfumes ao seu lado, ele é alérgico ao odor forte de perfumes e desodorantes.

33. Diz a lenda que o apresentador não costuma falar com jornalistas e apresentadores, porque uma cigana teria dito que ele morreria no dia seguinte a entrevista.

34. Outra lenda é que Silvio seria careca. A revista Melodias teria divulgado na sua capa uma foto do apresentador careca. Foi apenas uma jogada de marketing para alavancar as vendagens da revista, de propriedade do amigo Placido Manaia – troféu imprensa, que estava com problemas financeiros.

1180910-silvio-santos-apareceu-sem-cabelo-para-950x0-2

 

35. O licenciamento para o programa Big Brother foi oferecido a Silvio Santos. Ele ‘enrolou’ os produtores da ENDEMOL para dar a resposta se ficaria com os direitos ou não. No final, ele declinou. A Globo comprou os direitos e quando iria estrear o programa, Silvio estreou o “Casa dos Artistas” (2001), precursor do gênero reality show no país e que teve três edições.

silvio-santos-com-o-elenco-de-casa-dos-artistas-2001-1477614497607_714x462

36. Silvio tem o seu coringa na programação – Chaves. Seriado de televisão mexicana, criado por Roberto Gomes Bolaños em 1971. Aqui no Brasil estreou no SBT em 1984 e está no ar até hoje.

37. Dentre os seus bordôes mais famosos estão “Má oê”, “Vai pra lá”,

38. Candidatou-se a prefeitura de São Paulo em 1988 e 1989 a presidência da República, pelo PMB. Esteve em primeiro lugar nas pesquisas. Mas teve sua candidatura cassada a pedido de Eduardo Cunha, do PRN.

silvio-santos-08-1544606987647_615x300

39. O Grupo Silvio Santos completou 51 anos, tem 34 empresas e mais de 11 mil funcionários. Entre as empresas a Liderança Capitalização (que opera a Tele Sena), o Hotel Jequitimar e a Jequiti Cosméticos.

40. Silvio Santos é um dos maiores pagadores de imposto de renda do país.

TOP FIVE quadros lendários do Programa Silvio Santos

Nestes mais de 60 anos de carreira, Silvio criou mais de 115 quadros, entre eles Topa Tudo por Dinheiro, Boa noite Cinderela e Câmera Escondida. Escolhemos o nosso TOP FIVE dos quadros que estão na nossa lembrança.

Domingo no Parque

Destinado ao público infantil. Apresentado entre 1977 e 1988. Era o primeiro quadro do programa e ia ao ar nas manhãs de domingo. Um quadro clássico é da criança no foguete que tinha que responder sim ou não para os prêmios que o apresentador oferecia. Mas sem poder ouvir nada.

É nele que uma criança ‘safadinha’ pergunta para Silvio a diferença entre o poste, a mulher grávida e o bambu. Ah criancinha, deixou o apresentador mudo pela primeira vez.

Qual é a música

Foi ao ar de 1976 a 1991. Um game show com personalidades da televisão e da indústria fonográfica. Servia como divulgação dos atores e cantores, que testavam seus conhecimentos musicais em uma série de provas. Os grandes vencedores foram Ronnie Von, Sílvio Brito, Nahim e Gretchen. No video abaixo, veja Sidney Magal ensinando Silvio o seu molejo. “Maestro, sete notas”.

Namoro na TV

Hora de encontrar a cara metade. Nada melhor do que ir até a televisão então. A partir do final dos anos 70, Silvio tentava aproximar casais. O quadro mudou de nome depois de algum tempo para Em Nome do Amor.

 Porta da Esperança

Quer ter seu sonho realizado? Mande sua carta, torça para ser escolhido e fique em frente a uma porta. Quando ela se abrir, ele se realizará ou não! Quadro exibido entre 1984 e 1996. A garota do vídeo vibrou quando teve seu desejo realizado.

Show de Calouros.

Um dos quadros mais lembrados e longevos. Pela bancada, “passaram diversas figuras do rádio, TV e jornalismo de suas épocas. José Fernandes, o lendário jurado que dava nota zero pra todo mundo, Elke Maravilha, a queridinha do público, Pedro de Lara e seus lírios, Aracy de Almeida e os “dez paus”, Sérgio Mallandro, Wagner Montes, Sônia Lima, Décio Piccinini, Flôr, Luis Ricardo, Leão Lobo, entre outros.

