CRISE, QUE CRISE?

O Teatro J. Safra recebe no dia 2 de novembro, quinta-feira, o show inédito “Crise, que Crise?”, que reúne os mais diversos nomes e gerações através da música. Em única apresentação, o espetáculo que vai do pop rock, passando por músicas do folclore ao compositor Villa Lobos, foi idealizado por John Herbert Jr., o Johnnie Beat, cantor, compositor e filho da atriz Eva Wilma, promete grandes emoções. Além de Johnnie, o show traz ao palco sua mãe, Eva Wilma, o cantor e diretor musical paulista William Paiva e Heloá Holanda, cantora  semifinalista do programa X Factor Brasil, da Rede Bandeirantes.

Este espetáculo também marca a estreia de Eduardo Figueiredo como diretor de um show. Após receber o convite da própria Eva Wilma, aceitou o novo desafio. Muito respeitado no meio cultural, diretor de grandes sucessos no teatro, entre eles: “Mulheres Alteradas”, “Aprendiz de Feiticeiro”, “Frida y Diego” e atualmente “O Gatão de Meia Idade, a peça”.

“Crise, Que Crise?”, canção que dá nome ao show e será lançada nesta ocasião, é de autoria de Johnnie. Além disso, a música aborda o tema, tão em voga no país, de forma otimista. A capa do álbum da banda inglesa Supetramp, “Crisis, Wath Crisis”, de 1975, e este momento difícil que o Brasil passa, inspiraram o cantor e compositor.

Pensando na crise, não acho que devemos, de fato, nos preocupar e sim nos reinventar e passar por cima de tudo de maneira leve e com a esperança. Afinal, a música nos traz sentimentos bons. Estou muito feliz em levar tantos nomes bacanas e diferentes gerações ao palco. Minha mãe, que está ansiosa em relembrar os tempos em que aprendeu muito com Inesita Barroso, Heloá, uma voz feminina que trará delicadeza e encanto ao show, e, claro, William Paiva, um excelente cantor que trará força”, comentou Johnnie.

A participação de Eva Wilma, que, antes de iniciar sua carreira bem-sucedida como atriz, teve incursões na música, dá um colorido especial ao roteiro. E, como convidada de honra, homenageará o poeta ferreira Goulart e o compositor Heitor Villa Lobos, numa leitura moderna de suas obras.

A banda, composta especialmente para essa ocasião, ainda trará canções de sucesso de Nando Reis, Samuel Rosa, Erasmo Carlos, passando por The Beatles, Lou Reed e finalizando com o grande nome da música brasileira, Gilberto Gil. Sempre à sua maneira, com um pouco de rock n’roll e um sotaque blues.

EVA VILMa-10

Crise, Que Crise?
Com John Herbert Jr, William Paiva, Johnny Mantelato, Leandre Gomes, Samuel Junior, Felipe Marques, Wellington Maia
Participações Especiais: Eva Wilma, Heloá Holanda e Roger W. Lima
Teatro J. Safra (Rua Josef Kryss, 318 – Barra Funda, São Paulo)
Duração 90 minutos
02/11
Quinta – 21h
$15/$60
Classificação 12 anos

 

 

DANIEL BOAVENTURA NO THEATRO NET SP

Theatro NET São Paulo recebe Daniel Boaventura nos dias 24 e 25 de outubro, terça-feira e quarta-feira, às 21 horas. O show é uma prévia do que será o novo DVD do artista pela Sony Music, num registro que acontecerá no México neste mesmo mês.

O repertório do artista é formado por músicas que estão na memória de todos, os maiores hits de segmentos variados, o que torna o show vibrante com a participação ativa do público. No palco, Daniel Boaventura fará uma homenagem a dois de seus ídolos, Frank Sinatra e Tom Jobim.

Ele interpretará canções do álbum clássico Francis Albert Sinatra and Antonio Carlos Jobim. A música I’d Rather Hurt Myself, sucesso nas rádios na voz de Daniel Boaventura, também estará presente na apresentação junto com sucessos de Roberto Carlos, Luiz Miguel, George Michael, Bruno Mars, entre outros.

