MORTE ACIDENTAL DE UM ANARQUISTA

A comédia ‘Morte Acidental de Um Anarquista’, que completa três anos em cartaz, tendo passado por 27 cidades, inicia nova fase nos palcos do Teatro Gazeta, em São Paulo, a partir de 30 de junho, desta vez, em temporada aos sábados, às 22h e aos domingos, às 20h. A montagem do texto de Dario Fo, prêmio Nobel de Literatura em 1997, que contou com Dan Stulbach no elenco ganha agora a participação do ator Marcelo Laham.

A peça parte de um caso verídico, uma controversa investigação de um caso ocorrido em Milão, em 1969, e tem como pano de fundo os ataques terroristas que feriram e mataram dezenas de pessoas e nas cidades de Milão e Roma. O mote é o suposto suicídio de um anarquista acusado pelos atentados que teria se jogado da janela do prédio da polícia durante o interrogatório. O caso ficou nebuloso com incoerências nos depoimentos dos policiais envolvidos, porém ninguém foi condenado por falta de provas.

Um ano após o episódio na história da Itália, Dario Fo estreou sua peça ficcional, uma comédia, que coloca dentro da delegacia naquele dia a figura de um louco revelando práticas de torturas física e psicológica nos interrogatórios policiais. Na dramaturgia, o louco é acusado de falsidade ideológica, por gostar de se passar por outras pessoas, porém se revela mais esperto que o delegado e, ali mesmo, engana a todos fingindo ser um juiz.

O que teria acontecido realmente naquele dia? O anarquista se jogou ou fora jogado do quarto andar?

A polícia afirma que o anarquista teria se jogado pela janela do quarto andar, a imprensa e a população acreditam que ele tenha sido jogado. O louco brincando com o que é ou não é real vai desmontando o poder e revelando a verdade ao assumir várias identidades médico cirurgião, psiquiatra, bispo, engenheiro naval, entre outras, além de juiz. Os espectadores se tornam aliados tanto do ator quanto do personagem e ao serem convidados a participar trazem à tona flashes do momento político atual do país para ajudá-lo na reconstituição do suposto crime.

Morte Acidental de Um Anarquista é a peça mais conhecida e premida de Dario Fo. Montada no mundo inteiro, recentemente, em Londres, foi encenada com referências ao caso Jean Charles (brasileiro que ficou conhecido após ser confundido e assassinado erroneamente pela Scotland Yard no Metrô de Londres). No Brasil, já foi montada com Antonio Fagundes e Sérgio Britto como protagonistas em São Paulo e no Rio de Janeiro.

Nesta montagem, há três anos em cartaz, com direção de Hugo Coelho, o público é recebido pelo elenco do lado de fora, na entrada, com uma apresentação musical. Já no teatro, Marcelo Laham entra em cena para contar o que aconteceu na vida real e explicar o porquê de montar o espetáculo, seguindo a estratégia que Dario Fo de aproximação e reconhecimento. Em seguida, público é convidado a tirar dúvidas e, só depois de todos estarem prontos, o espetáculo começa.

image003

Morte Acidenta de Um Anarquista

Com Marcelo Laham, Henrique Stroeter, Riba Carlovich, Marcelo Castro, Maíra Chasseraux e Rodrigo Bella Dona

Teatro Gazeta (Avenida Paulista, 900 – Bela Vista, São Paulo)

Duração 90 minutos

30/06 até 14/10

Sábado – 22h, Domingo – 20h

$70/$80

Classificação 14 anos

AQUI JAZ HENRY

Espetáculo solo de Renato Wiemer,  com direção artística de Kika Freire, o monólogo Aqui Jaz Henry reestreia no Teatro Eva Herz, com sessões aos sábados, às 21h e domingos, às 19h.

Com figurinos de Claudio Tovar e visagismo de Leopoldo Pacheco, o espetáculo conta a história de um homem que acabou de morrer e tenta explicar uma série de fatos sobre a existência humana. Nem ele mesmo sabe o que é verdade – e nem teria como saber – pois mente a respeito tudo, até sobre a própria mentira.

Renato Wiemer traduziu a escrita polissêmica do autor canadense Daniel MacIvor (conhecido no Brasil pelas peças In On ItA Primeira Vista e Cine Monstro). “MacIvor tem uma maneira especial de escrita, uma dramaturgia não linear, meio ‘torta’, dissonante, mas que faz todo o sentido. Henry fala e se relaciona o tempo todo com a plateia. Quebrando a ‘quarta parede’ o espetáculo transporta o espectador para dentro da sua narrativa,” fala Wiemer.

A paixão do ator pelo estilo de MacIvor surgiu quando assistiu a uma montagem da peça In On It. “Minha experiência ao testemunhar a escritura dramatúrgica e a riqueza impressa do texto me trouxe a certeza que não me interessava qual história contar, mas sim, como contá-la. Nada importa para além do que é dito. Mesmo que sejam mentiras”, completa.

