60! DÉCADA DE ARROMBA – DOC. MUSICAL

Aos primeiros acordes da abertura da ópera “O Guarani” (Carlos Gomes), abrem-se as cortinas do espetáculo “60! Década de Arromba – Doc. Musical“, no palco do Theatro Net São Paulo.

O espetáculo, criado por Frederico Reder e Marcos Nauer, retrata – através de projeções de fotos e filmes – o que aconteceu no nosso país e no mundo durante a década de 60. E como estamos falando de teatro musical, a história é embalada por canções do mesmo período.

O que é um Documentário Musical

Nem os autores sabiam. O formato era algo inovador no gênero do Teatro Musical.

O que ambos sabiam era o desejo que Frederico Reder tinha por fazer um musical com a Wanderléa, segundo Marcos Nauer. Era uma relação de fã e ídola. Do convite até o sim, durou aproximadamente um ano.

O musical conta a história do mundo durante esta década. Não há um protagonista específico. Os autores criaram três fios condutores que atravessam o período: a exploração espacial pelos Estados Unidos e União Soviética; o desenvolvimento da juventude (já que até os anos 50, de criança passava-se direto para adulto) e a transformação do papel da mulher na família e sociedade.

Para contar a história, os autores também recorreram aos meios de comunicação. No prólogo, é mostrada a década de 20, com o início das transmissões de rádio no país. E passam-se quatro décadas, até chegar a década de 60, com a televisão e o cinema (o palco do teatro é uma grande televisão – que vai do preto e branco até a em cores).

O musical segue uma estrutura cronológica, que vai mostrando os fatos mais importantes, bem como as músicas lançadas, ano após ano. Há uma intercalação entre os momentos de projeção de filmes e fotos, com o dos atores no palco.

20170407_161950_1.jpg

60! Década de Arromba – Doc. Musical

Pelo palco do Teatro NET São Paulo desfilam cerca de 100 canções desta década, por cerca de 180 minutos, interpretadas por um elenco de 23 jovens atores/cantores. (Não há como destacar um só. Todos têm o seu momento de destaque. São a nova geração de atores do nosso Teatro Musical brasileiro)

Wanderléa aparece ao final do primeiro ato, com a canção “Ternura” (1965), que veio lhe dar o apelido de Ternurinha. É um dos momentos mais aguardados pela plateia. Depois ela volta para cantar outros clássicos, como “Pare o Casamento” (1966), “Pode vir quente que estou fervendo” (1966) e “Te Amo” (1967). Ela encerra o espetáculo com “Foi Assim” (1969) e “É preciso saber viver” (1968).

Durante o espetáculo, algumas cenas marcam emocionalmente a plateia: a construção do Muro de Berlim (1961), tragédia do Gran Circo Norte Americano em Niterói/Rio de Janeiro (1961), o envio dos jovens para lutar no Vietnam (1963), a censura durante o tempo da ditadura (1968); além da perda de personalidades, como Marylin Monroe (1962) e John Kennedy (1963).

Mas também há espaço para o humor. Podemos destacar os atores Rodrigo Naice e Tauã Delmiro, que além de interpretarem vários papéis, cuidam do número de plateia (começo do segundo ato). Ambos são duas freiras que irão reger o público num número musical.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Os próximos Doc. Musicais

Marcos Nauer disse que, devido a receptividade do público carioca (a temporada inicial prevista era de dois meses, ficaram cinco) e do público paulista, já estão previstos os Doc. Musicais dos anos 70, 80 e 90. “2000 ainda não porque está muito perto.” As pesquisas já começaram. E conjuntamente, Marcos está escrevendo “As Vozes que Mudaram o Mundo“, um outro doc. musical que retrata as vozes negras femininas na América.

Ficou com vontade de ver alguns números musicais? Vá na nosso canal do youtube, que publicamos oito vídeos.

Este slideshow necessita de JavaScript.

60! Década de Arromba – Doc. Musical
Com Wanderléa, Amanda Döring, Analu Pimenta, André Sigom, Bel Lima, Cássia Raquel, Deborah Marins, Erika Affonso, Fabiana Tolentino, Giu Mallen, Jade Salim, Jullie, Leandro Massaferri, Leo Araujo, Marcelo Ferrari, Mateus Ribeiro, Pedro Arrais, Rachel Cristina, Raphael Rossatto, Rodrigo Morura, Rodrigo Naice, Rodrigo Serphan, Rosana Chayin, Tauã Delmiro
Theatro NET São Paulo – Shopping Vila Olímpia (Rua Olimpíadas, 360 – Vila Olímpia, São Paulo)
Duração 180 minutos
10/04 até 28/05
Quinta e Sexta – 20h30; Sábado – 17h e 21h; Domingo – 17h
$50/$220
Classificação 12 anos
Roteiro e Pesquisa: Marcos Nauer
Direção: Frederico Reder
Direção Musical: Tony Lucchesi
Coreografia: Victor Maia
Figurino: Bruno Perlatto
Cenário: Natália Lana
Iluminação: Daniela Sanchez
Diretora Assistente: Alessandra Brantes
Videografismo cenário: Thiago Stauffer
Desenho de Som: Talita Kuroda e Thiago Chaves
Direção de Produção: Juliana Reder e Frederico Reder
Produtores Associados: Tadeu Aguiar e Eduardo Bakr

CANTO PARA RINOCERONTES E HOMENS

Será que nós, seres humanos, gostaríamos de virar rinocerontes? Foi a partir desse e de outros questionamentos que o os atores do Teatro do Osso, sob a direção de Rogério Tarifa (Cia do Tijolo e Cia São Jorge de Variedades), iniciaram o processo do espetáculo CANTO PARA RINOCERONTES E HOMENS, que volta em cartaz dia 10 de novembro, quinta-feira, às 20 horas, no CCC – Centro Compartilhado de Criação.

