O BEIJO NO ASFALTO

O Beijo no Asfalto, de Nelson Rodrigues (1912-1980) ganha nova versão em estreia dia 12 de agosto, sábado, às 16h, Praça Roosevelt (frente à Rua Augusta). O diretor Pedro Granato traz a trama para a cidade, a céu aberto, com as avenidas como pano de fundo, na montagem do núcleo de pesquisa do teatro Pequeno Ato – responsável pelas peças Fortes Batidas (vencedora de prêmios APCA, São Paulo e Zé Renato) e 11 Selvagens (que volta em cartaz em setembro).

Unindo técnicas do teatro de rua com o conceito do site specific, a proposta é apresentar a peça ao entardecer transformando a cidade em cenário. As escadas serão as arquibancadas para o público. Para o diretor, na rua a peça consegue atingir um número maior de pessoas que não frequentem uma sala de teatro convencional.

O texto é muito popular e atual ao discutir política, homofobia, violência policial, abuso de poder, manipulação da imprensa.  Eu queria trazer para hoje, para falar dessa lógica de linchamento que acontece a cada dia. O tempo inteiro alguém está sendo linchado publicamente pela internet, o uso das “fakes News” tão utilizadas na politica brasileira, então busquei trazer essa história para esse contexto atual. Acho que todos os elementos que estão na obra estão presentes na rua renovando o olhar da plateia para a cidade”, explica.

Na trama de Nelson Rodrigues, Arandir sofre um massacre midiático por dar um beijo em um homem que morria após ser atropelado. A polícia, procurando abafar escândalos, encampa uma cruzada moralista seguindo a estética do linchamento, tão comum nos dias de hoje.

Utilizando coros e elementos contemporâneos, essa versão revigora o impacto da tragédia rodrigueana. Na rua, a violência e homofobia estão muito mais latentes. O atropelamento é uma possibilidade real e a encenação joga com essa tensão entre a cena e o cotidiano ao redor. Os atores se revezam em vários personagens se multiplicando em cena.

A própria Praça Roosevelt é um espaço de disputa na cidade. Revitalizada especialmente pela ação dos teatros sofre agora um processo de gentrificação e diversas proibições de uso. Ocupá-la com uma obra tão emblemática sobre abusos de poder  é resgatar o potencial provocador da obra de Nelson Rodrigues”, completa o diretor.

Este slideshow necessita de JavaScript.

O Beijo no Asfalto
Com André Salama, Diego Dac, Fhelipe Chrisostomo, Gabriela Fontana, Gustavo Pompiani, Isabela Fikaris, Maria Eduarda Machado, Mariana Beda, Mau Machado e Roberto Garcia. 
Praça Roosevelt (Praça Franklin Roosevelt, s/n – Bela Vista, São Paulo)
Duração 90 minutos
12/08 até 03/09
Sábado e Domingo – 16h
Grátis
Classificação Livre

 

 

 

PALAVRA DE STELA

Nascida em 1941, Stela do Patrocínio foi internada no Centro Psiquiátrico Pedro II aos 21 anos, quando diagnosticada como psicopata e esquizofrênica. Quatro anos depois, foi transferida para a Colônia Juliano Moreira, em Jacarepaguá, onde permaneceu até sua morte em 1992. Durante seus anos de isolamento, Stela desenvolveu um discurso poético. Seu “falatório”, carregado de angústias, retrata a rotina manicomial e, sobretudo, revela sua visão da vida, do mundo e de si mesma.

Palavra de Stela é um espetáculo solo interpretado por Cleide Queiroz com direção e dramaturgia de Elias Andreatoque estreia dia 4 de agosto no Top Teatro. No espetáculo a personagem narra sua trajetória, expõe seu cotidiano e revela seu olhar de perplexidade diante da vida e dos seres humanos.

Elias Andreato escreveu o texto especialmente para Cleide Queiroz. Com 50 anos de carreira em teatro, cinema e televisão, a atriz traz uma relação muito pessoal com a temática proposta, pois é uma mulher negra que durante sua adolescência conviveu com a internação de sua mãe esquizofrênica.

Por meio da fala de Stela do Patrocínio, pretendemos levar o espectador a uma reflexão acerca da visão que temos sobre loucura e lucidez, bem como chamar sua atenção para como a sociedade enxerga a diferença e lida com o outro”, diz Elias Andreato.

