CHAPLIN, O MUSICAL

Terno, bengala, chapéu coco e um bigode robusto. Acrescente essas características a uma cena do cinema mudo. Quem vem logo à mente é Charlie Chaplin no papel de Carlitos, protagonista do filme “O Vagabundo”, lançado em 1915. Mais de um século se passou e Chaplin segue no imaginário popular. A partir de 17 de maio, o público brasileiro terá uma nova chance de ver Jarbas Homem de Mello dando vida a esse ícone da sétima arte com a reestreia de “Chaplin, o Musical”, que fica em cartaz no Theatro Net SP até 29 de julho. “Acho que fizemos uma temporada curta da última vez e devíamos isso ao público. Encerramos as apresentações em 2015 com a casa lotada”, explica Jarbas, em meio a sua preparação para voltar ao papel: “É o desafio de sempre: apagar o personagem do trabalho anterior e começar a construir o Chaplin de novo”.

E bota desafio nisso. Afinal, Jarbas interpreta Charlie Chaplin dos 13 aos 82 anos, o que envolve um trabalho minucioso de preparação. “O desafio aqui é conseguir fazer essa curva dramática porque é a história de um homem contada com diversos timbres de voz, com diversos gestuais, com a coluna mais ereta, com a coluna mais curvada… E conseguir fazer isso de uma maneira muito verdadeira e crível para que o público consiga embarcar nessa história comigo”, conta o ator, que foi assistido por 80 mil pessoas na primeira temporada, em 2015.

Claudia Raia atua mais uma vez nos bastidores. Ao lado de Sandro Chaim, ela produz a versão brasileira do espetáculo, que ganhou o Prêmio Cenym como Melhor Musical e levou o Prêmio Bibi Ferreira de Melhor Cenografia e, na mesma premiação, foi indicado a Melhor Musical, Melhor Ator, Melhor Atriz Coadjuvante, Melhor Direção, Melhor Figurino, Melhor Versão e Melhor Musical por Voto Popular. “Sabíamos do sucesso, mas não podíamos imaginar que mais de dois anos depois o público ainda estivesse com a história que contamos tão presente. Ouvimos o apelo e a partir de 17 de maio ‘Chaplin, O Musical’ está de volta”, comemora Claudia.

A versão brasileira é assinada por Miguel Falabella e apresenta a trajetória de Charlie Chaplin desde sua infância pobre, em Londres, até o estrelato. Pessoas importantes na vida do personagem-título são levadas ao palco, como o irmão mais velho Sidney (Juan Alba), com quem tinha uma relação de cumplicidade; a mãe, Hannah (Naíma), talentosa cantora de teatro; Oona O’Neil (Myra Ruiz), sua quarta e última esposa; a colunista e crítica ferrenha Hedda Hooper (Paula Capovilla); Fred Karno (Julio Assad), empresário do Music Hall londrino; e Mack Sennett (Paulo Goulart Filho), fundador dos estúdios Keystone e responsável pela estreia de Chaplin no cinema.

30738162_2083554555223427_9115084241896472576_n.jpg

Para a família

Com classificação livre, “Chaplin, O Musical” é um programa para toda família curtir. “Não tem idade para se encantar com essa história. É tudo muito mágico. O cenário, a caracterização. Nós atravessamos nove décadas para contar essa história e isso fica evidente no palco. As crianças têm que vir porque é tudo muito encantador e emocionante. Meninos e meninas vão se identificar e curtir”, aposta Claudia.

“Chaplin, o musical” estreou originalmente no New York Musical Theatre Festival (2006) e passou pelo La Jolla Playhouse (2010) antes de chegar à Broadway, em 2012. No palco do Theatro Net SP, o espetáculo traz interpretações musicais grandiosas que incluem canções originais adaptadas e também cinco músicas compostas especialmente para a montagem brasileira. A narrativa ainda é enriquecida com projeções de trechos dos principais filmes dirigidos e encenados por Chaplin.

