A CASA DA MARIQUINHAS – UM CABARÉ PORTUGUÊS COM POESIA E FADO

O espetáculo musical A Casa da Mariquinhas – Um cabaré português com Poesia e Fado reestreia no dia 20 de janeiro (sábado, às 18 horas), no Botequim Contra Regra do Espaço Cia da Revista, onde permanece em cartaz até o dia 11 de março.

Tradicional estilo musical de Portugal, o fado dá o tom ao espetáculo que tem roteiro e concepção de Helder Mariani e direção de Dagoberto feliz.

No palco, os atores-cantores – Helder MarianiKatia Naiane,Ricardo Arantes, e Silmara Deon – costuram poesias de autores expressivos da literatura portuguesa como Fernando Pessoa, Florbela Espanca, José Régio e Bocage aos fados que marcaram a cultura lusitana. Entre as músicas, “É Loucura”, “Só Nós Dois É que Sabemos”, “Perseguição”, “Casa Portuguesa”, “Grândola Vila Morena”, “Esquina de Rua”, “Maldição” e “Estranha Forma de Vida”, além da canção-título “A Casa da Mariquinhas”. Segundo o idealizador do espetáculo Helder Mariani, “são todas obras instigantes, carregadas de nostalgia e com grande apelo dramático e teatral”.

Os espectadores, sentados em mesas espalhadas pelo salão da Cia da Revista, são envolvidos pela atmosfera dos antigos cabarés, como nos ambientes chamados “fado vadio”, em que as pessoas cantavam e bebiam junto com os fadistas.

No passado, Casa da Mariquinhas foi uma animada casa de raparigas, onde os frequentadores se encontravam para contar da vida e cantar o fado. A Casa foi leiloada e se tornou uma respeitável e discreta casa de penhor. Do antigo estabelecimento nada sobrou, nem mesmo as tabuinhas nas janelas para evitar os fuxicos.

O musical se desenvolve com base em canções interpretadas pelo fadista português Alfredo Marceneiro, criadas para retratar a história da Casa da Mariquinhas, então apresentada em três momentos: o apogeu com todo o glamour peculiar ao bordel, o duro momento em que a casa é leiloada e sua transformação em casa de penhor, tendo janelas de vidro no lugar das tábuas.

Na poesia e no fado se confundem as historias de Portugal, dos fadistas e das pessoas do povo. E nesse cabaré, os atores brasileiros, deste lado do Atlântico, se voltam para as terras lusitanas de além-mar e redescobrem as nossas próprias raízes e lutas, somadas às  artimanhas do amor para aproximar a plateia do universo da cultura lusitana.

O espetáculo A Casa da Mariquinhas é um antigo projeto de Helder Mariani de reunir duas de suas paixões: poesia e fado. Segundo ele, a criação seguiu dois critérios: “existencial, para ressaltar o caráter sentimental e nostálgico do fado com suas tragédias de vida, e a questão política, pois o fado é uma expressão artística relacionada diretamente à Revolução dos Cravos que derrubou o ditador Antônio de Oliveira Salazar, em 1974”, comenta.

Dagoberto Feliz explica que na ditadura portuguesa, enquanto alguns fadistas adaptavam letras, fazendo com que o governo de Salazar se apropriasse politicamente do fado, outros resistiram ao regime e mantiveram seu caráter contestatório e revolucionário. “Fato bastante semelhante ao que ocorreu na ditadura brasileira”, explica o diretor. Helder completa: “É inegável que o fado, ao registrar a história contemporânea de Portugal, passa também por nossa própria história”.

thumbnail_A Casa da Mariquinhas -foto de Rafael Sampaio -b

A Casa da Mariquinhas – Um cabaré português com Poesia e Fado
Com Helder Mariani, Katia Naiane, Ricardo Arantes e Silmara Deon.
Espaço Cia da Revista (Alameda Nothmann, 1135 – Campos Elíseos, São Paulo)
Duração 70 minutos
20/01 até 11/03
Sábado e Domingo – 18h
$50
Classificação 12 anos