A criação do espetáculo tomou por base o registro em áudio da obra de Stela do Patrocínio realizado na década de 1980 pelas artistas plásticas Neli Gutmacher e Carla Guagliardi, posteriormente, transcrito e organizado por Viviane Mosé no livro Reino dos bichos e dos animais é o meu nome.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Palavra de Stela
Com Cleide Queiroz
Top Teatro (Rua Rui Barbosa, 201 – Bela Vista, São Paulo)
Duração 70 minutos
04 a 27/08
Sexta e Sábado – 21h; Domingo – 19h
$40
Classificação 14 anos

CANÇÃO DENTRO DO PÃO

Com direção de Bete Dorgam, a comedia Canção dentro do Pão estreia na sexta-feira, 14 de julho, às 21 horas, no Teatro Denoy de Oliveira. 

A trama traz um pretenso adultério entre a inconsequente Jacqueline e do intendente Monsieur Finot, que pretende incriminar Jacquot – marido de Jacqueline   e leal padeiro do rei Luiz XVI – com a introdução de uma canção subversiva dentro dos pães que serão servidos na corte, às vésperas da Queda da Bastilha.

O espetáculo conta com música ao vivo, cenários e figurinos com características de época, todavia também traz elementos anacrônicos tanto na concepção visual quanto na linguagem em cena. O texto traz a fragmentação de poderes da monarquia e coloca a ficção se aproximando da realidade em meio à crise política vivida pelo Brasil nos últimos anos. A Queda da Bastilha, evento central da Revolução Francesa, ocorreu em 14 de julho de 1789, por isso a escolha da estreia acontecer em 14 de julho no o Teatro Denoy de Oliveira.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Canção Dentro do Pão
Com João Ribeiro, Pedro Monticelli, Rebeca Braia, Ricardo Koch Mancini e Vittor Meneghetti. 
Teatro Denoy de Oliveira (Rua Rui Barbosa, 323/ Bela Vista – São Paulo)
Duração 90 minutos
14/07 até 10/09
Sexta e Sábado – 21h; Domingo – 19h
$20
Classificação Livre

 

 

PALHAÇOS

Com texto de dramaturgo Timochenco Wehbi (1943 – 1986), Palhaços volta com temporada no porão do Teatro Sérgio Cardoso a partir de segunda-feira, 10 de julho às 20h. As apresentações acontecem às segundas-feiras (10, 17, e 31 de julho e 14 de agosto, às 20h) e uma terça-feira (25 de julho, às 20h).

O espetáculo conta com direção de Marcio Vasconcelos e atuação de Antônio Netto e Sérgio Carrera, além do sanfoneiro Guilherme Padilha. O projeto é uma realização da Cia das Artes e a Cia Pompa Cômica.

A trama se passa no intervalo de apresentação do palhaço Careta (Antônio Netto) que recebe em seu camarim a visita de um espectador, Benvindo (Sérgio Carrera), um vendedor de sapatos encantado com a performance. Se aproveitando da extrema inocência do visitante, o palhaço Careta expõe as dificuldades e dores de ser um artista, e estabelece um jogo de faz de contas para que Benvindo perceba o sentido de sua própria vida, condicionada aos padrões estabelecidos pela sociedade.

A peça fala sobre a condição humana ao expor os dois lados de um mesmo tipo de fragilidade: a desilusão frente à exploração social somada à uma insciência desta. Nesta versão, a obra de Timochenco Wehbi, ganha um novo integrante: o sanfoneiro.

Este personagem, em meio às músicas, caminha entre as histórias de Benvindo e o palhaço Careta, conduzindo a dramaturgia em um labirinto entre ficção e realidade. A montagem traz elementos que ajudam a trazer a atmosfera do picadeiro para o palco com artistas circenses que fazem números de clown, malabares, mágica.

O espetáculo é uma metalinguagem na questão da dificuldade de se viver de arte pelo país. O texto é um contraponto ao abordar o universo dos artistas, que mesmo diante de muitas barreiras, fazem o que mais gostam na vida. E também representa o mundo em que as pessoas seguem os costumes ditados pela maioria”, fala Carrera.

O ator viveu uma situação contrária de seu papel na vida real ao desistir da carreira médica e optar pela vida artística. “Definitivamente, trabalhar com arte no Brasil é resistir. Já meu personagem Benvindo abriu mão de seus anseios ao entrar para todos os padrões possíveis”.

Um dos maiores trunfos do texto é fazer um jogo em que nos perguntamos quem é o palhaço de quem durante o encontro entre os personagens. Expurga os conflitos internos, coloca uma outra face do palhaço, além do picadeiro. Em cena, um é complemento do outro”, diz Netto.

Assim como o dramaturgo, Netto também nasceu em Presidente Prudente e sua atuação no espetáculo Palhaços na cidade natal foi um fator determinante para sua chegada em São Paulo e continuar sua carreira no início dos anos 90. Os dois atores têm uma longa trajetória de parceria nos palcos, pois já trabalharam juntos em duas montagens da comédia musical Bar D’Hotel e no espetáculo De Um Dia de Pierrot ao Curto-Circuito, obra também de Timochenco Wehbi.

