CABARÉS TEXTOS PUTOS

Viciada em sexo, Abhiyana pensa sobre o assunto todos os dias, em diversos momentos. O vício acabou a levando a escrever sobre o assunto. Até o fim do ano, ela lança o seu segundo livro sobre o tema, intitulado Por que gozar é tão bom?, que traz contos ficcionais e reais de experiências sexuais que também inspiram a criação do show Cabaré Textos Putos, que acontece de 24 de maio a 14 de junho, no Teatro de Bolso do IV Mundo, sempre às sextas, às 21h30.
Em modelo intimista, o show tem como foco mostrar o prazer feminino e colocar a mulher como protagonista da arte pornográfica. Além de Abhiyana lendo alguns dos contos do próximo livro, o show também terá cenas dos curtas que Abhiyana fez para o projeto de lançamento do seu segundo título, bem como o acompanhamento musical do tecladista Rodrigo Zanettini.
FACE

Cabaré Textos Putos

Com Abhiyana

Teatro de Bolso do IV Mundo (Praça Jesuíno Bandeira, 124 – Vila Romana, São Paulo)

Duração 75 minutos

24 e 31/05, 07 e 14/06

Sexta – 21h30

$40

Classificação 18 anos

FESTA DE INAUGURAÇÃO

Em 2011, durante uma manutenção no salão verde do Congresso Nacional que consistia em quebrar paredes para se descobrir as causas de um vazamento, foram encontradas frases escritas pelos operários responsáveis pela construção do prédio, inaugurado em 1960. As mensagens, que previam um futuro melhor para o país e a crença nas instituições democráticas do Brasil, foram lidas pelos integrantes da companhia brasiliense Teatro do Concreto como uma das inúmeras narrativas criadas ao longo do tempo que só são reveladas a partir de um processo de destruição. Com dramaturgia de João Turchi e direção de Francis Wilker, o espetáculo Festa de Inauguração estreia dia 30 de maio, quinta-feira, 21h30, no Sesc Pompeia.

Construída sem tomar como base a noção de personagens ou de começo-meio-fim, Festa de Inauguração tem uma dramaturgia tecida a partir das falas e narrativas que não são reveladas espontaneamente, mas sim através da destruição. “Notamos que no percurso da humanidade, nas artes e nas trajetórias pessoais, existem narrativas soterradas que precisam vir à tona e, normalmente, esse processo acontece por meio da destruição”, diz Francis Wilker, diretor da montagem.

Para Wilker, o gesto de destruir ganha novas camadas e pode ser lido como uma metáfora para desmontes de políticas públicas, silenciamento de grupos minoritários, revisionismos históricos e reflexão sobre a história da arte. Esse ponto de partida foi endossado por uma série de seminários promovidos pela companhia que reuniu sociólogos, arquitetos, artistas visuais, rappers e dramaturgos para dialogarem sobre a possibilidade de se “ler” a cidade como um livro.

Nos dedicamos a pensar na cidade como algo repleto de textos que precisam ser lidos, de discursos que precisam vir à tona”, diz o diretor, ressaltando que essa pesquisa fez com que Festa de Inauguração não fosse uma peça que falasse pelos operários ou sobre o processo de construção de Brasília, mas sim que esses fossem os elementos disparadores de uma série de reflexões sobre o ato de destruir e reconstruir – ciclo constante na humanidade.

João Turchi, artista goiano que reside em São Paulo, apesar de já ter trabalhado com Francis Wilker, escreve pela primeira para o Teatro de Concreto. Na construção dramatúrgica, Turchi decidiu dar luz à questão da história como algo que sempre foi manipulado pelo homem. “Esses textos encontrados em Brasília apontavam uma possibilidade de futuro pensada por esses trabalhadores – podemos associar essas imagens às inscrições rupestres de uma caverna, por exemplo. O que esses registros têm a nos dizer nos dias de hoje? Como contar isso a outro? Quais são as possíveis narrativas que existem aí?”, questiona.

A partir dessa provocação e das características que já são comuns ao grupo, como uma relação direta com a plateia e criação de peças que não se resumem a um só espaço cênico, Festa de Inauguração começa nas imediações do Sesc Pompeia. Dessa forma, a peça cria as metáforas a partir de um olhar arqueológico, onde o fim representa a continuidade de um ciclo que irá gerar novas leituras sobre o que foi destruído.

