NUNCA FOMOS TÃO FELIZES

O espetáculo Nunca Fomos tão Felizes, a nova produção da Applauzo e a Lugibi, está em cartaz no Teatro Itália, o. No elenco Eduardo Martini, Larissa Ferrara, Luccas Papp, Mateus Monteiro e Nicole Cordery, com texto e direção de Dan Rosseto (ganhador do Prêmio Nelson Rodrigues de personalidade do Teatro de 2018).

Esse novo espetáculo de Rosseto, acontece em uma noite de inverno de 1962. Nancy fez planos para comemorar o aniversário de casamento durante o jantar; seu marido Charlie sonha com a promoção na concessionária de Billie, um velho lascivo casado com Simone, uma mulher autentica com pensamentos de vanguarda.

Num clima de sedução e permissividade Charlie e Nancy são presos na teia de Billie e Simone. O velho se mostra desde o início seguro, uma persona que consegue tudo o que deseja. Simone, uma mulher à frente de seu tempo, extravasa sua frustração com o cinismo e a ironia de quem manipula cada situação a seu favor.

A verdade se torna algo degradante, após a entrada do subestimado e não convidado Frank. Aos poucos o espectador monta um quebra cabeça psicológico e cruel, observando cair às máscaras sociais assumidas pelas personagens por proteção e medo de expor os sentimentos.

O que era para ser um jantar de celebração transforma-se numa fogueira das vaidades, revelando a perturbadora face de cada um. O espectador, voyer da catástrofe alheia é testemunha dos acontecimentos sem imaginar a triste sentença. Afinal todo mundo oculta a verdade nos assuntos sexuais.

CARMEN.png

Nunca Fomos Tão Felizes

Com Eduardo Martini, Larissa Ferrara, Luccas Papp, Mateus Monteiro e Nicole Cordery

Teatro Itália, (Av. Ipiranga 344 – República, São Paulo)

Duração 100 minutos

18/01 até 17/03 (não haverá apresentações 01, 02 e 03/03)

Sexta e Sábado – 21h, Domingo – 18h

$60

Classificação 12 anos

DOGVILLE

O diretor paulistano Zé Henrique de Paula (vencedor dos prêmios Shell, APCA, Reverência, Aplauso Brasil e Arte Qualidade Brasil) dirige a primeira adaptação teatral brasileira para Dogville, obra-prima do cineasta dinamarquês Lars Von Trier.

A trama se passa na fictícia cidade de Dogville, uma pequena e obscura cidade situada no topo de uma cadeia montanhosa, ao fim de uma estrada sem saída, onde residem poucas famílias formadas por pessoas aparentemente bondosas e acolhedoras, embora vivam em precárias condições de vida. A pacata rotina dos moradores daquele vilarejo é abalada pela chegada inesperada de Grace (Mel Lisboa), uma forasteira misteriosa que procura abrigo para se esconder de um bando de gangsteres.

Recebida por Tom Edison Jr. (Rodrigo Caetano), que, comovido pela sua situação, convence os outros moradores a acolhe-la na cidade, Grace, apesar de afirmar nunca ter trabalhado na vida, decide oferecer seus serviços para as famílias da Dogville em agradecimento pela sua generosidade. Porém, no decorrer da trama, um jogo perverso se instaura entre os moradores da cidade e a bela forasteira: quanto mais ela se doa e expõe a sua fragilidade e a sua bondade, mais os cidadãos de bem exigem e abusam dela, levando a situação a extremos inimagináveis.

carmen

Dogville

Com Mel Lisboa, Eric Lenate, Fábio Assunção, Bianca Byington, Marcelo Villas Boas, Anna Toledo, Rodrigo Caetano, Gustavo Trestini, Fernanda Thurann, Thalles Cabral, Chris Couto, Blota Filho, Munir Pedrosa, Selma Egrei, Dudu Ejchel e  Fernanda Couto.

Teatro Porto Seguro (Alameda Barão de Piracicaba, 740 – Campos Elíseos, São Paulo)

Duração 100 minutos

25/01 até 31/03

Sexta e Sábado – 21h, Domingo – 19h

$50/$90

Classificação 16 anos

NATAL MÁGICO

Projeções 3D, chuva, neve, telões de LED, experiências sensoriais, mais de 250 figurinos, voos cenográficos, interação e muitas surpresas. São necessárias quatro carretas para carregar tudo o que é utilizado nessa superprodução criada pelo icônico diretor italiano Billy Bond, que está de volta a São Paulo com o espetáculo Natal Mágico.

