CANTOS DE COXIA E RIBALTA

O espetáculo musical original “Cantos de Coxia e Ribalta“, da Cia. de Teatro Lusco-Fusco, está de volta a São Paulo a partir de outubro de 2018, aos sábados às 20h e domingos às 19h, na Sala Carlos Miranda, dentro do Complexo Cultural Funarte SP. Os preços variam de R$ 25 a R$ 50, e os ingressos antecipados já podem ser adquiridos pelo site do espetáculo e da própria Cia.

Musical 100% autoral e brasileiro, “Cantos de Coxia e Ribalta” foi criado por Alef Barros e Gustavo Dittrichi, a partir do estudo de três vertentes artísticas: os personagens-tipos da commedia dell’arte, os ritmos musicais brasileiros e o teatro narrativo brasileiro; combinando esta nova abordagem com a bagagem de pesquisa cênica que a Cia. Lusco-Fusco já carrega; teatro e música (ou teatro musical).

Tanto o texto quanto as músicas são originais. O argumento (escrito por Gustavo Dittrichi) buscou livre inspiração na obra de Luis Alberto de Abreu; em especial no texto “O Auto da Paixão e da Alegria”. A linguagem cênica tem inspiração no musical “Godspell“, de Stephen Schwartz e John-Michael Tebelak. Já a música (escrita por Alef Barros) buscou referências na obra musical de Chico Buarque; nas composições de Baden Powell com Toquinho, em especial nos seus estudos e releituras dos cantos de terreiro e umbanda; e na bossa-nova em geral. Os arranjos musicais e composições gerais são de Dario Ricco, Hiago Guirra e Marco De Laet; e os arranjos vocais são de Joyce Roldan. A concepção cênica e estética é de Gustavo Dittrichi.

O espetáculo estreou em janeiro de 2018, e cumpriu sua primeira temporada até 4 de fevereiro. Em abril, foi convidado para participar do Festival de Teatro de Mauá 2018, encerrando a programação cultural do evento.

Para esta nova temporada, os arranjos vocais da peça foram revistos, números musicais foram alterados e pequenos detalhes foram incluídos para tornar a narrativa ainda mais poderosa – sem perder a característica que agradou ao público em sua temporada de estreia. Também foram selecionados novos artistas: Igor Patrocínio, que assume o papel do Jovem Ator; Yasmim Ribeiro, que alternará o papel de Dona da Cia. com Rodolfo Mozer, criando um novo jogo cênico para o espetáculo; Lucas Sansi (Ensemble e Swing) e Marcelo Fagundes (Ensemble). Eles se juntam aos artistas da primeira temporada: Gustavo Dittrichi (o Poeta), Marco De Laet (o Músico), Carolina Silveira (Jovem Atriz), Joyce Roldan (a Primadonna), Rodolfo Mozer (o Dono da Cia.), Beatriz Belintani (elenco de apoio), Isabella Costa (elenco de apoio) e Lais Helena (Ensemble e Swing). A volta do espetáculo prevê ainda participação de artistas convidados, que serão divulgados oportunamente.

O espetáculo cumpre temporada na Funarte até 28 de outubro; uma nova temporada em novembro também está prevista, a ser divulgada em breve.

O espetáculo tem patrocínio da Só Dança; apoio da ACENBI (Associação Cultural e Esportiva Nipo-Brasileira do Imirim), da Poiesis, das Fábricas de Cultura, doGoverno do Estado de São Paulo, da Funarte e do Ministério da Cultura. A produção e realização é da Lusco-Fusco Produções Artísticas.