O texto do espetáculo foi concebido em um workshop ministrado pela Da Da Kamera Cia. de Teatro no Festival Antigonish, e sua primeira montagem aconteceu no Six Stage Festival, no Buddies In Bad Times Theatre, em Toronto. A montagem brasileira estreou em outubro de 2017 no Teatro Pequeno Ato.

CARMEN.png

Aqui Jaz Henry

Com Renato Wiemer

Teatro Eva Herz – Livraria Cultura Conjunto Nacional (Av. Paulista, 2.073 – Bela Vista, São Paulo)

Duração 65 minutos

09/06 a 29/07

Sábado – 21h, Domingo – 19h

$60

Classificação 16 anos

 

BAGAGEM

O ator Marcio Ballas, que pesquisa há 20 anos as linguagens do palhaço e da improvisação teatral, conta ao público alguns episódios que marcaram a sua infância no espetáculo Bagagem, com direção de Rhena de Faria. A peça estreia no dia 18 de maio Teatro Eva Herz, na Livraria Cultura do Conjunto Nacional, onde segue em cartaz até 27 de julho, com sessões às quintas e sextas-feiras, às 21h.

Nos anos de 1950, o militar Gamal Abdel Nasser tornou-se presidente do Egito e implantou várias medidas para limitar a presença de estrangeiros no país, o que gerou uma guerra responsável pela expulsão de milhares judeus da região. Os pais de Ballas foram obrigados a abandonar sua terra natal nessa circunstância e embarcaram em um navio com destino ao Brasil.

Segundo o ator, a ideia de contar ao público as histórias de sua família surgiu em um jantar. “Em uma sexta feira, fui comer na casa da minha mãe. Na sobremesa, tinham vários doces incríveis e um pequeno cacho de bananas. Brinquei dizendo que ninguém escolheria a fruta. Ela disse: ‘Não fale assim. Um dia, isso foi o meu almoço’. Eu achei que ela estava brincando, mas ela contou que quando chegaram refugiados do Egito, não tinham dinheiro para comida. Então, por várias vezes, almoçaram bananas! Nesse dia, pensei: quero compartilhar as histórias da minha família em um espetáculo“, explica Ballas.

Em cena, Ballas apresenta uma visão bem-humorada e poética sobre as histórias de sua família e a Cultura Judaica em forma de pequenas crônicas, com os temas infância, melhor amigo, pai, mãe e férias. As técnicas de improviso teatral são usadas quando o ator convida a plateia para entrar na cena e a participar da peça.

Em 2010, eu organizei um Festival de Improviso no Brasil e trouxe convidados internacionais. Um deles era o mestre Omar Argentino, que apresentou um solo de improviso. Eu fiquei maravilhado. Eu não sabia que dava para improvisar sozinho, não sabia que era possível! Essa ideia ficou na minha cabeça durante 7 anos, até que eu tomei coragem e decidi: está na hora de fazer o meu solo. Misturei o improviso com textos escritos e surgiu o espetáculo“, conta o improvisador.

SINOPSE

Bagagem é o solo do ator Marcio Ballas, que há vinte anos vem se desenvolvendo nas linguagens do Palhaço e da Improvisação Teatral, tendo se tornado uma referência nessas áreas. Filho de imigrantes judeus egípcios, Ballas resgata, a partir de suas lembranças de infância, parte importante da história de sua família. O resultado disto é um espetáculo divertido e singelo, que mescla poesia com boas doses de humor e improvisação, além de aproveitar uma das grandes qualidades do ator: a sua capacidade de se relacionar com a plateia, trazendo o espectador literalmente para dentro da cena.

Bagagem

Com Marcio Ballas

Teatro Eva Herz – Livraria Cultura Conjunto Nacional (Avenida Paulista, 2073, Bela Vista, São Paulo)

Duração 60 minutos

18/05 até 27/07 (sessão dia 31/06 – 18h)

Quinta e Sexta – 21h

$60

Classificação 12 anos

PATROA RICA, PODE

Patroa Rica, Pode!  Uma comédia investigativa que fará o público se divertir enquanto tenta descobrir o ou os culpados, estreia no Teatro Ruth Escobar, dia 27 de maio, às 19h30..

Estela, é uma jovem viúva que perdeu seu marido num estranho acidente de automóvel que, depois de muito tempo, fica esclarecido que o freio foi cortado, mas a história toma outro rumo e quando todos acham que o crime está solucionado, outro detalhe entra em cena… E tudo muda.  Entre os suspeitos estão o mordomo (sempre o mordomo!), o motorista, a amante e a própria Estela.