TADZIO

Nos últimos anos a Igreja Católica vem sofrendo uma série de denúncias de casos de pedofilia envolvendo lideranças religiosas, principalmente nos EUA e Europa, levando o Papa Francisco a criar, em 2013, uma comissão para investigar as acusações. Esse tema tão delicado é abordado no espetáculo Tadzio, que reestreia dia 14 de janeiro no Teatro Viradalata, para uma última temporada, com André Grecco, Rodrigo de Castro e Nana Pequini

A peça de Zen Salles, com direção de Dan Rosseto, é levemente inspirada no livro “Morte em Veneza” de Thomas Mann, que narra a paixão platônica do escritor Gustav von Aschenbach por um jovem polaco de apenas 13 anos. Outra inspiração foi o polêmico e notório caso da Escola Base de São Paulo, onde os seus diretores foram acusados pela opinião pública de abusarem sexualmente de alguns alunos. Após uma investigação sem nenhum rigor ou prova concreta, essas pessoas conseguiram provar a inocência, porém ficaram diversas marcas.

A partir desses fatos, dois aspectos foram trabalhados com maior destaque dentro do processo ficcional de “Tadzio”. O primeiro aspecto é o incontrolável desejo que perturba ferozmente as personagens envolvidas. Já o segundo é o julgamento precipitado que pode haver diante de alguns fatos inventados e que passam a ser encarados como uma verdade absoluta.

Na trama, um jovem de 25 anos é ordenado padre e diante da tão sonhada realização, passa a relembrar em tom de confissão como nasceu o seu desejo pelo “santo sacerdócio”. Também narra a maneira que conheceu o seu grande mestre e fonte de inspiração para a vida, o padre Enoque, que despertou nele uma “diabólica” paixão quando tinha apenas 13 anos. Os fatos são contados a partir do ponto de vista de Tadeu que, extremamente contrariado em seu desejo não consumado, resolve se vingar do padre Enoque a partir de uma escandalosa revelação.

É justamente aí que o espetáculo aborda um pouco da complexidade humana, que vai muito além do bem e do mal, do céu ou do inferno, de Deus ou do Diabo que nos faz pensar sobre as várias facetas de um desejo avassalador. Na mesma intensidade, também analisa como o mundo ao redor pode reagir diante de uma surpreendente confissão, seja ela verdadeira ou não.

FOTO 01.jpg

Tadzio
Com André Grecco, Nana Pequini e Rodrigo de Castro 
Teatro Viradalata (Rua Apinajés, 1387 – Sumaré, São Paulo)
Duração 70 minutos
14/01 até 04/03
Domingo – 19h
$60
Classificação 16 anos

A HORA DO BRASIL: UMA COMÉDIA NACIONAL

O ator Ederson Miranda estreia o espetáculo solo  “A HORA DO BRASIL: uma comédia nacional” no dia 13 de janeiro no teatro  Ruth Escobar. O texto e a direção são assinados por  Ederson Miranda e Felipe de Moraes.

Inspirado nas tradições da comédia popular, o espetáculo conta a História do Brasil de maneira inédita, fazendo uma releitura de do mais tradicional programa de rádio brasileiro, que há quase  80 anos é companheiro “obrigatório” de nossas jornadas noturnas:  A Voz do Brasil.

Pensando naqueles que procuram uma alternativa aos acordes retumbantes do Guarany e aos boletins oficiais de Brasília, o espetáculo oferece uma nova versão para o programa.

Durante uma hora, o espectador viajará pela história do país através de alguns personagens típicos de imaginário nacional.