Sobre a experiência de dar a largada na primeira temporada em São Paulo, Francis Wilker espera trazer para a cidade as marcas que mais consagram a história do Teatro do Concreto, como a relação com o espaço alternativo e sua conexão com a cidade. “Brasília é uma cidade urbana, onde há muito concreto, e nosso grupo nasce sob essa égide”, conta. O diretor também destaca o fato de a companhia sempre trabalhar a partir de textos inéditos e das montagens dialogarem com a performance e não com um modelo tradicional de teatro.

Festa de Inauguração tem ainda cenário e figurino assinados por André Cortez, luz de Guilherme Bonfanti, do Teatro da Vertigem; e elenco composto por Gleide Firmino, Micheli Santini, Adilson Diaz e Diego Borges.

FACE.png

Festa de Inauguração

Com Gleide Firmino, Micheli Santini, Adilson Diaz, Diego Borges

SESC Pompéia – Espaço Cênico (R. Clélia, 93 – Água Branca, São Paulo)

Duração 80 minutos

30/05 até 23/06

Quinta, Sexta e Sábado – 21h30, Domingo e Feriado – 18h30

$20 ($6 – credencial plena)

Classificação 18 anos

VEM TRANSAR COM A GENTE

A partir do dia 07/06, 23h30, o Teatro Bibi Ferreira, em São Paulo, estreia o espetáculo Vem Transar com a Gente, estrelado por Tatiana Presser e o marido, Nizo Neto. Na montagem o casal apresenta situações divertidas sobre sexo, que permeiam a vida de milhões de brasileiros. Sob a direção de Fernando Ceylão, o texto tem como base o livro lançando recentemente por Tatiana, que, aliás, foi uma das atrações mais vistas do programa de Tatá Werneck no Multishow.

Tatiana Presser e o marido, Nizo Neto, são as mentes brilhantes no comando da Vem Transar, sofisticada marca de produtos eróticos. Embaixadores deste mercado no país, os dois utilizam a experiência como sexpert e comediante, respectivamente, para ajudar a desmitificar tabus sobre esse universo. Autora do livro Vem Transar Comigo, publicado no ano passado pela Editora Rocco, Tatiana participou recentemente do quadro Entrevista com Especialista no programa Lady Night, no Multishow com Tatá Werneck. O vídeo viralizou nas redes sociais e atingiu mais de 40 milhões de visualizações em diferentes canais do Facebook e Youtube.

O desejo não tem prazo de validade. A gente pode estar se reinventando o tempo inteiro. Mas existe uma questão neurológica, que mostra que a partir de cinco anos de relacionamento a frequência de relação sexual cai mais que 50%. Mas se existe amor por esse parceiro, não é melhor você resolver esse problema e ir adiante? Se você se separa, daqui a cinco anos pode estar na mesma situação. Então, a primeira dica que eu dou é: ‘Vamos nos informar, gente! Informação é poder, educação sexual é saúde’”, defende a Tatiana, que também está gravando o piloto do programa para a TV paga, Vem Transar na  Kombi, no qual, sem roteiro pré-estabelecido, roda a cidade do Rio de Janeiro, para tirar dúvidas do público sobre sexo.

Entre os lançamentos da grife Vem Transar, neste segundo semestre, estão produtos como a nova linha de sexy toys, da Adão e Eva, uma seleção de géis funcionais e a linha de luxo de toys chamada White Party.

Muitas vezes, noto que as pessoas levam o sexo a sério demais. Na verdade nunca entendi direito porque tanto barulho quando se fala do assunto. Não fosse o sexo, nenhum de nós estaria aqui, já que a cegonha e o repolho estão totalmente descartados”, opina Nizo.

Ator e comediante Nizo Neto estreou na TV aos sete anos, ao lado do pai, Chico Anysio e se se consagrou no papel de Ptolomeu, o aluno mais inteligente da Escolinha do Professor Raimundo.  Ao lado de Tatiana, ele foi um dos curadores da programação da Sexy Fair,  maior evento do país do mercado erótico, e também escreveu a peça Vem Transar com a Gente, que  mostra  o  lado divertido das relações.