Silvio Santos realmente é coisa nossa!

VEM AÍ EM 2020 – MUSICAIS

O que tem em comum um apresentador popular, a Diva da Discoteca, jovens do século XIX, Romeu e Julieta nova iorquinos e um assassino em série?

Estes são alguns dos temas dos musicais que estarão em cartaz este ano na cidade de São Paulo. Teremos nos palcos as histórias de Silvio Santos e Donna Summer; uma nova montagem de “O Despertar da Primavera” e “West Side Story” e “Sweeney Todd“.

Vamos então conhecer o que vem por aí nos palcos dos teatros paulistanos. (As informações são retiradas da internet. Podem ser alteradas.)

JANEIRO

FACE.png

“A Cor Púrpura – o musical” – dia 03 – Theatro NET

FACE (1).png

“Chaves – Um Tributo Musical” – dia 10 – Teatro Opus

FACE (2).png

“O Mágico di Ó” – dia 10 – Teatro Folha

FACE.png

“O Mágico de Oz” – dia 11 – Teatro Bradesco

FACE.png

“Diálogos” – dia 13 – Instituto Cultural Capobianco

FACE (1).png

“Fadas e Gigantes – O Universo Encantado” – Dia 16 – Teatro Mooca Plaza Shopping

FACE.png

“Hadassa – o musical” – dia 17 – Teatro Nissi

FACE (1).png

“Agnaldo Rayol – A Alma do Brasil” – dia 18 – Teatro União Cultural

FACE

“Lyson Gaster no Borogodó” – dia 18 – Teatro Itália

FACE.png

“Belchior – Ano Passado EMorri, Mas Esse Ano ENão Morro – O Musical” – dia 18 – Teatro Liberdade

FACE (2).png

“Carmen – A Grande Pequena Notável” – dia 19 – Teatro TUCA

Fevereiro

FACE (5).png

“Prince Siddhartha – a vida do Buda, The Musical” – dia 19 – Teatro Renault

Março

FACE.png

“Summer – Donna Summer Musical” – dia 05 – Teatro Santander

FACE (1).png

“Silvio Santos Vem Aí – uma comédia musical” – dia 13 –  033 Rooftop

FACE.png

“K-Pop Dreams – o musical” – dia 14 – Theatro NET

 

FACE (1).png

“Charlie e a Fantástica Fábrica de Chocolate, o musical” – Teatro Alfa

FACE (4)

“Jackson do Pandeiro” (Barca dos Corações Partidos) – local não informado

Abril

FACE (1)

“Naked Boys Singing” – dia 04 – Centro Cultural da Diversidade (Teatro Décio de Almeida Prado)

FACE (2)

“O Jovem Frankstein” – Teatro Renault

FACE.png

“O Despertar da Primavera – o musical” – Theatro NET

FACE (1).png

“As Cangaceiras, Guerreiras do Sertão” – Teatro TUCA

FACE (2).png

“West Side Story” – Theatro São Pedro

Maio

FACE.png

“Seu Neyla” – dia 15 – Teatro FAAP

Junho

FACE (1).png

“Conserto para Dois” – local não informado

Agosto

FACE.png

“Sweeney Todd” – local não informado

FACE (1).png

“Chicago” – Teatro Santander

Sem data, nem local informados

FACE (2).png

“Barnum”

FACE (3).png

“A Hora da Estrela” (Sarau Agência de Cultura)

FACE (4).png

“Lilás – um musical em tons reais” (MP Produção Cultural)

FACE (2).png

“O Pequeno Príncipe” (Teatro Renault)

FACE.png

“Quarteto Fantasma” (Núcleo Experimental)

 

2020 – O ANO É DELAS

Ano novo se iniciou e parte da agenda cultural da cidade de São Paulo já foi divulgada. E o que percebemos é que em grande parte das atrações são elas que comandarão o espetáculo.

Nas telas dos cinemas, ao invés dos heróis que foram os grandes protagonistas do ano passado, temos a presença de Mulher Maravilha, Mulan, Arlequina e Viúva Negra. Temos também Renée Zellweger, que interpreta Judy Garland, e está cotada para o Oscar como melhor atriz. Não podemos esquecer as novas versões para os clássicos “Mulherzinhas” (Louisa May Alcott) e “Emma” (Jane Austen). Fabiana Karla, Larissa Manoela, Suzana Pires e Regina Casé, entre outras, são as representantes no cinema nacional.