PERSONAGENS

PORTUGA

O espetáculo começa com a chegada de um português bem atrapalhado em terras brasileiras, este por sua vez, coloca uma cruz em nossa terra e diz que agora essa pertence à coroa portuguesa. Então, começa a tomar suas primeiras medidas para colonizar nossas terras. Porém, encontra dificuldades e para isso traz consigo seu livro de cabeceira: “O manual do empreendedor colonial”. Livro que lhe dará suporte para conseguir êxito em território tupiniquim.

CACIQUE

O encontro do europeu com os nativos é mostrado através do personagem Cacique, chefe de sua tribo. Esse encontro expõe de forma hilária os abusos dos europeus em nossas terras. A história não é tirada dos “oficiais” livros de história que temos costume de ver, livros esses que costumam mostrar apenas a visão do homem branco sobre os fatos. Aqui você verá a versão do nativo.

PADRE

Em seguida desembarca em terras brasileiras o personagem do Padre Jesuíta que vem para catequizar os nativos, todavia encontra muitos nativos hiperativos. O que irão dificultar e muito sua missão. O padre passa por diversas provações de fé para tentar impor sua cultura em nossas terras tropicais.

CAIPIRA

Eis que surge em nossa história: o Caipira. O famoso capiau tão comum no imaginário nacional. Ele aparece para mostrar aos portugueses que o caipira de bobo não tem nada. Esse personagem carrega toda a sabedoria popular do povo do interior do Brasil. E ele se declara o verdadeiro idealizador da inconfidência mineira.

CAPOEIRA

Já na época do império surge: o Capoeira, personagem que vive tirando sarro da aristocracia da época. É um verdadeiro fanfarrão, um contador de histórias que adora debochar do imperador e de seus pares.

FEMINISTA

Na fase da República Nacional no início do século XX surge a personagem da mulher feminista, que vem para brigar por seus direitos, pela igualdade de condições, num país ainda extremamente machista. Ela vem para mostrar que as mulheres vieram pra ficar e pra serem protagonistas da nossa história.

APRESENTADOR

Tanto no início como no fim do espetáculo aparece a figura do apresentador, o único personagem contemporâneo da peça. Ele aparece para falar sobre nossos conturbados dias atuais. E com acidez e perspicácia faz comentários hilários sobre os acontecimentos políticos do momento, abrindo e finalizando nossa epopeia histórica com muito bom humor.

Inspirado nas tradições do teatro popular de revista, tão tipicamente brasileiro, a peça busca uma comunicação ampla com seu público, e também se preocupa em fazer um humor crítico e inteligente.

image003

A Hora do Brasil: Uma Comédia Nacional
Com Ederson Miranda
Teatro Ruth Escobar (Rua dos Ingleses, 209 – Bela Vista, São Paulo)
Duração 70 minutos
13/01 até 29/04
Sábado – 21h30, Domingo – 19h30
$50/$60
Classificação 14 anos

QUASE 40

‘QUASE 40’ lança um olhar sobre o universo feminino, que apesar dos avanços e conquistas das mulheres,  ainda é asfixiado pela  pressão de uma sociedade, que considera incomum, ou minimamente estranho, mulheres próximas a completar quarenta anos, ainda estarem solteiras. A dificuldade vem do fato da sociedade estabelecer como ‘obrigatório’ seguir as etapas da felicidade: namorar, noivar, casar e finalmente ter filhos.

O texto de Wagner D’ Avilla busca uma reflexão sobre o atual comportamento da nossa sociedade, em que mulheres, cada vez mais independentes, continuam submetidas às exigências sociais, muitas vezes reiteradas dentro do próprio universo feminino, que ditam regras do que é permitido e aceito.

Entre as personagens estão, uma mãe solteira, dividida entre dar toda sua atenção à família ou ao trabalho;  uma recém-divorciada, que decide voltar ao mercado de trabalho; uma solteira, não por opção, possuída pelos hormônios e louca para engravidar, além de uma feminista  com aversão a seguir os padrões sociais.

Prestes a chegar na famigerada “Idade da Loba”, essas mulheres discutem de maneira bem humorada, mas não menos realista, os conflitos e frustrações, vividos por elas.