FACE.png

Vem Transar com a Gente

Com Tatiana Presser e Nizo Neto

Teatro Bibi Ferreira (Av. Brigadeiro Luís Antônio, 931 – Bela Vista, São Paulo)

Duração 75 minutos

Estreia 07/06

Sexta e Sábado – 23h30

$60

Classificação 18 anos

A FOME

Entre revelações pouco palatáveis e a exposição de uma fome voraz pela vida, uma mulher sem nome incorpora circunstâncias míticas e críticas sobre o feminino a partir de uma performance-limite entre o ritual e o cyber. Dirigido por João de Ricardo e atuado por Sissi Betina Venturin, o monólogo cria reflexões sobre relações amorosas e sociais atordoantes. A fome nasce do caos e incorpora-se com a força de uma deusa pagã em uma mulher.

O público é recebido com fiapos de luz que cortam a escuridão volátil de névoas e ruídos, é o começo do universo. Aos poucos revela-se uma forma que não sabemos se é humana ou animal, uma boca flutuando na escuridão, antes de ser corpo a fome é uma boca ameaçadora. A personagem mostra-se em pedaços: boca, vagina, cabeça, uma mulher que fala sem parar, parente próxima dos personagens de Beckett.

FACE (1)

A Fome

Com Sissi Betina Venturin

SESC Belenzinho – Sala de Espetáculos I (R. Padre Adelino, 1000 – Belenzinho, São Paulo)

Duração 90 minutos

05 a 07/04

Sexta e Sábado – 21h30, Domingo – 18h30

$20

Classificação 18 anos

TOM NA FAZENDA

Fenômeno teatral carioca de 2017 e de 2018, “Tom na Fazenda” estreia em São Paulo em 16 de março no SESC Santo Amaro para curta temporada de um mês. Desde sua estreia em março de 2017 no Rio de Janeiro, “Tom na Fazenda” fez 157 apresentações e já foi vista por mais de 18 mil pessoas. A peça também recebido indicações e prêmios, como melhor espetáculo estrangeiro da Associação de Críticos de Teatro de Québec, Prêmio Shell de Teatro, Prêmio Cesgranrio de Teatro, Prêmio Botequim Cultural, Prêmio APTR, Prêmio Questão de Crítica e  Prêmio Cenym de Teatro Nacional.

A peça é baseada na obra Tom à la Farme, do autor canadense Michel Marc Bouchard. Foi numa conversa com um amigo que Armando Babaioff tomou conhecimento do filme Tom na Fazenda (2013), adaptação da peça homônima, com direção do franco-canadense Xavier Dolan. Arrebatado pela obra, o ator começou a traduzir a peça, que aborda a inabilidade do indivíduo para lidar com o preconceito, a impotência, a violência e o fracasso.

Em cena, o publicitário Tom (Armando Babaioff) vai à fazenda da família para o funeral de seu companheiro.  Ao chegar, descobre que a sogra (Kelzy Ecard) nunca tinha ouvido falar dele e tampouco sabia que o filho era gay. Nesse ambiente rural e austero, Tom é envolvido numa trama de mentiras criada pelo truculento irmão (Gustavo Vaz) do falecido, estabelecendo com aquela família relações de complicada dependência. A fazenda, aos poucos, vira cenário de um jogo perigoso, onde quanto mais os personagens se aproximam, maior a sombra de suas contradições.

No ano em que traduzi a peça, 347 pessoas foram assassinadas pelo simples fato de serem quem eram. O Brasil é o país que mais mata homossexuais no mundo, mais do que nos 13 países do Oriente e da África onde há pena de morte aos LGBT. O que me fascina em Tom na Fazenda é essa possibilidade de falar de assuntos que eu realmente acho necessário. Eu sinto essa necessidade de dizer para o mundo verdades das quais eu acredito“, diz Babaioff. “Somos felizardos em poder contar essa história, agora em São Paulo, e somos gratos à trajetória que o espetáculo está realizando sem qualquer recurso vindo de leis de incentivo“, completa o ator.

“Tom na Fazenda” conta uma história bastante comum entre jovens de várias gerações, mesmo de culturas diferentes. No Canadá, no Brasil, no Oriente Médio, no Japão ou na África do Sul, homens e mulheres jovens aprendem a mentir antes mesmo de aprenderem a amar. As famílias, guardiãs das normas sobre a sexualidade, garantindo sempre a heteronormatividade, inserem nos próprios membros a semente da homofobia. “Todo redemoinho que devastará a vida dos que fogem das normas surge no núcleo de suas próprias famílias“, comenta o diretor Rodrigo Portella, que opta, mais uma vez por uma encenação com poucos elementos para que as sutilezas das relações propostas pelo texto se sobressaiam. “Bouchard compôs uma obra de estrutura impecável. Ele vai fundo nas contradições dos seus personagens, o que os torna muito próximos de nós“, acredita o diretor.