Grandes atrações nacionais e internacionais estarão sob os palcos dos mais variados shows e festivais. Elas estão presentes, levantando a multidão, em todos os ritmos. Uma palhinha? Vamos lá! Começando com Angela Ro Ro e Ana Cañas, passando por Maria Rita e Mc Tha, pedindo as bençãos de Ilú Obá de Mim, seguindo a baianidade de As Bahias e a Cozinha Mineira e Margareth Menezes, além da sofrência de Marília Mendonça. As internacionais Bonnie Tyler, Billie Eilish, Gwen Stefani e Taylor Swift também estarão presentes. Não podemos esquecer do Festival Grls!, com lineup 100% feminino, e presença de Kylle Minogue e Linn da Quebrada.

O novo Paço das Artes abre suas portas no dia do aniversário da cidade. A artista plástica e educadora Regina Silveira foi a escolhida para inaugurar o espaço. Mariana Palma, Ximena Garrido-Lecca, Paz Errázuris, Trisha Brown, Senga Nengudi, Mathilde Rosier, Lygia Pape e Beatriz Milhares são alguns dos nomes que terão seus trabalhos expostos nos museus, galerias e centros culturais paulistanos.

Nos palcos teatrais, vários solos onde elas apresentarão suas divagações, histórias, questionamentos, alegrias, preocupações. Irene Ravache, Miá Mello, Monique Alfradique, Lavínia Pannunzio  e Gizelle Menon são alguns nomes. Bia Lessa é a primeira mulher brasileira a dirigir a montagem da ópera “Aída” no Theatro Municipal. A companhia de Deborah Colker volta aos palcos com “Vero“. E o amor pueril de Romeu e Julieta será contado em “Capuletos e Montéquios“, no Theatro São Pedro, onde os dois protagonistas serão interpretados por mulheres.

Quer saber mais? Segue o link para a matéria feita pelo Guia Folha (03 a 09/01/20) – http://bit.ly/OAnoÉDelas

FACE

PRÊMIO DESTAQUE IMPRENSA DIGITAL 2019

Chegou o momento de sabermos quem foram os vencedores da terceira edição do Prêmio Destaque Imprensa Digital (DID). Formado por veículos digitais de Cultura e Entretenimento, além dos especializados em teatro musical, o prêmio avaliou 32 espetáculos musicais que tiveram temporadas com no mínimo 12 apresentações para público pagante, incluindo sessões noturnas, entre 1º de novembro de 2018 e 31 de outubro de 2019.

O prêmio surgiu da vontade de unir e somar não apenas os profissionais do gênero que une canto, dança e interpretação, mas também a imprensa online, que se dedica a ele de inúmeras formas ao longo do ano, já é considerada a maior no formato digital para as produções que se apresentam na cidade de São Paulo. Com apoio e valorização em constante crescente, a cerimônia anual, que fecha o ano de premiações segmentadas, se destaca por sua dinâmica audiovisual e números musicais inéditos, com versões exclusivas de canções dos espetáculos indicados na categoria Destaque Musical Estrangeiro – Versão Brasileira. Outro diferencial está na oportunidade de, através da abertura da cerimônia, poder relembrar uma canção especial da produção eleita Destaque na mesma categoria no ano anterior, totalizando assim seis números que se tornam verdadeiros presentes para quem participa e também para quem assiste.

Em 2019, a premiação teve início com ‘Peter Pan – O Musical da Broadway’, da Touché Entretenimento, escolhido Destaque Musical Estrangeiro – Versão Brasileira 2018 pelos jurados da segunda edição. Um dueto lúdico foi apresentado pela atriz Karina Mathias, intérprete de Wendy, e pelo ator Mateus Ribeiro, responsável por dar vida ao papel-título e que lhe rendeu também o troféu de Destaque Ator no mesmo ano.

Na sequência, entre os anúncios das 10 categorias artísticas, o público pôde conferir canções de espetáculos como ‘Billy Elliot – O Musical’, vencedor do ano, e ‘Escola do Rock – O Musical’ na voz doce e marcante de Sara Sarres (Sarah Elliot e Rosalie Mullins), ‘Pippin’ na interpretação mágica de João Felipe Saldanha (Pippin), ‘Sunset Boulevard’ com uma apresentação vigorosa de Júlio Assad (Joe Gillis) e ‘Tick, Tick… Boom!’ em um harmonioso encontro de vozes e pura sintonia entre os atores Thiago Machado (Michael), Bruno Narchi (Jonathan) e Giulia Nadruz (Susan). As gravações de ‘Canção dos Sonhos’, ‘Canto sob o Sol’, ‘Sunset Boulevard’, ‘A Carta’ e ‘Onde Foi Parar o Meu Rock’ foram acompanhadas pelo pianista Anderson Beltrão, já ‘Será Real’ contou com a participação do pianista Rodolfo Schwenger.