Entre as grandes novidades para esse ano estão: truques realizados por equipamentos de última geração, 160m de leds, cenário giratório de 30m (responsável por dar sensação de profundidade, movimento e agilidade para todo o equipamento cênico), orquestra interpretando as trilhas sonoras ao vivo, reforço de cantores de primeira linha ao coro e ainda mais super-heróis. Além disso, a família protagonista do musical também aumentou e a filha de dois anos, junto com a irmã e o irmão, viverá grandes aventuras por meio de histórias clássicas e personagens que ganham vida em uma narrativa mágica.

Trazendo toda a emoção da época mais encantadora do ano, Natal Mágico terá apresentações em São Paulo, no Teatro Bradesco, dias 15, 16, 20, 21, 22 e 23 de dezembro. A realização é de Black & Red Produções, Campo de Produção e Ministério da Cultura.

Com grande elenco, Bia Jordão, que interpretou a personagem Júlia na novela Cúmplices de um Resgate do SBT, e Clara Jordão (que é irmã de Bia) interpretará sua irmã também no espetáculo. Juntas, a dupla viverá fortes emoções como a visita a uma casa de bonecas vivas, ursos dançarinos e a presença de super-heróis. Aos que assistiram ao espetáculo O Mágico de Oz, de abril a julho desse ano, no Teatro Bradesco, a pequena estava frequentemente na plateia, vestida de Dorothy, e encantou o público também fora dos palcos. Além disso, Ana Luiza Ferreira também está confirmada no elenco, ela participou dos musicais Mudança de Hábito e A Era do Rock.

A megaprodução contará com super-heróis que se unirão ao elenco para viver aventuras emocionantes dentro e fora dos palcos. Um número com acrobatas e atletas na cama elástica também promete agradar ao público com números inéditos de tirar o fôlego.

ENREDO

Ao som da Ave Maria, de Bach/Gounod (uma das composições mais famosas e gravadas em latim da Ave Maria), um anjo sobrevoa o presépio para anunciar a nascimento do Menino Jesus. O tradicional quadro, um dos preferidos e mais emocionantes do musical, ocorre simultaneamente a seis anjos que cantam ao vivo, enquanto floquinhos de neve caem do céu. Em clima mágico, a luz desenha no ar os personagens e ajuda a encantar o espectador.

Sobre uma base musical, os cantos acontecem ao vivo. O espetáculo narra a saída do Papai Noel da Lapônia, em um trenó, para ir ao encontro de uma família no Brasil. O bom velhinho ainda irá realizar os desejos de todos, desde conhecer as princesas de suas fábulas favoritas até os super-heróis. A partir daí uma série de quadros musicais conduz os pequenos a uma viagem por mundos encantados.

EFEITOS ESPECIAIS

A montagem, com figurinos, cenários, máquinas e equipamentos multimídia, lota quatro carretas de 40 pés. Além disso, esse ano, serão 160m de LED de altíssima definição, utilizado em grandes centros culturais de Nova York e Londres, é um dos recursos para compor o pano de fundo dessa história mágica e resgatar a esperança do Natal, junto com os principais personagens das histórias infantis.

O espetáculo também tem projeções em 3D, uso de técnicas de ilusionismo e levitação, cheiro, neve, movimentos de cenário controlados por computadores e uma iluminação diferenciada. Incorporado a todos esses efeitos especiais, são utilizados dois projetores de última geração, que mapeiam e recortam desenhos e figuras no ar, criando um ambiente de pura magia para os espectadores.