 

 

 

daniel-boaventura-posada-fundo-preto

Daniel Boaventura no Theatro NET São Paulo
Com Daniel Boaventura
Theatro NET São Paulo – Shopping Vila Olímpia (Rua Olimpíadas, 360 – Vila Olímpia, São Paulo)
Duração 80 minutos
24 e 25/10
Terça e Quarta – 21h
$180/$220
Classificação 12 anos

MELHOR ASSIM

O cantor Reinaldo Kherlakian, acompanhado de sua banda, apresenta temporada do show “Melhor Assim“, no Burlesque Paris 6, com apresentações mensais até dezembro. A estreia será dia 24 de outubro (terça-feira), às 21h.

O artista traz no repertório renomadas canções nacionais e internacionais, como: Se todos fossem iguais a vocêCarinhosoSous le ciel de PariMy Way, Hello Detroit e até o clássico, Evidências que ganha releitura com a dramaticidade imprimida pelo intérprete.

Um homem arrojado”. Com certeza essa é uma das frases que definem a personalidade de Reinaldo Kherlakian, que deixou o mundo dos negócios em busca da realização de um grande sonho: “ser feliz cantando”, como ele mesmo define. “Não há idade certa para ser feliz”, outra frase constante em seu vocabulário. Há quase uma década, delegou seus negócios a profissionais competentes e partiu para o conhecimento e aperfeiçoamento da arte musical em sua vida. A história de Reinaldo Kherlakian com a música teve início fora do Brasil e totalmente sem querer. Morando em Miami e New York, começou a cantar em momentos de intimidade, durante jantares na casa de amigos. Os eventos invariavelmente terminavam com uma pequena apresentação musical.

Reinaldo Kherlakian_divulgação (29).jpg

Melhor Assim
Com Reinaldo Kherlakian
Burlesque Paris 6 (Rua Augusta 2.809 – Jardins – São Paulo)
Duração 60 minutos
24/10
Terça – 21h
$100
Classificação Livre

CASULO

No dia 10 de outubro, mês em que completa 6 anos morando em São Paulo, o cantor e compositor Jonavo lança o 2º álbum de inéditas de seu trabalho solo. Casulo é também o nome que deu para o pequeno apartamento em que morava no bairro da Liberdade, onde escreveu a maioria das músicas do disco.

Esse disco é uma soma de experiências de um cara que saiu de casa e foi tentar a vida em São Paulo. Foi onde eu ressignifiquei o meu trabalho, me descobri um artista folk, me cerquei de pessoas boas e fui à luta”, relata o artista feliz da vida por finalmente conseguir colocar o disco pra fora do Casulo.

Canções como “Bom dia”, “Tomate” e “Caipira do Mato” já são conhecidas do público que o acompanha através do Folk na Kombi, coletivo musical que vem ganhando cada vez mais espaço no cenário atual. Mas trata-se de “Casulo” (canção título do disco), “Beijo Beijo” e “Musicando o vento”, gravada com ninguém menos que Renato Teixeira, músicas que revelam o principal flerte do seu trabalho com o Rock e o Pop no melhor dos gêneros.

O Álbum conta ainda com a produção de Wlajones Carvalho (o Pacote), conterrâneo de Jonavo e um dos principais bateristas e produtores da atualidade. “O Pacote me tirou um pouco o medo de ser pop. Um medo que me colocaram quando comecei a freqüentar os bares do baixo augusta. Vivenciamos esse processo por quase 3 anos, marcado por temporadas de imersão no trabalho e o tempo que ele precisou pra ficar pronto”.

À partir do dia 15 de setembro, data em que Jonavo se apresentou no Rock in Rio, no palco Sky Rock Station, o álbum pode ser conferido nas plataformas digitais e nas redes sociais do artista.

