BARULHO D’ ÁGUA

Barulho D’ Água, do dramaturgo italiano Marco Martinelli, narra a história do drama de milhares de refugiados que tentam atravessar o mar Mediterrâneo em embarcações precárias.

A peça está em repertório da Companhia Nova de Teatro e esteve em temporada nos anos de 2016/2017, fruto do Prêmio Zé Renato de Teatro, e volta em cartaz para apresentações especiais nos dias 09 e 10/08 as 20h, e 11/08 as 19h, no Centro Cultural Olido.

FACE (1)

 

Barulho D’ Água

Com Alexandre Rodrigues, Márcio Louzada, Amaury Filho de Reis e Rosa Freitas

Centro Cultural Olido – Sala Olido (Av. São João, 473 – centro, São Paulo)

Duração 55 minutos

09 a 11/08

Sexta e Sábado – 20h, Domingo – 19h

Pague o quanto puder (ingressos distribuídos uma hora antes de cada apresentação)

Classificação 16 anos

CÁLCULO ILÓGICO

A matemática é utilizada em metáforas em “Cálculo Ilógico”, espetáculo em que a atriz paulista Jéssika Menkel se apropria de uma dor pessoal e tenta entender esse sofrimento por meio de fórmulas e cálculos. Misturando ficção e realidade, o solo, dirigido pelo premiado Daniel Herz, apresenta o sentimento de inquietação que cerca a nós, humanos, quando nos deparamos com o fim. Com um potente trabalho corporal e um texto intrigante, em que o público embarca em emoções desmedidas, a peça, inédita no Rio, estreia em12 de abril na Casa de Cultura Laura Alvim, no Teatro Rogério Cardoso, um espaço da Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa/FUNARJ. A direção de produção é de Maria Siman.

Em “Cálculo Ilógico”, Jéssika dá vida à Ella, personagem que vive em um universo numérico em busca de nova perspectiva para ver o mundo. “Busquei na matemática uma forma de contar também a história da perda do meu irmão. Todo o mundo já perdeu alguém. Quis transformar dor em arte, resignificar meu olhar para os acontecimentos da minha vida”, releva a jovem atriz, de 28 anos, que também assina a dramaturgia. Em cena, a personagem relembra, revive, calcula acontecimentos e expõe, em números, a eliminação errada de seu irmão D+ 1. “Ella enxerga por meio de uma lógica matemática, analisando a probabilidade dos acontecimentos e buscando razões nos números e nas fórmulas para explicar um cálculo chamado vida”, completa a artista.

Há cinco anos, a atriz vem realizando uma pesquisa a cerca de teatro documentário e autoficção. Em 2017, quando participou do Festival de Cabo Frio “A pastora do lixão” no (prêmios de melhor espetáculo curto pelo júri técnico e pelo júri popular, melhor atriz e melhor concepção cenográfica), conheceu o filho do diretor Daniel Herz, Tiago, que pouco tempo depois a apresentou ao pai, a quem sempre admirou o trabalho, e almejava que a dirigisse em “Cálculo Ilógico”.

Jéssika me apresentou uma cena curta e fiquei perplexo e, ao mesmo tempo, emocionado com a atuação dela e com a força do texto”, lembra o diretor. “Eu diria que o mais genial dessa dramaturgia é a ficção. A base é uma dor verdadeira da autora que, associada à criatividade, à inteligência e ao talento dela, produziu uma poesia cênica”, define Daniel Herz que, junto com a diretora de produção Maria Siman, aposta no talento da atriz e na potência do texto.

Durante o processo de criação, na sala de ensaio, Daniel Herz realizou diversas provocações dramatúrgicas que fizeram com que Jéssika investigasse memórias, sentimentos, abismos e recortes de sua vida. “Houve muita emoção e choro. Chegava em casa instigada e escrevia muito, muito. Há ficção, mas há muito da minha essência”, lembra.

A encenação valoriza a força do texto e o trabalho da atriz como principais motores da montagem. O figurino de Thanara Schonardie, que também assina a cenografia, traz fragmentos de diversas roupas, inclusive uma camisa do irmão de Jéssika. O cenário, delimitado por uma fita vermelha, traz poucos elementos, como três cubos, que ao longo da montagem ganham novos significados, e uma bicicleta. A trilha sonora original de Éric Camargo foi composta especialmente para o espetáculo, assim como luz de Aurélio de Simoni fortalece a dramaturgia e insere o público dentro da cena.