Timochenco Wehbi é um dramaturgo extremamente significativo, contendente, transgrediu a época em que vivia. Estava inserido na era da contracultura, um momento de ebulição na sociedade. Questões que não passaram em branco e ficaram refletidas em sua obra. Era uma pessoa apaixonada pelo circo e acompanhou bem as famílias que viviam dessa arte pelo interior”, diz os Netto.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Palhaços
Com Antonio Netto, Sérgio Carrera e Guilherme Padilha. 
Teatro Sergio Cardoso – Porão (Rua Rui Barbosa, 153 – Bela Vista, São Paulo)
Duração 70 minutos
10, 17, 25, 31/07; 14/08
Segunda – 20h; Terça – 20h
$40
Classificação 12 anos

 

GURI DE URUGUAIANA

O espetáculo Guri de Uruguaiana que já divertiu mais de 2 milhões de espectadores chega em São Paulo para uma curtíssima temporada, com muitas novidades. A peça fica em cartaz nos dias 08, 09, 15 e 16 de julho no Teatro Brigadeiro.

Nessa nova temporada o multifacetado Jair Kobe traz um cenário totalmente remodelado, novas paródias do Canto Alegretense, novos causos e clipes ao vivo.

O Guri de Uruguaiana é reconhecido como principal humorista gaúcho da atualidade, fato comprovado pela conquista do Prêmio Top of Mind da Revista Amanhã por dois anos consecutivos. Possui a maior Fanpage no Facebook em atividade no Rio Grande do Sul, com mais de 2,3 milhões de curtidores e 20 milhões de visualizações em vídeos no YouTube.

A peça, que já passou por mais de 250 cidades, conta a trajetória do humorista e empresário Jair Kobe, desde o anonimato até o sucesso. Além de mostrar a história do Guri de Uruguaiana, Jair Kobe apresenta suas origens musicais com o Grupo Canto Livre e o show Seriamente Cômico, que contava com outros três personagens: o Publicitário Brega, o Baiano e o Mágico.

Utilizando o conceito de palestra-show, a apresentação conta com musicais em voz e violão e esquetes de humor, arrancando gargalhadas da plateia.

GURI 01.jpg

Guri de Uruguaiana
Com Jair Kobe
Teatro Brigadeiro (Av. Brigadeiro Luís Antônio, 884 – Bela Vista, São Paulo)
Duração 90 minutos
08 a 16/07
Sábado – 21h; Domingo – 19h
$80
Classificação Livre

 

POEMA BAR

Governo do Estado de São Paulo, Secretaria da Cultura e Teatro Sérgio Cardoso, com patrocínio da Dudalina, apresentam o recital “Poema Bar”, montagem que traz Alexandre Borges em leitura dramatizada de poemas de Vinicius de Moraes e Fernando Pessoa.

Enquanto Alexandre Borges declama versos dos poetas, o pianista português João Vasco interpreta músicas que vão do fado às canções brasileiras e harmonias improvisadas. A dupla conta com participação das cantoras Mariana de Moraes (neta de Vinicius) e da lusitana Sofia Vitória.

No repertório, canções como “Amor em lágrimas”, “Acalanto da Rosa”, “Eu não existo sem você”, de Vinicius de Moraes e “Tenho dó das estrelas”, de Fernando Pessoa, entre outras.

Aclamado por um público de mais de 18 mil espectadores, incluindo Portugal, Alemanha, França, São Paulo, Bahia, Minas Gerais e Rio de Janeiro, o espetáculo presta uma homenagem aos poetas Vinicius de Moraes e Fernando Pessoa.

A curta temporada na capital paulista acontece de 6 a 16 de julho, com sessões de quinta a domingo, 20h, na sala Paschoal Carlos Magno. Aos domingos haverá bate-papo com os atores após a apresentação.

A montagem propõe um novo olhar sobre a obra de dois poetas que, apesar de retratarem épocas diferentes, traduzem em versos, a ampla cultura de seus países. O humor ácido e as paixões de Vinicius se unem ao romantismo de Pessoa em um show para ser visto, ouvido e, sobretudo, sentido.

Sobre Poema Bar

Alexandre Borges e João Vasco desenvolveram o projeto “Poema Bar” movidos pela paixão literária que ambos nutrem por Vinicius e Pessoa. O espetáculo estreou em julho de 2011, na Casa Fernando Pessoa, em Lisboa, e, posteriormente, esteve em cartaz no teatro Bühne der Kulturen, em Colônia, na Alemanha.