Casulo
Com Jonavo. Participações Especiais: Renato Teixeira, Mogena, Lauro Pirata e a banda Corcel.
Bourbon Street Music Club (Rua dos Chanés 127 Moema, São Paulo)
Duração 70 minutos
10/10
Terça – 21h
$50
Classificação 18 anos

JAZZIN’ MINAS (Rio de Janeiro)

Os músicos Eduardo Braga, Fernando Pereira, João Braga e Paulo Emmery apresentam o show “Jazzin’ Minas” dia 13 de outubro, 22h30, no Beco das Garrafas, em Copacabana. Sempre com participações especiais – incluindo amigos “sócios” do famoso Clube – e misturando no tempero musical elementos do pop e do funk, o show traz no repertório tanto faixas que já se tornaram standards como Vera Cruz, Beijo Partido, Tarde, Nascente e Canção do Sal quanto abordagens jazzísticas inéditas de sucessos como Clube da Esquina no. 2, Diana, Sonho Real, O Trem Azul e Certas Canções ou de temas menos conhecidos – mas nem por isso menos apreciados – como Novena, Vidro e Corte, Morro Velho e Cravo e Canela.

O encontro alia a afinidade e admiração pelos clássicos eternos de Milton, Toninho Horta, Lô Borges e cia. à paixão ao jazz, num encontro entre a voz premiada de Eduardo Braga e a experiência e explosão criativa de expoentes da música instrumental, em arranjos que privilegiam a improvisação e a liberdade do jazz sem perder de vista o lirismo da música de Minas.

Jazzin’ Minas
Com Eduardo Braga, Paulo Emmery, Fernando Pereira e João Braga
Bottle’s Bar – Beco das Garrafas (Rua Duvivier, 37 – J, K, L – Copacabana, Rio de Janeiro)
13/10
Sexta – 22h30
$40
Classificação livre

OUTUBRO MUSICAL NO THEATRO NET SP

Na primeira quinzena de outubro, o Theatro NET São Paulo apresenta três shows de música brasileira – Silva canta Marisa Monte, Caetano Veloso e Filhos, Rael canta Vinícius de Moraes.

5179eb2a2d052fd021889bccbe1791a2.png

Silva canta Marisa Monte

O cantor e compositor capixaba Silva, que ficou nacionalmente conhecido pelo sucesso A Visita, em 2012, apresenta no Theatro NET São Paulodia 13 de outubro, sexta-feira, às 21h30, Silva Canta Marisa. O repertório inclui além das 12 canções gravadas no álbum homônimo, músicas presentes em memoráveis repertórios de Marisa Monte, como Acontecimento (Hyldon), presente no ​setlist da turnê Memórias, Crônicas e Declarações de AmorChuva no Brejo (Morais Moreira), que fez parte de Barulhinho Bom, ​Sonhos (Peninha), registrada no DVD Marisa Monte Ao Vivo, entre outras.

As canções do CD e DVD foram pinçadas por Silva e pelo ​jornalista e pesquisador musical Marcus Preto, que assina a direção artística do espetáculo. O artista sobe palco na companhia da banda que o público conhece das turnês de seu elogiado trabalho autoral: Rodolfo Simor (guitarra), Hugo Coutinho (bateria e programações) e Jackson Pinheiro (baixo).

 

Silva Canta Marisa Monte
Com Silva
Duração 80 minutos
13/10
Sexta – 21h30
$80
Classificação Livre
caetanomorenozecaetomveloso-h1ebvtg87dvnps0d40j5c2m9sgtg38pfjg7tdt1blesear9etja1ea9hhspsq9a2dv7uorl2tm15hk07km11t9vmu2q9sq6vohvl91.jpeg
Caetano, Moreno, Zeca e Tom Veloso

Caetano Veloso, 75, é um dos maiores nomes da MPB. Ao longo de cinco décadas de produção artística, o cantor e compositor acumula prêmios internacionais, além de parcerias memoráveis com diversas gerações. A mais recente delas poderá ser vista a partir de 14 de outubro, sábado, no Theatro NET São Paulo, com o espetáculo Caetano, Moreno, Zeca e Tom Veloso. A temporada segue até 29 de outubro. Pai e filhos estarão sozinhos no palco. Caetano vai tocar violão. Moreno, 44, Zeca, 25, e Tom, 20, se revezarão em instrumentos. O repertório terá canções como O Leãozinho, Reconvexo e Um canto de afoxé para o bloco do Ilê.