“Calculo Ilógico” estreou em outubro de 2018 em São Paulo, num curtíssima temporada o Top Teatro. A montagem carioca tem apoio da institucional do Teatro Rogério Cardoso e da Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa/FUNARJ.

Cálculo Ilógico

Com Jéssika Menkel

Teatro Rogério Cardoso – Casa de Cultura Laura Alvim (Av. Vieira Souto 176, Ipanema – Rio de Janeiro)

Duração 55 minutos

12/04 até 05/05

Sexta e Sábado – 19h, Domingo – 18h

$40

Classificação Livre

ENTRE

Nova produção da Barracão Cultural conta um dia na vida de dois irmãos (Alexandre Cioletti e Cláudio Queiróz) e a irmã (Eloisa Elena) que se encontram para organizar a festa de bodas dos seus pais. Este encontro, aparentemente banal, vai sendo afetado por acontecimentos no apartamento vizinho. Apesar de ser um encontro superficialmente afetuoso, a relação dos irmãos já evidencia aspectos do patriarcado nessa relação familiar. Um olhar mais profundo sobre como somos afetados pelo entorno, o quanto nos alienamos e onde está nosso medo, permeiam este encontro familiar.

ENTRE é um espetáculo que pretende gerar uma reflexão sobre os processos que alimentam a nossa sociedade patriarcal. A dramaturgia de Eloisa Elena parte da diferença de papéis e representatividade de gênero na sociedade e como esta questão está presente, muitas vezes de forma extremamente sutil e adaptada ao cotidiano, para abordar a nossa cumplicidade e passividade diante dos mais diversos desdobramentos e consequências do histórico patriarcal que estrutura nossa formação.

Para a trilha sonora, que ao longo do espetáculo vai permeando a trama, Dr Morris gravou uma encenação real com os atores Lavinia Pannunzio e Joca Andreazza. A dramaturgia de Eloisa Elena propõe essa coexistência de histórias; a que está acontecendo na frente do público, e a que se ouve ao longe. Essa situação expressa pelo texto tem grande potencial para gerar discussões acerca do quanto nos permitimos afetar pelos fatos a nossa volta, o quanto estamos dispostos a assumir posicionamentos efetivos e arcar com as consequências disso.

A encenação de Carlos Gradim e Yara de Novaes propõe também um paralelo na interpretação dos atores, que ora narram, ora vivem a história. Um caleidoscópio de existências, pensamentos e realidade colocado na frente do público.

Entre trata da correlação entre afetação, alienação e medo. O quanto somos afetados pelo que ocorre ao nosso redor e as consequências desta afetação, são questões cada vez mais cotidianas para todos nós. Ao mesmo tempo que somos bombardeados por informações do que ocorre no mundo inteiro e estamos o tempo todo nos manifestando e nos posicionando nas redes sociais e nos nossos pequenos círculos, continuamos muitas vezes fechando os olhos e ignorando o que ocorre ao nosso lado. Violências acontecem dentro de casa, pessoas morrem na nossa esquina e por uma infinidade de razões, muitas vezes não nos damos conta disso e do que não fizemos para evitar.

A constituição de nossa sociedade patriarcal, o machismo estrutural no qual somos formados, nos fazem repetir grandes ou pequenos comportamentos de opressão, de diferenciação, de continuidade do que como disse Caetano Veloso é “o macho adulto branco, sempre no comando.” É neste lugar incômodo que nos colocamos neste espetáculo e estamos a cada dia nos perguntando: como saltar sobre isso?”, comenta Eloisa Elena.

FACE.png

Entre

Com Alexandre Cioletti, Cláudio Queiroz e Eloisa Elena

Duração 55 minutos

Classificação 14 anos

Itaú Cultural (Av. Paulista, 149 – Bela Vista, São Paulo)

04 até 07/04

Quinta, Sexta e Sábado – 20h, Domingo – 19h

Grátis (Retirar ingressos 1h antes do espetáculo)

Oficina Cultural Oswald de Andrade – Anexo (Rua Três Rios, 363 – Bom Retiro, São Paulo)

11 a 20/04

Dias 11, 12 e 18 – quinta e sexta – 20h

Dia 13 – sábado – 18h

Dias  19 e 20 – sexta e sábado – 18h  (em função do feriado)

CONDOMÍNIO VISNIEC

Considerado um dos principais representantes contemporâneos do Teatro do Absurdo, o dramaturgo romeno Matéi Visniec tem seis de seus monólogos visitados pelo espetáculo Condomínio Visniec, com direção de Clara Carvalho, que estreia no dia 15 de março no Sesc Ipiranga e segue em temporada até 7 de abril. O elenco é composto por Ana Clara FischerFelipe SouzaMônica RossettoRafael LeveckiRogério Pércore e Suzana Muniz.