CARMEN (1).png

Natal Mágico

Com Bia e Clara Jordão, Ana Luiza Ferreira e grande elenco

Teatro Bradesco – Bourbon Shopping (R. Palestra Itália, 500 – Perdizes, São Paulo)

Duração 100 minutos

15 e 16/12 – 11h30, 16h e 20h; 20 e 21/12 – 16h e 21h; 22/12 – 16h e 20h e 23/12 – 16h

$70/$160

Classificação Livre

A COMÉDIA DO CORAÇÃO

“A Comédia do Coração” se passa dentro de um coração de uma jovem apaixonada, cheia de dúvidas sobre a possibilidade de casamento. Cada personagem é um sentimento diferente: a Paixão quer se casar, mas a Razão não acha que é um bom negócio e por isso quer, a todo custo, prender o Sonho e controlar a Alegria, fazendo alianças com o Medo, Ódio, Dor e o Ciúmes.

Escrita em 1927 por Paulo Gonçalves, a peça faz uso da linguagem coloquial para mostrar como as tensões internas de um ser humano acontecem, espelhando à época em que foi escrita, abordando idealismo comunista se opondo ao capitalismo que ganhava força como modelo econômico vigente, o papel da mulher na sociedade da época que era restrito a encontrar um bom marido, e o matrimônio como fator determinante na vida das pessoas.

Buscamos nos manter fiéis ao momento em que peça foi escrita, mas adaptamos toda a linguagem e introduzimos partes metalinguísticas para criar um ritmo mais animado e cenas ainda mais engraçadas para o público”, afirma o diretor do espetáculo, Alan Pires. “É uma premissa básica do espetáculo, manter suas características originais, mas também se atualizar, sendo tão interessante e divertido para um adolescente quanto para um idoso”, complementa.

Montada pela Amadododito Cia. Teatral, esta é 10ª temporada da “A Comédia do Coração”, que já foi assistida por mais de 25.000 pessoas. O espetáculo foi o vencedor do Festival de Teatro de São Paulo e já passou pelas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro e Santana do Parnaíba. O espetáculo faz parte da história do teatro Brasileiro e foi encenado pela Companhia Dulcina-Odilon, em 1941.  

CARMEN
A Comédia do Coração

Com Ana Paula Franciono, Beto Motta Junior, Ewinho Nunes, Marília Grampa, Priscilla Ribeiro, Victor Bastos, Vini Morais, Wesley Vieira e Alexandre Batista

Teatro Gil Vicente – Faculdade Impacta (Av. Rudge, 315 – Barra Funda, São Paulo)

Duração 100 minutos

06/10 até 08/12 (exceto dia 03/11)

Sábado – 20h30

$40

Classificação Livre

SAMBA JAZZ, O MUSICAL

Uma obra inédita e 100% autoral, o espetáculo explora questões que confrontam muito hoje em dia e, podemos ver em matérias de jornal e até na TV: O preconceito (seja racial ou de gênero), identidade (Onde você vive realmente importa?), autoestima (Qual é o seu valor na sociedade?), sexualidade/abuso (70% dos casos de abuso e das vítimas são crianças e adolescentes).

O Musical conta a história de 4 famílias que vivem em uma ocupação que, apesar dos seus dramas e lutas diárias, nunca deixaram de sorrir. O musical traz uma reflexão bem contemporânea, um olhar musical diferente, nessa história que pode se passar em qualquer tempo, mas nesse cenário escolhido que é a PERIFERIA, com personagens que podemos ou não encontrar pelas ruelas dessa grande São Paulo.

Aqui temos toda a cadencia do samba e as notas tortas do jazz. Mesmo com todas as histórias que permeiam e que de um jeito ou outro se conectam, esse espetáculo é nada mais do que um “GRITO DE LIBERDADE”.

O musical será interpretado por 15 atores/cantores e com música ao vivo tocada por 9 músicos.

Nesse morro tem muita história. Como uma madeira bruta trabalhada a mão, nasce à vontade de viver dessa gente que depois de muitos calos revelam-se belas esculturas da vida. Isso resume o nosso “SAMBA JAZZ”.

CARMEN.png

Samba Jazz, o Musical

Com Abel Juliano, Anamara Ribeiro, Ananza Macedo, Claus Xavier, Dani Mota, Diogo Lipoam, Érica Ribeiro, João Domeni, Mila Coimbra, Tarcísio Serasso, Wagner Lima e Yasmin Calbo.