A música sempre esteve presente na vida da família Veloso: desde que era cantiga de ninar até nos caminhos que cada um seguiu. Moreno gravou seu primeiro disco, Máquina de Escrever Música, em 2000. Já compôs para artistas como Adriana Calcanhoto e Roberta Sá e integrou o grupo +2, com Domenico Lancelotti e Alexandre Kassin. Zeca, músico e arranjador,  atua como DJ. Tom é o principal compositor da banda Dônica, influenciada pelo rock progressivo dos anos 70 e pela música experimental. O último disco de estúdio de Caetano é Abraçaço, de 2012 e neste ano ele terminou uma turnê pelo Brasil e Europa com Teresa Cristina.

Caetano, Moreno, Zeca e Tom Veloso

Duração 90 minutos
14 a 29/10
Sábado – 21h, Domingo – 20h
$100/$150
Classificação: 12 anos
64607_w840h0_1506451614rael-enio-cesar2

Theatro NET São Paulo recebe o paulistano Rael, um dos principais nomes do rap nacional,  num formato intimista cantando clássicos de Vinicius de Moraes,dia 17 de outubro, terça-feira, às 21h.

Assim como foi o rap o responsável por mostrar a Rael, ainda criança, que sua história não seria trilhada de outra maneira senão ao lado da música, quando conheceu Vinicius de Moraes e seus afro-sambas, já adolescente, o músico se deu conta de que seu rap podia conversar com toda a diversidade brasileira.

Desde então, o cantor nascido na zona sul de São Paulo, hoje com 16 anos de carreira, traz essa característica permeando como pano de fundo seus quatro discos solo e outros tantos com o grupo Pentagono.

Como todo fã, volta e meia retorna a seu mestre, e em uma dessas audições veio a ideia: homenageá-lo relendo algumas das músicas de que Rael mais gosta, cruzando seu rap e sua bagagem musical com a do ídolo. “Eu passei o ano de 2016 todo envolvido na gravação do meu disco Coisas do Meu Imaginário e agora, passado o lançamento, com a tour já na estrada, me veio isso de voltar ao Vinicius. A poesia dele dialoga comigo de uma maneira que me soa atemporal e essa possibilidade de reler algumas obras de que eu gosto tanto me são também um desafio interessante porque a ideia é trazer para um universo mais intimista, bem diferente do que tenho feito atualmente, fugindo da ideia de fazer um cover”, diz Rael.

No espetáculo Rael canta Vinicius de Moraes, o músico, no violão e na guitarra, apresenta-se com Felipe da Costa na percuteria e Julio Fejuca no violão e no baixo.

O repertório de releituras passeia por grandes sucessos da carreira de Vinicius, canções que Rael cresceu escutando. “Além dos afro-sambas, com Baden Powell, eu também gosto muito das parcerias com Toquinho, entre outras coisas, então fui escolhendo esse repertório de maneira bem afetiva mesmo, todas as músicas me dizem alguma coisa de uma forma bem pessoal mesmo”, conta o músico.

Tarde em Itapoã, Canto de Ossanha, O Morro Não Tem Vez, A Felicidade,Berimbau e Canto de Iemanjá são algumas das que estão no set list, em versões de Rael e Fejuca. Também rearranjadas para este formato, algumas canções do repertório do próprio Rael ganham espaço na apresentação. 

Rael Canta Vinicius de Moraes
Com Rael
Duração 60 minutos
17/10
Terça – 21h
$60/$120
Classificação 12 anos
Theatro NET São Paulo – Shopping Vila Olímpia (Rua Olimpíadas 360, Vila Olimpia, São Paulo)

CIRKOPOLIS

Com mais de 20 anos de história e celebrada como uma das mais inovadoras expressões do circo contemporâneo, a Companhia Cirque Éloize se apresenta no Teatro Alfa dias 22, 23 e 24 de setembro, sexta, às 21h30, sábado e domingo com duas sessões, às 16 e às 20 horas. O grupo – que antes passa por Salvador, Rio de Janeiro e Belo Horizonte e segue depois para Ribeirão Preto e Porto Alegre – apresenta o inédito Cirkopolis, mesclando circo, música, dança e teatro.