A encenação é resultado de um processo de pesquisa sobre a obra do autor romeno, desenvolvido por Clara Carvalho desde 2015 numa oficina de atores profissionais do Grupo TAPA. Esse núcleo de pesquisa também foi responsável pela criação da peça Máquina Tchekhov, que estreou em 2015 no Instituto Cultural Capobianco e foi indicada aos prêmios APCA, Shell e Aplauso Brasil.

A montagem é inspirada em seis monólogos de Visniec – O Corredor, O Homem do Cavalo, O Adestrador, O Homem da Maçã, A Louca Tranquila e O Comedor de Carne – reunidos na coletânea de peças O Teatro Decomposto ou O Homem – Lixo. Todos esses personagens de contornos surrealistas que dão nome aos solos são criados na encenação pela figura de uma escritora que escreve compulsivamente. “A figura da escritora surgiu a partir de um dos personagens da coletânea, “O Corredor”. Na trama, é como se ela criasse essas figuras e, ao mesmo tempo, as criaturas também a recriassem”, explica Clara Carvalho.

A partir de um mergulho no conflito interno dessa escritora, surgem em cena criaturas híbridas (meio humanas, meio animais), que povoam a imaginação da autora, gerando esse condomínio. Elas trazem à tona a solidão, os desejos, as angústias, as obsessões, os impulsos predatórios e a busca por uma possível redenção.

A peça é uma meditação poética sobre a condição humana e a possibilidade de superação dos nossos conflitos, para que possamos derrubar os muros que nos dividem e caminhar em direção a uma sociedade menos predadora, devoradora, agressiva e solitária. A história desemboca em um amanhecer de frente para o mar, depois de uma travessia cheia de paisagens internas turbulentas. Mas esse universo sombrio se dissipa, aponta para a esperança. Visniec é um autor sempre bem-humorado e delicado que tenta abraçar a humanidade e tem enorme compaixão. É o que sempre me encantou na obra dele”, acrescenta a diretora.

Com atmosfera onírica e surrealista, a encenação adota como referências visuais os quadros de alguns pintores, como o expressionista Edvard Munch (1863-1944) e o surrealista belga René Magritte (1898-1967). Além disso, a trilha sonora delicada, criada por Mau Machado especialmente para a peça, tem inspiração na obra do compositor estoniano Arvo Pärt (1935). Os figurinos de Marichilene Artisevskis remetem aos anos de 1950 e também fazem alusão ao universo dos pintores mencionados.

Já o cenário minimalista é composto apenas por uma mesa e cinco cadeiras, que ganham diferentes significados ao longo da encenação. A iluminação, feita por Vagner Pinto, é responsável por criar essas atmosferas oníricas que representam o universo interno de cada personagem.

O espetáculo foi contemplado com o edital ProAc nº 01/2018 para Produção de Espetáculo Inédito e Temporada de Teatro.

FACE

Condomínio Visniec

Com Ana Clara FischerFelipe SouzaMônica RossettoRafael LeveckiRogério PércoreSuzana Muniz

Sesc Ipiranga (R. Bom Pastor, 822 – Ipiranga, São Paulo)

Duração 55 minutos

15/03 até 07/04

Quinta e Sexta – 21h30, Sábado – 19h30, Domingo – 18h30

$20 ($6 – credencial plena)

Classificação 14 anos

O DIÁRIO DE MIKA EM O MUNDO É NOVO PARA MIM

Baseado em animação de sucesso indicada ao Emmy Kids Awards de 2017 e televisionada pela Disney Junior, TV Brasil e TV Escola, o espetáculo O Diário de Mika em: O Mundo É Novo Para Mim faz temporada no Teatro MorumbiShopping a partir do dia 16 de março, sábado, às 16 horas. A peça tem direção de Rodrigo Maiellaro, ator formado pela escola de atores Braapa, que está no ramo infantil há oito anos. As coreografias são assinadas por Luciana Basso, que foi professora no grupo Raça, uma das mais conceituadas escolas de dança do Brasil. No elenco, composto por nove atores e bailarinos, há sete bonecos e dois personagens humanos que interagem e improvisam o tempo todo com o público. Quem assina o texto da peça é Elizabeth Mendes em parceria com Rodrigo Maiellaro.