Apresentado pelo Ministério da Cultura e Santander, com patrocínio da Prevent Senior, “Chaplin, o musical” fica em cartaz no Theatro Net SP, de 17 de maio a 29 de julho.

Números grandiosos estão de volta!

– 23 atores envolvidos (21 adultos, 2 crianças)

– 34 técnicos

– 65 pessoas empregadas

– 120 figurinos

– 5 músicas extras compostas especialmente para a versão brasileira

– 32 perucas (2 só para o Chaplin)

– 25 itens de postiçaria (bigodes, sobrancelhas e barbas) + 20 bigodes só para o Chaplin

– Estão sendo usadas 3 bengalas vindas de Londres, do mesmo tipo das que o Chaplin usava

– Fazem parte da cenografia réplicas de objetos e peças de antiquários de São Paulo

– O projeto do cenário é inglês

06

Chaplin, o Musical
Com Jarbas Homem de Mello, Juan Alba, Paula Capovilla, Naíma, Paulo Goulart Filho, Myra Ruiz, Julio Assad, Lorenzo Tarantelli, Renatinho, Amélia Gumes, Claudia Rosa, Jofrancis, Luana Zenun, Luiza Arruda, Mariana Tozzo, Talitha Pereira, Arthur Berges, Beto Macedo, Felíppe Moraes, Fhilipe Gislon, Gustavo Ceccarelli, Marcos Lanza, Maurício Alves
Theatro NET SP – Shopping Vila Olímpia (Rua Olimpíadas 360 – Itaim Bibi, São Paulo)
Duração 140 minutos
17/05 até 29/07
Quinta e Sexta – 21h, Sábado – 17h e 21h, Domingo – 18h
$50/$200
Classificação Livre

BIBI, UMA VIDA EM MUSICAL

Ontem [25 de março],  Bibi Ferreira foi assistir, pela primeira vez, ao espetáculo que conta sua trajetória profissional e pessoal, “Bibi, uma Vida em Musical“, em cartaz no Teatro Oi Casa Grande, no RJ, até 1 de abril, de onde segue para temporada em SP, no Teatro Bradesco, a partir de 4 de maio.

Bibi entre Amanda Acosta e Tadeu Aguiar elenco Foto Carlos Costa 2287.jpg

A vida de Bibi, 95 anos de idade e 77 de carreira, é contada do nascimento aos 90 anos, por Amanda Acosta, como Bibi, e mais 18 atores-cantores, sob direção de Tadeu Aguiar, com texto de Artur Xexéo e Luanna Guimarães. Uma mulher à frente de seu tempo, que desfazia casamentos para perseguir a carreira de atriz, isso nos anos 1940, que lançou Maria Della Costa e deu a Cacilda Becker seu primeiro protagonismo, entre outras apostas. Estrelou My Fair Lady, Alô Dolly, Homem de la Mancha, Gota d’Água e Piaf. Em 2003, Bibi foi enredo da Viradouro, e aos 90 anos, chegou aos palcos da Broadway, seu sonho de menina.

Bibi, Uma Vida em Musical
Com Amanda Acosta, Analu Pimenta, André Luiz Odin, Bel Lima, Caio Giovani, Carlos Darzé, Chris Penna, Fernanda Gabriela, Flavia Santana, Guilherme Logullo, João Telles, Julie Duarte, Leandro Melo, Leo Bahia, Leonam Moraes, Luísa Vianna, Moira Osório, Rosana Penna, Simone Centurione.
Teatro Oi Casagrande (Av. Afrânio de Melo Franco, 290 – Leblon, Rio de Janeiro)
Duração 140 minutos
05/01 até 01/04
Quinta e Sexta – 20h30, Sábado – 17h e 21h, Domingo – 19h
$50/$150
Classificação 10 anos

AYRTON SENNA, O MUSICAL

Conhecido mundialmente como um dos maiores pilotos de Fórmula 1 de todos os tempos, Ayrton Senna inspirou gerações. Mas é a essência da personalidade e caráter de Ayrton, com espírito guerreiro e de solidariedade, o humor, amores e a relação com a família que o público poderá conhecer melhor em “Ayrton Senna, o musical”, produção da Aventura Entretenimento e Aventura Teatros, em parceria com a Família Senna e apresentado pelo Bradesco. O musical, com direção de Renato Rocha, entra em cartaz no Teatro Sérgio Cardoso, em São Paulo, no dia 16 de março.

