E COM UM BEIJO… EU MORRO

Um jogo cênico para celebrar a morte com a própria morte, ágil, divertido que buscasse no pós-dramático a referência estética e nos textos de Shakespeare a principal referência dramatúrgica. Foram estas as bases de criação do coletivo Bobik & Sofotchka, formado na Alemanha por Márcia Nemer, para compor ‘E, com um beijo…Eu morro’, que está em cartaz, de 21/09 a 22/10, sextas, sábados e segundas, às 21h e domingos, às 19h, na SP Escola de Teatro, sede Roosevelt.

A peça traz ao palco as mortes escritas por Shakespeare em um jogo cênico composto de uma sucessão de vidas interrompidas, totalmente descontextualizadas. Os personagens das 68 mortes escolhidas para entrar em cena (e que foram escritas para acontecer no palco) vão sendo revelados por seus nomes, e pelas palavras finais de cada um deles (como a célebre despedida de Romeu, que dá nome à peça).

Partimos da ideia de provocar e intrigar o espectador, fazendo nascer nele o desejo de conhecer mais da obra de um dos maiores artistas que a humanidade já produziu’, complementa.

‘E, com um beijo…Eu morro’ começou a ser desenhada na ocasião das comemorações dos 400 anos de morte do dramaturgo William Shakespeare (Stratford-upon-Avon, 1564-1616). Os estudos realizados pelo grupo propiciaram um profundo mergulho na obra do bardo inglês que escreveu incessantemente mais de 100 cenas de morte em suas 38 peças. “O espírito do Soneto 71, que diz: “Não lamente por mim quando eu morrer” foi o que norteou a dramaturgia, diz Marcia Nemer, diretora da peça.

Na peça, o público vai saber de curiosidades como: das 118 mortes escritas por W. Shakespeare, 50 foram fora de cena e 68 no palco. Por faca ou espada, 51, 9 suicídios, sendo 3 por veneno e um por “cobra no peito”, 3 de envenenamento por engano, 1 por sufocamento, 3 em peças dentro de peças, 2 por velhice e 1 por doença.

CARMEN (2).png

E, com um beijo…Eu morro

Com Alexcia Custódio, Daíse Neves, Samira Lochter

SP Escola de Teatro – sede Roosevelt (Praça Franklin Roosevelt, 210, Consolação – São Paulo)

Duração 40 minutos

21/09 até 22/10

Sexta, Sábado e Segunda – 21h, Domingo – 19h

$20 (somente em dinheiro)

Classificação Livre

BALADA DA VIRGEM – EM NOME DE DEUS

O coreógrafo, diretor e bailarino Sandro Borelli, da Cia. Carne Agonizante, investiga a figura emblemática da heroína francesa Joana D’Arc em Balada da Virgem – Em Nome de Deus, que estreia no Kasulo Espaço de Arte e Cultura no dia 19 de abril, e segue em cartaz até 20 de maio.

Por volta de 1412, surgia a figura mítica de uma camponesa pobre, analfabeta e religiosa que, sob o comando de mensageiros dos céus, como afirmava, comandou as tropas francesas na Guerra dos 100 anos, lutando pela libertação da França contra o domínio da Inglaterra. Joana D’Arc foi capturada e condenada à fogueira em 1431 por heresia, e acabou se tornando santa da igreja católica e padroeira da França quase 500 anos depois de sua morte.

O novo espetáculo da Cia. Carne Agonizante se alimenta da força física, espiritual e das contradições políticas e religiosas contidas na personalidade dessa mulher. As dores, angústias, perturbações e inabalável crença dela foram transformadas em forma de uma tensão física permanente. E, por meio da dança, o bailarino traz para a cena sua energia revolucionária movida pela fé em nome de uma causa.

Balada da virgem nada mais é do que a necessidade constante de me autodesafiar na busca por novas possibilidades coreográficas. Neste universo, as noções de tempo e espaço se apresentam completamente alteradas, portanto, o real e o não real podem se confundir a ponto de desencadear um outro olhar, uma outra ética, um outro modo de vivenciar uma criação, apoiando-se na potente energia simbólica que D’Arc representa”, explica Borelli.

SINOPSE

O novo espetáculo da Cia. Carne Agonizante apoia-se na energia simbólica, na força física e espiritual e nas contradições de Joana D’Arc para buscar novas possibilidades coreográficas. Nesse universo, as noções de tempo e espaço são alteradas. É um lugar onde a loucura, a transgressão e a opressão, foram transformados em combustível necessário para a perpetuação desta dança.

