KIWI

KIWI traz a história de uma jovem que, abandonada por sua família em meio ao processo de gentrificação de uma cidade-sede dos Jogos Olímpicos, encontra nas ruas uma nova família para lhe proteger. Esquecendo seu passado e assumindo o nome de Kiwi, neste grupo onde todos têm nomes de frutas e legumes, a jovem protagonista irá se deparar com uma realidade que envolve a violência, o uso de drogas e a prostituição infantil, mas também uma persistente esperança.

O texto é inédito no Brasil e é considerado a obra-prima do dramaturgo contemporêneo franco-canadense Daniel Danis. Ele escreveu KIWI inspirado em notícias de jovens vivendo em subterrâneos de países europeus; crianças em uma prisão na Romênia; e remoções de pobres para os Jogos Olímpicos. O texto foi montado na França, México e Hungria e recebeu três prêmios internacionais.

A montagem brasileira idealizada pelo tradutor e diretor Lucianno Maza e interpretada por Rita Batata e Lucas Lentini recebeu nove indicações em premiações como Prêmio Aplauso Brasil, Prêmio São Paulo de Incentivo ao Teatro Infantil e Jovem (Femsa / Coca-Cola) e Prêmio Cenym de Teatro, tendo vencido o primeiro na categoria melhor espetáculo e o segundo na de melhor atriz.

kiwi_bobsousa-6

Kiwi
Com Rita Batata e Lucas Lentini 
Teatro Eva Herz – Livraria Cultura – Conjunto Nacional (Avenida Paulista, 2073 – Bela Vista, São Paulo)
Duração 60 minutos
11/11 até 10/12
Sábado e Domingo – 15h
$40
Classificação 12 anos

NÃO ME RECUPERO DO VAZIO DO SEU CORPO

O projeto Berçário Teatral, que apresenta espetáculos com entrada gratuita no Teatro dos Arcos com o objetivo de revitalizar o espaço cênico localizado na Bela Vista, apresenta o espetáculo “Não me Recupero do Vazio do Seu Corpo”, do OBARA – Grupo de Pesquisa e Criação, com direção de Lu Carion. A estreia acontece dia 25 de novembro e a peça fica em cartaz até 17 de dezembro, aos sábados e domingos, às 19h.

Este é o quinto espetáculo dentre as seis novas produções que compõem o projeto Berçário Teatral. A montagem do OBARA parte de reflexões a respeito do distanciamento, cada vez maior, dos corpos em uma sociedade frenética e saturada de estímulos. A ausência de vínculos e o vazio causado por uma virtualidade excessiva são parte da temática dessa dramaturgia inédita, que se constrói de forma fragmentada, repetitiva, muitas vezes aleatória e descontínua.

A virtualidade tem se tornado uma constante em nossa sociedade contemporânea, que constrói mais relações com o virtual do que com o real. O espetáculo aborda estas questões a partir de jogos e improvisos com partituras corporais que compõem a dramaturgia cênica.  Silvia Camossa,  escritora e ex-integrante do grupo,  recompôs de forma lúdica o texto cênico, a partir de fragmentos de registros dos atores durante processos anteriores.

Partindo da ótica de que o corpo é indissociável de sua sensibilidade, “Não me Recupero do Vazio do Seu Corpo” é uma busca pela reaproximação de corpos tão distanciados de si mesmos, pela urgência de vínculos em tempos de tantas ausências.

SOBRE O GRUPO OBARA – GRUPO DE PESQUISA E CRIAÇÃO

O OBARA – Grupo de Pesquisa e Criação foi criado por Lu Carion em 2001, na USP, a partir de sua pesquisa sobre o treinamento do ator com base na Técnica Klauss Vianna, em parceria com as atrizes Paulina Caon e Veronica Veloso. Hoje o trabalho é desenvolvido na Sala Crisantempo, na Vila Madalena, com novos integrantes. O grupo continua a investigação sobre a aplicação dos princípios e instruções de TKV para o treinamento e processo criativo do artista cênico.