Copia_de_seguranca_de_PATROA RICA PODE flyer_jpg_LIMPA_Ruth.jpg

Patroa Rica, Pode!

Com Paulo Cesar Junior, Mayara Dornas, Diego Muras, Cris Affonso

Teatro Ruth Escobar – Sala Gil Vicente (Rua dos Ingleses, 209 – Bela Vista, São Paulo)

Duração 90 minutos

27/05 até 29/07

Domingo – 19h30

$60

Classificação 12 anos

A PROFISSÃO DA SRA. WARREN

Com diálogos ácidos e brilhantes, a tragicomédia A Profissão da Sra. Warren, do irlandês Bernard Shaw, considerado um dos maiores dramaturgos de língua inglesa ganha uma nova encenação com direção de Marco Antônio Pâmio e tradução da atriz Clara Carvalho.

A trama começa em uma casa de campo em Surrey, que a jovem e inteligente Vivie Warren (Karen Coelho) alugou para estudar direito. Com apenas 22 anos, a menina foi criada longe de casa e estudou nos melhores colégios e frequenta a Universidade de Cambridge. Por isso, ela não conviveu com a mãe, Sra Warren (Clara Carvalho).

Neste lugar, Vivie recebe a visita de amigos da mãe que não conhecia, como o arquiteto Praed (Mário Borges), um tipo romântico e esteta; o jovem de moral duvidosa Frank Gardner (Caetano O’Maihlan), que logo se enamora da moça; o barão milionário Sir. George Crofts (Sergio Mastropasqua); e o reverendo Samuel Gardner (Cláudio Curi), pai de Frank, o mais velho conhecido da Sra. Warren, cujo passado esconde uma chocante revelação.

Entre discussões fervorosas e bem-humoradas sobre o enriquecimento, a hipocrisia social e os paradoxos morais, a filha descobre que sua educação refinada foi financiada por uma rede internacional de bordéis comandada pela Sra. Warren. A mãe entrou para essa vida por necessidade, mas, no final das contas, torna-se uma bem-sucedida empresária do ramo e trabalha por puro prazer.

Escrita entre 1893 e 1894, “A Profissão da Sra. Warren” foi proibida de ser encenada na Inglaterra e nos Estados Unidos no começo do Século 20. “A peça tem um caráter transgressor, com discussões muito à frente de seu tempo, principalmente no que tange ao papel da mulher na sociedade. Shaw nos fala do hoje tão discutido ‘empoderamento feminino’ quando esse tipo de debate era impensável na época. Ele nos fala de ‘uma nova mulher’: independente, ‘dona do seu nariz’, com opinião e personalidade próprias. Na época da peça, as mulheres sequer podiam votar”, comenta Pâmio.

A montagem assume a opção estética de deslocar a ambientação da trama, que foi escrita na última década do século 19, para os anos de 1950. “Manter a encenação fiel à época original nos faria correr o risco de soar anacrônicos diante de tantas conquistas da mulher durante este século e pouco que nos separa da época em que a peça foi escrita e os dias de hoje. Trazer a história para a atualidade também soaria estranho. Assim, a década de 1950 nos situa nesse terreno intermediário, quase ‘pré-feminista’. Estamos falando de assuntos bastante espinhosos, mas ainda num contexto ‘de época’“, acrescenta.

Essa mudança de contexto implica mudanças na cenografia e figurino. “Os figurinos seguirão essa tendência de uma maneira bastante fiel. O texto possui quatro atos, sendo que nenhum deles acontece no mesmo ambiente. Para evitar a quebra da fluência na narrativa através de trocas de cenário durante os entreatos, optamos por uma cenografia mais neutra e abstrata, em que os ambientes são mais sugeridos do que traduzidos de maneira realista. A trilha sonora preencherá os climas de tensão e distensão da trama, alicerçada fundamentalmente nos embates verbais entre os personagens e as ideias que eles defendem, através não só de temas musicais mas também de outras sonoridades”, comenta o diretor.

31934845_206714629934277_3473220102428557312_n

A Profissão da Sra. Warren

Com Clara Carvalho, Karen Coelho, Caetano O’Maihlan, Cláudio Curi, Mario Borges e Sergio Mastropasqua

Auditório MASP (Avenida Paulista, 1578 – Bela Vista, São Paulo)

Duração 100 minutos

11/05 até 22/07

Sexta e Sábado – 21h, Domingo – 20h

$30/$50

Classificação 12 anos

 

COISAS ESTRANHAS ACONTECEM NESTA CASA

Sucesso absoluto de público, a comédia Coisas Estranhas Acontecem Nesta Casa, do jovem dramaturgo Pablo Diego Garcia, ganha uma nova temporada no Teatro Jaraguá, entre 16 de maio e 16 de agosto, com sessões às quartas e quintas-feiras, às 21h. A peça tem direção geral de Marcio Macena (diretor de Rita Lee, o musical e Pedras Azuis), co-direção de Marisa Orth e elenco formado pelo próprio Garcia, Bruno Sperança, Deo Patricio, Daniel Aguiar e Almir Martins.