Sinopse do espetáculo

Sob os sussurros da coxia e as luzes de ribalta, um grupo de atores se reúne para contar uma história. Entre o corre-vida e as chegadas e partidas dos trilhos de uma estação de trem, o público é apresentado a uma trupe de teatro em crise financeira, que corre o risco de ter seu teatro tomado por conta da especulação imobiliária. Um Poeta então é encarregado de criar uma grande obra teatral a fim de trazer de volta aos artistas os tempos áureos: é a última chance do Teatro sobreviver. Neste cenário, personagens tipificados, inspirados pelos tipos commedia dell’arte – o Dono da Cia., um Poeta, um Músico, uma Primadonna, um Jovem Ator sonhador e uma linda e ambiciosa Jovem Atriz – passam a viver seus próprios conflitos, que misturam-se com a própria história da peça que estão montando. Enquanto tentam contar a história, a realidade mistura-se com a ficção até que se tornem uma coisa só. A abordagem poética da paixão, da desilusão, da entrega, da inveja e competição, da morte e, sobretudo, da sensação de estar sempre tentando permanecer “de pé” e superar os obstáculos impostos pelo destino – sensação tão comum ao Teatro e também à vida cotidiana – são os ingredientes para mover o espetáculo.

CARMEN (5)

Cantos de Coxia e Ribalta

Com Igor Patrocínio, Yasmim Ribeiro, Rodolfo Mozer, Lucas Sansi, Marcelo Fagundes, Gustavo Dittrichi, Marco De Laet, Carolina Silveira, Joyce Roldan, Beatriz Belintani, Isabella Costa e Lais Helena

Funarte – Sala Carlos Miranda (Al. Nothmann, 1058 – Campos Elíseos, São Paulo)

Duração 135 minutos

06 a 28/10

Sábado – 20h, Domingo – 19h

$50

Classificação 12 anos

AS BRASAS

Consagrada obra do escritor húngaro Sándor Márai (1900-1989), “As Brasas” ganha sua primeira adaptação para os palcos brasileiros em uma montagem que marca a estreia de Duca Rachid – autora conhecida por diversos sucessos na televisão brasileira – na dramaturgia teatral. A ideia de adaptar o romance surgiu há quase dez anos, quando Duca e o também novelista e dramaturgo Júlio Fischer estavam trabalhando juntos e leram o livro. Escrita em parceria pela dupla com o diretor da montagem, Pedro Brício, “As Brasas” estreia em 29 de setembro, no SESC Santana. O ator e empreendedor cultural Felipe Lima responde pela idealização do projeto, junto com a autora, além da produção ao lado da Tema Eventos.

Em seu primeiro trabalho no teatro, Duca Rachid enfrentou um grande desafio na adaptação de um prestigiado romance. “Quando li, de cara, pensei que daria uma peça incrível. O trabalho foi difícil porque o livro tem várias camadas. É um jeito de eu me aprofundar nessa linguagem, que exige outro tipo de imaginação. Quando você escreve para TV e para cinema, tem algo mais naturalista e imagético. Para o teatro, é muito mais abstrato”, diz.

Herson Capri e Genézio de Barros vivem, respectivamente, Henrik e Konrad, protagonistas de uma história visceral de amor e amizade, marcada pelo rancor e o ressentimento. Ainda meninos, eles se conheceram na escola militar, tornaram-se amigos inseparáveis e, ao longo dos anos, partilharam descobertas e experiências da infância, juventude e vida adulta. Eles não se veem há 41 anos, desde o dia em que Konrad desapareceu após uma caçada na floresta nos arredores do castelo de Henrik, em 1899, na Hungria. Entre os dois, há um segredo que ronda o dia da caçada e as lembranças de Kriztina – mulher de Henrik e amiga de infância de Konrad. Após quatro décadas, Henrik, agora general, recebe uma carta do amigo informando estar de volta à cidade, levando-o a se preparar para esse tão aguardado confronto final.

Acho que o que mais me impressionou no livro foi a relação entre esses dois amigos. É tão profunda, uma amizade tão forte que, como acontece às vezes na vida, se estabelece uma relação de poder. Existe uma tensão entre os dois que acaba sendo projetada naquela mulher (Kriztina, mulher do Henrik e amiga de Konrad). Eles a usam para projetar aquele amor que sentem um pelo outro e não conseguem realizar. Existe essa tensão erótica”, conta Duca.