Balada da virgem - em nome de Deus - Crédito_Alex Merino (3)

Balada da Virgem – Em Nome de Deus
Com Sandro Borelli
Kasulo Espaço de Arte e Cultura (Rua Sousa Lima, 300 – Barra Funda, São Paulo)
Duração 40 minutos
19/04 até 20/05
Quinta, Sexta, Sábado – 21h, Domingo – 19h
Ingresso: Um quilo de alimento não perecível. Reservas antecipadas pelo APP Cia Carne Agonizante disponível no Google Play e Apple Store.
Classificação: livre

UMA PILHA DE PRATOS NA COZINHA

Peça que marcou a estreia do ator Alexandre Borges como diretor teatral estreia em São Paulo dia 9 de novembro na Oficina Cultural Oswald de Andrade, no Bom Retiro. “Uma pilha de pratos na cozinha”, escrita em 2007 por Mário Bortolotto, narra o drama em que quatro amigos reunidos em um apartamento falam sobre a vida e morte ao som de muito rock’n roll, drogas e bebidas. A peça fica em cartaz de quinta a sexta, 20h e aos sábados, 18h, com entrada franca, até dia 18 de novembro.

Montagem que estreou no Rio de Janeiro em 2014, circulou pelo interior de São Paulo, fez uma única apresentação na capital paulista, participou do Festival de teatro de Tiradentes, Minas Gerais, foi uma oportunidade para comemorar os 30 anos do grupo Cemitério de Automóveis criado por Bortolotto.

Considerado um dos melhores textos de Bortolotto, Uma pilha de pratos na cozinha é um drama em que Júlio (Rodrigo Rosado), um jovem avesso às relações com outros seres humanos está enclausurado em seu apartamento, enquanto sua pilha de pratos cresce na pia. Chegam três presenças em série que mexem com essa monotonia: Daniel (Akin Garragar), um amigo sanguessuga fracassado; Breno (Fioravante Almeida), o síndico do prédio e Cristina (Silvana D’lacoc), ex-namorada de Júlio e doente terminal. A peça é marcada por tiradas ácidas, sarcásticas, inteligentes e entremeadas com a inação das personagens que sabem bem analisar suas próprias vidas, mas não conseguem se mover. “Uma Pilha de Pratos na Cozinha” é uma peça que naturalmente faz com que o espectador saia do teatro pensando sobre a vida. Como é a sua vida? O que você faz dela, ou não faz? Enfim, não existe certo nem errado. É tudo um grande ensaio.

A estreia de Alexandre Borges como diretor teatral aconteceu pela admiração que ele tem pelo autor, um de seus contemporâneos. A dupla já havia trabalhado nos cinemas e agora renova a parceria nos palcos.

Essa estreia como diretor veio por acaso. O Mário liberou um de seus textos para uma montagem carioca. A conversa inicial aconteceu em 2013 e a produção achou que eu seria um cara legal para acompanhar a produção desde o começo e prestar uma homenagem aos 30 anos do Cemitério de Automóveis que aconteceu em 2014. Topei pelo entusiasmo! – celebra Borges.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Uma Pilha de Pratos na Cozinha
Com Akin Garragar, Fioravante Almeida, Rodrigo Rosado, Silvana D’lacoc
Oficina Cultural Oswald de Andrade (Rua Três Rios, 363 – Bom Retiro, São Paulo)
Duração 40 minutos
09 a 18/11
Quinta e Sexta – 20h, Sábado – 18h
Entrada Gratuita
Classificação 14 anos

 

ZEPELIM (OU O BALÃO QUE NUNCA EXISTIU)

Zepelim (ou O Balão que Nunca Existiu conta a história de Zezinho, um garoto que mora e trabalha no lixão e só tem um amigo, o vira-lata Pelim e é com ele que divide seu abrigo, seu trabalho, sua comida, suas brincadeiras, suas aventuras e principalmente seus sonhos: e o maior deles é poder voar de balão. Para isso, os dois viverão grandes aventuras.
 
O espetáculo é de grande delicadeza, feito não só para as crianças, mas também para todo mundo, porque trata de assuntos como preconceito, utopias, reutilização de materiais jogados no lixo, trabalho infantil e muito mais, só que com muita poesia, músicas, cores, imagens e bonecos. A dura realidade estampada numa ficção doce e brincada. 

Este slideshow necessita de JavaScript.