Recheado de situações absurdas e hilárias, o espetáculo revela a reunião de cinco figuras excêntricas presas em uma mansão assombrada por segredos de um barão morto misteriosamente. A ideia é criar uma divertida reflexão sobre a diversidade, a família que podemos escolher, os monstros que precisamos enfrentar para sobreviver e os problemas que devemos enterrar no nosso jardim.

Nesse casarão, localizado na serra de Campos do Jordão, vivem Fleury, Kleber e Alfredo, homens dramáticos, afeminados e falidos, que se odeiam. Para sair da pindaíba, eles tentam preparar um jantar delicioso para a socialite Marcela Vitanozzi, que está interessada em contratar o costureiro sem talento Alfredo.

As coisas começam a dar errado quando o velho Fleury, que está perdendo a memória, esquece a panela de pressão no forno e explode o jantar. Durante a refeição, a socialite acaba morrendo misteriosamente e eles tentam desesperadamente enterrar seu corpo no jardim, quando são surpreendidos pela visita de um jornalista interessado em entrevistar a defunta. Eles precisam fazer de tudo para mostrar ao repórter que a falecida continua viva. Muitos segredos serão revelados, uma fortuna em dinheiro estará em jogo e coisas estranhas acontecem pela casa.

O espetáculo estreou em 2016 no Teatro Municipal João Caetano, onde cumpriu duas temporadas lotadas. No começo de 2018, reestreou com grande sucesso no Teatro Augusta e, agora, chega ao Teatro Jaraguá a convite de Carlos Mamberti.

image2

Coisas Estranhas Acontecem Nesta Casa
Com Pablo Diego Garcia, Bruno Sperança, Deo Patricio, Daniel Aguiar e Almir Martins
Teatro Jaraguá – Novotel Jaraguá (Rua Martins Fontes, 71 – Bela Vista, São Paulo)
Duração 90 minutos
16/05 até 16/08
Quarta e Quinta – 21h
$60
Classificação 12 anos

MISSÃO SUPER SECRETA

Quais universos uma criança poderia descobrir se a tecnologia da vida cotidiana parasse de funcionar? Este é o tema do espetáculo infantil Missão Super Secreta, de Thereza Falcão, que estreia no dia 26 de maio no Teatro Raul Cortez, onde segue em cartaz até 15 de julho. O elenco conta com a participação de Thais Müller (que recentemente fez a novela “Os Dez Mandamentos”, na TV Record) e Miguel Romulo (que atuou em “Êta Mundo Bom” e “Joia Rara” na TV Globo) e a direção é de Bel Kutner, atriz e diretora.

A peça revela as brincadeiras de Juca e sua prima Teco, que têm apenas oito anos e precisam encontrar alguma maneira de se divertir em um dia de enchente na cidade onde eles moram. Além da falta de energia provocada pela chuva forte, os dispositivos eletrônicos portáteis da casa ficaram sem bateria.

Esse é o ponto de partida para que as crianças mergulhem em um terreno até então pouco percorrido por eles: o de suas próprias imaginações. Cada móvel, cada objeto da casa recebe um novo sentido, uma nova utilidade nos mundos que eles começam a construir, sempre traçando um paralelo com a própria realidade que os cerca. Juca e Teco vivem uma aventura até então inédita em suas vidas.

A ideia é criar uma reflexão sobre uma forma de diversão tátil e lúdica, mostrando que o poder da imaginação não cabe em uma tela. Além disso, a peça pretende sensibilizar crianças e adultos para a interatividade com o outro, o aqui e agora, muito além das redes sociais.

SINOPSE

Ao se verem em uma pane elétrica causada por mais uma enchente calamitosa na cidade onde vivem e com todos os seus aparelhos sem bateria, os primos Juca e Teco, um menino e uma menina de oito anos de idade, mergulham em um terreno até então pouco percorrido por eles: o de suas próprias imaginações! Cada móvel, cada objeto da casa recebe um novo sentido, uma nova utilidade nos mundos que eles começam a construir, sempre traçando um paralelo com a própria realidade que os cerca. Juca e Teco vivem uma aventura até então inédita em suas vidas.

CARMEN (2).png

Missão Super Secreta
Com Thais Müller e Miguel Romulo. Stand-in: Mari Cerrone e Caíque Nogueira
Teatro Raul Cortez (Rua Dr. Plínio Barreto, 286 – Bela Vista, São Paulo)
Duração 60 minutos
26/05 até 15/07
Sábado e Domingo – 16h
$60
Classificação Livre