No Brasil, estreou em outubro de 2011, quando o grupo promoveu uma semana em comemoração aos 98 anos de Vinicius de Moraes, no Rio de Janeiro. No ano seguinte percorreu o Estado de São Paulo.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Poema Bar
Com Alexandre Borges, João Vasco, Mariana de Moraes e Sofia Vitória
Teatro Sérgio Cardoso – Sala Paschoal Carlos Magno (Rua Rui Barbosa, 153 – Bela Vista – São Paulo)
Duração 70 minutos
06 até 16/07
Quinta, Sexta, Sábado e Domingo – 20h
$40
Classificação 12 anos

CARROSSEL, O MUSICAL

Os personagens que há quase 30 anos fazem parte do imaginário infantil brasileiro chegam agora aos palcos do Teatro Raul Cortez, na sede da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), para cantar e dançar no espetáculo ‘Carrossel, o Musical’, que estará em cartaz de 07 a 30 de julho, sob a batuta de Zé Henrique de Paula, que divide a direção com a autora da peça, Fernanda Maia.

Depois de um remake de sucesso na TV e de dois filmes que levaram mais de cinco milhões de espectadores aos cinemas, os alunos da Escola Mundial estrelam uma nova aventura agora no palco, em formato de teatro musical. A história começa com os personagens voltando à escola depois de um período de férias, e reencontrando sua amada professora Helena, vivida por Bibi Cavalcante, e a divertida faxineira Graça, papel de Márcia de Oliveira – atriz original da novela em participação especial.

Em meio a toda festa, a diretora Olivia, interpretada por Chris Couto, tenta manter a ordem na escola, ao mesmo tempo em que busca consolo para uma desilusão amorosa por causa de seu pretendente Aderbal, papel de Roney Facchini, dando início assim a uma aventura cheia de suspense e surpresas. A trama envolve ainda um quadro antigo, um tesouro secreto, uma donzela apaixonada e o fantasma de um pirata espanhol. Depois de Cirilo passar por maus bocados nas mãos de vilões que tentam passar por mocinhos, a Patrulha Salvadora acaba por restabelecer a paz, em meio a uma emocionante história de amor.

A diversão é garantida com os personagens infantis já conhecidos da novela e tão queridos por todos. As 13 crianças em cena, com idade de 9 a 12 anos, foram selecionadas entre 850 inscritos durante as audições e interpretam os personagens que fazem o famoso colégio vibrar de animação, são elas: Giulia Savi e Sofia Penna (Maria Joaquina), Pedro Felipe Santos Souza (Cirilo), Manuela Gomes de Matos (Laura),Vinícius Spada (Jaime), Isabella Faille (Alícia), Chiara Scarlett (Carmen), Murillo Martins (Daniel), Adrielly Takaki (Marcelina), Valentina Oliveira (Valéria), Henry Gaspar (Mário), Enzo Krieger (Davi), Gabriel Cordeiro (Paulo) e Bruno Shiraishi Costa (Kokimoto).

Com cenários familiares para quem assistiu ao último remake da TV, estarão lá o pátio da escola, a sala de aula, a sala da diretora e a casa abandonada, além de alguns itens originais usados na telinha. A trilha sonora, com músicas já conhecidas da novela, como ‘Fico Assim sem Você’, de Claudinho & Buchecha, e ‘Brincadeira de Criança’, do grupo de pagode Molejo, ganham novos arranjos, especialmente criados por Fernanda Maia, que são acompanhados por uma banda com baixo, bateria, guitarra, piano, cordas, sax, clarinete e flauta.

Indicado para todas as idades, os ingressos para “embarcar nesse Carrossel” já podem ser adquiridos pelo site Compre Ingressos – http://www.compreingressos.com/ – ou na bilheteria do teatro.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Carrossel, o Musical
Com Giulia Savi, Sofia Penna, Pedro Felipe Santos Souza, Manuela Gomes de Matos,Vinícius Spada, Isabella Faille, Chiara Scarlett, Enzo Krieger, Murillo Martins, Adrielly Takaki, Valentina Oliveira, Henry Gaspar, Gabriel Cordeiro e Bruno Shiraishi Costa
Elenco Adulto: Bibi Cavalcanti, Marcia de Oliveira, Chris Couto, Roney Facchini, Rosana Penna e Patrick Amstalden
Teatro Raul Cortez – FECOMERCIO (Rua Dr. Plínio Barreto, 285 – Bela Vista, São Paulo)
Duração 120 minutos
07 a 30/07
Sexta, Sábado e Domingo – 15 horas
$80/$90
Classificação Livre