O projeto tem patrocínio da Atlas Schindler, BMA, Rede D’Or São Luiz, Riachuelo, Sem Parar e Volkswagen Financial Services, apoio da Alelo, Momenta Farmacêutica, Timken e White Martins e aAvianca como transportadora oficial.

A superprodução reúne 26 atores em um espetáculo diferente, para toda a família, que conta a história por meio de acrobacias e efeitos especiais, integrando música, dança, teatro e circo.

Com texto e músicas inéditas de Claudio Lins e Cristiano Gualda, que dão o tom para contar a carreira do piloto por meio de uma linguagem artística, a trama acontece com duas histórias paralelas. De um lado temos Hugo Bonemer (Hair, Yank!, Rock in Rio, o musical e A Lei do Amor) como o Ayrton Senna, o atleta focado, perfeccionista, competitivo e louco por vitórias e do outro lado temos João Vitor Silva (Verdades Secretas e Rock Story) como Beco – apelido de Ayrton entre os mais próximos –, um jovem paulistano que trabalha com a família, com sonhos, valores e ideais. “Quisemos contar a história de uma pessoa comum que virou um herói nacional. E o Ayrton era isso, uma pessoa com dúvidas, medos, mas também inspiradora, que corria muito atrás dos seus sonhos e chegou no topo“, diz Claudio Lins. A narrativa traz grandes momentos da carreira e da vida de Ayrton Senna, como a relação dele com os pais e a emblemática vitória em Interlagos em 1991.

O espetáculo começa na última corrida de Ayrton, em Ímola, na Itália, e desenvolve com o que pode ter passado pela cabeça de Ayrton naquelas últimas cinco voltas. “É como se nessas últimas voltas ele se lembrasse dos principais momentos da vida dele, como uma retrospectiva”, comenta Aniela Jordan, sócia-diretora da Aventura Entretenimento. Cenários, sons e luzes envolvem e levam o público para dentro de uma corrida de Fórmula 1. Números aéreos e acrobacias representam no palco a velocidade que fazia parte da vida de Senna.

Responsável pela direção do espetáculo, Renato Rocha desenvolveu carreira internacional por quase 10 anos e é reconhecido por unir circo e teatro. O artista criou espetáculos em Londres (para a Royal ShakespeareCompany, The Roundhouse, LIFT (Festival Internacional de Teatro de Londres) e Circolombia), para a Bienal Internacional de Artes de Marselha, Teatro Nacional da Escócia, Festival Internacional de Dança de Leicester, União Européia e Unicef. “Para fazer um espetáculo sobre o Senna precisávamos usar muita velocidade, sons e luzes. Temos um espetáculo com muitos números aéreos e pendulares. Juntamos ferramentas de várias plataformas – teatro, o circo, a música e a dança – para essa grande homenagem a um dos nossos maiores heróis”, comenta o diretor.

Lavínia Bizzotto é a coreógrafa responsável pela construção e direção dos movimentos do espetáculo. A bailarina, atriz e coach corporal já ministrou cursos de dança contemporânea para a Intrépida Trupe e Cia de Dança Deborah Colker e traz toda a sua experiência para esta montagem. “Trabalhamos muito para a construção de uma coreografia forte, rápida e intensa”, comenta Lavínia. Para suporte circense à produção, Rodolfo Rangel integra a equipe como coach de acrobacia. O brasileiro integra a equipe de criação do Cirquedu Soleil e comanda o desenvolvimento acrobático do elenco. “Temos oito acrobatas já experientes no elenco e, além deles, aproveitamos para também capacitar alguns artistas que já têm uma aptidão física para a realização de alguns movimentos acrobáticos corretamente e com segurança”, disse Rodolfo.