Sabrina (Grace Porto), proprietária de uma empresa que corre o risco de ir à falência após uma série de problemas financeiros. Ela abre espaço para mais uma sócia, mas é surpreendida quando descobre que sua nova parceira nos negócios, é um sócio, Dominic  (Olivetti Herrera).  As coisas se complicam quando suas funcionárias Cuca (Juliana Balbino), Alicia (Marcelle Kaiser) e Julieta (Juliana Preto) acabam se interessando por ele e abrem uma disputa desleal para conquistar aquele que pode ser o homem de suas vidas.

A cenografia cria um ambiente cosmopolita, onde os tons frios se misturam aos figurinos coloridos com toques almodovarianos, trazendo cor à vida das personagens, que em cena, dividem suas alegrias e tristezas. A iluminação propõe um jogo dinâmico entre as cenas e a costura de diálogos rápidos que remetem à linguagem televisiva do sitcom. A trilha sonora revive em versões atuais, sucessos dos anos 80  como Cindy Lauper e Madonna.

Na equipe criativa, destaca-se profissionais como o renomado Dicko Lorenzo, famoso por seus trabalhos de visagismo em produções de teatro musical; Márcio Macena, que assina o cenário e figurino, repetindo mais uma vez a parceria de sucesso com os designers de luz Cesar Pivette e Vânia Jaconis. A peça tem direção do autor, Wagner D’Avila, e codireção de Iris Yazbek.

Foto Divulgação 2

Quase 40
Com Grace Porto, Juliana Balbino, Juliana Preto, Marcelle Kaiser e Olivetti Herrera
Teatro Viradalata (Rua Apinajés, 1387 – Sumaré, São Paulo)
Duração 70 minutos
13/01 até 03/03
Sábado – 19h
$50
Classificação 14 anos

CASAR PRA QUÊ?

A comédia romântica CASAR PRA QUÊ? estreia no dia 2 de março no Teatro Gazeta.  O texto é de Alessandro Anes, que também atua na peça ao lado de Michelle Martins.  A direção é de Eri Johnson.

O espetáculo estreou em 2007  e nunca mais saiu de cartaz. Apesar de já ter rodado mais de 60 palcos de norte a sul do  país, somando um público de mais de 800 mil espectadores, a comédia chega pela primeira vez em São Paulo. “CASAR PRA QUÊ? permite mudanças no roteiro exatamente por brincar com o cotidiano e transforma-lo em comédia”, fala  Alessandro Anes sobre o espetáculo. “ Isso acaba fazendo o público voltar várias vezes ao teatro e torna cada apresentação um momento prazeroso também para nós, atores”, completa.

A história se passa no apartamento dos recém-casados Pedro Paulo e Ana Lúcia. O casal acabou de se conhecer numa boate, onde foram “atingidos” pelo cupido do amor à primeira vista. Ela, uma “patricinha” de classe média alta,  super vaidosa e culta; ele um suburbano, galanteador, enrolão, que omite suas origens para conquistá-la.

A partir desta união, a peça relata o cotidiano do casal, onde as brigas causadas pelas inúmeras diferenças só fazem divertir o público, não só com as piadas do texto, mas também pela identificação com as situações vividas no palco.

Mas o espetáculo não mostra e nem vive só das brigas. Pedro Paulo e Ana Lúcia são realmente super apaixonados e cada crise e discussão sempre  termina aos beijos e abraços, já que rola entre os dois  “aquele lance de pele”. Quando um encosta no outro  não há água no mundo que apague esse fogo.  Entre brigas e paixão, fica a interrogação:  CASAR PRA QUÊ?.

image004

Casar Para Quê?
Com Michelle Martins e Alessandro Anes
Teatro Gazeta (Av. Paulista, 900 – Bela Vista, São Paulo)
Duração 70 minutos
02/03 até 29/04
Sexta – 21h, Sábado e Domingo – 20h
$70/$80
Classificação 14 anos

A TIA É UM SHOW

Guilherme Uzeda volta em cartaz com a peça “A TIA É UM SHOW”, até final de março, domingos às 19h30, no teatro Ruth Escobar.