Tom na Fazenda

Com Armando Babaioff, Kelzy Ecard, Gustavo Vaz e Camila Nhary

Sesc Santo Amaro (R. Amador Bueno, 505 – Santo Amaro, São Paulo)

Duração 120 minutos

16/03 até 14/04

Sexta e Sábado – 21h, Domingo – 18h

$30 ($9 credencial plena)

Classificação 18 anos

POSIÇÃO DE ARMAZENAMENTO

Dias 5 e 6 de outubro, sexta e sábado, a bailarina Thiane Nascimento apresenta o solo Posição de Armazenamento no Sesc Belenzinho, às 20 horas. O espetáculo tem como proposta articular de modo irônico e crítico as relações entre corpo e gênero.

A artista também ministra a oficina Que Corpo É Esse?, partindo da discussão inserida no espetáculo, nos dias 3 e 04 de outubro, quarta e quinta, das 15h às 18 horas. As inscrições são grátis.

Posição de Armazenamento tem como ponto de partida os termos sexistas que relacionam a mulher a um animal cuja carne serve de alimento diário para diversos povos, cujo corpo é utilizado em rituais religiosos, que bota ovos não fecundados todos os dias e não pode voar. A fertilidade e infertilidade, potencial de voo e a incapacidade de decolar, o sagrado e o profano servem como exploração de uma qualidade corporal precária e instável.

A obra surgiu em 2013 durante uma residência artística em Lisboa, onde Thiane Nascimento pôde experimentar a fronteira entre bicho e humano em uma granja. No ano de 2016, a autora compartilhou parte do processo de criação e os procedimentos corporais desse corpo instável em uma penitenciaria feminina, em São Paulo, e em uma mini residência na Oficina Cultural Oswald de Andrade. Em 2017, a peça participou da mostra de solos em processos no espaço Kasulo. Desde então, o que existe sobre o espetáculo é um arsenal dramatúrgico sendo formatado no espetáculo.

Oficina: Que Corpo é Esse? – A atividade parte da discussão sobre corpo e gênero do espetáculo Posição de Armazenamento e busca criar um campo de experimentação. Fazer e conversar, conversar e fazer. A oficina também propõe aos participantes procedimentos corporais como instabilidade e estabilidade a serem investigados no corpo de cada um presente.

CARMEN.png

Posição de Armazenamento

Com Thiane Nascimento

SESC Belenzinho – Sala de Espetáculos II (Rua Padre Adelino, 1000 – Belenzinho, São Paulo)

Duração 90 minutos

05 e 06/10

Sexta e Sábado – 20h

$20 ($6 – credencial plena)

Classificação 18 anos

Oficina: Que Corpo é Esse?

Data: 3 e 4 de outubro. Quarta e quinta, das 15h às 18h

Local: Sala de Espetáculos II.

Não recomendado para menores de 18.

Grátis. Público: interessados em geral pelas artes do corpo.

Inscrições: oficinadedanca@belenzinho.sescsp.org.br – enviar de carta de interesse até dia 29/09.

 

GLITTER COMEDY – NOITE DE TESTE

Nova noite paulistana para velhos e novos comediantes, “Glitter Comedy” surgiu para trazer diversidade as noites de comédia onde o MC é uma Drag Queen. Rodrigo Habermann da vida a Willy Drag, que já participou de programas de tv e em parceria com a página “Menino Gay” foram os vencedores do desafio Unaids 2018, atuando também com animação e Stand Up Comedy em diversos eventos. A noite de humor será no coração da diversidade de São Paulo, praça Roosevelt que tem ótima localização e fácil acesso para todos os públicos no Bambolina Bar.

Os personagens das noites sempre são uma surpresa, sempre pensando na diversidade humorística, cada um deles irá trazer sua visão para fatos do cotidiano de forma espontânea e cada um com sua particularidade, “Glitter Comedy” tem os mais diversos ingredientes que vai contagiar e tirar muitas risadas da plateia.

Indiscretissimos4.png

Glitter Comedy – noite de teste

Com Willy Drag

Bambolina Bar (Praça Franklin Roosevelt, 124 – Consolação, São Paulo)

Duração 120 minutos

21/08 até 27/11 (sessões quinzenais)

Terça – 20h

$5

Classificação 18 anos