Klauss Vianna foi bailarino, professor, coreógrafo, preparador corporal e diretor teatral. Suas importantes pesquisas  sobre o movimento consciente resultaram em importantes  transformações na concepção, na pedagogia de ensino  e em processos criativos nas artes cênicas.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Não Me Recupero Do Vazio Do Seu Corpo
Com Bia Miranda, Livia Vilela, Luciana Romani, Tássia Melo, Tiago Salgado e Tito Soffredini
Teatro dos Arcos (Rua Jandaia, 218. Bela Vista – São Paulo)
Duração 45 minutos
25/11 até 17/12
Sábado e Domingo – 19h
Entrada gratuita (entrega de convites no local uma hora antes da sessão)
Classificação 12 anos

MEMÓRIAS PÓSTUMAS DE BRÁS CUBAS

Após recente temporada de sucesso de crítica e público no Teatro Eva Herz, o solo cômico-musical Memórias Póstumas de Brás Cubas retorna aos palcos com duas sessões especiais no Teatro Sérgio Cardoso – Sala Paschoal Carlos Magno, nos dias 22 e 23 de novembro (quarta e quinta), às 20h.

O texto, adaptado pela diretora Regina Galdino e interpretado pelo ator Marcos Damigo, destaca a trajetória do anti-herói Brás Cubas, símbolo do homem burguês, sem escrúpulos e sem ética, que nos revela a continuidade de um comportamento oportunista que persiste no Brasil desde o século XIX.

O MUSICAL

Brás Cubas, o “defunto autor”, é um aristocrata medíocre, mas mesmo assim consegue, através do riso e da sedução, conquistar a empatia do público. Ele pertence a uma elite aventureira, dividida entre o desejo liberal e a prática escravocrata. A montagem traz uma visão moderna do romance baseada na carnavalização, salientando seu aspecto cômico-fantástico. A encenação realiza uma “conversa” entre quatro artes: o teatro, a literatura, a dança e a música, estas duas últimas especialmente ligadas à alma e à cultura brasileiras.

Em um solo vibrante, Marcos Damigo vive um Brás Cubas bem-humorado, irreverente, egoísta e amoral. Com uma narrativa não linear e fiel à obra original, o personagem dialoga com a plateia, canta, dança, discorre sobre seus envolvimentos amorosos e episódios de sua vida enquanto passeia pelas agruras da sociedade de seu tempo. “A recepção do público na temporada passada foi ótima: uma plateia muito jovem, evidentemente interessada pela obra por causa do vestibular, misturou-se a espectadores maduros, admiradores de Machado de Assis, e foi unânime o impacto causado pelo trabalho de Damigo, ator que está na plenitude do uso de seus recursos vocais e corporais para interpretar o imprevisível Brás Cubas, em cenas ora sérias, ora cômicas, ora fantásticas, ora musicais. Tanto na adaptação quanto na direção, minha concepção brechtiana – com destaque para os aspectos filosóficos da obra – exige do ator experiência, inteligência, despojamento e versatilidade, e Marcos Damigo está impressionante no papel do irônico defunto”, afirma Regina Galdino.

O monólogo traz à tona toda a atualidade deste livro genial de Machado de Assis, oferecendo ao público um olhar agudo sobre a sociedade brasileira do século XIX. A equipe conta com profissionais já conhecidos da cena paulistana: Damigo, que protagonizou Dom Casmurro em outra peça adaptada de Machado; o diretor musical e arranjador Pedro Paulo Bogossian; Mário Manga, que assina a música original; e Fábio Namatame na criação do figurino. Regina Galdino assinou e dirigiu, em 1998, uma montagem desta mesma adaptação da obra do célebre escritor carioca que repete a parceria de sucesso com Manga, Bogossian e Namatame. Interpretado por Cássio Scapin, o espetáculo recebeu vários prêmios e elogios da crítica.

Memórias Póstumas de Brás Cubas
Com Marcos Damigo
Teatro Sérgio Cardoso – Sala Paschoal Carlos Magno (R. Rui Barbosa, 153 – Bela Vista, São Paulo)
Duração 85 minutos
22 e 23/11
Quarta e Quinta – 20h
$50
Classificação 14 anos
 
*Dia 22/11 sessão com tradução em libras e 30 entradas gratuitas para deficientes auditivos.