Teatro Ruth Escobar – Sala Dina Sfat (Rua dos Ingleses, 209 – Bela Vista, São Paulo)

Duração 100 minutos

04 a 25/10

Quinta – 21h

$50

Classificação 14 anos

GESTA MULLIER

As mulheres que abriram caminho ao longo dos anos de escravidão, abusos e conquistas compõem a narrativa polifônica deste trabalho da Cia Casa da Tia SiréGesta Mullier está em cartaz na Oficina Cultural Oswald de Andrade, com sessões quartas, quintas e sextas-feiras, às 20h e sábados, às 18h. Ingressos grátis.

Com idealização e atuação de Andressa Ferrarezi, projeto vem sendo gestado pela atriz há cerca de seis anos, dentro das oficinas e ações da Cia Casa da Tia Siré. A iniciativa lançou uma provocação acerca dos arquétipos e estereótipos femininos com sete cenas dirigidas por sete diretores diferentes: Georgette FadelRenata ZhanetaNei Gomes, Osvaldo HortencioDaniela GiampietroVera Lamy e Dinho Lima Flor.

São histórias proibidas pela narrativa oficial que carregamos e herdamos. Um retorno ao obscuro útero doméstico que nos gerou e o vislumbre da concepção de um novo mundo. Passam por história que envolvem arquétipos como virgindade, casamento, mulheres subversivas, gravidez, entre outros,” explica Andressa.

Renata Zhaneta trabalhou com a questão da virgem, tratando desde a Virgem Maria até histórias sobre famílias que foram geradas por mulheres indígenas. Nei Gomes se debruçou com o tema da noiva e o que acontece com a mulher após o casamento. Uma das inspirações veio do quadro O Velório da Noiva, da pintora Maria Auxiliadora, e de entrevistas realizadas com outras mulheres. A cena se desenvolve com uma radionovela por meio de uma senhora contando todos os aspectos que a envolveram após o seu casamento, passando por solidão e abandono.

Osvaldo Hortencio ficou com o arquétipo da filha e sobre o sistema de regras que é introjetado na criança e reproduzido quando são adultas. Vera Lamy dirige uma cena que teve como propulsão a prostituição e o aborto. O texto A Infanticida Marie Farrar, de Bertolt Brecht, foi uma das inspirações.

Mulher diaba é o assunto que rege a direção de Daniela Giampietro. Foram pesquisadas as mulheres subversivas de vários tempos. São aquelas que se negaram ao trabalho doméstico, pediram divórcio, que desapareceram por lutar contra o sistema, até chegar a essas mulheres militantes que atuam hoje em movimentos como o Feminista, LGBTQI, Negro entre outros.

O modelo da parteira e da mulher grávida foi orquestrado por Dinho Lima Flor. Na trama, uma mulher decide pelo próprio corpo ao não se sujeitar ao estado ou plano de saúde para fazer suas próprias escolhas.

A cena final é realizada em uma grande árvore, feita pela artista plástica Bel Matos, que simboliza a sabedoria, ancestralidade, evocando conhecimento das curandeiras e benzedeiras, grávidas de conhecimento. Georgette Fadel utiliza esses significados para o prólogo e o epílogo do arquétipo da velha sábia.

A paisagem sonora mescla instrumentos como violoncelo, berimbau, guitarra, viola caipira, moringa. Todas as cenas acontecem dentro de um ninho, instalação de Caio Marinho, que faz uma alusão ao útero materno.

O espetáculo é a última etapa do projeto CompArte: Gestando Poéticas – 10 Anos de Cia. Casa da Tia Siré, contemplado com a 30ª. Edição do Fomento ao Teatro para a Cidade de São Paulo, que resultou nas montagens dos espetáculos DesPrincesa, Adoráveis Criaturas Repulsivas e Assombrosas.

CARMEN (2).png

Gesta Mullier

Com Andressa Ferrarezi

Oficina Cultural Oswald de Andrade (Rua Três Rios, 363 – Bom Retiro, São Paulo)

Duração 100 minutos

26/09 até 06/10

Quarta, Quinta e Sexta – 20h, Sábado – 18h

Entrada Gratuita (retirar ingresso com 1 hora de antecedência)

Classificação 12 anos

COMUM

Após enorme sucesso de público na temporada de estreia em Perus e no Teatro de Contêiner Mungunzá, o Grupo Pandora de Teatro realiza temporada de seu mais novo espetáculo na sede da Companhia do Feijão, que fica no bairro República, região central de São Paulo. A temporada na sede da Companhia do Feijão acontece de 03 a 26 de setembro, com apresentações às segundas e quartas-feiras, sempre às 20h00.