Zepelim (ou O balão que nunca existiu) 
Com Cia Variante (Danilo Mora, Samantha Verrone e Tati Takiyama)
SESC Ipiranga (R. Bom Pastor, 822 – Ipiranga, São Paulo )
Duração 40 minutos
15/10 até 19/11
Domingo – 11h
$17 ($5 – credencial Sesc)
Classificação Livre
 
 
(crédito foto – Thiago Takiyama e Lazerum)

NUREMBERG

Um jovem neonazista se prepara para um atentado, do qual não sairá vivo. Suas histórias, seus ideias políticos e seus desejos são revelados enquanto se exercita freneticamente, esperando seus companheiros. Esse é o mote de NUREMBERG, texto inédito no Brasil do dramaturgo uruguaio Santiago Sanguinetti, que estreia dia 2 de setembro, sábado, às 20 horas, no Centro Compartilhado de Criação.

O solo, montagem do grupo Na Cia dos Homens, tem tradução e direção de César Maier e atuação de Osmar Pereira. Sem cenografia, NUREMBERG é apoiado em projeções do documentário O Julgamento de Nuremberg, além de nomes de pessoas brasileiras que sofreram algum tipo de violência, como o pedreiro Amarildo, a travesti Dandara, o índio Galdino e Claudia, a mulher arrastada por uma viatura policial no Rio de Janeiro.

NUREMBERG é a segunda montagem da Cia de um autor da América Latina. A primeira foi Uma Ferida Absurda, da argentina Sonia Daniel, em 2011. O diretor César Maier tem focado seus estudos na dramaturgia contemporânea dos países da América do Sul e já planeja montar em 2018 um texto do uruguaio Sérgio Blanco.

Superioridade

Filho de um pai autoritário e de uma mãe dura e cruel, violado em sua adolescência, o personagem – um skinheadneonazista – proclama histericamente sua fúria contra o mundo e contra os alvos tradicionais da extrema direita, incluídos o homossexuais e os judeus, enquanto aguarda um sinal de seus companheiros, que virão buscá-lo para a execução de um atentado contra a embaixada de um país não nomeado.

Mas se em alguns momentos a personagem vocifera seu ódio, através de discurso contra a ordem existente e os ‘seres inferiores que transformam o mundo em uma repugnante pocilga’, expresso em saudações nazistas, em outros se transforma em uma criança assustada, cuja intenção é ser bom e se comportar bem”, explica o diretor César Maier.

Através destes recursos, NUREMBERG nos aproxima de sua personagem, quando coloca o público em contato com o sentimento de superioridade que se faz presente em cada indivíduo, em diversos momentos e situações, seja por razões sociais, raciais, intelectuais ou físicas. Para o dramaturgo Santiago Sanguinetti, o que nos diferencia do personagem do monólogo é que esse sentimento não nos leva ao desejo de aniquilar o outro. “Trata-se de um ser humano. Horrível, mas um ser humano do início ao fim. E por isso, o teatro há de nos servir para entender as grandezas e as misérias dos seres humanos“, afirma ele.

Claustrofóbico

Em NUREMBERG, o personagem skinhead e neonazista dispara vários relatos em um fluxo de pensamento. As projeções de vítimas do nazismo e de estrema violência fazem um contraponto com o discurso dele, reforçando uma atmosfera claustrofóbica.

Segundo o ator Osmar Pereira, a cidade de Nuremberg constituiu-se no grande símbolo do apogeu do regime nazista e foi transformada no símbolo de sua destituição quando abrigou os julgamentos contra seus principais artífices, responsáveis por um dos mais terríveis genocídios da história da humanidade. “E se Nuremberg nos parece distante, geográfica e culturalmente, devemos enxergá-lo como símbolo de toda intolerância, seja racial, de gênero ou social”, sentencia ele.

César Maier acredita que o espetáculo e seu personagem dialogam com atual e crescente onda de manifestações de ódio, que resultam em crimes hediondos, como machismo, racismo e homofobia, e com os chamados haters cujo contato pode se dá facilmente através dos comentários nos portais da internet e das redes sociais. “Deste modo,NUREMBERG cumpre um dos mais importantes papeis do teatro: refletir sobre os aspectos sociais e políticos que constituem as relações no mundo contemporâneo.

Nuremberg 1 bx

Nuremberg
Com Osmar Pereira
Centro Compartilhado de Criação (Rua Brigadeiro Galvão, 1010 – Barra Funda, São Paulo)
Duração 40 minutos
02/09 até 01/10
Sábado – 20h, Domingo – 19h
$40
Classificação 16 anos