EM NOME DO FILHO

“EM NOME DO FILHO” é uma comédia dramática que entremeia números musicais e shows de dança paracontar a história de  Liuba, o dono da Brasil Dourado, uma sauna gay decadente, que esconde um segredo.

Sucesso no Rio de Janeiro por quase dois anos, o texto é de Dolores delRio e a direção de Marco Miranda, que tem um vasto currículo nos palcos brasileiros e na Tv Globo, vencedor de vários prêmios. A estreia acontece no dia 3 de novembro, no Teatro Bibi Ferreira.

A montagem lembra o universo do cineasta Pedro Almodovar. “EM NOME DO FILHO” discute a diversidade sexual e coloca uma luz sobre este tema tão importante. Tudo de forma divertida e leve, mas sem deixar de tocar nos pontos importantes da questão.

Sinopse

A peça se passa em um dia numa sauna gay, a Brasil Dourado, onde é mostrada a realidade de uma sauna. Liuba, o dono, sofre com a perda de seu filho, que foi afastado de seu convívio desde criança. Liuba tem um romance complicado com Roby, um ex-garoto de programa. Odetinha, empregado da sauna é aliado de Liuba e o único que sabe de seu passado.

Na trama são apresentados ao público tipos característicos de gays que frequentam as saunas: o debochado, o poderoso, o prático, o casado e o carente. Eles interagem nas cenas cômicas com os garotos de programa, belos rapazes da sauna.

O foco central da trama é a procura de Liuba pelo seu filho Junio. Por intermédio de uma carta, e por coincidência perversa do destino, Liuba descobre que o filho trabalha como garoto de programa em sua sauna.  Ele então se aproxima do filho e conquista a confiança do rapaz para retirá-lo de lá. Para manter seu segredo, em paralelo Liuba termina seu romance com Roby,  que por não entender o motivo, se desespera. Num reencontro emocionado eles se entendem e os três terminam juntos, revelando uma grande história de amor.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Em Nome do Filho
Com Dolores DelRio, Matheus Freira, Bruno Islam, Anderson Lopes, Gustavo Azaranys, Luiz Xaxu, Angelo Antonio, Angelo Barreto, Gleyson Lopes, Yago Custódio e Douglas Loyola
Teatro Bibi Ferreira (Av. Brigadeiro Luiz Antônio, 931 – Bela Vista, São Paulo)
Duração 90 minutos
03 até 24/11
Sexta – 23h15
$50
Classificação 16 anos

 

 

 

Em Nome do Filho
Com Dolores DelRio, Matheus Freira, Bruno Islam, Anderson Lopes, Gustavo Azaranys, Luiz Xaxu, Angelo Antonio, Angelo Barreto, Gleyson Lopes, Yago Custódio e Douglas Loyola
Teatro Bibi Ferreira (Av. Brigadeiro Luiz Antônio, 931 – Bela Vista, São Paulo)
Duração 90 minutos
03 até 24/11
Sexta – 23h15
$50
Classificação 16 anos

QUEM AMA BLOQUEIA

A comédia moderna Quem Ama Bloqueia, texto inédito de Renato Bellamin, estreia dia 19 de outubro, às 21h, no Teatro Ruth Escobar (sala Dina Sfat), e segue em temporada, sempre às quintas-feiras, até 7 de dezembro. O elenco do espetáculo, que conta com a minuciosa direção de Renato Scarpin, é composto pelo próprio autor da peça Renato Bellamin e pela experiente atriz Carla Fioroni.

Quem Ama Bloqueia conta a história de Rogério e Selma, um casal comum em suas vivências diárias, mas que, como a maioria das pessoas hoje em dia, vive em torno da Internet, de Smartphones, Iphones e seus aplicativos. O uso abusivo dessas ferramentas, que na peça é mostrado de forma cômica e escancarada, afeta o relacionamento do casal no dia a dia e o resultado são muitas intrigas, confusões e insatisfações.

Ciúmes, supostas traições, stalker e nudes são alguns dos assuntos abordados no espetáculo, que pela própria temática atual, é de fácil identificação por parte do público, que vive o impacto da tecnologia influenciando completamente a forma do ser humano se relacionar com o outro e com o mundo.