O espetáculo COMUM, que tem como eixo norteador o período ditatorial brasileiro e a descoberta da vala clandestina do Cemitério Dom Bosco em 1990, local que fica a cerca de 2 quilômetros da sede do grupo em Perus – a Ocupação Artística Canhoba. Uma vala comum com mais de mil ossadas, onde foram identificados desaparecidos políticos e cidadãos mortos pela violência da ditadura militar.

A revelação da existência de uma vala clandestina dentro de um cemitério oficial, desencadeou um processo de busca da verdade sem precedentes no país. A vala comum do Cemitério Dom Bosco foi apresentada ao mundo como um dos muitos crimes cometidos pelo regime surgido com o golpe de estado de 1964, e trouxe a crueldade da ditadura militar à tona no começo dos anos 1990. Até ali, o desaparecimento de pessoas, os falsos tiroteios e atropelamentos, as marcas de tortura e dores da perda, pertenciam apenas ao universo dos familiares, sobreviventes e amigos.

O espetáculo é formado por fragmentos de três histórias que se relacionam e se complementam. A primeira se passa no final dos anos 80, quando um jovem precisa passar por diversos obstáculos e conflitos para descobrir a verdade sobre o desaparecimento de seus pais, envolvidos com atividades de movimentos revolucionários na época da ditadura militar.

A segunda, inspirada nos coveiros da peça Hamlet de William Shakespeare, se passa nos anos 70 e retrata de forma cômica o universo de dois coveiros que recebem uma estranha tarefa: cavar uma vala enorme, de tamanho desproporcional.

A terceira é a historia de Beatriz Portinari e seu namorado, Carlos. O casal é retratado desde o primeiro encontro, as atividades politicas na faculdade em pleno período da ditadura militar, até a transformação desta garota comum em uma integrante do Movimento Estudantil. Seus ideais, contradições, sua prisão e o nascimento de seu filho.

A temporada de estreia de COMUM faz parte das ações do projeto contemplado na 30ª edição do Programa Municipal de Fomento ao Teatro da Cidade de São Paulo. Em Julho, o grupo estreou o espetáculo na Ocupação Artística Canhoba, realizou uma temporada em Agosto no Teatro de Contêiner Mungunzá. Agora o grupo ocupa o Espaço da Companhia do Feijão, no Bairro República e convida o público para participar das apresentações que acontecem às segundas e quartas-feiras de setembro.

Em 2018 o Grupo Pandora de Teatro comemora 14 anos de um trabalho contínuo de pesquisa e criação teatral no bairro de Perus, fortalecendo parcerias com polos culturais, artistas da região e com a própria população.

Compõe seu repertório também o espetáculo “Relicário de Concreto” (2013) inspirado nas memórias dos trabalhadores da Fábrica de Cimento Portland Perus e naGreve dos Queixadas, que ocorreu na Fábrica e durou sete anos. Além de ter lançado um livro chamado “Efêmero Concreto – Trajetória do Grupo Pandora de Teatro” organizado por Thalita Duarte e Lucas Vitorino, que destaca as ações do grupo fomentando a cultura no bairro e atuando em prol da revitalização da Fábrica de Cimento Portland Perus.

Sinopse: Inspirado na descoberta da vala clandestina do Cemitério Dom Bosco no bairro de Perus em 1990. Um jovem em busca de informações sobre o desaparecimento de seus pais, dois coveiros envolvidos com a criação da vala e uma estudante que se aproxima do ativismo político. 1970/1990 épocas distintas se entrelaçam e evidenciam causas e consequências.

CARMEN (5)

Comum

Com Filipe Pereira, Rodolfo Vetore, Rodrigo Vicente, Thalita Duarte e Wellington Candido

Espaço Companhia do Feijão (Rua Dr. Teodoro Baima, 68 – República, São Paulo)

Duração 100 minutos

03 a 26/09

Segunda e Quarta – 20h

Pague quanto puder

Classificação 12 anos