No cenário, Gringo Cardia traz a referência às pistas de Fórmula 1 com os elementos que pertencem ao mundo da velocidade, como pneus, capacetes, boxes e faixas. Um pneu com 6m de altura e 3,5m de comprimento é um grande elemento acrobático em movimento e utilizado para as coreografias. Completam o cenário um painel de LED com 6m x 7,5m de altura e boxes – simulando garagens da F1 – montados nas laterais do palco, que abrigam a banda.

Para trazer o ar das passarelas para o palco, Dudu Bertholini assina o figurino do espetáculo. “Esse musical fala sobre o que o Senna representa para todos nós e ele representa superação, coragem, vitória e enfrentar os medos. Isso tudo é uma leitura mais sonhadora, mais poética, então tivemos a possibilidade de criar uma linguagem para esse musical que é o que a gente faz na passarela também”, conta o estilista. Para sustentar as coreografias rápidas e os movimentos acrobáticos, Dudu recorreu à tecnologia para a confecção das peças.  “Um exemplo é o macacão de piloto – que reproduzimos na forma – e colocamos tacos de malha na lombar, nas entrepernas e axilas para que eles possam executar os movimentos. Escolhemos matérias-primas que têm essa funcionalidade e esse conforto”, explica Bertholini.

Completam a equipe criativa o diretor musical Felipe Habib, a criação sonora de Daniel Castanheira, desenho de som do Carlos Esteves, desenho de luz de Renato Machado e o visagismo de Anderson Montes.

26731374_1226659840800945_1209372405253900816_n.jpg

Ayrton Senna, o Musical
Com Hugo Bonemer, Victor Maia, João Vitor Silva, Lucas Vasconcelos, Pepê Santos, Will Anderson, Leonardo Senna, Adam Lee, Ivan Vellame, Kiko do Valle, Natasha Jascalevich, Estrela Blanco, Karine Barros, Lana Rhodes, Bruno Carneiro, Douglas Cantudo, Juliano Alvarenga, Marcella Collares, Marcelinton Lima, Olavo Rocha, Laura Braga, João Canedo, Gabriel Demartine, Paula Raia, Norrana Hadassa e Pedro Valério Lopez.
Teatro Sérgio Cardoso (Rua Rui Barbosa, 153 – Bela Vista – São Paulo)
Duração 140 minutos
16/03 até 03/06
Quinta e Sexta – 20h30, Sábado – 17h e 21h, Domingo – 18h30
$50/$150
Classificação Livre

BIBI, UMA VIDA EM MUSICAL

Não consigo lembrar de mim fora de um teatro”. É assim que Bibi Ferreira, 95 anos, 76 como atriz, cantora, diretora e produtora, se descreve.

A trajetória pessoal e profissional dessa estrela brasileira só poderia ser contada e celebrada levando para o palco o próprio palco, das companhias de comédia, do teatro de revista, dos grandes musicais e do teatro engajado em que ela atuou.

E assim é BIBI, uma vida em musical, um espetáculo inédito, escrito por Artur Xexéo e Luanna Guimarães, sob direção geral de Tadeu Aguiar, que tem estreia nacional em 5 de janeiro de 2018, no Teatro Oi Casa Grande, no Rio de Janeiro.

Apresentado pelo Ministério da Cultura e Circuito Cultural Bradesco Seguros, através da lei Rouanet, o musical é uma realização da Negri e Tinoco Produções Artísticas [espetáculo “Excepcionalmente Normal” e diversos shows de Thereza Tinoco e Áurea Martins].