O Diário de Mika em: O Mundo é Novo para Mim conta a história de Mika, uma menina que descobre, de forma divertida, como lidar com as novidades do dia-a-dia. Com a ajuda de seus amigos brinquedos, que ganham vida em sua presença e assumem traços de sua personalidade, ela ilustra as descobertas que os pequenos fazem nessa fase da vida. Repleta de interações com o público, a peça é voltada para o público de todas as idades.

Sobre a série

O Diário de Mika, uma série de animação brasileira indicada ao Emmy Kids Awards 2017 conta as aventuras de Mika, uma menina de quatro anos muito curiosa, que está aprendendo a lidar com tudo que o mundo tem para oferecer.

A série é veiculada no Brasil, entre outros canais, por Disney Junior, TV Brasil e TV Escola, estando também presente em mais de 130 países de todos os continentes, nas principais plataformas digitais (Netflix) e canais de TV. Recentemente a empresa criadora da animação, Supertoons, fechou parceria com a renomada TV Cultura, para exibição da série.

Desenvolvida como um projeto transmídia, com acompanhamento psicopedagógico, é capaz de expandir seu universo ficcional em diversos formatos para diferentes públicos. A presença no YouTube também é marcante, reunindo episódios da primeira temporada, além de clipes e karaokês das músicas originais, ultrapassando a marca de 142 milhões de visualizações e mais de 385 mil inscritos no Youtube Brasil.

Em setembro de 2017, a Supertoons em parceria com a Sony Music, lançou o primeiro DVD com episódios da primeira temporada da série, e também o canal VEVO que já conta com mais de 77 mil inscritos. Outra novidade são os episódios em libras, levando o conteúdo a milhares de crianças com deficiência auditiva no Brasil.

FACE.png

O Diário de Mika em: O Mundo É Novo Para Mim

Com Rodrigo Maiellaro, João Pedro Bierrenbach, Tamiris Santos de Lima, Gustavo Maester, Joilton Lopes dos Santos, Yasmin de Souza Koppe, Lucas Godoy, Jorge Braz Basso e Luciana Basso

Teatro MorumbiShopping (Av. Roque Petroni Júnior, 1089 – Jardim das Acacias, São Paulo)

Duração 55 minutos

16 a 31/03

Sábado e Domingo – 16h

$60

Classificação Livre

O DIA EM QUE A MINHA VIDA MUDOU POR CAUSA DE UM CHOCOLATE COMPRADO NAS ILHAS MALDIVAS

Espetáculo infantil O dia em que a minha vida mudou por causa de um chocolate comprado nas Ilhas Maldivas estreia no Sesc Pinheiros, no dia 10 de março. Inspirada no livro de Keka Reis, que foi indicado ao Prêmio Jabuti em 2018, a peça marca a estreia de Thaís Medeiros como diretora. A temporada segue até 14 de abril, com sessões aos domingos, às 15h e às 17h. O elenco traz Angela Ribeiro, Thomas Huszar e Tutti Pinheiro.

Na trama, Mia, Bereba e Jade têm 11 anos e são estudantes do 6º ano do Ensino Fundamental. Mia encontra um bilhete anônimo debaixo de sua carteira que diz: “Quer sentar do meu lado hoje na perua?”. Abalada pela possibilidade de o autor ser Bereba, seu melhor amigo, ela se tranca no banheiro da escola para pensar sobre o que fazer. De repente, descobre que nada será como antes. Aquele minúsculo bilhetinho tem tudo para mudar seu destino, sua vida e até mesmo o eixo do Planeta Terra. Além de conter fortes indícios de que Bereba está com segundas intenções em relação a ela, o bilhetinho significa que: Mia está despertando o interesse dos meninos, ela deixou de ser criança, é oficialmente uma pré-adolescente, não terá mais amizades inocentes com garotos e ela não tem a menor ideia de como se comportar em uma situação dessas.

Mia encontra seu campo de guerra e de paz na cabine do banheiro das meninas. Naquele cubículo, conversando consigo mesma, ela começa sua jornada emocional. A pré-adolescente vai construindo e reconstruindo aquilo que sente e aquilo que viu, por meio de interpolações cronológicas, retrocessos e avanços temporais. A partir daí a narradora nos transporta para outras esferas da sua vida, através dos parênteses que ela vai abrindo e dos personagens e lugares que surgem: Bereba, Jade, seu pai, sua mãe, o parquinho, o seu quarto… A encenação acompanha estes deslocamentos espaciais e também apresenta o ponto de vista e o universo de Bereba e Jade. Os três usam a imaginação para criar novas cores, personagens, rumos e significados para seus problemas reais ou inventados.