Em um processo de votação eletrônico e democrático dividido em duas etapas e que enalteceu o trabalho de mais de 165 profissionais, destacando 40 deles, a 3ª edição contou com a participação de 18 jurados, representantes da imprensa digital, que se dedicam a divulgar e fomentar o mercado frequentemente, são eles: Andy Santana, Bruno Cavalcanti, Claudio Erlichman, Cristiane Santos, Elaine Cristina, Fabiana Seragusa, Filipe Vicente, Grazy Pisacane, Joaquim Araújo, Lucas Müller, Miguel Arcanjo Prado, Pedro de Landa, Priscila Ribeiro, Rodrigo Alcobia, Tatiana Cavalcanti, Ubiratan Brasil, Wall Toledo e William Amorim.

DESTAQUE COREOGRAFIA

 

  • Bárbara Guerra (Coreografia) e Johnny Camollese (Coreografia de Flamenco) | Zorro – Nasce Uma Lenda

 

DESTAQUE ROTEIRO ORIGINAL

 

  • Fernanda Maia | Chaves – Um Tributo Musical

 

DESTAQUE ATOR COADJUVANTE

 

  • Diego Velloso | Chaves – Um Tributo Musical

 

DESTAQUE ATRIZ COADJUVANTE

 

  • Carol Costa | Chaves – Um Tributo Musical

 

DESTAQUE ATOR

 

  • Arthur Berges | Escola do Rock – O Musical

 

DESTAQUE ATRIZ

 

  • Larissa Luz | Musical Elza

 

DESTAQUE DIREÇÃO

  • Duda Maia | Musical Elza

DESTAQUE DIREÇÃO MUSICAL

 

  • Pedro Luís, Larissa Luz e Antônia Adnet | Musical Elza

 

DESTAQUE MUSICAL BRASILEIRO

 

  • Musical Elza | Sarau Agência

 

DESTAQUE MUSICAL ESTRANGEIRO (Versão brasileira)

 

  • Billy Elliot – O Musical | Atelier de Cultura Produções Artísticas

 

IMPACTO ECONÔMICO DO TEATRO MUSICAL NO PAÍS

A Sociedade Brasileira do Teatro Musical (SBTM) reuniu convidados – produtores, artistas, patrocinadores, representantes do poder público do estado e município de São Paulo, e membros da imprensa – na manhã desta segunda feira, 23 de setembro, no Teatro Opus, para apresentar os resultados da primeira pesquisa sobre o Impacto Econômico do setor.

Realizada pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), o estudo aponta dados relevantes da atividade dentro da  indústria criativa, retorno sobre investimento via leis de incentivo à cultura, criação de empregos diretos e indiretos, além de geração de impostos.

A SBTM é uma associação composta por produtores de espetáculos musicais no país. Fazem parte Carlos Conrad e Noemia Matsumoto (Opus Promoções), Julio Figueiredo e Bárbara Guerra (Atual Produções), Renato Chiquito (Chiquito Produções), Carlos Cavalcanti (Atelier de Cultura), Adriana Del Claro e Simone Carneiro (Del Claro Produções), Almali Zraik (Caradiboi) e Stephanie Mayorkis (IMM Esporte e Entretenimento e EGG Entretenimento), que é a atual presidente.

Mayorkis explicou que a pesquisa foi encomendada para que fosse confirmada a impressão inicial que eles tinham – a da importância do Teatro Musical na cadeia produtiva da indústria criativa; e com isso, suscitar o debate com a opinião pública e o poder público sobre o papel do setor.

Análise dos resultados da pesquisa

Luiz Gustavo Barbosa, economista da FGV, apresentou os resultados da pesquisa, que estudou 28 espetáculos musicais que estiveram em cartaz em 2018 na cidade de São Paulo.

Somados os impactos diretos e indiretos, estes espetáculos movimentaram aproximadamente R$ 1 bilhão. Deste montante, cerca de R$ 813 milhões (80,6%) foram referentes a gastos de espectadores, com alimentação, hospedagem, compras pessoais, passeios, transporte local e outros tipos de gastos. Os outros R$ 196 milhões (19,4%) foram referentes à organização dos espetáculos.