A atriz paulistana Amanda Acosta será Bibi. Ela foi Eliza Doolittle na montagem paulista de “My Fair Lady” de 2006, o mesmo papel que Bibi Ferreira fez na primeira montagem brasileira da peça americana. Amanda foi integrante do Trem da Alegria, de 1988 a 1992, quando o trio se desfez. Atriz de cinema e TV, ela fez no teatro musical “Essa é a nossa Canção”, “Baby, o Musical” e “4Faces do Amor”, todas sob direção de Tadeu Aguiar. Mais 18 atores integram o elenco.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Em BIBI, uma vida em musical, a história familiar, profissional e amorosa da artista se enredam. A formação em música, dança e línguas estrangeiras foi estimulada pela mãe Aida Izquierdo, bailarina espanhola. A estreia profissional no teatro, aos 19 anos, foi pela mão do pai, o ator Procópio Ferreira, em papel escrito por ele para a filha. Assim, o musical percorre todas as fases da vida de Bibi, da escolha do seu nome, sua preparação para os palcos, os espetáculos musicais como os inesquecíveis “Gota d’Água”, de Paulo Pontes e Chico Buarque, “My Fair Lady”, “Alô Dolly” e “Piaf, a Vida de Uma Estrela da Canção”,  seus casamentos, o nascimento da filha única, Tina Ferreira,  as viagens para Portugal e Inglaterra a trabalho, a homenagem da escola de samba Viradouro até sua chegada a um teatro da Broadway, aos 90 anos.

Artur Xexéo [“Cartola – O Mundo é um Moinho”, “Eu Não Posso Lembrar Que Te Amei – Dalva e Herivelto”, “Hebe, o Musical”] avalia a importância de Bibi Ferreira na profissionalização do ator no Brasil, em relação ao seu ofício. “Em relação ao teatro musical, ela foi, sem dúvida, a primeira atriz brasileira pronta para o gênero. Antes dela, havia as vedetes de revista, não necessariamente atrizes“, diz o coautor do texto.

Sob direção musical de Tony Lucchesi [“60! Década de Arromba – Doc. Musical”, “Eu não posso lembrar que te amei–Dalva e Herivelto”], oito músicos interpretam 33 canções, das quais cinco foram criadas para o espetáculo, letra e música, por Thereza Tinoco [suas composições foram gravadas por Simone, Ney Matogrosso, Lucinha Araújo, entre outros. Sua canção O Viajante foi tema do personagem de Tony Ramos, na novela Baila Comigo, da TV Globo. Compôs para vários infantis, para “Fica Combinado Assim”, de Herval Rossano, e dois números musicais para Bibi in Concert Pop, III, a pedido de Bibi Ferreira].

BIBI, uma vida em musical tem direção geral de Tadeu Aguiar [“Quase Normal”, “Ou tudo ou Nada”, “Essa é a nossa Canção” , “4Faces do Amor”, “Para sempre ABBA”, “Eu não posso lembrar que te amei–Dalva e Herivelto”].

 

Veja, abaixo, o convite do ator que interpreta o pai da atriz, Procópio Ferreira.

Bibi, Uma Vida em Musical
Com Amanda Acosta, Analu Pimenta, André Luiz Odin, Bel Lima, Caio Giovani, Carlos Darzé, Chris Penna, Fernanda Gabriela, Flavia Santana, Guilherme Logullo, João Telles, Julie Duarte, Leandro Melo, Leo Bahia, Leonam Moraes, Luísa Vianna, Moira Osório, Rosana Penna, Simone Centurione.
Teatro Oi Casagrande (Av. Afrânio de Melo Franco, 290 – Leblon, Rio de Janeiro)
Duração 140 minutos
05/01 até 01/04
Quinta e Sexta – 20h30, Sábado – 17h e 21h, Domingo – 19h
$50/$150
Classificação 10 anos

HEBE, O MUSICAL

O programa “Encontro com Fátima Bernardes” recebeu na manhã de hoje a visita de uma parte do elenco de “Hebe, o Musical” e o diretor Miguel Falabella, para uma conversa.

Foi apresentado o número “Beija Me”, em homenagem aos selinhos que a rainha da televisão dava nos seus amigos e entrevistados.