Partindo da obra O Rinoceronte, de Eugene Ionesco, o ato-espetáculo musical traz para o palco temas como a brutalização do ser humano, a falta de sonhos e a extinção do homem. A montagem, que teve nove meses de ensaio, marca a parceria de Rogério Tarifa, William Guedes e Jonathan Silva, ambos da Cia do Tijolo e vencedores do Prêmio Shell de Teatro. A montagem é finalista do Prêmio Aplauso Brasil na categoria Melhor Espetáculo de Grupo.

Na versão de Rogério Tarifa a história é cantada pelos atores, que são acompanhados por um pianista e um percussionista. Para o diretor, o espetáculo é um grande musical com forte diálogo com as artes plásticas e a dança. “Os sete atores formam um grande coro para contar e cantar a história de transformação dos homens em rinocerontes”, explica Tarifa.

Rinocerontes urbanos

O conceito de rinocerontes urbanos marca a montagem de CANTO PARA RINOCERONTES E HOMENS. “Além do texto de Ionesco, outras dramaturgias se incorporaram ao espetáculo e com isso chegamos a esse conceito, onde atualmente as pessoas estão sempre ao ponto de explodir como uma verdadeira bomba”, conta o diretor.

Para isso, Rogério pediu para cada ator criar um solo, onde a transformação de homem em rinoceronte fosse mostrada, sendo que a transformação teria que ter um tema. Crimes de ódio, violência, ensino, trabalho e culto a beleza são alguns temas utilizados pelos atores para virarem, durante o espetáculo, em rinocerontes.

A montagem também abre novas faces em relação ao texto de Ionesco. “O espetáculo é uma livre adaptação da obra e por isso trazemos outros questionamentos, como a própria extinção dos rinocerontes, que acontece atualmente. No nosso final, além de um único homem também sobra um único rinoceronte”, adianta Tarifa.

Canto para Rinocerontes e Homens
Com Gabriela Gonçalves, Guilherme Carrasco, Luísa Valente, Murillo Basso, Renan Ferreira, Rubens Alexandre e Viviane Almeida.
Músicos – Bruno Pfefferkorn e Filipe Astolfi. Dramaturgia – Jonathan Silva, Rogério Tarifa e Elenco.
CCC – Centro Compartilhado de Criação (Rua James Holland, 57 – Barra Funda, São Paulo)
Duração 180 minutos
10 até 27/11
Quinta, Sexta e Sábado – 20h; Domingo – 19h; Segunda – 20h
$30
Classificação 14 anos
 
Direção – Rogério Tarifa.
Texto Original – O Rinoceronte, de Eugene Ionesco.
Direção Musical e Preparação Vocal – William Guedes.
Composição Musicas Inéditas – Jonathan Silva.
Cenário – Rogério Tarifa.
Assistência de Cenário – Elenco.
Cenotécnico – Zito Rodrígues.
Figurino – Silvana Carvalho, Rogério Tarifa e Elenco.
Colaboração – Artur Abe.
Consciência Corporal e Direção de Movimento – Érika Moura.
Desenho de Luz – Rafael Souza Lopes.
Operação de Luz – Nara Zocher.
Vídeo – Flávio Barollo.
Supervisão em Teatro de Animação – Luiz André Cherubini.
Fotos – Cacá Bernardes
Assessoria de Imprensa – Renan Ferreira

RECEITAS DE FRIDA

Um prato salgado com chocolate como ingrediente. Um petisco picante para os amigos. Uma receita com as cores da bandeira do México. Uma bebida transformada em sobremesa. Essas são algumas das receitas que a chef Ana Franco ensina no curso Receitas de Frida, que acontece no Espaço Cultural Porto Seguro nos dias 5, 12 e 19 de novembro, sábados, das 15h às 18h.

Como parte da programação paralela da exposição Frida Kahlo – Suas Fotos | Olhares sobre o México em cartaz no Espaço Cultural Porto Seguro, até 20 de novembro, Ana Franco, do blog Cozinha de Ideias, mostra como criar alguns pratos mexicanos tendo como inspiração a vida de Frida Kahlo. O cardápio é baseado em pesquisas sobre a  vida de Frida e suas comidas favoritas, além de dicas, sugestões e um pouco da história da gastronomia mexicana e do que ela representa para sua nação.

Ana Franco é formada em gastronomia na Austrália e pós-graduada pela FAAP. No Cozinha de Ideias, ela dá receitas e tudo relacionado à gastronomia e viagens.

Cardápio:

Entrada

Quesadillas con salsa roja

Pratos principais

Chilles en nogada

Mole Poblano de frango

Sobremesa

Rompompe con calda de piloncilo

Receitas de Frida
Com Ana Franco
Espaço Cultural Porto Seguro – Ateliê de Criação (Alameda Barão de Piracicaba, 610. Campos Elíseos. São Paulo)
Duração 180 minutos
05 a 19/11
Sábado – 15h
Público-alvo: Interessados em gastronomia (para maiores de 18 anos).
Número de vagas: 15 vagas. Quórum mínimo: 10 vagas
$150