Fortemente presente no romance, a música foi transportada para a cena através da trilha original criada por Marcelo Alonso Neves. “Como, no livro, a música aparece relacionada aos personagens femininos, a violoncelista Nana Carneiro da Cunha vai executar a trilha ao vivo, no palco, e também dizer as falas femininas”, conta Pedro Brício. “É um livro sobre afetividade, memória e decadência. Um encontro muito íntimo entre dois amigos durante a II Guerra Mundial. Isso é muito interessante, esse contraponto entre o momento histórico, o cotidiano e as relações afetivas. É uma constatação de uma certa tristeza e uma decadência dessa dureza masculina”, analisa o diretor.

Idealizador da montagem, Felipe Lima já conhecia a obra de Márai quando foi convidado por Duca para participar do projeto e ficou encantado com a ideia de transpor para os palcos a história de Henrik e Konrad. “É uma história que fala de algo muito forte na minha vida: a relação de amor e de amizade. Por isso, esse livro me toca profundamente”.

CARMEN

As Brasas

Com Herson Capri, Genézio de Barros e Nana Carneiro da Cunha (violoncelista)

SESC Santana (Av. Luiz Dumont Villares, 579 – Santana, São Paulo)

Duração 70 minutos

28/09 até 04/11

Sexta e Sábado – 21h, Domingo – 18h

$30 ($9 = credencial plena)

Classificação 12 anos

CORAÇÃO SAFADO

Com texto de Ronaldo Ciambroni e direção de Kaká de Lyma, Coração Safado  é uma comédia de situação que entrelaça os personagens a partir de um transplante cardíaco. Está em cartaz todos os sábados, às 21 horas, no Teatro Santo Agostinho, até dia 03 de novembro.

Após sofrer infarto, Safira recebe a doação do coração de Danilo, um conquistador barato, que morreu de congestão com a amante na cama de um motel.

A partir daí, tem início uma série de situações e fatos inusitados e hilários entre os personagens (doador, transplantado, esposa e amante) e a confusão estará armada!

É diversão garantida ou seu coração de volta!

CARMEN

Coração Safado

Com Kaká de Lyma, Kátia Roberta, Rogério Moretto e Kamila Bielawski.

Teatro Santo Agostinho (Rua Apeninos, 118 – Liberdade, São Paulo)

Duração 90 minutos

15/09 até 03/11

Sábado – 21h

$50

Classificação 12 anos

OS ARQUEÓLOGOS

Depois de uma temporada de estreia aclamada por público e crítica e da participação no Festival de Curitiba e Palco Giratório (Porto Alegre), Os Arqueólogos volta à São Paulo em temporada no Instituto Cultural Capobianco. Escrito por Vinicius Calderoni, dirigido por Rafael Gomes interpretado por Guilherme Magon e Vinicius Calderoni.

O espetáculo rendeu o Prêmio APCA 2016 na categoria Melhor Autor para Vinicius Calderoni e recebeu outras quatro importantes indicações (Prêmio APCA: Melhor Espetáculo; Prêmio Shell: Melhor Autor; Prêmio Aplauso Brasil: Melhor Autor e Melhor Espetáculo de Grupo).

Dois narradores transmitem – com linguagem que parodia os jargões de modalidades esportivas como futebol, boxe e automobilismo – cenas corriqueiras que se passam na praça de uma grande cidade:  um pai que ensina ao filho como fotografar com uma câmera analógica, um casal que discute na calçada, uma garota que conta quanto tempo cada pessoa demora pra desfazer o sorriso do rosto depois que se despede de um conhecido, etc. Dois arqueólogos do futuro avaliam com rigor científico e frieza vestígios de uma estranha civilização: a nossa.