Não deixe de ver a matéria que fizemos com várias curiosidades sobre Hebe e que estão no musical. Clique aqui.

Hebe, o Musical
Com Adriano Tunes, Brenda Nadler, Carlos Leça, Carol Costa, Clarty Galvão, Daniel Caldini, Debora Reis, Dino Fernandez, Fefa Moreira, Fernando Marianno, Frederico Reuter, Giovana Zotti, Guilherme Magon, Keka Quarterone, Mari Saraiva, Maysa Mundim, Renata Bras, Renata Ricci, Renato Bellini, Renato Caetano e Rodrigo Garcia
Teatro Procópio Ferreira (Rua Augusta, 2.823 – Jardins, São Paulo)
Duração 140 minutos
12/10 até 17/12
Quinta e Sexta – 21h, Sábado – 17h e 21h, Domingo – 18h
$50/$190
Classificação 12 anos

ELENCO DE “HAIR, A REVOLUÇÃO DO AMOR” FAZ ENSAIO NU

Os valores trazidos pelo musical, sua descrição do uso de drogas ilegais, tratamento da sexualidade e uma cena de nu explícito, causaram e ainda causam enorme controvérsia.

A inspiração para incluir a nudez em “Hair” veio quando os autores, James Rado e Gerome Ragni, assistiram a uma demonstração anti-guerra na época, onde dois homens ficaram nus numa atitude de desafio e liberdade, e decidiram incorporar a ideia à peça.

Donna Summer, que fez parte da tribo alemã, resumiu o fato: “A cena não tinha nenhuma pretensão de ser sexual e não era. Nós ficávamos nus, em pé, simbolizando o fato de que a sociedade se preocupa mais com a nudez do que com mortes. Nós nos preocupamos mais com alguém andando quase nu pelas ruas do que com alguém andando por aí atirando nas pessoas“.

Mesmo após 50 anos de sua estreia, o musical vem para mostrar que muitos desses temas e tabus continuam atuais.

Uma maneira que o elenco encontrou de homenagear o musical, foi fazer esse ensaio inspirado no primeiro elenco e convidar a todos para assistirem a estreia de “HAIR – A Revolução do Amor” que acontece no Espaço Cia da Revista, em São Paulo, no dia 11 de novembro. Produzido pela Cena em SOL Produções, com produção executiva de Luciana Solitão. A nova montagem brasileira terá direção de Rafael Pucca, direção musical e vocal de Thiago Perticarrari, direção de movimento de Gabrielle Maia e versões de Giulia Nadruz. O regente será Gabriel Fabbri.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Hair – A Revolução do Amor
Com Luana Zenun, Gabriel Calixto, Mateus Torres, Amanda Bamonte, Allex Costa, Celo Carvalho, Luciana Solitão, Flávia Mengar, André Nogueira, Alice Zamur, Bruno Gasparotto, Fernanda Cascardo, Gabriel Camilo, Grasi Manhães, Heder Becker, Julia Sanches, Karla Nasser, Luana Bichiqui, Rodrigo Damo, Ronie Suárez, Mary Minóboli, Pedro Passari, Stefany Tomaz e Thales Reys.
Espaço Cia da Revista (Al. Northmann, 1135 – Santa Cecília, São Paulo)
Duração 140 minutos
11/11 até 03/12
Sábado – 20h, Domingo – 19h
$80
Classificação 16 anos

AYRTON SENNA, O MUSICAL (Rio de Janeiro)

A história do brasileiro Ayrton Senna, tri-campeão mundial de Fórmula 1, o levou a ser reconhecido como um dos maiores pilotos de todos os tempos, herói nacional e ídolo internacional. Mas é a essência da sua personalidade e caráter, com espírito guerreiro e de solidariedade, que estará nos palcos do espetáculo “Ayrton Senna, o musical“, que estreia no Teatro Riachuelo Rio, dia 10 de novembro. Nesta sexta, 03 de novembro, inicia a venda de ingressos para o espetáculo.