O espetáculo dá a largada na etapa internacional da Temporada de Dança do Teatro Alfa, que já trouxe nestes anos as estreias de duas das mais renomadas companhias brasileiras da atualidade: Grupo Corpo, com o inédito Gira, e Cia. de Dança Deborah Colker, com Cão Sem Plumas.

Em seguida, o público poderá prestigiar o grupo holandês Nederlands DansTheater 2 (29 de setembro e 1º de outubro), referência há quase seis décadas na dança contemporânea, apresentando três obras selecionadas do repertório coreográfico. Finalizando a temporada, o L.A Dance Project (de 17 e 18 de outubro) apresentará quatro trabalhos nas noites, dois deles criados neste ano. A companhia americana foi criada por Benjamin Millepied, bailarino e coreógrafo francês responsável pelas coreografias do filme Cisne Negro e marido da atriz Natalie Portman.

O espetáculo Cirkopolis é o nono show em turnê da companhia Cirque Éloize e se desenrola no coração de uma cidade aparentemente rígida e imponente, onde engrenagens gigantes e portais escuros simbolizam um mecanismo que esmaga a individualidade. A turnê brasileira do Cirque Eloize é mais uma realização da Gaia Produções Artísticas com produção da Dell’Arte Soluções Culturais.

A montagem de Cirkopolis conta com um palco extremamente criativo, além de uma trilha sonora original e projeções especiais de vídeo. Doze acrobatas e artistas multidisciplinares se rebelam contra a monotonia, se reinventam e desafiam os limites da cidade fabril. Em um mundo onde a fantasia provoca a realidade, o véu do anonimato e da solidão é erguido e substituído por rajadas de cor. Cirkopolis transporta os artistas e espectadores entre sonho e realidade com uma corrente ininterrupta de acrobacias, música, imagens e desenhos altamente gratificantes aos olhos.

Cirkopolis foi idealizado como um meio termo entre imaginação e realidade, entre individualidade e comunidade, entre limites e possibilidades. O espetáculo é conduzido pelo impulso poético da vida, pela destreza física do circo e pelo seu humor, ao mesmo tempo sério e descontraído. Entrar em Cirkopolis tem tudo a ver com se deixar levar e permitir que a esperança te mantenha em cima”, explica o diretor artístico e codiretor de Cirkopolis, Jeannot Painchaud.

Cirkopolis leva a assinatura do diretor artístico do Cirque Éloize, Jeannot Painchaud, e de Dave St-Pierre, que também é coreógrafo. O espetáculo conta ainda com cenários de Robert Massicotte, música de Stefan Boucher, acrobacias de Krzysztof Soroczynski, figurinos de Liz Vandal, iluminações de Nicolas Descoteaux, vídeo-projeções de Robert Massicotte e Alexis Laurence e maquiagem de Virginie Bachand. Renald Laurin é consultor de dramaturgia, Emmanuel Guillaume, coordenador artístico, e Jonathan St- Onge, o produtor executivo.

A turnê tem apresentação da SulAmérica, patrocínio da Accenture, da White Martins e de Furnas. O espetáculo integra o Circuito SulAmérica de Música e Movimento, programa de fomento da seguradora SulAmérica que investe em ações para o desenvolvimento social, cultural e esportivo por meio da arte, música, dança e esportes de participação, trazendo uma agenda diversificada durante o ano todo nas diversas regiões do país.

Cirkopolis
Com Cirque Éloize
Teatro Alfa (R. Bento Branco de Andrade Filho, 722 – Santo Amaro, São Paulo)
Duração 90 minutos
22 a 24/09
Sexta – 21h30, Sábado – 16h e 20h, Domingo – 16h e 20h
$100/$170
Classificação Livre