Segundo Bellamin, a comédia tem a intenção de mostrar os relacionamentos amorosos e sociais nos dias atuais.  As discussões surgem da necessidade do diálogo pessoal, sem a presença de um aplicativo de relacionamento. A conversa habitual, olho no olho, se perdeu, ficou chata, sem sentido. Basta um pequeno som vindo do celular para que o interesse pela pessoa que está na sua frente perca o sentido. É um furor incontrolável. Uma necessidade biológica de saber quem chamou, qual o assunto… E claro: a pessoa ao meu lado – o ser ‘amado’ – pode ver quem chamou ou eu devo esconder?”, ressalta o autor.

De forma engraçada e descontraída, o espetáculo pretende levar ao público uma reflexão divertida sobre suas próprias atitudes, abordando desde fotos de prato de comida, postadas freneticamente pela grande maioria dos usuários, até as sensuais – os famosos nudes –, que já acabaram com muitos romances e, muitas vezes, os motivos são paranoias, criações de nossas mentes na tentativa de descobrir o que o outro está fazendo em seu mundo digital.

CARLA_FIORONI_RENATO_BELLAMIN2_quemamabloqueia

Quem Ama Bloqueia
Com Carla Fioroni e Renato Bellamin.
Teatro Ruth Escobar – Sala Dina Sfat (Rua dos Ingleses, 209 – Bela Vista, São Paulo)
Duração 70 minutos
19/10 até 07/12
Quinta – 21h
$60
Classificação 12 anos

SPACE INVADERS

A adolescência é um período turbulento para quase todo mundo. Os sentimentos de solidão e inadequação são muito mais comuns do que pensa o inseguro Caio (Bruno Gavranic), um jovem deprimido de 14 anos que teve seu espaço invadido quando os três filhos adolescentes de seu padrasto se mudaram para a sua casa. Para aliviar o sofrimento, ele decide transformar a experiência na HQ Space Invaders, que, não por acaso, dá nome ao espetáculo jovem deFernanda Gama, da Cia. do Fubá. Isso porque a própria peça reproduz a graphic novel, ou romance em quadrinhos, escrita pelo protagonista – tudo o que vemos é sob o ponto de vista dele.

Como os alienígenas do jogo “Space Invaders”, que tentam invadir a tela do Atari (o videogame popular nos anos de 1980) e precisam ser combatidos por uma espaçonave, os irmãos Pedro (Mateus Monteiro) de 17 anos, Luca (Leonardo Devitto) de 11 anos e Vanessa (Paula Bega) de 14 anos ocupam o antigo quarto de Caio. Os três se mudaram para o apartamento do pai porque sua mãe está com uma depressão profunda e já não tem mais forças para cuidar dos filhos. Eles também sofrem com a saudade dos amigos, da antiga escola e de casa.

Fã de David Bowie, Caio retrata a si mesmo em sua HQ como o astronauta Major Tom, da música “Space Oddity” (1969), um homem que abandona a vida na Terra e acaba sozinho na imensidão do espaço. Caio evita ao máximo o encontro com os meios-irmãos e, no fundo, sofre com a indiferença deles. “Acho que a alternativa que ele encontra para o sofrimento, no fim das contas, é justamente esse prazer em escrever histórias, essa saída pelo caminho da arte e da autoexpressão”, comenta Gama.

À medida em que Caio passa a conviver mais com os meios-irmãos, descobre que eles não são esses monstros que ele retratou. “Ele percebe que ele não é o único que sofre ali. Os três também são humanos e têm problemas. E o que o alivia é que eles têm uns aos outros. Eles têm que se ajudar, ficarem vivos uns pelos outros”, esclarece a diretora.

O espetáculo surgiu de um desejo da Cia. do Fubá de desenvolver seu primeiro trabalho direcionado para o público jovem. O texto foi desenvolvido através do PROAC – Criação de Dramaturgia, em 2016, e contou com uma série de oficinas que tinham a proposta de transformar experiências e sentimentos dos adolescentes participantes em textos teatrais e depoimentos, materiais que também serviram como referências para a encenação. Em 2017, o grupo foi contemplado pelo PROAC – Montagens infanto-juvenis inéditas para a produção do espetáculo.