Não será um musical biográfico tradicional. A história está focada durante as cinco últimas voltas, antes do acidente fatal em Imola (Itália).  “A vida dele passará por sua cabeça em um turbilhão de imagens, fragmentos e sensações”, explica Renato Rocha, o diretor. “A proposta era inovar dentro da estrutura do teatro musical.

Produzido pela Aventura Entretenimento, em parceria com a família Senna e apresentado pelo Bradesco, “Ayrton Senna, o musical” é a vigésima quarta produção da Aventura, em nove anos de estrada, e um espetáculo diferente de tudo o que já foi criado pela produtora até o momento. “Para falar sobre Ayrton Senna temos que voar alto“, comenta Aniela Jordan, sócia-diretora da Aventura, ao lado de Fernando Campos, Luiz Calainho e Patrícia Telles.

Claudio Lins e Cristiano Gualda são a dupla que assinam o roteiro e as canções originais – compostas especialmente para o espetáculo. “É incrível contar a história de uma pessoa normal que virou um herói nacional. O país precisa de referências nesse momento“, diz Claudio Lins.  “Escrevemos a primeira canção e fomos apresentar à família Senna. Estávamos muito nervosos, pois ninguém tinha ouvido ainda e eles foram logo os primeiros. Foi um momento inesquecível, único, muito emocionante!“, comentou Gualda.

Para dar movimento e velocidade ao espetáculo, a direção fica por conta de Renato Rocha, diretor que desenvolveu carreira internacional por quase 10 anos, reconhecido por unir circo e teatro. “Não tem como fazer um espetáculo sobre Senna sem muita velocidade, sons e luzes. Teremos muitos números aéreos e pendulares“, comenta o diretor.

Vinte e quatro atores/cantores/bailarinos/acrobatas compõem o elenco formado após audição entre 100 pessoas. Hugo Bonemer (Hair, Yank!, Rock in Rio, o musical e A Lei do Amor) foi o ator escolhido para interpretar o Ayrton. “Foi a audição mais difícil que já fiz. Além da pressão do personagem, o teste foi com uma música autoral“, comentou Hugo. “Eu buscava um ator que me emocionasse e o Hugo me emocionou com o olhar. Me lembrou o olhar do Senna pelo capacete“, disse Renato Rocha, diretor da montagem.

O espetáculo tem um canal no youtube onde apresentará uma websérie sobre como foi feito o musical. No segundo episódio, ficamos sabendo sobre a direção musical, a criação sonora e os músicos.

Ayrton Senna, o musical” traz nomes de peso na equipe criativa, como Gringo Cardia no cenário e direção de arte, Dudu Bertholini assina os figurinos, a direção musical é de Felipe Habib, criação sonora de Daniel Castanheira, coreografia de Lavínia Bizzotto e visagismo de Anderson Montes.

O espetáculo tem patrocínio da Atlas Schindler, Riachuelo, Sem Parar, Volkswagen Financial Services, apoio da Alelo e White Martins, Avianca como transportadora oficial e Localiza Hertz como locadora de carros oficial.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Ayrton Senna, o Musical
Com Hugo Bonemer, Victor Maia, João Vitor Silva, Lucas Vasconcelos, Pepê Santos, Will Anderson, Leonardo Senna, Adam Lee, Ivan Vellame, Kiko do Valle, Natasha Jascalevich, Estrela Blanco, Karine Barros, Lana Rhodes, Bruno Carneiro, Douglas Cantudo, Juliano Alvarenga, Marcella Collares, Marcelinton Lima, Olavo Rocha, Laura Braga, João Canedo, Gabriel Demartine e Paula Raia.
Teatro Riachuelo Rio (Rua do Passeio, 40 – Cinelândia – Rio de Janeiro/RJ)
Duração 140 minutos
10/11 até 04/02
Quinta e Sexta – 20h30, Sábado – 16h30 e 20h30, Domingo – 19h
$50/$150
Classificação Livre