O oitavo espetáculo da Cia. Empório de Teatro Sortido detém-se na grandeza do ínfimo: dependendo do valor que se atribui a cada gesto cotidiano, o ordinário converte-se em extraordinário. Assim se ergue uma costura de pequenos detalhes mundanos que constituem algo próximo de uma “arqueologia íntima” para traçar um painel do nosso tempo.

O texto de Os arqueólogos foi publicado em livro em agosto de 2018 pela Editora Cobogó, bem como os três textos que compõem a Trilogia Placas Tectônicas, escrita por Vinicius Calderoni e composta por Não nem nada (Indicada ao Prêmio Shell de Melhor Autor), Ãrrã (Vencedora do Prêmio Shell de Melhor Autor) e Chorume.

CARMEN (3)

Os Arqueólogos

Com Guilherme Magon e Vinicius Calderoni

Instituto Cultural Capobianco (R. Álvaro de Carvalho, 103 – Centro, São Paulo)

Duração 60 minutos

02/10 até 18/12 (não haverá espetáculo no dia 06/11)

Terça – 21h

$50

Classificação 12 anos

FALANDO DE AMOR

As cantoras Isabella Taviani e Myllena apresentam o show Falando de Amor no dia 8 de outubro, segunda, 21h, no Theatro Net São Paulo. Acompanhadas por Pedro Braga, as artistas interpretam um repertório de canções de amor de variados compositores, entre eles Reginaldo Rossi, além de músicas autorais.

ISABELLA TAVIANI 

Na estrada com a turnê IT – 15 Anos Eu e Você, aos 15 anos de carreira, a cantora e compositora Isabella Taviani conquistou lugar de destaque na música popular brasileira. Filha de uma pianista e neta de um cantor de ópera, Isabella estudou canto para aprimorar a voz. Bebendo na fonte de Dalva de Oliveira a Elis Regina, de Maria Calas a Maria Bethânia e Simone -, lançou seu primeiro CD em 2003, pelo selo Green Songs, chegando às rádios do país inteiro com o hit instantâneo Foto Polaroid e os sucessos DigitaisDe Qualquer Maneira(“Peixinho”, para os íntimos) e Canção Para Um Grande Amor – todas no repertório do show.

MYLLENA

Apresentada ao Brasil como a revelação da Garagem do Faustão , em 2009, a cantora, compositora e instrumentista mineira concilia a música com a medicina. Em 2015,  Myllena lançou Liberdade de Ser, produzido por ela e pelo músico Torquato Mariano, com direção musical de Jorge Ailton. Já teve três músicas em trilhas sonoras de novela da Rede Globo. No repertório: a autoral QuandoCérebro Eletrônico (Gilberto Gil) e Apenas mais uma de amor (Lulu Santos).

Falando de Amor

Com Isabella Taviani e Myllena

Theatro NET São Paulo – Shopping Vila Olímpia (Rua Olimpíadas, 360 – Vila Olímpia, São Paulo)

Duração 80 minutos

08/10

Segunda – 21h

$100/$120

Classificação 12 anos

DANIEL BOAVENTURA AO VIVO NO MÉXICO

O cantor, músico e ator Daniel Boaventura apresenta no dia 6 de outubro, às 21h30, o show de lançamento do DVD gravado na Cidade do México, em outubro de 2017, no icônico Teatro Metropolitan – Daniel Boaventura ao Vivo no México.

Os laços de Daniel Boaventura com o México firmaram-se alguns anos atrás, em 2015, quando o cantor fez suas primeiras apresentações no país. Em cada um dos três shows na Cidade do México, Boaventura foi recebido com entusiasmo pela plateia mexicana. O cantor escolheu o país para registrar os momentos marcantes de seus últimos três anos de carreira, desde Your Song, seu último DVD, gravado em 2014.

Entre os destaques do show, estão I´ve Got You Under My Skin, eternizada na voz de Frank Sinatra – referências da carreira de Boaventura -, Should I Stay or Should I Go?, clássico do The Clash em versão big band; Sway, em uma versão metade em inglês e metade em espanhol, seguida pelos clássicos Corazón PartioLa Barca e Besame Mucho.