Ao fim, o projeto pretende trazer uma reflexão sobre como as pessoas aprendem a lidar com a crueldade do mundo. “Tem um pessimismo, que também aparece no material produzido pelos jovens nas oficinas. Quando passamos da infância para a adolescência, tomamos consciência sobre a maldade, o sofrimento, como as pessoas são terríveis, como a vida pode te passar para trás. É assustador. Na vida adulta, entendemos que os nossos problemas não são maiores do que os de ninguém, e não são eternos. É como um videogame, em que as coisas vão ficando mais difíceis a cada fase. Você quer avançar, mas tem saudades de quando as coisas eram mais simples. Ao mesmo tempo, essa é a graça do jogo. Não dá para voltar atrás”, comenta Gama.

image004.jpg

Space Invaders
Com Bruno Gavranic, Leonardo Devitto, Mateus Monteiro e Paula Bega
Espaço Elevador (Rua Treze de Maio, 222 – Bela Vista, São Paulo)
Duração 75 minutos
04/11 até 10/12
Sábado e Domingo – 19h
$30
Classificação 12 anos

SONHO DE UM HOMEM RIDÍCULO

Sucesso de público e crítica, o espetáculo SONHO DE UM HOMEM RIDÍCULO, com Celso Frateschi e direção de Roberto Lage, reestreia dia 6 de outubro, sexta-feira, às 21 horas, no Ágora Teatro. O espetáculo, que estreou em 2005, é baseado no conto homônimo do escritor russo Fiódor Dostoiévski, publicado pela primeira vez em 1877 no livro Diário de um Escritor.

Em SONHO DE UM HOMEM RIDÍCULO um funcionário público, sabe que é ridículo desde a infância, mas por orgulho jamais confessou esse fato a ninguém. Motivo de desprezo e zombaria de seus semelhantes, já não tem mais nenhum interesse na continuação da sua existência. Num dia, inútil como todos os seus outros dias, em que mais uma vez esperava ter encontrado o momento de meter uma bala na cabeça, foi abordado por uma menina de uns oito anos, que clamava por ajuda. Ele não só recusa o apoio à criança, como a espanta violentamente e aos berros.

Ao voltar para casa, não consegue dar fim a sua existência. Já com sua arma pousada em seu peito e perturbado pelos sentimentos causados por aquela criança, adormece e sonha com a sua própria morte, com seu enterro e com uma vida após o tiro disparado. Viaja pelo espaço e por desconhecidas esferas. Experimenta a terra não manchada pelo pecado original e conhece os homens na plenitude da sabedoria e equilíbrio. Ele acredita que aquilo tudo foi real, pois as coisas terríveis que sucederam não poderiam ter sido engendradas num sonho.

Construção de conhecimento

Para Celso Frateschi, o texto clássico encenado é sempre contemporâneo, por isso a importância de voltar a encenar SONHO DE UM HOMEM RIDÍCULO. “No momento em que a barbárie avança violenta e rapidamente, destruindo valores humanistas que imaginávamos consagrados pela história e quando o sonho de liberdade individual, justiça social e fraternidade passam a ser vistos como retrógrados, a diversidade como ofensa e que virtuoso é quem rouba bem, o teatro se mantém como espaço de prazer estético e construção de conhecimento”, explica ele, que sentencia: “A linguagem não deve estar a serviço da ideologia, mas da liberdade.

O ator afirma ainda que ao abordar os clássicos de outra maneira, há uma permissão para que ele se aproxime de nosso tempo não pelas semelhanças, mas pelas diferenças entre a época em que foi escrito ou apresentado e a atual. “Identificar os modos de agir, sentir, se relacionar e pensar de nossos ancestrais, característicos de suas épocas para que se choquem e ou se assemelhem aos nossos, livremente, sem freios e cabrestos ideológicos, para que a poesia de nossos mestres nos ilumine e nos transforme”, conta Frateschi.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Sonho de um Homem Ridículo
Com Celso Frateschi
Ágora Teatro (R. Rui Barbosa, 664 – Bela Vista, São Paulo)
Duração 60 minutos
06/10 até 10/12
Sexta e Sábado – 21h, Domingo – 19h
$40
Classificação 14 anos