O elenco se reveza na interpretação de todos os papéis e na manipulação dos elementos (cenário, figurinos e adereços), em uma encenação ágil e com as estruturas do jogo cênico reveladas. A montagem é fortemente apoiada na criatividade e bom uso dos recursos de luz, cenografia, sonoplastia, adereços, figurinos e transporta o público para diversos tempos e espaços.

Durante os ensaios, o elenco realizou um intenso treinamento de improvisação com Rhena de Faria, no qual foram experimentados diversos jogos que desencadearam um processo rico e original de proposição de cenas e composição de personagens. Este trabalho foi decisivo para a definição do tom de jogo da peça e para a transposição da atmosfera vibrante do livro para o teatro. A fisicalidade também surgiu nesses encontros, sugerindo uma dinâmica versátil entre os atores, em que cada um se multiplica como personagem, pensamento, narrador, imagem e paisagem. O espetáculo convoca o espectador a uma experiência teatral imaginativa e intensa, equivalente a perspicácia e a graça que o relato de Mia oferece aos seus leitores.

Os figurinos assinados por Mira Haar, em parceria com Paula Weinfeld, propõem uma combinação divertida entre estampas e sobreposições de roupas casuais que permitem uma manipulação rápida e revelada na composição de todos os personagens. A dupla também assina o cenário e os adereços do espetáculo, criando um diálogo preciso entre todos os elementos. O cenário é minimalista, composto por um chão de lona com a pintura de um labirinto, como nos jogos de tabuleiro, e um cabideiro de madeira suspenso por faixas de lona que atravessam o palco. Nele estão penduradas cerca de 30 mochilas de onde saem grande parte dos adereços.

A iluminação de Olivia Munhoz é parte importante do jogo proposto pela encenação. Ela demarca territórios, propõe cor, vibração e movimento e nos ajuda a compor o espaço da memória. A trilha sonora repleta de climas e efeitos divertidos de Arthur Decloedt também completa o clima animado do espetáculo e ajuda na composição dos momentos ternos com as canções feitas a partir referências jazzísticas.

A montagem aborda os principais temas da pré-adolescência: mudanças hormonais, físicas e emocionais, pertencimento, despertar do amor, novas responsabilidades escolares, despedida da infância, busca pela verdadeira identidade, novos paradigmas nas relações familiares e a importância das amizades e do grupo, sempre com muito humor, linguagem veloz e uma pitada de drama.

O espetáculo foi contemplado em 2017 pelo Edital PROAC 07/2017 de Produção de Espetáculos Infanto-Juvenis.

FACE (3).png

O Dia em que a Minha Vida Mudou por Causa de um Chocolate Comprado nas Ilhas Maldivas

Com Angela Ribeiro, Thomas Huszar e Tutti Pinheiro

Sesc Pinheiros (Rua Pais Leme, 195, Pinheiros – São Paulo)

Duração 55 minutos

10/03 até 14/04

Domingo – 15h e 17h

$17 ($5 credencial plena)

Classificação: Livre

CONFISSÕES DE UM SENHOR DE IDADE

Indicado ao Prêmio FITA de Teatro como melhor espetáculo (júri popular), autor e ator, Flávio Migliaccio retorna em cartaz com a comédia “Confissões de um Senhor de Idade” no próximo dia 7 de novembro, quarta-feira, no Teatro Poeira, em Botafogo. Montado para comemorar os 60 anos de carreira do ator, a peça ficará em cartaz às terças e quartas até o dia 12 de dezembro.

Flávio divide o palco com o ator Luciano Paixão, que interpreta Deus encarnado no corpo de um simples mortal para propor um estranho pacto: se Flávio ajudar a desvendar um caso estranho que está acontecendo no céu, receberá a recompensa da vida eterna.

Num diálogo bem-humorado com Deus, Flávio conta suas histórias, suas experiências, suas memórias, saudades e até tristezas, tudo com o bom humor que sempre foi a sua marca. Detalhes da vida íntima do artista também serão revelados – uma forma de presentear o público, em agradecimento ao carinho recebido pela comemoração dos 60 anos de carreira.

Confissões de um Senhor de Idade

Com Flavio Migliaccio e Luciano Paixão

Teatro Poeira (Rua São João Batista, 104 – Botafogo, Rio de Janeiro)

Duração 55 minutos

07/11 até 12/12

Terça e Quarta – 21h

$60

Classificação 10 anos