Daniel Boaventura ao Vivo No México

Com Daniel Boaventura

Theatro NET São Paulo – Shopping Vila Olímpia (Rua Olimpíadas, 360 – Vila Olímpia, São Paulo)

Duração 80 minutos

06/10

Sábado – 21h30

$180/$220

Classificação 12 anos

ROD HANNA DISCO BROADWAY

O show Rod Hanna Disco Broadway, a ser apresentado no Theatro NET São Paulo dias 4 e 5 de outubro, quinta e sexta-feira, às 21 horas, mostra ao público os maiores hits da Broadway em ritmo de discoteca com versões criadas pelo grupo Rod Hanna, em atividade há mais de 30 anos.

O show traz números adaptados de musicais que fizeram muito sucesso na Broadway, como O Fantasma da Ópera e Summer – The Donna Summer Musical, ganhador de vários prêmios Tony.

Entre muitos outros destaques, o repertório também passa por canções do ABBA presentes em Mamma Mia!, como Gimme, Mamma Mia e Dancing Queen.

Sobre o Rod Hanna

Rod Hanna é uma banda brasileira especializada em disco music, com sete CDs e quatro DVDs de releituras e inéditas. Formada há 30 anos pelo duo Rodrigo Laguna e Nora Hanna, já tiveram parcerias com os grupos americanos de disco music A Taste of Honey e Boys Town Gang, além de parcerias com os brasileiros Kiko Zambianchi, As Frenéticas, Luiz Schiavon (RPM), Kiko Loureiro (Angra), Thomas Roth, DJ Memê e Tuta Aquino.

Seu primeiro CD, Rod Hanna, foi produzido por Kiko Zambianchi e trouxe nove faixas autorais e uma releitura de You´ve Got a Friend, de Carole King, que abriu caminho para o Xuxa Hits, principal espaço para artistas da onda dance na época.

Em 1996, gravam o segundo CD, Vinil, em que assumem declaradamente a influência dos anos 70. Gravam seu primeiro videoclipe, dirigido por Geraldo Santos e bem executado na MTV.Em 1999, lançam o CD e videoclipe Disco, já com os figurinos de época, cuja novidade e boa recepção repercutiram em matéria de cinco minutos com Zeca Camargo no Fantástico. Desde então, a febre do revival da disco se incumbiu de lotar a agenda da banda.

Na sequência, gravam seu CD ao vivo Disco Festa 1, o CD retrô futurista 2070 e o ao vivo Disco Festa 2, que traz a parceria com o DJ Memê em duas faixas, entre elas Heaven Knows. Em 2005 lançam o primeiro DVD, Rod Hanna com participação das Frenéticas e Kiko Zambianchi. A inédita Pra Você Voltar é destaque na MTV e o trabalho traz também Seguir Só, produzida por Memê e de autoria de Rodrigo Laguna.

Em 2009, lançam seu segundo DVD, enquanto viajam o Brasil com seu show, dirigido por Ricardo Fabio, músico e diretor de shows temáticos nos EUA. Desde 2009, também apresentam Mamma Mia – O Show, com o grupo inglês ABBA Magic. Em 2011, foi a vez de Rod Hanna On Broadway, e em 2014-2015, à turnê com o célebre grupo americano de disco music A Taste Of Honey.

Durante sua carreira, a banda manteve-se fiel ao seu estilo, fazendo diferentes produções como o musical de sucesso On Broadway e mais recentemente o show Disco in Concert, acompanhado por Orquestra.

Rod Hanna Disco Broadway

Com Rod Hanna

Theatro NET São Paulo – Shopping Vila Olímpia (Rua Olimpíadas, 360 – Vila Olímpia, São Paulo)

Duração 90 minutos

04 e 05/10

Quinta e Sexta – 21h

$150/$210

Classificação 12 anos