O espetáculo se passa em um programa de auditório comandado pela TIA, personagem criada por Guilherme Uzeda, e traz muita diversão, de forma leve e descontraída.

Uma apresentadora totalmente informal conduz o programa de maneira muito peculiar, se atrapalhando de forma ingênua e levando a plateia a um riso descontraído e cúmplice.

Entre seus vários quadros, estão o ‘Bailão da Tia’ – onde pessoas da plateia são chamadas para participar de um concurso de dança, ‘Tia Canta e Encanta’, ‘Tia Responde’ onde a Tia responde de forma engraçada as cartas dos telespectadores.

No formato dos antigos programas de auditório, o espetáculo traz convidados especiais a cada semana, sorteio de prêmios para a plateia e os famosos ‘reclames’, onde o público participa de forma ativa e divertida com esta TIA simpática e cheia de entusiasmo todos riem muito!

image001.jpg

 A Tia é um Show
Com Guilherme Uzeda
Teatro Ruth Escobar – Sala Dina Sfat (Rua dos Ingleses, 209 – Bela Vista, São Paulo)
Duração 70 minutos
14/01 até 18/03
Domingo – 19h30
$50
Classificação 12 anos

O PALHAÇO E A BAILARINA

Um universo lúdico e circense ganha vida no palco do Teatro Santander em janeiro para contar a divertida e romântica história da sonhadora bailarina Anabel e do corajoso e romântico Palhaço. Interpretados por Kiara Sasso e Lázaro Menezes, o casal, que assina também algumas funções criativas do espetáculo como concepção e texto, letra e música, direção e cenografia, retornam a São Paulo com o sucesso musical “O Palhaço e a Bailarina”, primeira produção da O Alto Mar Produções Teatrais, para uma temporada especial de férias.

Buscando alternativas para ganhar algum dinheiro, Tombo, vivido por Blota Filho, um severo domador de leões e ex-administrador do falido “Grande Circo Nômade”, decide dispensar seus artistas, entre eles o multitalentoso Palhaço – que passa a fazer apresentações pelas ruas com seu acordeom inseparável -, mantendo em atividade apenas a doce bailarina, por quem alimenta um sentimento platônico; Ele então acorrenta os pés dançantes de Anabel em uma enorme caixinha de música, que passa a ser seu único cantinho para os dias tediosos e sem ninguém para conversar, e a obriga a se apresentar diariamente para pequenos públicos, sem imaginar o quanto a faz infeliz e sonha ser encontrada.

Preocupado com o sumiço da bailarina-aramista, por quem deseja se declarar, o Palhaço decide então sair em busca de sua amada na decisiva missão de reencontrá-la, vencendo seus maiores medos e enfrentando os mais diversos desafios pelo caminho, até que descobre seu paradeiro e enfrenta Tombo, mudando assim seus destinos.

Resgatando bons sentimentos e valores como o perdão, a amizade e o amor, o espetáculo visa também a importância de se preservar a liberdade em todos os seus estados, e ganha ainda mais charme com encantadores momentos de sapateado e acrobacia, além da trilha original, sob a direção musical de Guilherme Terra, composta por 13 canções executadas por seis músicos ao vivo, e repletas de poesia e lirismo.

26733521_1966344663580618_6622005147461350123_n

O Palhaço e a Bailarina
Com Kiara Sasso, Lázaro Menezes e Blota Filho.
Teatro Santander (Av. Pres. Juscelino Kubitschek, 2041 – Itaim Bibi, São Paulo)
Duração 70 minutos
21/01 até 24/02 (não haverá sessão nos dias 10 e 11/02)
Sábado e Domingo – 16h
 $50/$100
Classificação Livre