Isto resultou em um Índice de Alavancagem Econômica de R$8,25, ou seja, para cada $1,00 investido pelos organizadores nos espetáculos de teatro musical, foram movimentados R$ 8,25 na economia.

Foram gerados 12.824 postos de trabalho, sendo 8.622 (67,5%) postos de trabalho diretos e 4.162 (32,5%) indiretos.

A captação de recurso, por meio das leis de incentivo, dos organizadores dos espetáculos que fizeram parte desse estudo, foi de, aproximadamente, R$ 68 milhões. Destes, 99,8% foram incentivados através da Lei Rouanet. No ano, os 28 espetáculos geraram o retorno de $131,3 milhões em tributos, sendo R$ 29,3 milhões (22,3%) para o município, R$15,4 milhões (11,7%) para o estado, e R$88,6 milhões (66,0%) para a federação.

Portanto, o Retorno sobre o Investimento Público foi de R$1,92, ou seja, de cada R$ 1,00 captado através de mecanismos de incentivo nos projetos do segmento pesquisado, geram R$ 1,92 de retorno em tributos para o governo, em suas três esferas.

20190923_110337

O público total do Teatro Musical no ano passado foi de 1.091.673 pessoas, sendo que foram concedidos um total de 189.173 ingressos gratuitos para as apresentações e cerca de 100.000 ingressos a preços populares

Mas sem a possibilidade de captar verba através de mecanismos de incentivo, a conta dos produtores do setor não fechará, pois o gasto médio por espectador realizado pela organização para realização dos espetáculos musicais foi de R$ 112,11; e o valor médio do ingresso praticado nos espetáculos foi de R$ 82,47. Ou seja, um débito de R$ 29,64.

O futuro do setor

O resultado da pesquisa será apresentado pela Sociedade Brasileira do Teatro Musical para o governo, para que os números possam ser estudados, e a importância do setor possa ser reavaliada pela equipe econômica e governantes.

Mas, é quase uma certeza, que o cenário para o próximo ano será difícil. Se a mudança feita pelo governo federal – teto de R$ 1 milhão por projeto pela Lei Rouanet – se mantiver, o mercado de Teatro Musical retrocederá 20 anos, quando havia somente 2 musicais blockbuster por ano na cidade.

Com isso, vários postos de emprego deixarão de existir. Teatros que foram construídos especialmente para o setor poderão fechar as portas.

O público que consome Teatro Musical deixará de gastar seu dinheiro aqui e, quem pudesse, irá gastar no exterior (Broadway e West End). O valor dos ingressos serão aumentados e não haverá mais acessibilidade aos espetáculos para uma parte da população.

Algumas possibilidades para reverter este quadro foram pensadas pelo público presente:

  • mostrar a importância econômica do setor para o governo;
  • divulgar informações corretas sobre o setor, para esclarecer ‘preconceitos existentes’ por parte da sociedade;
  • ter uma força política atuante e articulada em Brasília;
  • e o principal, ter uma união da classe teatral (produtores, atores, empregados) para se ter uma voz ativa maior na sociedade;

BROADWAY HOMENAGEIA 20 ANOS DO “GOOD MORNING AMERICA”

Good Morning America (ou GMA) – programa televisivo norte americano – completou no dia 13 de setembro seus 20 anos de transmissão direto da Broadway.

Durante uma semana, foram relembrados vários momentos marcantes do programa, além de convidados que passaram por seus estúdios.

Para abrilhantar as festividades, parte do elenco de produções da Disney on Brodaway – “The Lion King“, “Aladdin” e “Frozen” – realizaram no dia 19 um mashup de suas canções.

O GMA é um programa misto de jornalismo com talk-show, entremeado de previsão do tempo, reportagens especiais e entretenimento. A produção costuma realizar várias inserções, durante o programa, direto da rua, do lado de fora dos estúdios. Se estiver por Nova York, não deixe de passar na frente dos estúdios – pode estar acontecendo a apresentação de algum artista famoso, ou simplesmente você mandar um oi para os amigos que estão no Brasil.

Transmitido diariamente, desde 1975, pela rede televisiva ABC para todo território norte americano, das 07h às 09h. A rede é uma subsidiária do grupo de mídia Disney-ABC Television Group.

Veja abaixo como foi a apresentação.